#

Eduarda 9 aninhos e eu vou fuder de novo

1723 palavras | 7 |3.63
Por

Não tem muita putaria nesse conto, é mais enrolação pra vocês entenderem como eu consegui comer a Eduarda de novo.

Desde de que encontrei com a Eduarda no mercado a menina não sai da minha cabeça, eu passo horas vendo e revendo o vídeo que gravei dela naquela noite e vou naquele mercado quase todo dia na esperança de encontrar ela de novo, mas até uma semana atrás não via nem ela e nem a mãe dela, nem msm na rua. Mas semana passada isso mudou, eu tirei as horas que tinham acumuladas no trabalho e peguei 1 mês de folga praticamente, e resolvi não fazer nada nesse tempo, só ficar em casa e aproveitar a quarenta, mas um amigo meu que folgou junto comigo resolveu viajar com a família, eles foram pescar numa cidade a uns 100 km daqui e por medo de deixar a casa sozinha e alguém roubar eles pediram pra eu ficar na casa e cuidar pra eles, seriam só dois dias e a casa deles é incrível, pequena mas muito bem feita e faz a minha que é maior e muito bonita parecer um barraco velho, como eu só queria ficar de boa mesmo eu não vi problema e aceitei. Eles foram numa sexta bem cedo e só voltavam no segunda de madrugada, passaram na minha casa umas 6 e pouco da manhã pra deixar a chave falar onde estava a ração do cachorro e seguiram a viajem, como tava cedo ainda eu voltei pra cama, e lá pelas 10:30 mais ou menos eu fui pra casa deles, que é bem longe da minha e eu demorei uns 20 minutos pra chegar, eu já conhecia a casa e já cheguei ligando a TV e colocando um filme pra assistir, coloquei ração pro cachorro e fiquei de boa assistindo meu filme. Quando o filme tava quase acabando eu escutei um barulho de algo caindo no telhado e depois alguma coisa caindo no chão e quebrando, era um dos vasos de flor que tinha no quintal e tinha uma bola perto, ou seja alguém chutou a bola no telhado e ela caiu em cima do vaso e derrubou ele no chão, eu fiquei puto da vida porque meu amigo é apaixonado nesses vasos e iria encher meu saco por causa disso, escutei um barulho de crianças no portão e fui louco pronto pra mandar todos tomarem no cu, mas quando eu abri aquele portão meu amigo advinha quem eu vejo na minha frente… Eu não sei se foi deus, se foi o diabo ou só o acaso msm, só sei que quando eu abri aquele portão ela tava ali bem na minha frente, com um chinelo de dedo, um shortinho rosa bem larguinho e uma camiseta regata branca completamente encardida de terra, era a porra da Eduarda em todo sua mais perfeita beleza, com o cabelo todo bagunçado e a testa pingando de suor ainda assim ela é de longe a criança mais linda que eu já vi, tinha mais um monte de molequinho junto com ela e mais uma menina também que não reparei muito, quando eu vi a Eduarda eu congelei e na minha mento eu só pensava “caraio caraio caraio caraio”, e ela ficou parada no meio fio me olhando com o rosto sem expressão nenhuma sei lá por quanto tempo, até que um dos moleque gritou pra ela.
– Pede a bola Eduarda
Isso trouxe nois dois de volta pro mundo real e ela deu dois passos na minha direção.
– Tio a nossa bola caiu ai no seu quintal…
– É eu vi, ela bateu em um vaso que tava no murinho e acabou quebrando ele.
– Desculpa, não fui eu que chutei.
A carinha que ela fez e aquela voz me fizeram perder a vontade de brigar com eles na mesma hora.
– Tudo bem não tem problema, só toma mais cuidado pra não fazer de novo.
– Tá bom, a gente vai chutar mais fraco, você devolve a bola pra gente?
O sussurro do capeta veio no meu ouvido na hora, “pede pra ela entrar e pegar”, eu não sou idiota e sabia que não dava pra fazer nada com a menina no momento, mas eu podia olhar ela mais um pouco e começar uma conversa, então liguei o foda-se e decidi apostar tudo.
– Pode entrar e pegar eu tô colocando água pro cachorro.
Eu dei as costas e deixei o portão aberto, passou poucos segundos e ela hesitou em entrar, até pensei que não ia mas escutei os chinelos batendo e os passos dela entrando, acho que abri um sorriso que dava pra ver até de costas, quando ela chegou perto eu mostrei o vaso quebrado.
– Olha aí oque vocês fizeram, e esse vaso custa muito caro.
– Desculpa tio, não fui eu que chutei foi Henrique, ele chutou e saiu correndo mas se você quiser eu digo aonde ele mora.
– Não precisa não, na verdade eu tô mais interessado em saber onde você mora, eu nunca tinha te visto por aqui.
– Eu também não sabia que você morava nessa casa, achei que era aquele outro homem.
– E é ele mesmo que mora aqui, ele é meu amigo e foi viajar aí eu fiquei cuidando da casa pra ele.
– A entendi, ele é bem legal sempre devolve a bola pra nois, e deixa a gente brinca com o cachorro também.
– É porque vocês são crianças e ele é bem legal, mas quando souber oque aconteceu com o vaso dele ele vai ficar muito bravo comigo.
– É mesmo? Ó tio o pai do Henrique e bem rico ele pode pagar por esse vaso.
Tava mais do que claro que aquela menina era pobre então pra ela qualquer um que tenha um carro bonito era rico, mas minha mente foi rápida pra tirar vantagem daquilo.
– Tá tudo bem não precisa, pode deixar que eu mesmo pago, mas vai custar muito caro pra mim, você bem que podia me recompensa né?
– Como assim?
– Olha, eu vou ficar triste por ter que gastar dinheiro com um vaso novo, então pra me deixar feliz você podia me dar um beijinho no rosto, que tal?
Falei isso mostrando a buchecha, e ela fez uma cara de medo, acho que lembrou do nosso primeiro encontro e ficou calada.
– Não precisa ficar com medo, eu prometo que não vou te machucar igual aquele dia, é só um beijinho no rosto e se você quiser eu te dou 10 reais depois que tal?
– Promete que não vai fazer igual na festa?
– Eu prometo.
Eu me ajoelhei e ela veio devagarinho aproximando a boca, me deu um beijo rapidinho e já se afastou, mas deu pra sentir os lábios molhados dela e meu pau ficou igual uma pedra.
– Viu não foi tão ruim ou foi?
– Não…
– Agora eu já tô mais feliz, nem ligo de comprar um vaso novo.
– E o dinheiro que você falou que ia me dar??
Olha que putinha do caralho ficou com medo mas não esqueceu do dinheiro, da pra tirar uma vantagem enorme disso e eu não pensei duas vezes em levar ela na conversa.
– Eu não tô com o dinheiro agora, mas faz assim, depois que você terminar de brincar você me chama no portão e aí eu te dou, agora pega a bola e vai senão seus amigos vão ficar pensando besteira.
– Tá bom.
Quando ela virou pra pegar a bola eu meti a mão na bunda dela e apertei um pouco, ela deu um pulinho pra frente mas ficou parada sem fazer nada, eu “massageei” a bundinha dela mais um pouco, soltei e disse baixinho…
– Depois te dou mais 10 reais por ter feito isso tá bom? Me desculpa.
Ela me olhou com uma cara um pouco assustada.
– Tá, depois eu venho então.
Aí pegou a bola e saiu andando calmamente até o portão, eu fui logo atrás olhando pra ela imaginando mil coisas que eu queria fazer com ela, ela saiu e foi com os amigos dela e quando eu fui fechar o portão ela me olhou de novo, mas não com um rostinho de medo, tava mais pra vergonha pelo olhar dela, talvez ela já tivesse imaginando oque eu tava querendo, e eu fiquei pensando que ela deve achar que eu quero fazer com ela o mesmo que fiz na festa ( estuprar, fude ela igual uma puta e encher a bucetinha dela de porra), mas se ainda assim ela vier pegar o dinheiro, então não vai ser muito difícil eu conseguir comer aquela bucetinha rosinha de novo. Depois disso a sanidade voltou e eu fiquei com o cu na mão, e se algum amiguinho dele tiver visto? O portão tava aberto o tempo todo, e se alguém passando na rua viu eu com a mão na bunda dela? E se ela tiver com medo e acabar contando prós amigos ou pior, pra mãe dela? Eu estaria mais fudido que ela.
Mas não foi isso oque aconteceu, a história seguiu do jeito que eu queria e que vocês já devem imaginar qual é, mas não vou contar agora, esse conto já ficou muito grande. Eu sei que não foi muito excitante e nem foi um cinto erótico de verdade, foi só enrolação. Mas eu gosto dos detalhes, acho que deixam a história melhor, então tenha paciência que eu garanto que quando terminar de contar tudo vai valer muito a pena. Não vou demorar pra contar o resto, amanhã ou hoje mesmo já vem a terceira parte e talvez até a quarta, e se vocês quiserem eu conto outras experiências que eu já tive, tenho histórias com outras menininhas, tenho com adolescentes, com casal e tenho uma experiência gay também. Aí vai de vocês se acharem que meus contos são legais, mas lembrem que eu gosto de detalhes então vão ser todos muito erolados.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,63 de 16 votos)

Por #

7 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Gillll

    Gostei dos contos. Quando vc for contar as outras histórias comece a contar história da sua primeira vez com as meninas ou da sua adolescência. Gosto de como contam como iniciaram no sexo.

  • Responder Anônimo

    É uma dica muito bom o conto mais vou dar uma dica eu recomendo se for escrever um conto só enrolando manda no mesmo dia dois contos daí assim que a pessoa terminar um ele já vai para outro

    • Empilhadeira

      É uma boa ideia cara, é que eu gosto de contar a história bem detalhada pra não ficar sem sentido, aí como escrevo pelo celular eu não sei se fica muito grande, mas acho que o próximo vai ser maior, umas 5 mil palavras mais ou menos, fica mais fácil

  • Responder Vantuil OB

    Beleza Empilhadeira. Vou ficar esperando a continuação

  • Responder o canalha

    que palhacada fazer agente perder tempo de essa merda

    • Empilhadeira

      Mas tava escrito na descrição do conto que era só enrolação, tu leu ainda assim e esperava alguma coisa?

  • Responder Anônimo

    Ainda bem que vc filmou a primeira vez na festa assim fica mais fácil fuder essa putinha