# # #

putinha da família

841 palavras | 3 |4.23
Por

Tirar o cabacinho da filha é um direito do pai. Eu sabia o que estava acontecendo e amava ficar cheia de porra. Se for falar contra incesto nem leia.

Me digam o que eu posso melhorar para servir vocês com as experiências que quero muito compartilhar. Sou nova em escrever aqui.

Eu amo gozar lendo conto de incesto pq sou a putinha da família desde os 7 aninhos. Hoje tenho 26 anos, branquinha, baixinha, peitos pequenos, uma raba grande, com uma carinha de menina desde de sempre. Preciso sempre apresentar o RG por parecer ter uns 15.

Vou contar de quando meu irmão me colocou para mamar pela primeira vez. Minha mãe viajava muito. Eu vivia com meus irmãos e meu padastro. Todas as mulheres da minha família foram iniciadas pelo pai e minha mãe vivia dizendo que o meu era frouxo e por isso tinha deixado ele. Meu padastro sabendo disso sempre passava a mão na minha bucetinha lisinha e dizia que meu cabacinho seria para ele.

O que vou contar com mais detalhes aconteceu quando eu tinha uns 8 aninhos. Eu já mamava quase diariamente no meu padastro (não lembro como começou). Não tem isso de criança não entender e não poder consentir. Com 8 anos eu já me imaginava sendo estrupada por vários homens e queria ser putinha quando crescesse. Eu entendia tanto que comecei a provocar o meu irmão mais velho. Ele tinha 20 anos. Meu padastro começou a reparar que eu não colocava calcinha e sentava de camisola toda aberta na frente do meu irmão. Eu conversei com uma amiga da escola que também mamava o pai e ela me ajudou com umas ideias. Um dia no café da manhã eu disse que não estava muito bem e que queria colo. O meu irmão estava de bermuda tomando café e eu sentei no colo dele pedindo carinho. Ele começou a me fazer cafuné e eu perguntei:
– Paulo pq você não me dá carinho na xoxota como o papai (eu chamava assim meu padastro).
Ele engasgou, mas senti o pau dele endurecer na minha bunda e eu comecei a dar uma reboladinha.
– Sofia o que você está dizendo? O que ele está fazendo com você?
– ele dá carinho na minha xoxota. Se eu engulo todo leitinho ele me chupa e eu gosto muito. Ele diz que meu cabacinho é dele e eu quero dois paus em mim igual na revista que eu vi no seu quarto. (eu entrava escondida e me tocava vendo pornografia)

O Paulo ficou louco. Ele me colocou em cima da mesa, abriu minhas perninhas e bateu uma sirica pra mim. Eu pedi para ele me chupar (eu gosto até hoje de uma língua bem enfiada em mim com plug no meu rabinho). Aí ele puxou meu cabelo e disse que não ia me chupar de graça. Eu teria que engolir tudo do mesmo jeito que o meu papai pedia. Ele me colocou no chão e diferente do meu papai ele segurou minha cabeça e me fez engasgar. Eu não entendia mas ver ele louco me deixava molhadinha. Ele me chamava de cadelinha e pedia para eu implorar o leitinho dele. Eu segurei com minha mãozinha (nem cobria todo pau) e dei tudo de mim naquela mamada. Ele encheu minha boca de porra e meu papai chegou bem nessa hora. Eu de joelhos com a boca escorrendo porra do meu irmão. Meu papai parecia muito bravo e perguntou se meu irmão tinha tirado meu cabacinho. O Paulo disse que não. Que só tinha feito eu mamar e engolir. Aí meu papai disse que era ele quem ia encher meu útero de porra. Que era direito dele já que ele me sustentava e que era direito dele como pai de estourar o meu cabaço. Meu irmão perguntou se ele ia poder me comer também depois disso. E meu papai explicou que a mulher nasce para satisfazer os machos da casa e estava me preparando para isso. E se eu quisesse trabalhar seria para dar para o patrão. Depois desse dia eu mamava nos dois. As vezes eles me pegavam juntos e eu amava. Um chupava minha xoxota lisinha enquanto eu engolia o outro. Meu irmão não gostava muito de seguir as regras e enfiava os dedos em mim, mas sem estourar nada. Meu padastro encheu meu útero de porra e meu irmão arregaçou minha preguinhas do cuzinho, mas isso é outra história.
Hoje eu sou casada, mas meu marido é muito certinho e o que eu gosto mesmo é de dar para o papai e para os meus irmãos. Adoro me exibir, ser encoxada no trem e dominada. Tenho várias histórias para contar pq como meu papai me ensinou eu fui feita para ter o útero cheio de porra e a boca também. Meu irmão tem uma filha agora e eu já reparei que meu papai tá de olho nela também.
Quem quiser trocar experiências me chama [email protected]

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,23 de 30 votos)

Por # # #

3 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Roos

    Sofia meu telegran @Robesol

  • Responder Al Bart

    Olá, espero que você poste mais conto logo. Amo seus contos

  • Responder Rafaella

    Legal….