, ,

Atendi os desejos de uma mulher na idade da Loba

27-10-16 1 ★ 5.00

Vou apreaentar pelo meu codinome, Romeu. Tenho 40 anos, 1m70, loiro, e de vez em quando, entre as minhas ficantes, tenho uma coroa dos seus 52 anos, em torno dos seus 1m67, uns 70 kg, loira de cabelos mais para escuros, pele clara.
Sandra é separada +/- uns 5 anos, tendo até a separação como unico homem seu ex marido. Depois de uma separação meio traumática, uns 2 anos depois fui seu segundo homem, e ela ao menos me diz que somente foi pra cama depois disto comigo.
Nossa primeira vez até em fato recente, sempre tratei ela com muito respeito, mas sempre tendo nossas transas bem ativas. Adora ser chupada e, principalmente, mamar meu pau e encher a boca de porra engolindo toda minha porra abrindo um sorrisão depois disto. Por fim, dizia ter nojo de ir pra cama com o ex e se limitava abrir as pernas, de forma mecanica, e nada mais.
Em passado recente, ela descobriu em um site um quarto tematico em um Motel de nossa cidade que imitava uma senzala, com uma enorme cama e uma cela onde poderia ser acorrentada nos pés e nas mãos. Claro que não eram objetos de verdade, mas aguçou ela.
Marcamos uma tarde livre e nos tocamos para este motel. Chegando lá, descemos do carro, no que entramos no quarto Sandra me abraça apertado e me tasca um beijo com vontade lor quase um minuto que me fez meu pau endurecer… Nisto ela pega no volume dele sob as calças e me encara dizendo:
– Hoje quero me trate como uma escrava, me domine, me foda como um animal…. Tú vai ser meu senhor como aqueles tempos que a história conta os senhores do engenho faziam com as escravas. EU sou TUA se é que me entende?!
Falei: tou nessa. Arranca tua roupa e te banha minha escrava loira pois teu dono vai te usar!
Sandra tirou a roupa, e entrou no banho.
Quando Sandra estava quase terminando seu banho, entrei junto com ela e pedi para dicar comigo. Nisto, pedi pra ela lavar meu cacete e minhas bolas, onde ela dava umas chupadas nele. Por fim, aproveitei para dar mais uma ensaboada na buceta dela e, dentro do box mesmo, pedi a ela botar as mãos na parede e arrebitar a bunda, onde dei uma boa lavada naquele rego ora enfiando suavente o dedo indicador no rabo dela com ela largando uns gemidos pedindo que seu dono lavase seu cúzinho virgem.
Fomos para o quarto, liguei a TV num daqueles “filmes de ação” e mandei ela ir para a tal da cela onde estavam com as tais algemas. Prendi ela com os punhos e os tornozelos ficando ela presa de pé na parede e comecei a bolina-la chupando seus peitões (ela deveria ter um sutíã 48 ou 50) e masageando a buceta dela com os dedos, principamente o dedo indicador em sua racha, e eventualmete a beijando ouvindo ela me chamar de seu dono e seu macho….
Depois ds uns 5 minutos ali, puxo ela pra cama, pedindo pra ela ficar de quatro com a bunda bem arrebitada e se agarear num traveseiror. Como ela havia trazido um gel lubficante, e com a noticia wue seu rabinho era virgem, lubrifico meus dedos e começo a enfiar em seu cú. Começo com um e depois de entrar um dedo inteiro ponho dois.
Sandra agonizou no começo pelo desconforto, mas depois gemia… pedia mais e falava alto… MEU CÚ! Gozando após alguns minutos.
Me deito e mando ela mamar meu pau. Fez uma mamada maravilhosa e, quando estava quase gozando pedi para ela deitar de barriga pra cima e, com pau quase dolorido de tanto tesão, começo a meter em sua boceta com vontade dando umas boas estocadas até o útero… Sandra gemia, metia os dedos em minhss costas e gemia alto que, com certeza, o quarto vizinho teria escutado, acompanhado dos pedidos: me estupra, mete em mim meu dono, fazendo gozarmos praticamente juntos e me fazendo encher litros de porra dentro dela.
Tirei o pau dentro dela e pedi para ela dsr ainda dar uma mamada para tomar e limpar a porra que tava em meu pau. Como ela deitou de lado, consegui ver de relanse a porra saindo da vagina dela, onde ela ainda passava os dedos e lambia em conjunto com a porra que estava meu pau.
Naquela tarde, ainda, transamos muito… botei ela mais uma vez de 4, lubrifiquei bem aquele rabo, untei meu pau com gel metendo com vontade enchendo o cú de porra. Depois de ficar um tempo na banheira e faltando uns 45 minutos para nossa saida deu tempo ainda de dar mais uma trepada gostosa na buceta , terminando com uma bela gozada na boca de Sandra com ela punhetando meu pau e chupando o cabeçao, ouvindo o glut…glut.. dela engolindo minha porra.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 1 votos)

, ,

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Anônimo

    Que tesão de conto. Bati uma punheta imaginando uma coroa que comia tempos atrás. Depois de ler teu conto, vou catar o telefone dela.