Bebada, fui comida no shopping

Autor

Meu nome é Lohaniepie, tenho 16 anos, uma bundona empinada, barriga lisinha, peitos médios, 1,65m de altura e um rosto muito bonito.
Um ano atrás eu estudava em um colégio que sempre tinha simulado, e após terminar a prova os alunos podiam sair da escola, com ou sem consentimento dos pais.
Em um desses dias combinei de sair beber depois da prova, que se realizaria pela tarde, então, com um grupo de amigos, torramos dinheiro em duelo e corotinho e fomos pra frente de um condomínio beber, lá ficamos bebendo, escutando música e jogando verdade ou desafio, sempre que eu pedia desafio era a mesma coisa: “deixa tal pessoa passar a mao na sua bunda”. Sempre soube que tinha uma bunda desejada, mas só nesse dia me dei ideia do quanto, e após algumas passadas vagarosas eu já estava dando sinais de tesao.
Quando acabou a bebida fomos para o shopping, que era bem perto, já que o outro condomínio era praticamente do lado do meu.
Chegando lá fui direto com uma amiga pro banheiro, ambas meio loucas, sempre tivemos muita intimidade e costumávamos entrar juntas nas cabines, ou no caso desse dia, no banheiro de cadeirantes, já que o comum estava com fila.
Entramos lá e depois de fazermos nossas necessidades começamos a nos beijar e nos tocar por cima da roupa, contei a ela que pretendia dar para um dos meus amigos que estava lá, porém quando finalmente saímos do banheiro eles já haviam ido embora, nos deixando sozinhas na praça de alimentação do shopping.
Nos sentamos em uma mesa e eu rapidamente vi um moreno me encarando, ele era bonitinho, vestia um moletom largo, bem meu tipo na época, mas era bem mais velho que eu, tinha uns 25 anos, enquanto eu mal tinha 15.
Eu já estava pra ir embora quando o homem continuou a me encarar, então, sem ter nada para fazer, o chamei com a cabeça, e ele prontamente veio, se apresentou rapidamente como Mateus e começou a me levar pela mão até uma área menos populada do shopping.
Chegando lá me segurou pela cintura e começou a me beijar, me disse no ouvido que me observará desde quando eu tinha entrado e estava morrendo de vontade de me dar uns beijos, e eu concordei, porém(como sempre) eu tenho que fazer uma cagada, e dessa vez foi descer a mão dele que estava na minha cintura até a minha bunda.
Era comum pra mim fazer isso, mas caralho, pra que eu fui fazer isso com ele? O cara começou a apertar e segurar com força, pegou fogo.
Me puxou pela mão até uma porta que dava para o interior do shopping, ainda não conhecia o local, embora fosse muito familiarizada com as escadas de incêndio de lá.
Continuamos a ficar e ele começou a me pedir pra chupar o pau dele, e eu negando fervorosamente, e então comecei a ameacar ir embora, porém ele estava se deliciando passando a mão pelo meu corpo inteirinho, ele então me pediu pra lhe passar meu Snapchat, e entregou seu celular na minha mão, eu tontinha do que tinha bebido estava tentando encontrar as teclas certas até que ele se ajoelhou, desceu a calça legging e a calcinha que eu usava e começou a meter um dedo em mim, comecei a suspirar e gemer baixinho, estava molinha na mão dele, faria o que ele quisesse naquele momento, então ele se levantou, me fez chupar os dedos que ele havia metido na minha buceta e me mandou apoiar na parede que estava na minha frente.
Eu prontamente me apoiei e empinei a bunda, já sabendo o que iria acontecer, e então ele começou a meter aquele pau dentro de mim, primeiro em estocadas leves e depois com força, me arrancando gemidos altos seguidos por “por favor, para” ou “você pelo menos tá de camisinha?”, o infeliz me ignorava e respondeu que estava usando uma camisinha especial que ficava só na cabeça do pau, mesmo bebada não engoli a história, mas toda vez que tentava sair daquela posição ele me segurava pelos braços e me mantinha ali.
Lá estava eu, levando rola na buceta, com os braços imobilizados e a cabeça batendo na parede estocada após estocada.
Quando ele ia gozar tirou rapidamente o pau e gozou no chão de onde estávamos, tentou uma última vez me forçar a chupar o pau dele e eu segui negando, então ele simplesmente se recompôs e me deixou ali, com a calça arriada, a buceta dolorida e sem ter ideia do que tinha acabado de acontecer.
Me recompus e sai de lá, encontro minha amiga e fomos para casa. Ele me mandou mensagem no snap e marcamos de duder novamente, mas nunca deu certo por culpa de horários.

Esse conto é verídico, espero que tenham gostado, comentem o que acharam e me digam se devo ou não continuar contando minhas histórias, LEIAM MEUS OUTROS CONTOS!!!