Mulher racista, desmaiou eu comi

Autor

Na realidade meu nome é Carlos, mas meu apelido ficou sendo Pajé, devido eu ser negro com cabelo liso, sou o filho do meio, Bianca 22 anos, Bruno 19 eu 18 e os gêmeos Erika e Emilio de 15 anos, mas eles todos são brancos do cabelo crespo e eu embora negro cabelo liso, e mais alto que todos, pois meu pai era índio e minha mãe Loira, eu puxei meu pai, e devido isso era o alvo das tirações de sarro, mas nunca me importei, entrava no clima e e levava sempre na esportiva, mas com 13 anos aconteceu o que eu estava voltando pra casa ao meio dia, tinha acabado de sair da escola, ai entrei numa papelaria, pra comprar sufite, cartolina, e algumas coisas pra trabalho de escola, era um papelaria nova, entrei peguei o que precisava, fui ao caixa pagar e a mulher bem brava veio e me mandou esvaziar a mochila, todos os que estavam la pararam e ficaram olhando, eu abri a mochila tirei tudo de dentro, ela viu que eu não tinha roubado nada, me pediu desculpas e começou a passar as coisas, mas eu falei, Não sou ladrão não vai pro inferno não quero nada dessa espeluncai, Ai passei a mão em tudo que estava em cima do balcão e derrubei tudo peguei minha mochila e sai, a mulher veio atraz de mim segurou no meu braço e mandou eu pegar tudo senão ela chamava a policia, eu nervoso dei um chute na perna dela e sai correndo, teve um senhor que foi atraz de mim mas eu entrei num ônibus e ele não me pegou, cheguei em casa e falei com meu pai o que aconteceu, minha mãe pegou o carro e me levou la, tirou satisfação com a mulher e chamou a policia, e prestou queixa contra a mulher, só sei que a mulher teve que depois pagar um indenização a minha mãe, os dias passaram sei que papelaria da mulher fechou, mas ela abriu outra bem perto da escola, e justamente eu fui la comprar, quando vi a mulher passei direto, ai a filha dela entrou na escola, eu estava na sétima série e ela na quinta série, quando eu soube que a menina era filha da mulher nem quis papo, mas a menina como a maioria que brincava comigo, começou a me apelidar, todos eu nem ligava, e tirava sarro também, mas Katia eu não gostava, pois ela era filha da mulher da papelaria, até cheguei pra Katia e falei, que não conhecia ela, e nem queria papo com ela, o qual ela ficou triste, os outros me perguntavam o pq, todos gostavam de mim, embora ficassem me tirando, e Katia também gostava, pois as meninas da classe dela eram todas minhas amigas, eu já tinha até beijado uma delas, mas Katia chegava eu falava com todas menos com ela, e via que ela ficava triste, certo dia ela chegou em mim e perguntou. Carlos o que foi que eu te fiz, todos brincam com vc, todos gostam de vc e eu também, mas porque vc me ignora? Ela falou na aula de educação física, eu estava no pegando meu tênis no meu armário, na escola, e tinha uma professora perto, a professora viu Katia chorando, e perguntou o que foi, Katia falou que eu a ignorava sem ela ter feito nada, a professora pediu explicações, nos levou a sala e eu falei o porque, mas Katia nem sabia, a professora falou pra eu a perdoar e esquecer ela não tinha culpa, eu também não tinha nem pensado que Katia não soubesse, e a desculpei, ela sorriu, e saímos juntos, ela me pedindo perdão pela mãe dela, e eu falei tudo bem, esqueça, eu nem imaginei, e ficamos amigos, mas meus pais não queriam minha aproximação de Katia, ai as coisas foram correndo normal, chegamos ao fim do ano, tivemos férias, mas eu nem fui viajar, pois meus pais estavam com muito trabalho na empresa que trabalhavam, ai pegava a bicicleta e ia a casa dos amigos, nos reuníamos pra sair, e algumas meninas também, todos íamos de bicicleta, tomavamos sorvete, e Katia embora mais nova que que as meninas da minha turma, foi junto também, íamos todos os dias praticamente, era muito divertido, mas ai teve um dia que saímos e quando estávamos voltando paramos numa sorveteria, pedimos os sorvetes, deixamos nossas bicicletas encostava num jardim meio alto e ficamos la tomando sorvete, e conversando, mas um cara de carro invadiu o canteiro e só parou quando bateu na bicicleta de Katia que estava encostada numa parede, o cara muito doido engatou a ré e saiu vazado, foi tudo muito rápido, nem tivemos tempo de anotar a placa, mas alguns caras foram atraz dele, a bicicleta de Katia ficou destruída, as meninas assustadas foram pra casa os amigos também, e ficou e Katia, ela chorando eu falei, É não presta mais, mas ai eu coloquei Katia no cano da bicicleta e a levei pra casa, a deixei ela entrou chorando e eu estava indo pra casa, foi quando ela me chamou, Carlos, por favor vem aqui, minha mãe esta desmaiada, eu voltei quando cheguei la a mulher estava mês estava na cama, deitada de vestido até o joelhos respirando sem esboçar nenhuma reação, eu falei , temos que chamar alguém, mas ai Katia falou, vamos chamar meu pai, ele trabalha numa empresa que fica aqui perto, ela ligou pra ele ,mas ele náo atendia, ai ela falou. a ele não atende mesmo, pois eu sempre ligava pra ele, e pedia dinheiro ou algumas coisas e ele parou de atender, dizendo que eu o atrapalhava, Carlos tenho que ir la, me empresta sua bicicleta vai ser mais rápido, vc fica aki, vai, eu achei estranho mais ela indo sozinha seria mais rápido, ai ela pegou a bicicleta e foi, eu fiquei la, e assim que ela saiu eu já fui com a mão na buceta da mãe dela, subi a saia desci a calcinha e vi o bucetão cabeludo, cheirei, beijei, ai subi em cima dela e fui penetrando, bem gostoso, abri bem as pernas dela e meti até gozar enchendo ela de gozo, depois limpei, tirei a calcinha dela, coloquei outra que peguei na caveta, chupei os seios bem rápido tirei fotos no celular, a beijei, tudo muito rápido ai Katia demorava, eu pensei, o pai dela chega e eu aki, vou encostar a porta e ficar la fora, e foi o que fiz, encostei e fiquei fora, e eles chegaram. o pai dela nem falou comigo, só entrou viu a mulher sem esboçar nenhuma reação a colocou o carro e a levou pro hospital, só falou pra Katia, filha manda ele embora e se tranca, eu subi na bicicleta ele viu, mas ai quando ele sumiu eu voltei, Katia chorando, eu a acalmei, e fiquei ali com ela ,até o pai dela ligar, isso aconteceu no caso o pai dela ligar as 16 horas dizendo que a mae dela já estava acordada, e estava fazendo alguns exames de coração, pois provavelmente seria uma aritimia cardíaca, ou coisa parecida, mas estava bem, ela se acalmou e eu fui embora, com a calcinha usada da mae dela no bolso, em casa fiquei vendo as fotos no celular me masturbando, cheirando a calcinha dela, ai depois que as aulas voltaram eu e Katia estávamos bem achegados, e ai foi quando eu e ela começamos a trocar alguns beijos, escodidos da mãe dela, pois ela não gostava mesmo de preto, e comecei a passar a mão em Katia, passamos a sair sozinhos de bicicleta, começamos a ir num campinho que ficava dentro do mato onde eu e os amigos jogávamos bola, e fazíamos manobras de bicicleta, e la aconteceu que eu já passando a mão nela, pedi pra chupar a bucetinha dela, e ela deixou, depois pedi pra ela me chupar, ela também me chupou gostoso, eu gozei, acho que ela também, foi muito bom, fomos mais vezes la, onde dentro doa matos eu tirei a virgindade dela, foi muito gostoso, e passamos a fazer direto, as vezes eu entrava escodido nos banheiro das meninas e ela ia la e transavamos gostoso, os dias pssaram e a mãe dela estava gravida, sendo que o pei dela havia feito vazequitomia, coisa que eu nem sabia o que era, mas o marido dela separou dela, achando que ela tinha o traído, eu nem me dei conta de que o filho poderia ser meu ,na realidade sabia e era viciado em punheta pornografia, e uma chance daquela eu jamais iria desperdiçar, mas em matéria de consequência eu nem sabia nada, Katia sofreu muito, e certa vez ela passou muito mal, já estávamos namorando escodidos a uns 4 meses, a mãe dela a levou no médico, e ela também grávida, quando ela falou comigo nem importância eu dei, pra terem a ideia da minha ignorância nesse sentido, mas ela começou a faltar nas aulas, ai ela me explicou que estava gravida de mim, e não entendia a mãe dela, pois nunca fez nada errado fora do casamento, o pai dela foi embora, deixou as duas sozinhas, eu ainda desacreditado, fui perguntar a professora, se menina de 12 anos poderia ficar grávida, ela disse que claro que sim, ai perguntei se no caso se eu tivesse relação sexual com uma mulher adulta eu poderia engravida-la, santa ignorância, a professora falou que era obivo que sim apartir do momento que eu começasse a ejacular tudo seria possível, eu fiquei desnorteado, sem chão, li algumas coisas que só confirmavam minhas suspeitas, Katia desesperada sem saber explicar a mãe dela, que estava super brava com ela, e a mão dela quase louca sem saber o que aconteceu, ai Katia resolveu contar pra mãe dela que teve sexo comigo, a mãe dela foi la em casa falou um monte a meus pais, que brigaram comigo, mas disseram que estavam nessa junto comigo, mas a mãe dela passou mal la em casa, meus pais a levaram ao médico, e ela acabou perdendo o bebé, teve que fazer coletagem, o marido dela fez alguns exames e foi confirmado que ele estava esterio mesmo, não poderia ser dele, e foi embora de fez, só ficou pagando a pensão pra filha, meus pais apoiaram a mãe de Katia, acabaram ficando amigos, ela mudou muito, até me aceitou, e eu e Katia estamos hj junto, nosso filho esta com 3 aninhos, e moramos juntos com a mãe dela, que toma alguns remédios controlados ,inclusive um sedadito pra dormir, o qual me possibilitou eu a comer de novo, já a comi nessa situação por 4 vezes, nesse tempo, é que fico muito esperto, achando que ela pode acordar, ou coisa assim, e também fica difícil eu enganar Katia, mas se houver alguma oportunidade boa eu a como de novo, bom espero que gostem.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,53 de 17 votos)
Loading...