Encoxada no Metrô SP

31-08-18 Por 1 ★ 3.67

Eu me lembro de uma noite no meu tempo de adolescência, na época meus pais tinham acabado de se divorciar e minha mãe chegou tarde.
Já estava quase dormindo quando ouvi a voz dela com um homem e risadas.
Não demorou muito pra começar a ouvir os gemidos sufocados da minha mãe e como aquela cama fazia barulho (rs).
Fiquei de pau duro, comecei a me masturbar e gozei ouvindo o barulho da cama batendo na parede com os gemidos da minha mãe.
Estava melado enquanto o sujeito metia com a minha mãe no quarto ao lado, socando forte fazia as bolas estalarem no rego dela o barulho de tapas que ela recebia, ecoavam pela casa até que ele começou a grunir, a cama parou de bater e restou apenas o silêncio.
Levantei da cama e andei na ponta dos pés torcendo para que a porta do quarto estivesse aberta, queria ver minha mãe na cama com aquele homem. Não tive sorte à porta estava trancada e encontrei apenas a calcinha dela no corredor.
De manhã ele já não estava em casa mais ela estava sorriso de orelha a orelha e isso me excitava tanto que toquei mais uma punheta, cheirando a calcinha dela.
Eu não conseguia parar de pensar na noite em que toquei punheta com minha mãe fazendo sexo casual e gemendo de tesão com um macho.
Era louco mais eu fazia de tudo para ela ser sarrada no metrô na época trabalhávamos no centro e voltávamos juntos todos os dias.
Coroa com seus 44 anos, branca e loira, mesmo gordinha chamava atenção por ter uma bunda grande empinada e cochas roliças. Sentia tesão vendo os machos excitados, esfregando a rola dura na bunda da minha mãe, ela devia gostar pois era fácil encaixar ela na frente e algum macho empurrando ela pra cima dos caras. Safada sentia o macho de rola dura e não fazia nada pra sair do lugar, quietinha ficava olhando pra cima, disfarçando o tesão na minha frente.
Comecei a conversar com desconhecidos em uma sala de bate-papo era excitante saber que um macho do outro lado da tela, se masturbava vendo fotos que eu tirava da minha mãe.
Foi em um desses bate-papos que conheci um sujeito de Itaquera que ficou louco pra sarrar na minha mãe, conversamos por dias e combinamos a brincadeira…seria apenas uma sarrada e se ela desse alguma condição ele colocaria um cartão com o numero dele no bolso dela.
Estação Anhangabaú as 18:30 plataforma lotada, ele nos aguardava próximo a escada rolante, trocamos apenas olhares e ele nos seguiu avaliando o rabo da minha mãe com uma cara de safado, sorria discretamente…O tesão me deixava louco mas procurei não ficar olhando para que ela não percebesse.
Demoramos quase 10 minutos para embarcar, minha mãe queria esperar um mais vazio mais acabamos entrando e claro que o cara colou atrás dela, louco de tesão consegui deixar ela com a bunda bem na frente dele e assim que chegamos na estação da Sé o cara já fazia ela sentir o caralho durão, bem no meio do rabo.
O sujeito estava com uma cara de tarado atrás da minha mãe, sentindo o cheiro e a bunda dela. Ela respirava ofegante me olhando sem graça, sentindo o pau do cara no rabo.
Normalmente descíamos na estação Carrão mais naquele dia perguntei se ela não achava melhor descer em Itaquera e ela topou na hora, quando o vagão começou a ficar vazio que o notei alisando minha mãe discretamente. Naquele momento mesmo que eu tenha tentado disfarçar ela se deu conta e começou a tentar sair daquela situação, tive que empurrar um pouco para que ele conseguisse por um cartão no bolso dela saindo na estação seguinte.
Gozei demais aquele dia…
[email protected]

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,67 de 6 votos)

Por

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Tarado

    Que da hora cara eu também quero encoxar sua mãe