Atendimento vip na pensão

25-08-18 1 ★ 4.53

Eu tinha 38 anos, separado a 6 mêses, quando viajei para uma cidadezinha do interior para uma vaga de emprego na empresa que um amigo de infância trabalha e me ofereceu a vaga. Cheguei na quinta feira para conhecer a cidade e para saber se ia me adaptar. Precisava me virar sozinho, por isso não avisei meu amigo que já tinha chegado. Procurei algumas pensões e parei numa muito interessante, Havia várias casinhasas no pátio, com 2 cômodos que eram mais caras, mas Dona Maria também ofereceu um quarto dentro da casa dela, onde ela vivia sozinha com filha Ester. O jantar era incluso, mas como o único hospede morava com suas família, preferia jantar na sua própria casa. Depois de ver o quarto, aceitei ficar por lá, fui com minha única mala pro quarto e fiquei deitado descansando. Era quase meio dia e o cheiro que vinha da cozinha, junto com minha fome, estava me dando mais fome. Ouço outra voz, imagino que sua filha havia chegado da escola. Sou despertado com umas batidinhas na porta, era Ester, de shortinho verde e uma camisetinha que parecia ser de uma criança menor, seus peitos esticavam o tecido. Sua mãe tinha mandado ela perguntar se queria almoçar ? Respondi que se não fosse incomodar, estava com muita fome. Ester perguntou se queria que trouxesse no quarto ou eu ia almoçar na mesa junto com elas. Um pouco meio desconcentrado com a visão daquela moça, disse que me juntaria a elas na mesa, era minha chance de ver ela e saber mais alguns detalhes. Ester ajudava sua mãe trazendo a comida à mesa, eu ficava admirando suas formas, Ester que não era boba, percebeu minha admiração e cada vinda à mesa, sorria para mim, provocando um monte de pensamentos carnais. Dona Maria pede a Ester para retirar a mesa e aquecer a água para fazer um cafezinho. Dona Maria diz que Ester já ia me levar o café. Olho para Ester que novamente está com aquele sorriso que ela sabe que encanta. Enquanto converso mais um pouco com Dona Maria, Ester fica cantando e dançando enquanto apronta o café. Sabendo que não estou perdendo nenhum detalhe da sua bunda rebolando. Ela da outra olhada antes que eu saia, para ter certeza que estou olhando pra ela. Já no meu quarto fico ansioso esperando ela chegar com o café. Ela chega sorrindo com o café, eu sento na única cadeira que tem no quarto e Ester senta na minha cama com o celular na mão, o café esta um pouco quente, e Ester fica esperando pela xícara e deita na cama, tira os pés do chinelo e coloca os pés com uma meia rosinha em cima da cama. Para minha sorte, premeditadamente suas coxas, bunda e buceta ficam exposta para meu deleite. Quando ela pegou a xícara e maliciosamente perguntou se eu tinha gostado. Meu sorriso respondeu por mim e com certeza ela tinha entendido. Mais tarde fui na cozinha com a desculpa de tomar água e encontrei elas terminando de arrumar as louças. Dona Maria convida Ester para ir ao mercado e Ester pede para não ir, porque estava cansada da educação física da escola. Sua mãe disse que não era pra ela ficar me incomodando, porque eu estava querendo descansar. Fui para meu quarto querendo encontrar uma desculpa para ver Ester. Quando ouço na porta ela batendo e perguntando se já estava dormindo. Abro e deixo ela entrar, agora sento na cama junto com ela. Foi ai que soube que ela só tinha 16 anos, admirado da sua idade, perguntei pelos namorados. Ela disse que não tinha, mas estava pretendendo. Vi ela deitando fazendo denguinho pra mim, dei um beijo na sua boca e fui retribuido com uma volúpia dela. Continuei beijando e levando minha mão em sua bucetinha já muito caudalosa de desejo. Enquanto eu retirava seu short e calcinha. ela se livrava da camisetinha. Deitei em cima dela com meu pau dentro dela, fui comendo ela até que senti ela gozar e me surpreendi como pedido dela para gozar no cuzinho dela. Coloquei ela de quatro e tive a melhor visão da minha vida, enfiei com muito prazer no cuzinho dela. Também foi minha primeira vez que vi uma mulher gemer de tanto prazer sendo enrabada, senti todas as minhas forças sendo deixadas na bunda dela. Depois fiz ela me contar que um outro hóspede tinha comido ela com 15 anos e ensinado tudo a ela. Fiquei com um pouco de inveja deste homem, mas estava recebendo o prazer que tinha ensinado a ela. Peguei a vaga do emprego e recebo a visita dela quase que diariamente.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,53 de 15 votos)

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Tiozão Pr

    Que safadinha de Ester.. vai engravida la