# #

O Flagrante 2

1055 palavras | 6 |4.76
Por

Esse é uma continuação do primeiro relato. Como eu disse no relato passado, eu flagrei meu pai comendo meu irmão no início de uma tarde. Vou deixar aqui o link para que vocês leiam e possam se situar de toda a situação.
/2020/01/o-flagrante/

Alguns dias depois do flagra, eu os peguei transado de novo e assim aconteceu por diversas e diversas vezes. Mas o que eu quero contar hoje é sobre o dia que eu vi meu pai, meu irmão, márcio (amigo do meu pai, 52 anos, aparentemente 1 metro e 80 de altura, um corpo normal pra idade com uma barriguinha leve de cerveja, peito peludo, ele usa um cavanhaque que é seu charme) e seu filho caçula (Matheus, 8 anos, branquelo e magrinho, quem o olha tem a impressão que ele é mais novo, o que mais chama atenção nele é sua boca carnuda e bem vermelha), fodendo.
Era um sabadão de calor aqui em Palmas, fazia uns 35 graus e o sol estava queimando. Por volta das dez da manhã acordei com barulho de crianças brincando, e lá estavam meu irmão e seu amigo Matheus pulando na piscina e fazendo toda uma algazarra. Fui passando pela cozinha e cumprimentei minha mãe e a esposa de Marcio e fui até a área do fundo falar com meu velho e seu amigo.
– E ai seus velhos, dez da manhã e já estão na cerveja?!
Marcio logo me deu abraço e me ofereceu um copo no qual recusei. Sentei com eles ali e ficamos conversando por um longo tempo. Almoçamos, eles bebiam e jogavam um baralho, as mulheres não paravam de fofocar e os meninos estavam o tempo todo na piscina. Por volta das 16h minha mãe e a esposa de Marcio avisaram que iriam ao salão.
Os garotos logo saíram da piscina e vieram comer carne, no qual o Matheus sentou no colo do seu pai, eu não tinha a visão da cintura deles pra baixo, a mesa tampava, mas deu pra perceber que o garoto não parava de se mexer, e nesse momento eu comecei a pensar: “será que ele faz com o filho dele também?”. Lembrando disso e de tudo que acontecia com meu pai e meu irmão eu logo resolvi falar que iria sair, mas era só um disfarce pra ver se eu flagraria algo. Dei tchau pra todos, sai pela porta da frente e esperei uns dez minutos para entrar silenciosamente de novo em casa. Bom, meu palpite foi certeiro, porque fui pela lateral da casa e a visão que eu tive foi surreal de gostosa. Meu irmão e Matheus estavam ajoelhados ao lado de Marcio disputando quem mamava aquela pica, que pro meu espanto era bem grossa.
Os garotos disputavam aquela rola, era bonito demais de ver. Meu pai que estava do lado batendo uma punheta, logo puxou Matheus e o colocou pra mamar no seu cacete. Meu pai gemia e guiava a cabeça do garoto, ia pouca coisa pra dentro, mas ele gemia forte e ficava falando:
– vai Teteus, mama a piroca do tio vai, mama que eu sei que você gosta.
Marcio já havia mudado de posição e estava com meu irmão de quatro em cima da mesa de madeira que tinha ali, ele estava com a cara enfiada no rabo do meu irmão e parecia tá vendo estrelas do tanto que gemia. Marcio chupava aquele rabo de uma forma, o garoto revirava os olhinhos e cada tapa que Marcio dava, ele gemia fino de dor.
Depois de um tempo Marcio levantou, cuspiu na mão e passou no pau e pincelou aquele cuzinho, e começou a enfiar, a rola ia entrando sem encontra muita resistência, mas meu irmão gemia e pedia:
– Tio coloca devagar, seu pau é muito grosso.
– É grosso, mas você aguentou inteiro de primeira quando eu te descabacei.
Marcio ia enfiando seu pau até que ficou de fora só as bolas. Nesse momento ele puxou a cabeça do meu irmão e tascou um beijão. E ali iniciou as metidas naquele rabo. Metia em um vai e vem lento.
– Sente a rola do tio sente, pisca o cuzinho
Meu irmão gemia e pedia pra ir mais fundo, ele já estava entregue. Ele já mexia sua bundinha que ficava pequena perto daquele corpo de homem feito que estava arregaçando seu cuzinho. Estava tão entretido com eles fodendo que havia esquecido do meu pai com Matheus, foi quando ouvi o pequeno gemendo e me excitei quando vi que meu pai estava sentado e o garoto estava com a rola toda enterrada dentro dele, e quicava e gemia em sincronia.
– Isso quica na rola do tio quica, seu pai te ensinou direitinho em tetéus
O garoto gemia e revirava os olhinhos, meu pai dava beijos naquela boca que ficava mais vermelha ainda com os chupões.
Ain, tio ta tão gostoso, continua vai – gemeu Matheus com uma voz fina
Meu pai empurrava com força no garoto, logo mudaram de posição e ficou meu irmão e Matheus de frango assado, agora cada um com seu respectivo pai que gemiam alto
Pqp márcio esses garotos dão de dez a zero em qualquer mulher, tu fez um trabalho bem feito demais – meu pai falava entre gemidos
Cara esses meninos nasceram pra levar vara – márcio falava suspirando
As metidas estavam frenéticas nos garotos que gemiam muito também. Logo os homens começaram a anunciar que iam gozar.
Ahhh, caralho to gozando, to enchendo teu cuzinho de leite filho – Marcos gemia e falava aos gritos
Toma sua puta, toma o leite do teu pai, esse cuzinho nasceu pra isso Ahhhh caralho – meu pai gemia alto
Os gemidos e as socadas foram sessando, quando tiraram seus paus de dentro dos garotos, começou a escorrer leite. Os meninos foram correndo pra ducha, enquanto meu pai e Marcio subiram suas sungas e encheram um copão de cerveja. Pareciam cansados.
Corri pra rua pra poder fingir que estava chegando em casa….
É isso, não escrevo muito bem, mas espero que tenham gostado. Outra hora volto com mais algum flagra.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,76 de 25 votos)

Por # #

6 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Luffy1

    Porque você não entra na brincadeira frles

  • Responder @a.henrique.bg

    Muito bom de mais! Curte trocar ideia no telegram? Chama aí: @ahenriquebg

  • Responder Capx

    Só meu demore um ano rsrs continue logo

  • Responder luiz

    que maravilha de conto!!! pode continuar vou ficar viciado nesses teus contos

    • @teleyure

      Bom demais quando o pai inicia os filhos

  • Responder Anônimo

    Muito bom o conto, continua por favor