# # # # # #

Festas de Familia

1150 palavras | 0 |3.81

Conto Enviado… Sou de uma família grande, e, todo fim ano, nos reunimos na chácara de minha falecida avó para as festividades. Em 2006, ficou marcado que alguns de nós nos adiantaríamos para arrumar tudo, já que seria o primeiro ano que nos juntaríamos depois do falecimento dela, que sempre deixava tudo pronto.eu tinha ganho um câmera digital e estava doido para estrear. então eu, na época com 13 anos, minha mãe,dona Laura uma delicia de loira de 36 anos,meu tio Claudio de 40 irmão da mamãe, meus primos, filhos do meu tio, Diego de 22, André e Anderson , gêmeos de 20 e sua filha luana, de 15 fomos sorteados para ir na frente.meu tio dirigia o carro do meu pai com minha mãe no carona da frente e eu e luana no banco de trás, luana atras do meu tio e eu atrás da minha mãe. e no carro do meu tio, bem a frente, iam os garotos.
A viagem estava muito cansativa, por isso tirei o cinto e deitei no colo da minha prima, que já dormia a um tempinho. Minha mãe estavam de vestido de estampa de onça curto, e luana usava uma minissaia vermelha e blusa de alcinha preta. vi sua calcinha roxa e senti o cheiro da perna dela, mais estava mesmo cansado então cochilei por uns dez minutos. ainda com os olhos fechados ouvi meu tio e minha mãe falando de “dar”, “chupar”, “comer cuzinho” e “engolir porra”, porém ainda não estava bem consciente.abri os olhos e vi que não perceberam que eu acordei, então comecei a prestar a atenção nos dois.
Notei que meu tio passava a mão na perna da minha mãe sempre que podia, e que a mão dela também ia pro lado dele, mais eu não podia ver nada. a saia da minha mãe subia, entre risinhos e conversas.lá pelos 10 minutos ouvi um ziper abrir devagar. depois de umas 5 passadas de mão, o vestido já não estava cobrindo as pernas, e mostrava uma calcinha de renda vermelha.um barulho de pano esfregando veio depois, quando a mão da minha mãe foi pro lado do meu tio. pra acabar com as chances de esconder alguma coisa, as pernas de minha mãe estavam entreabertas,e a mão do meu tio ia até a virilha e voltava.então, com um tesão danado, me foquei na conversa:
– seu doido! eles podem acordar!
-estão dormindo a mais de meia hora laura! se acordarem, arranjamos uma desculpa!
-se eles virem, não irão entender.somos irmãos.
-você também quer. cinco sugadinhas vai!
-só cinco? promete?
-quinze, rapidinho.
– hihihi! rapidinho tá.
Me virei como faço sempre que durmo (é normal eu me mexer) e enfiei o nariz na calcinha da minha prima, que ressonava. continuei ouvindo tudo, sussurrado:
-você quer muito isso, não quer?
ouvi o cinto desprender e o barulho de pano roçando
– vai laura, não me faz esperar mais!
mais barulho de pano raspando.
me virei de vagar e vi que ela estava deitada pro lado dele as pernas dobradas e eu podia ver sua perna direita nua. o vertido estava alto, e a mão do meu tio passava pela perna dela. Ela se preocupava em não fazer barulho, mais eu ouvia:
-chup,chup,chup…
…que parou no 30º, não no 15º. cinco minutos depois, com ela recomposta e eu “acordando” com minha prima; chegamos.
pensei estar com raiva, mais ao ver todos radiantes, incluindo minha mãe, esqueci completamente. mais detalhes sobre nós na época:
me chamo James, tinha treze anos, tinha um corpo esbelto e era virgem e punheteiro. meus primos são meio irmãos com exceção dos gêmeos. Diogo é moreno, forte e sério. os gêmeos são ruivos (meu tio não durava muito com mulher) com músculos esculpidos e luana pegou o melhor das duas famílias que ela tem: peitos e bunda salientes das mulheres da nossa, e é lindamente oriental como sua mãe.
meu tio era uma ignorância de forte, branco e já era grisalho. e minha mãe era branca, peituda, bunduda, linda e alegre.
limpamos a casa,estendemos os colchões no chão, e minha mãe e laura cozinhavam, meu tio sempre roçando minha mãe; comemos e arrumamos tudo. quando minha mãe e luana tomaram banho espiei as duas, de um buraco que só eu sabia que tinha no banheiro. tanto minha prima quanto minha mãe tem xanas lisinhas. exaustos, fomos todos dormir. Eu deitei no colchão de casal com a minha mãe, os gêmeos nas duas pontas do outro colchão de casal com a laura no meio; Diego dormiu num colchão de solteiro e meu tio no quarto.
Minha mãe dormia só de pijama e tinha um sono muito profundo. apalpei seus peitos, rocei sua bunda e ela não acordou; passei a mão em suas pernas e ela nem piscou. dormi, pois no outro dia tínhamos muito o que fazer.
Acordei de madrugada, ouvindo barulhos estranhos. vi que o outro colchão de casal estava vazio, saquei minha câmera e fui pro depósito (o unico lugar que a luz acende e ninguém vê). eles sairam a pouco tempo e luana parecia timida. ela estava de short e blusa de alça do pijama e andré e anderson de short. o angulo era perfeito, a camera captava bem o áudio, então começou o show:
– vai lu, tá todo mundo dormindo!
– de novo, seus tarados! a gente fez antes de vir! quanto dinheiro vocês ainda tem?
-cinquenta-diz andré sorrindo.
-com o meu, dá cento e dez- anderson diz abaixando as calças.
luana parece satisfeita. ajoelha, abaixa o short de andré e sua boca na rola dele fsz o mesmo barulho que eu ouvi de manhã:
-chup,chup,chup…
Agora sem limite de chupadas, trocando a boca de rola, hora andré hora anderson, enquanto ela ficava nua.seus seios eram duros, sua bunda redonda e a boca não parava. andré deitou no chão, ela ainda chupando ele e o anderson posicionou, e ela, de xota melada recebeu tudo.logo trocou a posiçao e cedeu pro andré.
-isso merece algo mais- disse lu e andre cuspiu na bunda dela. ela sorriu.
-ou! eu primeiro!!- andersom virou já metendo no cú dela. andré puxou ela pra cima e virou dupla penetração. gozaram muito na cara dela, que foi pro banheiro limpar o rosto.
acabou aqui? não! daqui uns dias eu posto a parte dois, ai o bicho pega. vlw flw!!!

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,81 de 16 votos)

# # # # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

Nenhum comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos