# #

Peguei a novinha vendedora de beira de BR

1852 palavras | 10 |4.64
Por

Irei relatar o ocorrido numa das minhas viagens. Trabalhava na cidade, mas sempre tinha que ir para uma mina de ferro. Essas minas ficam sempre em cidades pequenas e no meio da mata. Vc acaba passando por regiões muito pobres e sempre há vendedores pelo caminho. Eu fazia esse caminho e sempre via aquelas menininhas de 9 a 13 com suas mães ou pais vendendo alguma coisa nessas beiras de BR. Ficava imaginando eu pegando uma delas e metendo a pistola num ermo de estrada. Eram gostosinhas as diabinhas. Alguns colegas relatavam que um ou outro tinha pego uma delas. Que os pais deixavam trepar com elas em troca de uns trocados, mas era sempre um colega do colega que pegava. Assim, não conseguia informação exata e não perguntava para não parecer que eu estava querendo comer uma novinha de 10 aninhos.
Meu pau vinha a viagem toda duro e latejava só de pensar que eu veria essas novinhas pela estrada. As vezes, parava e comprava alguma tentando sondar a menina, mas nada.
Um dia, ao descer para a mina, vejo uma menina muito gostosinha vendendo doce na beira da br. Já a havia visto antes, mas naquele dia, ela estava só com uma sainha curta e topzinho. Fiquei louco de tesão. Tive que descer e comprar um doce dela. A mãe e o irmão pequeno dela estavam ao lado dela. Assim, não deu para eu conversar muito com ela. Comprei o doce e fiquei um pouco afastado para admirar aquela pirralha que estava deixando meu pau latejando. E também havia outros vendedores e pessoas ao lado, eu tinha que disfarçar um pouco.
Nossa, mas ela era super gostosinha. Sua altura batia no meu peito, coxinhas grossas, bunda redondinha…nuuu…parecia duas bolinhas…redondinhas e durinhas..a sainha era de um pano mole, então, cai certinho na bundinha, no reguinha dela…tesão…magrinha, não tinha peitos ou eram só uns caroços de azeitonas pequenas, cabelo preto liso, boquinha pequena e carnudinha, com uma franjinha e a pele branquinha. Mas estava sujinha pela terra.
Fiquei ali a observando, a comendo com os olhos e pensando em todas as perversidades que faria com ela, caso pudesse. Por fim, comi o doce e fui embora. Na volta, vim pensando e desejando que ela estivesse lá.
Entretanto, foi melhor que meus desejos. Quando chego no local que ela estava, não a vejo de imediato. O local estava vazio de vendedores e não havia mais ninguém. Nem esperando o onibus. Deveria ser umas 17.30. Assim, o ultimo onibus já havia passado. Quando estava passando triste indo embora, a vejo meio escondida um pouco depois do ponto de onibus meio escondido atrás de uma arvore. Dou uma freada brusca e paro o carro imediatamente. Nossa, pensei, é hoje que vou fuder essa pirralha. Não vi mais ninguém. Só ela. Pensei…hoje eu te estupro nem que seja a força.
Vou em direção a ela:
-oi, menina.
–oi, moço.
-está sozinha?
–estou. minha mãe teve que ir embora. meu irmão passou mal.
-entendi. me vende um doce? (disse para disfarçar)
–vendo, moço. qual vai querer. (escolho e pago o doce)
-qual seu nome?
–é valentina.
-bonito nome. quantos anos tem?
–fiz 10 essa semana.
-ah, feliz aniversário. mas quem vai te levar em casa? o ultimo onibus já passou.
–eu não sei, moço. o motorista do onibus não quis me levar sem dinheiro. (disse chorando)acho que vou a pé. não conheço ninguém que vai para lá.
-é longe a pé?
–acho que dá umas 4 a 5 horas a pé.
-muito longe. vc chegará lá de madrugada. (fiquei com dó dela, mas eu a queria comer também). Posso levar vc, mas terá que fazer uma coisa para mim no caminho. (quando disse isso, o rosto dela se iluminou e um sorriso veio radiante. Ela pulou para me abraçar e eu já aproveitar para sarrar meu pau duraço nela. )
-obrigado, moço. eu faço sim.
-tá bom . me mostra onde é.
Quando ela me mostrou, pensei…faturei. Era um caminho ermo com uma casinha distante uma das outra por varios quilometros. Uma estrada de terra que não passava ninguém. E eu conhecia outros caminhos laterais que eram ainda mais ermos.
Peguei o pote de doce dela e coloquei no banco de trás do carro. Me ofereci para a colocar no carro. Fui pega-la para carregar e colocar no carro, mas coloquei uma mão minha debaixo da sainha dela, pegando pela coxa e subindo até a bunda. Quase gozei. Ela usava uma calcinha pequeninha. Percebi que estava amarrada na lateral. Não deveria ser dela. Provavelmente de uma mulher adulta que deu para a mãe e a mãe deu para ela usar, mas como estava grande, teve que amarrar na lateral. O toque da minha mãe com aquela bundinha durinha, lisinha, fez com que meu corpo se eletrizasse todo. Meus instintos sexuais selvagens se aforaram. Só não a comi ali na estrada porque era beira de br. Coloquei minha mão segurando uma beira a bunda dela e a levei para o carro. Vi que ela percebeu, mas ao invés de protestar, deixo o corpo mole como que se entregando. A coloquei no carro e fui alisando suas coxas pelo caminho.
Pensei…ah, fodas, vou comer essa menina e azar. Se achar ruim, gritar ou algo do tipo, a deixo no meio da estrada. Então, já fui alisando suas coxas e passando a mãe na sua bucetinha. Ela não protestou. Não disse nada. Ao contrário, levantou a sainha e abriu as pernas. Ela ao meu lado no banco do passageiro. Perguntei a ela
-já fez isso antes?
–meu pai fica colocando a mãe na minha xoxota e pede para eu lamber o pinto dele.
-só isso?
–sim
-quero que faça isso para mim…tá bom?
–ta bom. mas não conta para meu pai. ele disse que não posso fazer com mais ninguém. só com ele.
-entendi. farei mais que isso com vc. (baixou o modo perversão em mim) tira a calcinha. (pedi para ela.)
ela tirou a calcinha. eu coloquei minha na bucetinha dela e foi dedilhando. estava seca. cuspi nos dedos e coloquei de novo. fui dedilhando o clitoris e ela foi ficando mais molhadinha. Entrei com o carro numa estrada de terra bem dificil. Quase escondida. Parei atrás de algumas arvores. baixei a calça e a mandei chupar meu pau. Ela pegou no meu pau e foi beijando. Falei não é assim. Seu pai não está te ensinando direito. Abre a boca e finge que é um pirulito. Vai chupando, ms não morde.
Ela fez e foi aos poucos melhorando. Meu pau é cabeçudo e não coube na boca dela no inicio. Peguei a cabeça dela e fui forçando para baixo. Cada vez forçava mais um pouco e assim ela foi engolindo mais. Quase gozei.
Desci do carro e dei a volta. A peguei e a coloquei no carro de quatro, mas de joelhos com o peito abaixado encostando no banco. Quando vi aquela bundinha interiramente exposta para mim, fiquei louco de tesão. Aquela bucetinha rosadinha a minha disposição…nuuu…virei selvagem. Vou fuder essa menina até arrombar esse bucetinha toda. Cuspi na mão e fui dedilhando a bucetinha que agora estava molhadinha. Estava com tesão a putinha. Coloquei um dedo e depois dois dedos. Ela começou a arfar e a gemer. Contorcia a face e ficava molinha. Soltando uns gemidos falava para não parar…está gostosinho, moço.
olhei para ela e disse …agora não grita que o que vou fazer, seu pai não fará contigo.
ela concordou e empinou mais a bundinha. Coloquei meu pau na entrada da bucetinha e fui forçando a entrada. Ela deu um pulo de susto. Eu a segurei firme e xinguei….fica parada, puta. Vou te arrombar agora. Ela se assustou e não saiu do lugar. Fui forçando e meu pau parece que estava passando por um espremedor, um ralador. Meu pau estava sendo espremido por aquele buraquinho apertadinho. Tirei e volei a colocar. Porra ..fodas…fiz força e de uma vez…acho que pela pressão que fiz…entrou tudo..olhei e só estava meu saco para fora. Ela tremeu, gritou, chorou, fico pálido e quase desmaiou. Tirei e coloquei de novo. Agora entrou um pouco mais fácil. Fui bombando e urrando de prazer. Ela voltou ao normal e agora só gemia de dor. Fui bombando devagar e aumentando a frequencia. Bombava rápido e com força. Olhava aquela bundinha arrebitando sugando meu pau e só pensava em a arrombar com pau. Bombava com força e vigor. Sua bundinha durinha batia na minha virilha com força e estalava. A segurei com as duas na cintura e a puxei com força para dentro do meu pau. Ela gritou e começou a me dar tapa. Peguei a mao dela e a puxei de encontro ao meu pau. O suor caia do corpo dela e do meu. Não queria gozar.
Fiz ela descer e ficar em pé no carro. Meti com força nela em pé a pressionando contra o carro. Eu era um animal do sexo. Por fim, a segurei pela cintura e a puxei com força atolando todo meu pau naquela bucetinha. Peguei as coxas dela e a levantei no ar. Ela agora estava literalmente gravada na minha pistola. Fui levantando e abaixando ela na minha pistola. Quando fui gozar, a coloquei deitada de frente no banco com as pernas no chão do carro. Enterrei minha pistola na bucetinha dela e coloquei um pé em cima do banco. Assim pude penetrar fundo nela. Gozei gostoso e fartamente.
Fiquei parado um tempo com meu pau dentro da bucetinha dela apreciando o momento. Peguei um pano e a limpei. Ela colocou a roupa e ficamos ali conversando um tempo. Disse que a amava e que agora ela teria que ser so minha. Disse que iriamos no casar e a tiraria dali, mas ela teria que ficar calada e aguardar um tempo até eu resolver tudo. Balela…só lábia para ela não contar nada.
A levei para casa e a mãe dela ainda me agradeceu.
Por fim, nos tornamos uma espécie de amantes. Trepava com ela umas três vezes por semana, inclusive, rolava anal. Não podia deixar de naõ enrabar aquela rabinho gostoso. Fiquei tão amigo da familia que a mãe a deixava até eu leva-la para casa. Lógico que a mãe sabia que eu comia a filha. Acho que ela queria se livrar da filha e via em mim um bom partido.
Se o pessoal gostar, relato mais, inclusive de como a enrabei.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,64 de 44 votos)

Por # #

10 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Reinaldo

    Delícia de conto

    @Reinaldo telegram

  • Responder Ninos

    Delícia adoro pegar ninos de rua..chama no telegram para trocar experiência webssol

  • Responder ANÔNIMO-ES

    cara conto delicioso, no comeco e mesmo assim elas reclamam querem fugir da pica mas depois viciam e pedem mais, espero a continucacao

  • Responder Pauzudo

    novinhas safadas aguentam bem a vara. amei

  • Responder Rex

    Assim que eu gosto sem piedade dessas putinhas

  • Responder Tales

    Lógico que gostamos continua logo para sabermos como a moleca perdeu as pregas na enrabada

  • Responder @Rohz25

    Safado 😈

  • Responder Portuga

    Otimo

  • Responder Rx

    Na espera do proximo ✌

  • Responder Eduardo

    continua