TODO MUNDO COME PAPAI NÃO PODE COMER

Osvaldo era casado com a Neusa os dois tiveram três filhas, Flavia, Juliana e eu que sou a Márcia a mais nova a mais bonita a mais gostosa a mais safada a mais cobiçada a mais, mais.
   Até os dezenove anos eu fui uma santa, daí pra frente virei uma putinha de carteirinha, depois do casamento da minha irmã Flavia, minha vida se transformou, comecei a namorar logo depois de dar uma trepada com o marido da Flavia, meu cunhado.
   Desde quando eles namoravam, meu cunhado vivia pegando no meu pé, muitas vezes ele chegou a passar a mão na minha bunda, dentro da minha casa, era só ele ter uma oportunidade, me chamava de gostosa e me agarrava, me beijava e corria a mão.
   Como eu estudava a noite, por duas vezes ele foi me esperar, na porta da escola e por toda lei, ele queria que entrasse no seu carro, para me levar pro motel, para que ele parasse de me importunar, eu prometi a ele que só ia pra cama com ele, depois que ele se casa se com a Flavia, ele levou no capricho até se casar com ela, depois disso partiu pra cima de mim.
   Fui obrigada a cumprir a minha promessa e um mês depois, numa segunda feira, ele faltou do serviço e me pegou na porta da escola, me levou pro motel e trepamos a tarde inteira, a Flavia estava dando um duro no serviço dela e eu estava pegando no duro do marido dela.
   E que duro em o cara tinha um cacete, que media uns vinte centímetros, grosso da cabeça vermelha, ele socava aquilo na minha boceta, que parecia um vagão do metro, entrando no túnel, batia no fundo e voltava pra fora, batia no fundo e voltava pra fora, ele tinha tanto tesão por mim e pela minha bunda, que ele gozou duas vezes na boceta e uma vez no meu cuzinho.
   Se não fosse a hora da Flavia chegar em casa, ele teria ficado trepando comigo, por mais umas quatro horas seguidas, depois disso ele sossegou e me deixou em paz.
   Eu gostei tanto daquela trepada, que comecei a sentir uma necessidade de trepar todos os dias, eram os primos, amigos da escola, o dia que eu ficava sem trepar, eu ficava louca.
   Um dia desses eu fui visitar a minha avó, quando eu cheguei lá, ela não estava, quem me recebeu foi o meu tio Lucas, quando eu olhei pra ele, eu senti uma vontade de gozar, que me subiu um calor pelo corpo, que me deu vontade de pular no seu pescoço, mas me aguentei, porque eu vi o jeito que ele me olhou de cima em baixo, sem dar uma piscada.
   Ele me mandou entrar, que avó não ia demorar, eu entrei e me sentei no sofá da sala, ele sentou se no sofá bem na minha frente, eu estava usando uma mini saia estampada, de seda e era bem rodada, quando eu cruzei as pernas, senti que as minhas coxas ficaram a amostra, meu tio conversava comigo, mas não tirava os olhos das minhas coxas.
   A hora em que ele me falou, você tem umas pernas linda, eu senti totalmente nua, para disfarçar eu pedi para tomar água, ele falou vamos lá na cozinha, eu fui a frente e ele logo atrás de mim, nisso ele me perguntou se eu estava namorando, eu disse que não que ninguém queria namorar comigo, ele falou eu quero e só você querer, enquanto eu tomava a água, ele me abraçou por trás, me apertou e me deu um beijo no pescoço.
   Senti um arrepio dos pés a cabeça, ele me virou de frente pra ele e me deu um beijo na boca, eu correspondi de imediato, nossas línguas se enrolaram, ele me sentou em cima da mesa, tirou a minha calcinha e chupou a minha boceta, rapidamente ele me levou pro quarto, me deixou totalmente nua e meteu o cacete na minha boceta, foi uma tarde maravilhosa.
   Depois disso, um dia a tarde eu estava em casa só com o meu pai, minha mãe e a minha irmã tinham ido á casa da Flavia, meu pai estava sentado na mesa da cozinha, verificando umas contas a pagar, mas eu percebi que ele me olhava de um jeito meio estranho, principalmente quando eu passava perto dele, ele não tirava os olhos da minha bunda.
   Pensei comigo mesma, eu vou testar o meu pai, será que ele quer alguma coisa comigo, bem fui ao banheiro e tomei banho, me enrolei numa toalha de rosto, pequei um pote de creme pra pele e sai, quando eu estava passando perto do meu pai, ele falou á se essa toalha caísse.
   Eu perguntei e se ela caísse o que iria acontecer, meu pai falou eu iria ver um anjo na minha frente, eu falei então você quer ver um anjo, ele falou querer eu queria mas, eu falei mas o que, nisso eu abri os braços, que estavam prendendo a toalha e deixei ela cair, quando o meu pai me viu peladinha, ele falou meu deus que tesão, que maravilha, vou comer a sua bundinha.
   Eu disse você não pode comer não, meu pai disse porque não, eu falei porque foi você quem fez, tudo isso aqui e quem faz não pode comer, porque é pecado os outros homens podem comer a vontade, mas você não pode, nisso eu falei, já que você me acha maravilhosa, então passa creme na minha costa, daqui a pouco eu vou sair e alguém vai querer me comer.
   Meu pai começou a passar creme na minha costa e na minha bunda, eu notei que ele estava de pau duro, quando ele me perguntou, minha filha me diga uma coisa, apesar de você ser uma menina muito bonita e muito gostosa, você ainda e virgem NE, eu falei hei acorda pai, a minha virgindade eu perdi, logo depois da minha primeira menstruação.
   Meu pai falou mas isso já faz muito tempo NE filha, eu falei pois é pai já faz muito tempo mesmo, ele perguntou e quem foi o canalha, que fez isso com você, eu respondi foi o Davi pai, ele perguntou o seu primo filho da minha irmã Joana, eu disse sim ele mesmo, ele falou eu mato esse merda, eu falei então o senhor também vai ter que matar o Julinho, ele falou o filho do meu irmão João, eu disse sim ele mesmo, ele perguntou tem mais, eu disse tem.
   Papai já estava vermelho igual a um pimentão, de tanta raiva e ódio, eu falei não precisa ficar bravo não, só tem mais uns quatro ou cinco, ele disse quatro ou cinco, eu falei é pai, ele perguntou quem são esses filho da puta que te comeram, eu falei foi o Luizinho, ele falou o filho da Tica, eu disse sim, quem mais, eu falei o tio Américo, ele perguntou o meu irmão, também te comeu, eu disse sim paizinho, ele falou paizinho uma ova quem mais.
   Eu falei ai pai perai deixa eu me lembrar áá o marido da Flavia, ele falou o teu cunhado te comeu, eu disse porque não podia, meu disse claro que não, eu falei onde esta escrito que ele não podia me comer, meu pai falou isso e falta de vergonha na cara, eu falei á eu estava me esquecendo, tive um caso com a Maristela também, ele falou a sua prima a filha da sua tia Olga, eu disse ela mesma foi maravilhoso, ela tem uma bocetinha gostosa, gostosa pra chupar.
   Meu pai falou se tudo mundo te comeu, eu também posso te comer e vai ser agora, ele me pegou no colo e me levou pro quarto, me colocou de quatro, lambuzou o meu cuzinho com creme e começou a enfiar o cacete, bem de vagarzinho com muito cuidado, eu perguntei esta pondo de vagarzinho porque, esta com medo do meu cu ele não morde não.
   Meu pai falou e pra não te machucar filha, eu dei uma gargalhada e falei, que machucar o que pai, esse cu já aguentou dois cacete juntos de uma vez só, meu pai falou puta que pariu filha, você tem certeza, que cabe tudo isso aqui dentro desse cuzinho? Tenho pai, pode socar tudo ai dentro que não tem fundo o que vier entra e eu gosto.
   Ai ele socou tudo de uma vez e falou, porra filha o seu cu esta parecendo, garagem de ônibus, nunca vi um cu tão grande igual o seu, vai me dizer que o padre da paróquia, também comeu o seu cu, eu respondi, bem que eu queria NE pai, mas o padre prefere comer, os coroinhas da igreja, meu pai me socou o cacete a vontade, gozei como uma louca a gora todas as vezes que a minha sai, eu vou tomar banho só para deixar a toalha cair perto do meu pai, ai eu posso saborear aquele cacete gostoso que ele tem.
   Meu pai é um dos homens, mais gostosos que já comeram o meu cuzinho e a minha bocetinha, ele mete tão gostoso que eu adoro dar o meu cuzinho pra ele, meu pai é dez.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 2,00 de 1 votos)
Loading...