Lucas, meu enteado (parte 3)

Aconselho para ter melhor entendimento ler os episódios:
Lucas, meu enteado & Lucas, meu enteado 2

Agora vamos a continuação:

A noite estavamos de novo na cama vendo TV. Era nosso costume, e tambem como sempre eu ficava no meio.
Eu estava com muito tesão e sentia que Isabel estava na mesma situação. Havia um clima de excitação, só faltava alguém dá inicio.
Meu pau estava duro só de pensar nas oportunidades que poderiam acontecer alí. Virei pra Isabel e já fui logo encoxando. Ela sentiu minha pica dura e deu um gemido bem safado. Tive certeza que ela estava mesmo afim de putaria.
– tô louco de tesão – disse em seu ouvido.
– tô percebendo. Você é muito safado!
– é? Sou safado, sou?
– é sim. Safado sacana!
Dei uma apertada gostosa nela. Minha pica pulsando. O edredon cobrindo nós 3. Percebi que Lucas voltou sua atenção pra gente. Olhava pra TV e olhava pra gente. Dei mais uma encoxada na bunda de Isabel e intensifiquei nos movimentos. Deixei mais explícito pro garoto.
– oh, filhinha! Que delícia! – disse em um tom que Lucas também ouvisse.
– tá bom, tá? – ela perguntou bastante safada e também sem importar com a presença do garoto.
– tá sim, filhinha. Tá muito gostoso. Rebola na pica do papai.
– assim? – ela rebolou com tesão. – que pica dura gostosa! Hummm!
Isabel rebolava e gemia com tesão. Eu estava explodindo de tanto prazer. Lucas nem olhava mais pra TV. Ele se sentou recostado na cabeceira e nos olhava com atenção. Eu desci o edredon até nossas pernas para que ele tivesse uma melhor visão de nossos corpos. Eu estava de cuecas e Isabel de camisola e calcinha, mas a camisola já havia subido bastante deixando exposta toda sua bunda.
– delícia! – eu disse. – mexe, filhinha. Mexe essa bunda gostosa na picona do papai.
– ai, paizinho – ela disse. – sua pica tá muito gostosa.
– você gosta da pica do papai? Gosta, minha filhinha?
– eu gosto, paizinho. Eu amo sua pica.
– quer, filhinha, minha pica?
– quero, eu quero, paizinho.
Baixei um pouco a cueca. Botei o pau pra fora. Minha bunda também ficou exposta pra Lucas. Encaixei o pau no rego e sarrei com vontade.
– que delícia, minha filhinha! – disse com muito tesão.
– ai, papai. Que picona gostosa! Exfrega ela em mim.
– filhinha gostosa do papai. Minha filhinha safada. Papai vai lhe dá muita pica.
– ela nem é sua filha! – exclamou Lucas.
Ouvir a vozinha dele quase me fez explodir em gozo. Sentir a participação dele foi maravilhoso. Só virei o rosto pra ele e perguntei:
– oi?
– ela nem é sua filha. Ela é sua esposa.
Ele falava olhando meu corpo, minha bunda, meus movimentos.
– mas a gente tá brincando – eu disse com muito tesão.
– brincando de quê?
Eu afastei um pouco o meu corpo do dela pra que Lucas pudesse ver meu pau. Ele olhou atento meu pau duro pulsar, então encaixei novamente na bunda de Isabel e disse entre gemidos pra ele:
– brincando de pai e filha.
– mas ela não é sua filha.
– mas é só de brincadeira.
– por que?
– porque é bom brincar assim. A gente gosta. É muito gostoso!
– por que é gostoso?
– porque é muito gostoso brincar de pai e filho assim. Lembra que ontem eu brinquei um pouquinho com você?
– lembro.
– e você gostou?
– gostei. Mas você não tirou a cueca.
– eu tirei um pouquinho. Você não sentiu porque estava de pijama.
– é melhor brincar sem pijama?
– é sim. É bem melhor. É mais gostoso.
Meu tesão estava no ápice. Isabel também estava muito excitada. Ela rebolava e gemia.
– eu estou vendo sua bunda – Lucas disse.
– tudo bem, pode ver. Eu sou seu pai. Pode olhar pra minha bunda. Você tá gostando de ver?
– tô.
– você sente o quê quando olha pra minha bunda?
– não sei – ele deu de ombros. – mas eu gostei de ver. Você não fica com vergonha?
– vergonha de quê?
– porque eu tô vendo.
– não, claro que não. Você é meu filho.
Era visível a excitação de Lucas. Sua respiração pesada, a fala arrastada e um leve tremor de nervoso típico de crianças. Eu toquei em seu rosto e lhe fiz carinho. Gemi de prazer olhando pra ele enquanto roçava meu pau na bunda de Isabel.
– meu filhinho! – disse com tesão.
Ele sorriu encabulado.
– eu te amo, filhinho. Muito!
Fui me afastando de Isabel. Lucas correu o olhar pra minha cintura em busca do meu pau, que apareceu pulsante e extremamente duro. Ele ficou contemplando minha pica e eu lhe fazia carinho no rosto. Fiz ele deitar-se e continuei a lhe dá carinho. Sua respiração estava ofegante, seus bracinhos arrepiados. Seu corpinho tremia. Eu sabia que ele estava nervoso e procurava deixar ele calmo. Seria sua primeira experiência sexual aos sete anos e eu faria de tudo pra ser perfeita. Queria que ele tivesse total conciência do prazer que nossos corpos podem proporcionar.
– quer brincar? – perguntei carinhosamente.
– brincar de pai e filho?
– sim.
– eu quero.
– quer?
– eu quero.
Lhe fiz mais carinho. Beijei seu rostinho lindo. Senti Isabel se mexer. Ela sentou recostada na cama pra nos observar. Olhei pra ela e ela sorriu. Me fez carinho no rosto e me deu um beijo. Era a permissão definitiva que eu tanto almejava. Teria Lucas inteiro pra mim sob o consentimento e aprovação de sua mãe. Há meses eu desejava aquele momento, eu desejava aquele menino, aquele corpinho infantil, inocente, imaculado e puro.

Lucas já estava mais relaxado. Comecei tirar a blusa de seu pijama. Ele me olhava atento, por vezes olhava meu pau que pulsava e sorria pra mim. Tirei sua blusa e admirei seu corpinho nu. Tive vontade de lamber todo. Meu amor por ele multiplicava a cada toque em seu corpo. Me apaixonei perdidamente. Disse beijando carinhosamente seus pequenos lábios:
– eu te amo, meu filho.
– eu também te amo, papai – ele disse me olhando e sorrindo.
Beijei sua boquinha mais uma vez e dessa vez fui correspondido.
Continuei acariciando sua barriga e fui descendo até chegar no seu pauzinho, que como eu esperava, estava bastante duro. Fiquei massageando sua pica por cima do pijama. Ele sorria encabulado mas também demonstrava prazer ao meu toque. Baixei seu pijama junto com sua cuequinha e expus seu pauzinho duro e melado. Brinquei com sua pica. Mexi em seus ovinhos. Ele olhava atento, sorria, fechava os olhos, respirava ofegante, me olhava, demonstrava seu prazer e seu tesão. Isabel também nos olhava atenta. Por vezes me fazia um carinho e também se tocava. Mexia em sua buceta sentindo prazer. Eu me inclinei sobre o corpo de Lucas e beijei sua barriga. Fui descendo lhe dando beijos até chegar em sua pica e beijei com carinho. Beijei a pica dele toda, beijei os ovos, lambi, cheirei. Tinha um cheiro maravilhoso de criança. Lambi a cabecinha da pica e chupei. Foi delicioso sentir aquela pica tão pequena e dura dentro de minha boca. Ele não esboçou reação, apenas se entregou ao prazer de receber seu primeiro boquete. Ele ficou imóvel enquanto eu chupava com prazer sua pica. Eu apenas ouvia sua respiração ofegante de criança sentindo prazer, e ouvia também gemidos de Isabel que se masturbava com prazer vendo seu filho sendo iniciado no sexo.
Tirei seu pijama e cueca deixando-o completamente nu. Voltei a deitar do seu lado com meu corpo junto ao seu. Meu pau roçava em sua perna enquanto eu batia punheta pra ele e lhe dava beijos na boca. Meu garotinho estava maravilhado com tanto prazer que recebia. Eu caprichava, explorava com muito amor o seu corpinho. Queria que ele fosse lembrar daquele momento por toda a sua vida com muito prazer.
Virei ele de bruço. Que bundinha linda, maravilhosa. Fiquei contemplando, admirando. Meu pau babava muito. Eu estava no paraíso com aquela criança linda, que eu amava e que me dava tanto prazer e tesão.
Botei a mão em sua bunda branquinha e lisinha. Sua pele macia e sedosa me fez gemer. Alisei sua bunda com prazer, apertei, passei o dedo pelo reguinho e encontrei o cuzinho. Cuzinho que eu tanto queria. Gemi sentindo o seu cuzinho no meu dedo. Fiquei brincando com a ponta da dedo. Ele empinou a bundinha procurando mais por meu carinho. Estava lhe dando prazer no cuzinho. Meu dedo brincava na entrandinha e ele empinava mais empurrando o cuzinho contra meu dedo. Eu gemia e sentia ele suspirando de olhos fechados curtindo aquele momento. Ele estava com a bundinha toda empinada facilitando pro meu dedo. Passei o dedo na minha língua. Senti o gosto de seu cuzinho. Lubrifiquei o dedo com cuspe e passei em seu cuzinho. Senti Isabel me alisando e sua mão encontrar o meu pau e punhetar devagar. Virei o rosto pra ela e nos beijamos.
– eu te amo! – ela disse.
– eu também te amo!
Continuei brincando no cuzinho de Lucas enquanto Isabel me punhetava.
Estava tomado de tesão. Me inclinei sobre sua bundinha empinada e beijei. Beijei com tesão, com prazer, carinho, amor e paixão. Abri mais suas perninhas e me posicionei no meio delas. Segurei em seu quadril e puxei mais um pouco. Seu cuzinho se mostrou pra mim. Eu literalmente babei de tanto tesão e então lambi. Lambi seu cuzinho inteiro. Senti todas as suas preguinhas na minha língua. Senti o seu cheiro. Cheiro de cu de criança. Cuzinho virgem e intocado. Lambi, lambi, lambi muito fazendo ele suspirar e dá gemidinhos infantis. Voltei a ficar de joelhos e olhei meu pau. Nunca o tinha visto tão grande e grosso. Tinha uma dureza impressionante. Constatei que seria um tanto difícil meter ele no cuzinho de Lucas. Era muita pica pra uma criança de sete anos. Mas por experiências anteriores sei que com muito carinho ele iria aguentar tudo dentro.
Isabel me olhava louca de tesão. Olhava meu pau e se deliciava. Ela pegou meu pau e apertou e com muita vontade veio chupar. Enfiou na boca e chupou com tesão. Eu gemi. Lucas abriu os olhos e ficou olhando impressionado sua mãe me chupando enquanto meu dedo explorava seu cuzinho. Ela parou de me chupar deixando meu pau todo babado. Direcionei meu cacete pra bundinha dele e deitei sobre ele. Seu corpinho desapareceu debaixo do meu.
Encaixei minha pica no meio das duas bandinhas, roçando no seu cuzinho. Que delícia. Ele empurrava a bundinha contra meu pau pra sentir mais ele passando no seu cuzinho. Minha pica subia e descia no meio de sua bunda deixando ela toda babada de pica. Subi mais um pouco e passei meu cacete por toda suas costas. Fiquei admirando meu pau em sua pele, em seu corpo. A visão mais linda do mundo.
Voltei pro meio de sua bunda e deixei meu pau entre ela. Realmente era uma pica muito grande pra aquela criança. Meu pau mede 19 centímetros com grossura normal, mas dado as circunstâncias do momento que me causava extremo tesão acredito que estava beirando quase 21.
Abri sua bundinha e fiquei passando a cabeça no cuzinho. Ele olhou pra trás e ficou olhando minha pica pincelando seu buraquinho. Eu expunha meu pau pra ele apreciar e depois pincelava de novo em seu rabinho. Fiz isso várias vezes e ele adorava, se empinava, empurrava o cuzinho no meu pau, roçava, se abria pra receber pica.
Isabel estava maravilhada assistindo seu filhinho se descobrindo em uma pica. O jeito, a forma como ele fazia enlouquecia a nós dois. Isabel lhe acaricou os cabelos e lhe beijou no rosto. Ela o amava muito, o amava mais que tudo e aquele momento deixou ela muito feliz.
Eu ia deflorar aquele garoto. Comer seu cuzinho. Descabaçar seu rabinho. Tirar sua virgindade e me tornar seu homem, seu amante. Passei mais cuspe no pau e posicionei no cuzinho.
– espere – disse Isabel.
Ela pegou o lubrificante que as vezes usavamos e me deu. Eu passei no pau e também no cuzinho dele. Posicionei de novo. Ela ainda disse:
– devagar, cuidado pra não machucar ele.
– eu sei. Vou fazer com cuidado.
Ela o acaricuou e disse:
– meu amor, se você não quiser você fala que papai para.
– eu quero – ele disse.
– quer mesmo, meu amor?
– quero!
Enquanto Isabel lhe fazia carinho eu dei a primeira forçada no cuzinho dele. Segurei no seu quadril e fui procurando espaço naquele rabinho. Parecia uma missão impossível desvirginar aquele garotinho, mas com amor a gente iria conseguir. Isabel fazia carinho pra ele relaxar e suportar, enquanto eu ia abrindo cuidadosamente seu cuzinho. Sentia aquela resistência infantil que eu tanto conhecia e que me enchia de tesão. Sentia o calorzinho emanando de seu cuzinho. Então dei mais uma forçada colocando a ponta da cabeça.
– ai, tá doendo! – ele gritou tentando expulsar meu pau do seu rabinho, mas eu o segurei e fiquei parado.
– calma, relaxe! – eu disse.
– mas tá doendo – ele disse.
– calma. Essa dorzinha já tá passando e vai ficar mais gostoso do que o que tava.
– vai?
– vai sim. Relaxe. – eu disse também lhe fazendo carinho.
– relaxe – Isabel disse lhe acariciando. – vai ficar bom.
Enquanto Isabel o acalentava e o fazia relaxar eu empurrei mais um pouco fazendo entrar toda a cabeça. O calor do seu cuzinho me fez dá um gemido prazeroso. Sentir a cabeça da minha pica pressa no seu rabinho me enlouqueceu de tesão. Meu pau pulsou descontrolado e eu segurei pra não gozar.
– tá doendo – ele choramingou.
– tá doendo, amor – disse Isabel penalizada. – melhor parar. Amanhã você tenta mais um pouco.
– tá doendo muito, meu filho? – eu perguntei.
– um pouco – ele respondeu ainda dengoso.
– eu vou ficar parado um pouquinho e se continuar doendo eu tiro. Tá certo?
– tá certo – ele disse.
– tá muito gostoso, meu filho, ficar assim com você – eu disse. – e sei que vai ficar melhor. Você vai adorar quando passar essa dorzinha. Vai ficar muito gostoso. Não tava bom antes?
– tava.
– então, vai ficar melhor. Lembre de como tava gostoso que vai começar ficar de novo.
– vai sim. Enquanto for entrando você vai pensando em como tava bom. Você vai adorar.
– não enfie muito, não – Isabel falou com carinho. – ele não vai aguentar toda. É muito grande pra ele.
– eu sei.
– a cabeça já entrou?
– já.
– toda?
– sim. Tá toda dentro.
– enfie mais um pouquinho só. Amanhã tenta mais. Daí todo dia vai metendo um pouquinho mais até ele aguentar toda.
Eu empurrei mais um pouco além da cabeça e senti seu cuzinho se abrindo todo.
– ai, ai. Tá doendo, mamãe. Tá doendo! – ele disse choramingando.
– chega, amor – ela disse pra mim. – não enfie mais não. Aí tá bom. Ele não vai aguentar mais não.
– não tá nem metade dentro – eu disse babando de tesão, louco pra enfiar toda mas sabia que seria por etapas.
– amanhã você mete mais um pouco nele pra ir acostumando – ela disse e lhe fazendo carinho perguntou – você quer que ele enfie mais no seu bumbum ou já tá bom?
– já tá bom aí – ele respondeu dengoso.
– quer que ele tire?
– não. Pode deixar. Só não pode enfiar mais. Assim já tá bom.
– você tá gostando?
– tô.
– você gostou de fazer isso com seu papai?
– eu gostei.
Enquanto Isabel conversava deliciosamente com Lucas, ele foi relaxando e nisso eu comecei fuder seu cuzinho. Não meti mais do quê o que já estava dentro, mas comecei aquele vai e vem bem devagar, quase parando. Isabel acariciava ele e me olhava com prazer, olhava meu pau no cuzinho dele, mexia em sua buceta e sorria satisfeita e apaixonada.
Senti Lucas novamente empinar a bunda na busca de minha pica que lhe fudia gostoso. Vi ele fechar os olhos e suspirar. Suas mãozinhas apertaram o lençol e ele empinou mais no meu pau que entrava e saía delicioso em seu rabinho infantil.
Deitei novamente sobre seu corpo e perguntei:
– tá gostando?
– hum hum – ele respondeu ofegante.
– tá mais gostoso agora ou antes?
– agora.
– ai, filhinho. Eu te amo.
– também te amo.
– você quer fazer isso mais vezes?
– quero..
– eu te amo, Lucas. Meu filhinho, meu garotinho, minha criancinha. Ai, que delícia! Que delícia!
Eu fudi o cuzinho dele bem gostoso. Foi maravilhoso sentir minha pica naquele rabinho tão pequeno, apertado e quente.
Fudi com prazer e amor. Isabel se deliciava apreciando nossa foda e se masturbando.
Senti que iria gozar. O gozo estava chegando maravilhoso. Disse pra ela:
– vou gozar.
– goza. Goza gostoso. Goza nele. Enche o cuzinho dele.
Enfiei bem devagar sentindo seu cuzinho acomodando meu pau e o gozo veio sublime, delicioso, magnífico, abundante e farto. Urrei de prazer enquanto meu leite saia quente e se alojava em seu cuzinho. Fiquei dentro dele até sentir sair a última gota de minha porra.
Isabel também gozou prazerosamente gemendo com os dedos enfiados na buceta.
Beijei meu filhinho, meu garoto e tirei meu pau de seu cuzinho. Um monte de porra escorreu pra fora. Deitei ao seu lado, deixando-o no meio e fizemos muito carinho nele. Ele tava dengoso e se aninhava entre a gente fazendo carinhas de criança manhosa.
Olhei pra Isabel e sorrimos. Nos beijamos.
– eu te amo muito! – ela disse.
– eu também amo você muito.
Ficamos deitados nos acariciando, nos amando e sendo felizes como toda família deve ser.

Depois contarei outros detalhes até quando por fim penetrei meu pau inteiro no cuzinho de Lucas.