Três bundas e o irmão Jonas só enrabou uma

Oi pessoal, eu sou a Carla que iniciou aqui seus contos a partir do caso no provador da loja, e este vai ser o ultimo, espero, porque o que passamos neste fim de semana deu pra ver que esse mundo de safadezas é muito perigoso. Só não aconteceu uma coisa mais grave graças ao irmão Jonas que nos socorreu. E como ele mesmo pediu pra eu contar o que aconteceu, aqui vai a história.
Bom, depois do boquete que fiz no papai resolvi contar pra mamãe os meus casos e da vontade que estava de ir esse fim de semana no cinema do shopping só pra dar uma chupadinha em algum desconhecido que tivesse coragem de aceitar minha boca aveludada. Minha mãe ralhou comigo, tu está louca minha filha! Tu não sabes com quem pode encontrar, isso é muito perigoso, olha como tu estás com muita vontade eu irei contigo, nós temos que inventar uma coisa pro teu pai pra ele não querei ir junto.
Sábado acordei tarde, já passava das dez, estava sentada na varanda conversando com meus pais quando mamãe recebeu um telefonema, e disse em voz alta, oi irmã Cleusa, como tu estás? Na mesma hora papai levantou com pressa entrando em casa como se estivesse esquecido alguma coisa. Na conversa que essa irmã fazia com mamãe um hora ela olhou pra mim e disse: você fez amizade com alguém esses dias que se chama Soraya? Quando ela falou isso eu me lembrei da guria que conversamos por e-mail e que estava interessada em fazer companhia comigo essas loucuras de putinha.
Logo que confirmei, mamãe disse: tá bom, passa aqui irmã Soraya, deu uma piscadinha pra mim e fez um gesto sensual chupando o dedo. Quando ele desliga o telefone me diz que essa era uma moça da igreja que já estava passando da idade de casar e era irmã da guria que achava que teve ou tinha um caso com papai. Então mamãe disse: o pai de Soraya vai deixar ela aqui na chácara e ela disse que vai com a gente para o cinema e convidou-nos pra almoçarmos lá mesmo no shopping.
Minutos depois Soraya chegou, mamãe apresentou, ficamos conversando amenidades até que eu e mamãe fomos nos arrumar pra irmos. Papai que estava deitado numa rede no terraço lá ficou, disse pra gente aproveitar o passeio e não se preocupar com ele porque ele ficaria bem. Então fomos no carro de mamãe, eu fui sentada atrás e Soraya no carona ao lado de mamãe. No meio das conversas Soraya disse que sua irmã caçula tinha ficado sozinha em casa e não quis ir almoçar na casa de sua avó, e ainda disse que se ficasse com fome ia tomar um leitinho. Nesta hora mamãe olhou pra mim pelo retrovisor e balbuciou, que safada!
Depois de termos almoçado no shopping fomos dar umas olhadas na loja que vendia roupinha para bebês, mamãe então disse: fiquem aí que eu vou dar uma olhada lá no saguão do cinema pra ver como está as coisas por lá. Essa parte foi contada por mamãe. Quando cheguei estranhei ver homens adultos perto do cartaz do filme que é praticamente visto por mulheres e adolescentes, principalmente por causa do horário. Ao dar uma parada pra olhar o cartaz veio um senhor e me perguntou baixinho, tu és a mãe de Carla? Eu fiquei nervosa na hora e disse que não conhecia nenhuma Carla, mas ele insistiu, mas a senhora é evangélica? Como eu estava com uma saia longa que denunciava minha crença disse que sim. Ele então disse: a senhora vai gostar do filme. Eu rapidamente respondi, é, mas vou deixar pra outra hora, e sai rápido, pois vi que outros homens já encostavam pra ver o que estávamos conversando.
De repente mamãe entrou na loja meio que espantada, perguntou se eu tinha escolhido alguma coisa, eu respondi que sim e que nossa amiga Soraya fez questão de pagar, era meu presente. Do lado de fora da loja mamãe contou o que tinha acontecido e convenceu a gente não ir pro cinema porque seria muito arriscado, e completou: aqueles homens lá pareciam cachorros famintos atrás de uma cadela no cio. Soraya que é veterinária disse: eu sei bem como é isso. Então resolvemos sair dali e ir pra outro lugar. Foi quando vimos dois homens nos seguindo, quando olhávamos eles sorriam com caras de tarados e eu fui ficando com medo.
Uma hora eles resolveram chegar mais perto, eu comecei a tremer de medo, mamãe disse: fica calma minha filha que eu vou resolver isso. Quando ele dizia isso Soraya disse: Olha o seu Jonas, aquele senhor é caseiro de uma chácara lá perto da nossa vamos falar com ele. Logo fomos à sua direção. Quando fomos cumprimentados, pudemos ver que os dois homens ainda nos seguiam, porém mais de longe. Mamãe disse que eu estava cansada e íamos voltar pro sítio.
Na saída do estacionamento vimos os dois homens entrando num carro todo escuro, mas como o seu Jonas estava numa Toyota velha logo atrás da gente conseguimos sair sem sermos seguidas, embora mamãe o tempo todo olhava pro retrovisor, preocupada, principalmente quando entramos na estrada piçarrada, ninguém nos seguia, nem mesmo o seu Jonas. Então mamãe passou de nossa chácara e foi levar Soraya até a casa dela que era uns dois quilômetros mais a frente. Soraya tinha um canil, sua irmã não estava em casa. Então ficamos conversando.
Eu tive curiosidade em saber sobre o seu Jonas, então ela disse que ele era caseiro do sítio vizinho, e que as vezes ia lá pra vacinar os animais. Então Soraya contou uma história que deixou a gente excitada. Disse que o seu Jonas tinha sido preso, mas logo foi solto, eles achavam que ele tinha estuprado a mulher, mas fora um acidente, ele tinha a cabeça do pau muito grossa e quando foi fazer sexo anal com a mulher acabou emendando tudo e a mulher foi parar no hospital.
Enquanto ríamos da história, mamãe perguntou, será que a gente aguentaria a sua rola no nosso cu? Enquanto a gente ria, o seu Jonas chega e vai subindo a escada do terraço até onde estávamos perguntando se tínhamos chegado bem. Ele contou que ficou atrapalhando os homens, atrasando a saída, teve um que saiu com um revolver, disse ser policial e fez ai sair da frente, mas já tinha dado tempo pra vocês estarem bem longe. Ele contava a história sentado no parapeito do terraço.
Eu como estava louca pra chupar um pau fui pra perto dele e disse: a irmã contou a história de como o irmão foi parar na delegacia, eu queria saber se o que ela contou e verdade. Fui falando e chegando pra perto dele, ele só abaixou a cabeça, mas parece que queria que eu descobrisse, pois abriu as pernas deixando seu colo livre. Mamãe disse: não ligue não irmão Jonas, minha filha é assim mesmo. Nesta hora eu já puxava a geba do irmão pra fora, que mesmo estando ainda mole minha mão não fechava toda ela.
Seu pau logo endureceu, puxei sua calça com cueca e tudo deixando ela no joelho, tentava colocar a cabeça dentro da minha boca, mas estava difícil, então me restava ficar lambendo, correndo a língua até suas bolas. Então o irmão Jonas me pede humildemente: irmã você deixa eu colocar um pouco na sua bundinha, eu vou de vagarino, se não der certo eu tiro. Então eu só fiz levantar meu vestido, abaixei a calcinha e encostei no parapeito empinando a bunda pra seu penetrada.
Mamãe então disse: espere aí minha filha, bote um lubrificante primeiro. Soraya que estava calada no canto só olhando foi e buscou um lubrificante de deu pra mamãe. Ela então colocou em sua mãe esquerda e pegando a pau do irmão Jonas com a direita deu uma chupadinha na cabeça de seu pinto, passou o lubrificante e mandou ele enfiar no meu cu. O coitado tentou uma três vezes, eu reclamava muito, ele pedia desculpas. Quando viu que não dava se não eu acabaria rasgada, o irmão disse com voz triste: deixa irmã, eu termino com uma punheta.
Mamãe então falou, nem pensar, o irmão não vai sair daqui sem antes de provar um cuzinho. E continuou; deixa minha filha, eu vou encarar essa coisa grossa. Abaixou a saia com calcinha e tudo, encostou as mãos no parapeito, colocou o corpo bem pra traz e disse: vem irmão Jonas, mas deixa que eu vou colocando. Mas não deu certo também, teve uma hora que mamãe deu um grito, empurrou o irmão pra trás, encolheu a bunda e ficou chorando. Nesta hora o irmão Jonas também chorava pedindo desculpa.
Soraya que de longe via tudo e não falava nada, levantou e disse: não se preocupe não irmão Jonas, eu vou satisfazer seu desejo de comer um cu. Minha mãe disse: você está louca irmã, eu que já fui enrabada por dois ao mesmo tempo não consegui imagina você que é magrinha, parece uma menina ainda. Soraya sorriu e disse: vocês vão ver o que é aguentar uma pica no cu. Só levantou a saia, ela já estava sem calcinha, pegou o lubrificante, passou na porta do seu cu, deitou sobre o encosto de uma poltrona velha, empinou a bunda e chamou o irmão Jonas. Ele veio, ficou passando a mão na sua bunda até o pau dele voltar a endurecer, na segunda tentativa a cabeça entrou, só vi Soraya trincar os dentes dar um gemido e sair lágrima do seus olhos que nesta hora estavam fechados.
Aos poucos Soraya foi relaxando e ela mesmo foi fazendo o movimento de vai e vem. Nesta hora eu disse: ah! Se eu não tivesse gravida estaria chupando essas bolas que estão batendo na bunda da minha amiga. Mamãe respondeu: eu faço pra você. Deitou no chão, entrou por debaixo do irmão Jonas e ficou chupando. Como eu queria também entrar na orgia, fui pra perto, lubrifiquei meu dedo, e fiquei enfiando no cu do irmão, e perguntando, é gostoso tomar no cu, é seu safado, logo senti que o irmão Jonas estava gozando, seu pau foi amolecendo, quando ele tirou ainda estava pingando porra, eu então pedi pra ele sentar na mesa, e fui chupando aquela coisa mole que agora cabia na minha boca. Aquele gosto de porra e bosta, e ainda mamãe lambendo meu cu esfregando o dedo do meu clitóris fez eu gozar como uma louca.
O irmão Jonas agradeceu, pediu desculpas e logo foi pro sítio onde morava, nos descemos do terraço e ficamos na varanda conversando. Foi quando mamãe perguntou como Soraya tinha conseguido aquela façanha. Ela disse: treinando com Sansão. Por causa as curiosidade de mamãe Soraya apresentou o Sansão, um cão lavrador negro, que veio todo faceiro enfiando seu focinho por baixo da saia de Soraya. Ela então colocou duas meias soquetes na pata dianteira do cão e mandou mamãe fazer o mesmo que ela tinha feito lá em cima. E foi assim que vi mamãe treinar em dar o cu travada com um cão labrador. A foda foi demorada e quase mamãe é pega dando o cu. A irmã de Soraya chega a pé, só cumprimenta com um oi e entra em casa, a gente aproveita e vai embora. Chega de aventura, vou ser mãe então espero não mais contar minhas aventuras aqui, pois elas não irão mais acontecer.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,00 de 1 votos)
Loading...