# # #

Fui iniciada por uma garota mais velha

970 palavras | 7 |4.45
Por

Aos 12 anos fui iniciada por uma colega de escola. História parcialmente real.

Minha iniciação começou cedo.

Desde muito nova (9 anos) comecei a descobrir minha sexualidade, eu já brincava com minha bucetinha mesmo não sabendo o que minhas brincadeiras significavam, e sempre escondido pois em casa tudo era muito rígido.

Com 10 anos ganhei meu primeiro computador mas só com 11 tive Internet pela primeira vez e ali eu conheci um mundo novo, a pornografia não era de fácil acesso, mas eu conseguia chegar em alguns vídeos, na época havia um aplicativo de baixar músicas e vídeos e vez por outra aparecia um porno e eu ia salvando, a noite quando minha mãe dormia eu ia assistir e me tocar, nunca tinha tido um orgasmo mas adorava a sensação de tocar meu clitóris enquanto assistia aqueles vídeos.

Logo achei um site com muita variedade mas o que eu mais gostava era ver vídeos de sexo lésbico, vendo um vídeo assim eu tive meu primeiro orgasmo, foi uma loucura, foi intenso, eu fiquei assustada e deixei de assistir e me tocar por um tempo.

Pouco depois de completar 12 anos eu já sabia alguma coisa sobre sexo, na teoria, na prática apenas masturbação várias vezes ao dia, até na escola eu me tocava, era a melhor sensação do mundo, mas eu começava a me cansar de fazê-lo sozinha, queria uma companhia mas não fazia ideia de como fazer isso.

Eu era uma zero a esquerda socialmente, não tinha amigos, eu era uma adolescente bonita, negra de pele clara, meio cheinha mas não gorda, olhos grandes e negros, cabelos cacheados amarrados num rabo de cavalo ou soltos vez por outra, tinha peitinhos já médios e uma bundinha que chamava atenção de alguns marmanjos mas não dos meninos da minha idade, e sendo honesta eu não queria menino nenhum e sim uma menina, mas elas me desprezavam até como amiga.

Tudo mudou quando na minha sala chegou uma aluna mais velha, todos tínhamos por volta de 12/13 anos e ela chegou com seus 17 anos muito bem distribuídos, aos meus olhos era uma mulher perfeita, branquinha, os olhos verdes brilhantes, cabelos loiros e curtinhos pelos ombros, tinha tatuagens espalhadas pelos braços, tinha um estilo alternativo e eu amei aquilo.

Ela veio sentar perto de mim, me olhava a todo momento e vi ali minha chance, na hora do recreio fui falar com ela.

– Oi, seja bem vinda viu – Falei sem jeito e ela riu.

Pegou minha mão e me levou para atrás de todas as salas, onde tinha um cantinho escondido, eu curiosa ela risonha, tirou um cigarro da sua bolsa e acendeu, eu olhava maravilhada.

– Gosta do que vê, criança?

– Não sou criança nenhuma – Falei metida de nariz em pé, ela me olhou de lado.

– Tu é pirralha ainda, sabe de nada da vida

Ela estava provocando e eu caindo.

– Eu sei sobre sexo, parece adulto pra você?

Seus olhos se arregalaram em minha direção e uma risada saiu de sua boca, ela apagou o cigarro e chegou mais perto de mim, eu fiquei nervosa.

– Ah é? E já fez sexo com alguém? – Neguei com vergonha de falar, eu deveria estar vermelha igual um tomate – Quer fazer?

Olhei pra ela, era minha chance, fiz que sim com a cabeça, ela se levantou e me empurrou com delicadeza até me deitar no chão daquele esconderijo.

Eu estava trêmula, ela veio por cima de mim me perguntou se eu já tinha beijado e eu disse que já tinha beijado um primo, ela riu da minha cara, e começou a me beijar, eu toda sem jeito, ela pediu calma para deixar ela levar o beijo e assim fiz, ela ditou a velocidade e os movimentos, eu sentia sua língua passeando por toda minha boca, ela chupou minha língua, eu sentia minha buceta em chamas, comecei a rebolar e ela notou.

Começou a se esfregar em mim, passando o joelho pela minha buceta molhada, desceu os beijos para meu pescoço e eu só suspirava, ela desceu até meus seios e os apertou com força, levantou a blusa e o sutiã e os chupou com a mestria, eu gemia baixinho com medo de sermos pegas.

Ela desceu minha calça do uniforme e minha calcinha, eu olhei quase implorando por seu toque, sua boca chegou a minha buceta e ela lambia e chupava com vontade, eu me derreti toda, sentia meu corpo tremer, minha buceta se fechar contra o nada.

De repente seus dedos entraram em mim devagar e com delicadeza, eu era virgem e estava esperando uma dor enorme mas apenas um desconforto ficou ali, ela percebeu e deixou os dedos parados, deixando meu corpo se acostumar, mas continuou chupando e mantendo meu corpo aceso, quando eu estava prestes a gozar ela voltou a movimentar os dedos mais rápidos dessa vez, eu ainda sentia um leve desconforto mas o orgasmo estava próximo.

– Goza putinha, goza…

Olhei em seus olhos e rebolei em sua boca ela aumentou a velocidade da chupada e das estocadas e eu gozei em um grito mudo, meu corpo teve espasmos e ela me segurou.

Eu respirava forte, nunca gozei tão intensamente.

– Calma criança, respira

Eu respirei fundo e ela me deu um último beijo, senti meu gosto misturado com o seu, ela terminou o beijo com alguns selinhos e se levantou indo embora e me deixando ali, logo o sinal do final do recreio acabou e eu me vesti rápido para ir a aula.

Nunca esqueci daquele dia, da minha primeira vez, do quão gostoso foi, e principalmente das vezes que vieram a seguir.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,45 de 22 votos)

Por # # #

7 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Nataliaferrr

    adorei,vai ter continuação?

  • Responder Alemão

    Muito legal seu conto queria ver duas mulheres se pegando esfregando até gozarem deve ser uma delícia parabéns pelo seu conto

  • Responder Aninha Leles.

    Delícia , beijos linda 😘💖

  • Responder Osvaldo

    Gostei legal tem mais ?

    • Leticia

      Cadê a continuação do conto da sogra?

  • Responder Rafaella

    Que lindinhas.. Beijos