# # #

Mamãe me flagrou trepando com papai

1413 palavras | 6 |4.26
Por

Olá leitores, vou contar um pouco da minha relação com meu pai, e sobre o flagra que mamãe deu na gente. Meu nome é Jade, meu pai se chama Rodrigo e minha mãe Susana. (Nomes fictícios para manter a privacidade)

Já tem uns dois anos que meu pai tirou minha virgindade, com 13 anos, desde pequena ele gostava de me colocar no colo e eu tinha minha paixonite nele, por isso gostava de instigá-lo. Toda vez que ele me botava em cima dele eu ficava esfregando minha bunda no pau dele, rebolando, e sentia ele crescer bastante, muitas vezes só de calcinha pra sentir mais, minha mãe nunca ligou, ela sempre falava pra ele que era bom que eu fizesse isso nele e não na frente dos outros.

Eu não entendia, só gostava de ficar me esfregando nele sempre, e as coisas começaram a melhorar com o passar dos anos, meus pais começaram a ficar liberais com relação ao que vestir. Dentro de casa passamos a não usar nada, a partir daí vira e mexe ele passava a mão em mim, me acariciando lá em baixo, esfregando meus peitinhos, eu já tinha começado a procurar saber o que era aquela sensação gostosa que ele me fazia sentir, comecei a ver vídeos de putaria de coroas acariciando menininhas e eu adorei. Perguntei a mamãe sobre isso e ela me pediu pra não ficar vendo esses vídeos, eu era muito pequena pra isso, mas nunca falava nada quando meu pai começava a esfregar minha bucetinha e meus peitinhos pequenos.

Pouco depois de completar meus 13, meu pai me mostrou um vídeo sexual e falou que conversou com minha mãe e que eu já podia ver, e que se eu gostasse ele ia fazer tudo aquilo comigo. Eu fiquei feliz e assisti quietinha, quando fui ver ele já estava me esfregando a buceta de novo, comecei a gemer igual a putinha do vídeo, toda molhada.

– Filha, você já geme como uma safadinha, aprendeu rápido assim? – Perguntou bem excitado no meu ouvido.
– Não papai, eu já vi vídeos assim antes, mas mamãe me pediu pra parar. – Respondi suspirando.
– Humm. E você gosta do que vê?
– Gosto. E vou gostar mais ainda se o senhor fizer isso tudo comigo. – Olhei safada.
– Tira a roupa que eu faço minha princesa.

Eu fiquei peladinha só esperando o próximo passo, aquele volume dele já estava fora da calça pertinho do meu rosto, eu perguntei se podia pegar na piroca dele e ele deixou, eu já tava tão molhadinha que não resisti dar uma lambida naquela delícia. Ele ficou maluco quando comecei a chupar, toda hora me chamando de safada, fazendo força pra vara entrar mais na minha garganta, e falando que eu era a putinha dele, tanto é que sou até hoje mesmo namorando. Depois de avisar que estava perto de gozar, ele tirou e me mandou deitar e abrir as pernas pra ele, fiz e logo depois senti aquela língua deslizando na minha bucetinha.

– Aii papai que gostooooso, continua vai, chupa mais sua putinha … – Gemi feito louca.

Ele me fez gozar deliciosamente, meu primeiro orgasmo foi incrível e não parou mais. Aquela piroca já tava no ponto e eu já tava prontinha depois do estímulo dele, senti uma dor absurda mas quando eu vi ele já tava metendo com força, ele me mandava gemer alto aproveitando que mamãe estava no trabalho, eu gozei pouco antes dele e como eu não tinha menstruado ainda ele foi sem camisinha mesmo e gozou litros lá dentro.

Agora voltando a atualidade, continuo trepando com meu pai quase todo dia, já que minha mãe está trabalhando dia sim e dia não. No mês retrasado, ela tinha acertado com um colega para cubrir ele no trabalho, e com isso papai e eu aproveitamos a tarde, só que o colega acabou resolvendo suas pendências e foi pra empresa, ela acabou voltando pra casa, mas já estávamos transando na banheira. Eu estava delirando enquanto sentava na pica dele e gemia feito cadela enquanto ele metia e beijava minha boca. Não percebemos quando ela chegou em casa, mas meu pai estava de frente pra porta e viu ela entrar pelada no banheiro e ficar nos assistindo, ele começou a chupar meus peitos, que aliás já estavam bem maiores, tranquilamente olhando excitado pra ela.

Me assustei quando senti uma boca diferente no meu pescoço, me dando beijos quentes quando vi que minha mãe estava ao nosso lado.

– Tá gostando filha? – Perguntou me acariciando.
– Tô mãe, mas você não tá brava? – Perguntei apreensiva.
– Não meu amor, o que importa é que você tá gostando. É a primeira vez? – Me olhou interessada.
– Não, ele me come à alguns anos, e sempre foi carinhoso. Eu fiquei com medo de te falar pela minha idade. – Respondi sorrindo.
– Não tem problema nenhum, é até melhor você dar sua bucetinha pro seu pai, que te ama e cuida de você, do que com um cara qualquer que vai te usar e jogar fora. Por isso você pode dar pra ele sempre que quiser, inclusive se eu tiver em casa. – Falou toda carinhosa.
– É mesmo mãe. Ok então, você não quer entrar com a gente? – Perguntei mordendo o lábio excitada.
– Eu quero, e adorei te ouvir gemendo, me deixou mais molhadinha, sei como seu pai é grande e gostoso. – Disse rindo.
– Então vem amor. – Meu pai chamou ela.

Enquanto minha mãe tirava a roupa e entrava na banheira, eu voltei a beijar meu pai e rebolar no pau dele. Minha mãe voltou a beijar meu pescoço e apertar meus peitos, meu pai olhava a gente com cara de tarado falando que queria meter nas duas putinhas dele juntas. Eu quicava e gemia alto, depois gozei sem demora junto com meu pai, com minha mãe puxando
meu rosto pra beijar minha boca, confesso que gostei, mas amava mesmo a boca do meu pai.

Eu me afastei depois e sentei na borda com as pernas abertas, minha mãe veio de quatro se apoiou e começou a me chupar enquanto meu pai enfiava no cuzinho dela, eu ainda não tive coragem de dar o meu. Os gemidos eram altos mas ninguém ligava pra isso, o sexo estava ainda mais gostoso assim, ainda mais com meu pai me encarando e me chamando de gostosa, de putinha do papai. Gozamos quase ao mesmo tempo, minha mãe nos beijou na boca e saiu pra terminar o banho no chuveiro, meu pai me agarrou e ficou brincando de esfregar o pau na minha buceta, eu ficava rindo, gemendo e olhando minha mãe ao mesmo tempo, ela ficou nos assistindo e rindo e depois saiu rumo ao quarto.

Eu voltei a encarar meu pai que tava doido pra me devorar, subi nele de novo e continuei a me esfregar lentamente nele colocando meu peito na boca dele, alguns minutos depois encaixei e sentei de novo, voltei a rebolar e gemer repetindo o quanto era gostoso ser comida por ele, não demorou a gozarmos gostoso, nos últimos anos eu comecei a tomar remédio, e nunca usei camisinha com ele, mas nem nos importamos com isso.

Nossa relação familiar só melhorou de lá pra cá, adoro quando minha mãe chega e eu tô de quatro pro meu pai no sofá com ele enterrado em mim, ou quando antes dele sair pro trabalho de manhã, ele toma café comigo no colo dele, ou quando fazemos aquela putaria todos juntos. Aprendemos a dividir ele entre nós duas, e às vezes ele tem que me dividir com ela na cama, adoro as chupadas que ela me dá.
Arranjei um namorado a uns dias, e ele tá doido pra me comer de novo, eu acabei soltando a real pra ele sobre minha relação sexual com meu pai, ele não viu problema e até gostaria de vir aqui em casa assistir nós dois transando. Eu não vejo a hora de dar pros dois hoje a noite…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,26 de 39 votos)

Por # # #

6 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Teo

    Tem piroca pras duas vadias

  • Responder Rafaella

    Legalzinho.. beijos !

  • Responder .

    Excelente 👏

  • Responder Mauro Campos

    Parabéns pelo conto ! Felicidades pra vocês.

  • Responder Pai de menina

    Delícia de conto. Me fez lembrar de minha filha. Também faço com ela.
    [email protected]

    • Robson Moreno

      Interessante. Conte pra nós!!