# #

O sorriso da minha esposa 1

2967 palavras | 1 |4.75
Por

Foi muito tempo que Anna, uma colega de minha esposa Paola, quis organizar um jantar em sua casa de campo e, finalmente, ele foi combinado para uma sexta-feira alguns dias antes do Natal. Além de minha esposa, Anna convidou dois outros colegas de trabalho: Michela, que também é sua cunhada, e Barbara. Todos eles trabalham em uma empresa farmacêutica. Anna é a mais velha de todas, tendo acabado de completar 40 anos, Michela tem 37, Barbara 25, enquanto minha esposa Paola tem 34.
O convite para jantar tinha sido obviamente estendido aos companheiros de todos e assim, naquela sexta-feira Paola e eu subimos a colina até aquela casa que ficava bem longe das casas vizinhas. Dos outros presentes naquele jantar, eu conhecia Michela, Anna e seu marido Roberto, que tem a mesma idade que sua esposa. Eu nunca havia visto Giulio, o irmão de Anna de 34 anos e o marido de Michela.
Foi realmente Giulio quem abriu a porta quando eu e Paola chegamos, e assim nos apresentamos.
“Como vai, eu sou Lorenzo e esta é minha esposa Paola”.
“Prazer em conhecê-lo, eu sou Giulio. Venha, todos já chegaram”.
Entramos na casa e saudamos Anna, Michela e Roberto, depois minha esposa me levou até sua colega Barbara, que estava com seu namorado Diego, um rapaz alto, marrom escuro, que tinha 25 anos de idade como seu parceiro.
Começamos a falar um pouco sobre tudo, mas principalmente sobre trabalho, o que deixou minha esposa um pouco nervosa, que recentemente ficou estressada com as horas extras que a obrigaram a fazer. Ela estava sempre muito cansada, muitas vezes amuada, sem seu sorriso clássico. No entanto, ela ainda era uma mulher muito bonita, com 1,80 m de altura, cabelos pretos ondulados, olhos verdes, segundo peito, apenas em torno dos quadris e do rabo.
Quando nos preparávamos para sentar à mesa, chegamos na sala Mônica, a filha de doze anos de Anna e Roberto, e Elisa, a filha de onze anos de Michela e Giulio. Mônica já havia dito a seus pais que eles iriam jantar conosco, mas depois iriam imediatamente para a sala para ouvir música, porque não queriam ouvir os discursos de todos aqueles “velhos de quarenta anos”. Anna concordou com o pedido de sua filha, mas brincando disse-lhe para não ofender seus convidados, também porque havia apenas eu, além dela e seu marido, que tinha quarenta anos de idade.
Sentamo-nos à mesa, enquanto Anna e seu marido iam e vinham da cozinha para trazer pratos e muitas coisas boas para comer.
O lugar de Anna era à frente da mesa, à minha direita. Em seus dois lados estavam Michela, à esquerda, e Roberto, à direita. Ao lado de Michela sentou seu marido Giulio, enquanto ao lado de Roberto estava Barbara. Minha esposa Paola estava sentada ao lado de Giulio e tinha Diego, o sócio de Barbara, na frente dela. Eu estava ao lado de Paola e eu estava na frente de Monica, enquanto Elisa se sentava à cabeceira da mesa à minha esquerda.
Por causa da minha posição, fui um pouco excluído da conversa, também porque certamente não havia muito para compartilhar com as filhas de Anna e Michela. Os dois falavam quase exclusivamente um com o outro e, enquanto Elisa parecia ser educada, Monica freqüentemente usava expressões e fazia piadas que logo a deixavam irritada.
Entretanto, fiquei feliz em ver Paola alegre e conversar um pouco com todos, desde que o tema não tenha funcionado.
A noite continuou alegremente e já estávamos a segundos de distância, quando todos nós estávamos sobrecarregados por um estrondo vindo da porta da frente. Isto foi seguido por um ruído de vidro quebrando, tanto por trás como do lado direito da casa. Todos nós nos levantamos, mas assim que saímos da sala, ouvi os gritos de Anna e Michela. Estávamos cercados por quatro pessoas com o rosto coberto de balaclavas, apontando metralhadoras e pistolas para nós.
“Mãos para cima e nada de brincadeiras”!
A voz do bandido que tinha falado tinha sotaque estrangeiro, provavelmente eslavo. Eu levantei minhas mãos e todos os outros também, exceto Diego, que tentou usar seu telefone celular na mesa. Um dos bandidos, no entanto, o viu e o tirou dele, então, junto com seus cúmplices, ele limpou a mesa com força, deixando cair alimentos e suprimentos no chão. Enquanto o resto de nós estávamos petrificados, Mônica tentou escapar para a porta, mas antes de chegar lá, encontrou outras duas pessoas que a perseguiram de volta.
“Sente-se e mantenha suas mãos para cima”.
“Leve tudo, mas por favor não nos machuque”, disse Roberto ao cara que tinha falado e que parecia ser o líder da gangue.
“Se você jogar bem, nada de mal acontecerá com você. Agora sente-se e ponha as mãos no ar”!
Com as armas apontadas para nós, todos nós nos sentamos de costas com as mãos no ar.
Depois de um tempo, vi bandidos andando com cordas e lenços de bolso. Eles passaram atrás de nós e um a um nos amordaçaram e seguraram nossos braços atrás de nós, amarrando nossos pulsos às cadeiras.
Então alguns bandidos revistaram os quartos e jogaram as coisas em sacos para tirar, enquanto outros tiraram a mesa do caminho e nos fizeram voltar com nossas cadeiras, deixando-nos em círculo, mas criando mais espaço entre nós.
O líder da gangue ficou no meio daquele espaço e começou a falar.
“Não vamos machucá-lo, mas temos que ter certeza de que você não tem nada escondido que possa usar e depois queremos suas roupas finas”. Então agora, um a um, você será desamarrado e vendado. Você terá que se levantar, dar dois passos à frente e começar a tirar a roupa, e então nós o faremos sentar novamente, de olhos vendados e amarrados.
Nessas palavras ouvi mugir do lado da sala onde Anna e Michela estavam, que evidentemente queriam dizer algo ao bandido, mas a mordaça não permitia entender o quê.
“Se você não obedecer, será despojado à força por meus homens e acredite que não seria muito agradável para você”, disse o líder da banda.
“Vamos começar com esta senhora”, disse o bandido, apontando para minha esposa.
“Desamarre-a e venda-a”.
“Levante-se e venha à frente. Primeiro tire seus brincos, colares e pulseiras e jogue-os para lá”, disse o bandido, apontando para um saco que tinha sido colocado entre nós.
“Bem, agora tire suas roupas”.
“Vamos lá, rápido. Tire seus sapatos, camisa, saia, meias”, acrescentou o bandido, vendo que Paola estava hesitante.
Eu mantive meus olhos baixos e vi as várias roupas de minha esposa caírem no chão e serem jogadas no saco.
Depois olhei para cima e vi que Paola foi deixada sozinha com seu sutiã e suas calcinhas. À minha esquerda vi Monica e Elisa de olhos baixos, enquanto à minha direita notei que Giulio estava olhando em frente.
“Também sutiã e calcinha. Tire tudo”.
Com essas palavras do bandido, eu engoli saliva e comecei a me preocupar, porque tirar nossa roupa íntima não era, em minha opinião, parte das razões de segurança de que o líder da banda havia falado. Então olhei para cima, talvez para ganhar coragem, e enquanto minha esposa estava tirando as calcinhas, senti novamente o olhar alto de Giulio, que parecia estar direcionado para o traseiro de Paola. A coisa me irritou, mesmo que naquele momento meu pensamento fosse apenas que algo ruim aconteceu com Paola ou comigo.
Minha esposa também tirou o sutiã, permanecendo completamente nua no meio da sala, e cobrindo as mamas e as áreas inferiores com as mãos.
Eu tentei manter minha cabeça erguida e desta vez meu olhar fixo nos bandidos que, atrás de seus balaclavas, tinham todos os olhos fixos no corpo de minha esposa.
“Você é linda, madame, parabéns. Todos na Itália com a rata raspada, agora”, disse o chefe rindo, enquanto minha esposa já estava recuando à procura de sua cadeira com os pés.
“Espere. Nós não queremos que você caia e se machuque. Nós o guiaremos, você se vira para que possamos ver seu traseiro”.
Nessas palavras, dois dos bandidos pegaram minha esposa pelos quadris e a carregaram. Um deles não conseguiu resistir e deu uma boa apalpadela no traseiro da minha esposa, que saltou para frente para escapar das mãos do delinqüente, encontrando a cadeira e sentando-se.
“Bons rapazes, sejam bons”, disse o chefe, ordenando então que o mesmo bandido que havia apalpado Paola amarrasse suas costas à cadeira, deixando-a vendada.
O chefe então apontou para Giulio com a arma: “Agora é a sua vez, senhor. Mas você tem que ir mais rápido”.
Eu mantive meus olhos baixos e, quando os levantei, Giulio já havia sido conduzido nu de volta à sua cadeira por dois dos bandidos. Notei então que, enquanto eles pegavam as roupas para jogar na bolsa, os bandidos estavam levando chaves, carteiras, celulares e tudo mais que estava dentro.
Era a vez de Michaela se levantar e tirar suas roupas.
A esposa de Giulio é uma mulher não tão alta, de cabelos castanhos curtos, com um corpo pequeno. Ao vê-la se despindo, pensei na sensação de aborrecimento que eu tinha tido com Giulio, enquanto ele olhava fixamente para minha esposa. Naquele momento eu disse a mim mesmo que havia sido um pensamento estúpido meu, dada a situação perigosa em que todos nós estávamos e, de qualquer forma, agora era eu a olhar para sua esposa, mesmo que ele não pudesse notar, sendo vendado.
Michela estava se despindo o mais rápido possível, tirando sua roupa com raiva. Foi um momento em que ela já havia dado a volta e encontrado sua cadeira mais facilmente do que Paola havia feito, talvez graças a sua maior familiaridade com o meio ambiente. Mas antes que ela pudesse sentar-se novamente, dois bandidos, sob instruções de seu chefe, a pegaram pelos braços e a bloquearam.
“Senhora, você não ouviu bem as regras, eu acho. “Primeiro pegamos suas roupas, só depois você pode sentar-se de novo. Tragam-na de volta para a frente, vocês dois”.
Michela foi levada de volta ao centro, segurada por seus braços e totalmente exposta.
“Acho que ela tem mamas bonitas, você não acha?”
Michaela, sentindo que os dois bandidos com sua mão livre estavam agarrando seus seios com força, eu tentei sair do caminho, então ela começou a tremer.
Então Michela foi levada de volta para sua cadeira, e foi a vez de Anna.
Assim que sentiu seus pulsos livres, Anna os levou para a mordaça e a baixou.
“Não toque em nossas filhas! Deixe-os em paz”, disse ela em soluços, mas em voz alta.
Os dois bandidos ao seu lado pegaram Anna pelos braços e depois a amordaçaram de volta.
“Tente mais uma vez tirar a mordaça e você verá que suas filhas vão realmente tocá-las. Agora venha e se dispa. Rápido!”
Anna, sempre soluçando, tirou todas as suas roupas com resignação, depois ficou esperando que elas pegassem suas roupas, cobrindo-se com as mãos o máximo possível. De fato, Anna era uma mulher bastante alta, com uma constituição forte e peitos abundantes. Por trás, pude ver que seu traseiro também era grande. Por um momento, meu olhar foi além de Anna e vi que seu marido Roberto, que estava entre os que ainda não estavam vendados, estava mantendo os olhos baixos.
Anna foi então levada de volta ao seu lugar sem ser apalpada.
Era a vez de seu marido Roberto ser vendado e depois levado para o meio da sala. Quando ele estava diante de mim, vi seu rosto enquanto se despia e pensei que aqueles que já estavam de olhos vendados tinham a sorte de não ter que testemunhar essas humilhações.
Roberto foi trazido de volta ao seu lugar.
“Agora a jovem senhora, desamarre-a!”
Os bandidos obedeceram a seu líder, e Barbara foi levada para o meio. Ela estava quase posicionada em minha direção, enquanto atrás dela estava seu noivo Diego.
Barbara também se despiu apressadamente e com relutância. Antes que ela estivesse completamente nua, olhei para baixo, mas depois olhei para cima quando ouvi o líder da quadrilha, que havia se aproximado de Diego nesse meio tempo.
“Rabo fabuloso, parabéns. Essa é sua esposa? Responda-me!”
Diego não disse nada e evitou fazer contato visual com o bandido.
“Bem, vamos ver se ela é sua esposa”. Segurem os braços dela, vocês dois”.
Eu não pude resistir e assisti à cena. Eu tinha Barbara bem na minha frente, toda nua, com seus longos cabelos pretos, olhos verdes e tez escura. Não muito alto, mas proporcionado e com duas tetas pontiagudas. O líder do bando tinha se colocado atrás dela e com suas duas mãos começou a agarrá-la com as mamas e o rabo, então ele disse aos capangas para virá-la e na frente de Diego começou a tocar sua buceta, que pouco antes de eu tê-la visto completamente raspada. Eu vi Diego com o olhar cheio de raiva no rosto.
Em seguida, Barbara foi empurrada em direção a sua cadeira. “Vá, volte ao lado de seu marido”.
Era a vez do namorado de Barbara se despir na minha frente. Ele era o tipo clássico de boa aparência, muito atlético.
Todos estavam vendados naquele momento, exceto eu, Monica e Elisa.
“Desamarre a garota”, disse o chefe, apontando para Monica.
Nessas palavras, ouvi novamente um gemido vindo da área onde Anna estava sentada, que já havia pedido que sua filha e Elisa fossem poupadas dessa humilhação.
Mas o líder da quadrilha parecia nem perceber e fez sinal a dois bandidos para levar Mônica ao centro da sala. Naquele momento, porém, Monica conseguiu sair do seu caminho, tirou a venda e a mordaça e começou a correr em direção à porta da frente, que encontrou bloqueada pela mesa no corredor. Enquanto ela tentava mover a mesa, os bandidos a alcançaram e a arrastaram de volta para o salão. Mônica lutou furiosamente contra os bandidos, mas eles levaram a melhor e a trancaram no chão, bem na minha frente. Enquanto dois bandidos ainda seguravam seus braços, outros dois tentaram tirar sua camisa, mas Monica reagiu, lutou e mordeu.
“Ponha a mordaça de volta antes que eu morda seu braço”, disse o chefe, que entretanto havia se mudado para um canto da sala para vasculhar nossas carteiras.
Mônica, por sua vez, tinha sido presa de barriga para baixo com os pulsos amarrados atrás das costas. Os bandidos conseguiram tirar-lhe a camisa e o jeans, então, agora deixados sozinhos em sua roupa íntima, eles a viraram as costas. Um bandido se aproximou dela e com uma faca ele primeiro cortou seu sutiã e depois suas calcinhas, deixando-a nua. Logo todos os bandidos começaram a apalpar o corpo da garota, primeiro suas pequenas mamas, depois um deles enfiou seu dedo do meio em sua pequena cona.
“Ela é virgem!”
Então um dos bandidos ajoelhou-se diante de Monica, desabotoando as calças e puxando a piça para fora.
“Menina, está na hora de alguém lhe ensinar boas maneiras. Você se lembrará deste momento para o resto de sua vida”.
A garota estava prestes a ser penetrada, quando de repente o bandido foi movido por alguém que o empurrou com força. Ele tinha sido o líder da banda.
“Seu idiota! Mas que porra você está fazendo?! Se você foder essa puta, vamos todos para a prisão perpétua”!
Naquele momento, senti minha piça ficando dura.
Mônica foi levada de volta para sua cadeira e sua amiga Elisa foi colocada no meio da sala. A garota tremia por toda parte enquanto tirava rapidamente a roupa. Quando ela ficou sozinha com sua roupa íntima, Elisa hesitou por um momento e vi duas lágrimas caírem em seu rosto. Depois ela continuou, deixando cair sua blusa e calcinha e depois se cobriu na frente como pôde.
Eu, agora o único que não estava vendado entre nós, observei por trás daquele corpo nu ainda não maduro e à vista daquele rabo redondo, meu pau endureceu ainda mais.
“O cavalheiro gosta de meninas pequenas, estou vendo”.
A frase do chefe de quadrilha, que deve ter me visto olhando fixamente para Elisa, me assustou. Olhei para baixo imediatamente e me envergonhei, porque os outros certamente haviam entendido que a frase também era dirigida a mim.
Elisa também foi recolocada em sua cadeira e por isso foi minha vez de me despir. Eu o fiz o mais rápido que pude, mas novamente me assustei com as palavras de um dos bandidos.
“Olhe, chefe, ele ficou com tesão!”
“Você ouviu isso, lindas senhoras lá embaixo? Esta gostaria de ter uma de suas filhas”!
Eu estava morrendo de vergonha e minha cabeça estava girando. Nua, tentei ir para a cadeira que não conseguia encontrar. Finalmente, um bandido me deu um empurrão e, quase caindo, cheguei ao meu lugar.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,75 de 12 votos)

Por # #

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Pachecao

    Parou porque? Muito esxitante estou com o meu pau super duro e vou agora mesmo tocar uma gostosa punheta pensando em vocês. Continue não demore a publicação