Marcelo

Há 5 meses Por 1 ★ 3.67

Como eu havia dito no conto anterior, Marcelo viu o entregador de gás sair de minha casa, depois de 1 hora e meia que havia entrado lá. Então, ele decidiu se aproveitar da situação, prá me comer também. O entregador foi embora, e Marcelo entrou em casa, e chegando ao meu quarto, me jogou na cama, e começou a tirar a roupa, revelando um belo cacete de 21X7 cms. Sabendo que eu tinha acabado de ser comido, ele me pegou, me virou me deitando de bruços, colocou um travesseiro sob a minha barriga e, sem cerimônias, começou a colocar o pauzão dele prá dentro do meu cuzinho arrombado e lambuzado. Ao sentir aquele pauzão gostoso entrando, eu soltei um ahhhhhhhh. Marcelo, então, começou a socar com toda força e tesão, num ritmo alucinado, fodendo gostoso o meu cuzinho. Eu gemia com tesão e desejo, pedindo à ele que me comesse bem gostoso, e que não parasse de foder meu rabinho. Ele respondia, aumentando o ritmo das estocadas, num ritmo bem rápido e gostoso. E eu curtindo aquela enrabada deliciosa. Marcelo, então, tirou o pau de dentro de mim, deitou-se na cama e pediu prá que eu sentasse no seu cacetão gostoso. Fui sentando devagar, embora meu cuzinho já estivesse acostumado com aquela pica, e comecei a cavalgar como uma amazona enlouquecida, gemendo e rebolando gostoso naquela enorme e grossa vara. Marcelo me segurava firme nas minhas ancas, enquanto eu subia e descia daquele mastro grande, grosso e duro. E eu, não me fazia de rogado, ao contrário, eu cavalgava com todo desejo e tesão naquele mastro gostoso. Foi aí que, enquanto rebolava no cacete dele, senti o pau dele engrossar e meu cú ser preenchido por jatos e jatos de porra quente. Mesmo assim, eu continuava cavalgando com tesão, não queria que aquela pica gostosa saísse de dentro de mim. Gemia, rebolava, pedia rola, e meu desejo por Marcelo aumentava a cada cavalgada, a cada subida-descida no pau gostoso daquele macho que me comia gostoso. Após mais uns 10 minutos cavalgando e rebolando, senti Marcelo gozar de novo. Aí eu saí de cima dele, sentindo litros e litros de porra quente escorrer do meu rabinho arrombado. Fomos ao banheiro, tomamos banho juntos, ele me esfregava e eu à ele. Saímos do banheiro e fui preparar um lanchinho prá recompormos as forças(principalmente eu que tinha aguentado 2 rolas). Depois do lanche, enquanto eu estava lavando a louça do lanche, Marcelo veio e começou a me encoxar, enquanto passava suas mãos pelo meu corpo e beijava meu pescoço. Que loucura!!! Senti certinho o volume do seu pau. Então, ele abaixou meu shorts, colocou uma de minhas pernas em cima da pia, passou lubrificante e enfiou o pauzão dentro de mim. Suspirei de tesão e deixei meu macho me possuir de novo, fodendo alucinado e cheio de desejo, o meu cuzinho sedento da pica dele. Marcelo acelerava mais e mais as estocadas, até que, se agarrando à mim, cravou aquele picão no meu cuzinho, ao mesmo tempo que urrava de prazer. Marcelo tirou seu pau do meu cú, me limpou e me ajudou a me vestir. Levei ele até o portão e ele foi embora, me jogando beijinhos com um sorriso lindo. E Marcelo continuou me comendo por muito tempo… Que saudades daquele picão gostoso!!!

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,67 de 12 votos)
Loading...

Por

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. John Deere,Matador de Veados

    Né,veado,como eu disse também,em contos anteriores,toma jeito e pára com veadagem ou dou um jeito definitivo em você,veado!