# #

Sou corno e minha mulher é bissexual – Parte 3 (Final) – Passando de casal para trisal

1307 palavras | 3 |4.80
Por

Parte final do conto onde o marido fala como sua esposa virou bissexual

Depois daquele dia no swing, minha mulher passou a gostar cada vez mais de buceta. E não só as que conhecia no swing, mas muitas outras: do trabalho, da vizinhança, de aplicativos de parquera e até de surubas lésbicas. Sim! Minha mulher passou a ir em surubas lésbicas!

No começo, ela até dividia comigo as bucetas que conhecia. Com o tempo, só me deixava bater uma punheta enquanto eu olhava a foda. Mais recentemente, ela me fazia pedir autorização para bater punheta! Eu pedia e nem sempre ela dava!

Nessa época, a gente fez um combinado: ela continuava saindo com as bucetas dela e eu tinha passe livre para fuder com quem eu quisesse. Foi ótimo! Eu tinha prazer em dobro: ver minha mulher com outra e meter com outras mulheres.

Só que ela sempre dava um jeito de tirar uma casquinha das bucetas que eu conhecia. Como naquela vez em que eu levei pra casa a Rafaela, uma colega de trabalho que tava dando encima de mim há muito tempo.

Foi foda esse dia!

Chamei a gostosa pra sair, paguei um jantar caro e levei ela pra casa. Chegando em casa, o meu tesão e o dela tava muito, mas muito forte. Tiramos a roupa e ficamos pelados e nem deu tempo de eu por a camisinha, pois ela já veio com tudo mamando meu pau duro.

Minha nossa! Até as bolas do meu saco ela lambia!

Para ficar mais a vontade e curtir mais a chupada, me sentei no sofá e ela ficou entre as minhas pernas. Ela babava no meu pau e eu ia a loucura! Para me deixar ainda mais excitado, as vezes ela parava de chupar e me batia uma punheta. Sério! Eu quase gozei duas vezes.

Ela ficou uns vinte minutos me chupando. Nisso, minha esposa entrou em casa. Ela estava acompanhada de outra mulher, a Mariana.

Quando ela me viu quase gozando de prazer, não deixou por menos. Puxou Mariana para a parede e começou a beija-lá. De repente, pararam. Vieram em direção a Rafaela e ficaram ao lado dela. Minha mulher á direita, Mariana á esquerda. Se agacharam e começaram a falar no ouvido de Mariana:

– Faz ele gozar logo e vem com a gente – dizia minha mulher, em voz excitante.

– A gente fode melhor do que ele – dizia Mariana, de jeito pervertido.

Rafaela ouvia aquelas putarias e tentava continuar me chupando. Mas não conseguia. Estava se deixando levar por Mariana e minha esposa e começou a de desconcentrar e chupar meu pau sem interesse.

Até que Mariana deu um beijo no pescoço dela e ela não resistiu. Beijou Mariana na boca e, depois foi beijada por minha mulher.

De repente, Mariana se levantou, puxou minha mulher pelo braço e se levantou. Em seguida, as duas levantaram Rafaela e a levaram para o quarto para treparem com ela. Eu tentei correr pra ver se pelo menos conseguia uma punheta, mas não deu.

Mariana fechou a porta na minha cara.

Fiquei do lado de fora, chateado e com o pau quase soltando porra. Coloquei meu ouvido perto da porta e comecei a ouvir os barulhos da foda….era o “fap fap” da buceta de Rafaela sendo dedilhada, eram os beijos quentes entre as três, eram os gemidos agudos delas e até os insultos a mim:

– Aquele macho ali fora fode mal…a gente vai fazer você gozar mais do que com ele.

Excitado, coloquei a mão no pau e comecei a bater uma forte punheta. Gozei rápido! Gozei muito! Cansado, voltei para o sofá e fiquei deitado, só ouvindo de longe o orgasmo daquelas três gostosas.

Meia hora depois, a porta do quarto se abriu. Minha mulher e Rafaela saíram juntas de lá e vieram em minha direção. Naquele momento, não sei por que, achei que ia rolar um menage. Mas não rolou. Minha mulher se afastou e trouxe Mariana pra mais perto de mim. Em seguida, jogou umas camisinhas no chão e me debochou, dizendo:

– Taí!Ela é toda sua. Pode foder mal com ela a vontade…até por que ela já gozou bastante…ah, outra coisa: parabéns, você tem bom gosto para mulher… ela geme e mete muito bem…

Depois, ela voltou pro quarto e ficou fodendo com Mariana.

Rafaela se deitou sobre meu corpo e começou a se esfregar no meu corpo. Aos poucos, fui me excitando de novo e meu pau ficou duro. Rafaela pegou nele com força e bateu uma punheta.

Depois, ergueu o braço e pegou uma das camisinhas do chão. Abriu o pacote, colocou no meu pau, e fez um longo boquete, igualzinho aquele do começo da noite.

Excitado e louco para fuder, virei o corpo dela de barriga pra cima. Encaixei meu pau em sua buceta e meti com força umas cinco vezes. Gozei pra caramba! A minha camisinha ficou cheia de porra.

Depois, saí de cima dela, tirei a camisinha do meu pau e a abracei. Fiquei um tempinho ali com ela, curtindo o orgasmo. Nisso, Mariana e minha esposa saem do quarto de mãos dadas e sorrindo. Se aproximam do sofá e perguntam pra Rafaela:

– E aí, gostosa, foi bom?

Mariana deu uma olhada pra mim, meio que pedindo desculpas e respondeu a elas:

– Não bom quanto você, mas foi. Ele até que mete bem…

– É…cara…parece que eu trouxe mais uma para o time da buceta – disse minha mulher, me debochando.

Fiquei com cara de tacho, mas não disse nada. Apenas me levantei e me vesti. Rafaela se levantou logo depois e disse que precisava voltar pra casa pois tinha que trabalhar no dia seguinte. Eu, minha esposa e Mariana tentamos convencê-la a ficar. Mas não teve jeito.

Ela se vestiu e me pediu para levá-la pra casa. E eu a levei.

Chegando lá, tive outra surpresa. Ela se despediu com um beijo, e depois chupou meu pau até eu gozar. Depois saiu do carro e entrou em casa.

Voltei alegre e leve pelo caminho. “Como chupa bem essa gostosa…nem me importo se ela continuar fudendo minha mulher…desde que me chupe, tá tudo certo”, pensei.

Quando cheguei em casa, Mariana e minha esposa estavam trepando de novo.

Pedi autorização pra bater uma punheta. Minha esposa não autorizou. Então fiquei ali, de pau duro sem poder bater, vendo o prazer delas. Dessa vez até squirt rolou.

Quando elas terminaram, minha esposa deixou eu bater uma. Bati com força. Quase descascando o pau.

Quando terminei de gozar, minha esposa e Mariana se levantaram do sofá. Minha esposa a apresentou pra mim:

– Essa é a Mariana e ela vai morar aqui…Ela é lesbica.

– Ué, se ela é lesbica, então eu tô fora? – perguntei choroso.

– Não. Vai ser um trisal diferente. Eu, você e ela. Você meu marido corno punheteiro e ela minha esposa gostosa. O que acha? Se aceitar, eu deixo você bater punheta todas as vezes que a gente fuder…

Não sei o que me deu na cabeça de cima (na debaixo deu um tesão da porra) que eu aceitei a propost.a

Hoje vivemos aqui nós três, eu, minha esposa e Mariana. Meu passe livre pra fuder outras bucetas continua, mas sempre ofereço a buceta da vez para as duas. E elas sempre topam. E todas as vezes que elas fodem,eu assisto e bato uma.

Estou cada dia mais punheteiro, ainda mais que agora as duas resolveram fazer surubas lésbicas com outras mulheres aqui em casa. Imaginem a putaria que rola. Imagem como meu pau fica esfolado…

FIM

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,80 de 5 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

3 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Casal cambirel crs e d4 ID:muirlvp40q

    Muito boa sua história, ate ja fiz isso com minha esposa. Mas ser humilhado pela sapatona eu não aceito, minha casa minha esposa minhas regras. Aqui tem macho alfa..!!!

    • Leitor ID:8d5ijpgd9ir

      Concordo com vc.
      Não sei o que tem nesses sites que 99% dos contos os homens tem que ser humilhados ou virar vindo.
      Acho que só é sapatão e vindo que escrevem contos

    • Escritor de putaria ID:bemljnvt0c8

      Oi Leitor. Não sou sapatão nem viado. Apenas tenho um fetiche. Só isso.