Sexo no Banheiro do Colégio

Olá leitores, vou relatar um fato ocorrido comigo em 2.006 aqui em Curitiba onde moro desde que nasci. Por questões de privacidade manterei nomes sob sigilo relatando apenas as letras iniciais dos nomes envolvidos, porém, caso alguém que teve conhecimento e presenciou esse fato ler o conto saberá facilmente quem são os protagonistas dessa história. Me chamo A e estudava em um colégio da rede estadual aqui da cidade, eu tinha uma colega de nome B que já havia conhecido em outro colégio das proximidades e eu namorava uma amiga dela e ela ficava meio que de vela na giria popular e não desgrudava de nós e isso me encomodava, pois, não tínhamos privacidade e isso foi uns três anos antes do fato que relatarei em seguida. Certo dia eu estava com um colega na pracinha de meu bairro e de repente vi uma moça de bicicleta que olhava em nossa direção, olhei para meu colega e falei é contigo e vice versa, até que ela citou meu nome e perguntou se eu lembrava dela, fiquei surpreso ao ver que aquela menina meio feiosinha e desengonçada estava três anos depois uma delicinha, pois, usava um shortinho curtinho e sentada no selim da bike deixava à mostra suas belas coxas branquinhas. Meu amigo saiu de perto e fiquei sozinho com ela, papo vai e papo vem e ela começou à vender seu peixe, disse que ela havia amadurecido e percorrido algumas estradas que ela nem imaginaria percorrer antes, me mostrei surpreso e pedi que me contasse um pouco do que se tratava. A B me deixou de queixo caído quando sem rodeios começou a falar em sexo, orgias, surubas, etc. Eu olhei para ela e falei ual, ela sorriu e disse que qualquer hora deveríamos nos divertir um pouco, mais que rapidamente eu disse que sim, em seguida ela perguntou onde eu estudaria naquele ano, citei o nome do colégio e ela disse que também estudaria no mesmo local, a mesma foi se despedindo e disse que quando as aulas iniciassem voltaríamos à nos falar. As aulas começam e sem passar muitos dias durante uma aula vaga estava eu sentado com meu amigo M e chega a B, ela nos comprimenta e começa à me perguntar como eu estava, se estava namorando, etc… Fiz o mesmo também, porém, dessa vez quem ousou foi eu, pois, sempre tive o desejo de fazer sexo no banheiro de um colégio e na hora lembrei de nossa conversa na pracinha e lhe perguntei como andavam as orgias, surubas e tals e ela disse que estava aprontando bastante e sorriu, meu amigo M me olhava de canto e sorria, de repente indaguei a B em forma de pergunta se ela já havia feito de tudo em se tratando de locais e ela disse que ainda faltava algumas coisas, de imediato perguntei se ela já tinha transado em um banheiro de colégio e ela me olhou surpresa e disse: ” Tá aí, algo que nunca fiz”. Não perdi a oportunidade e lhe fiz o convite que prontamente foi atendido e aceito com naturalidade pela B, deixei meu caderno nas mãos de meu amigo M que olhava incrédulo para aquela situação, como ele era de confiança não me preocupei se ele contaria para alguém. Eu e B fomos ao banheiro das meninas, ela entrou, certificou-se que naquele instante não havia nenhuma garota lá dentro e fez sinal para que eu entrasse, olhei ao meu redor e vi que o movimento no pátio era tranquilo e rapidamente entrei e nos dirigimos rapidamente à um mictório privado, entramos, fechamos a porta. Começamos dando uns beijos para esquentar o clima, como não tínhamos muito tempo, pois, uma aula vaga tem em média 35 à 40 minutos fomos direto aos finalmentes, claro que relatando aqui parece que tudo ocorreu de forma demorada, mas, aqui tratasse de um conto com alguns detalhes peculiares ok leitores? Voltando ao banheiro, rsrs, nos beijamos e fui logo tirando a camiseta do uniforme dela, em seguida caí de boca naqueles belos seios branquinhos com biquinhos rosadinhos, a B se ajoelhou abaixando minha calça e cueca e abocanhou meu cacete chupando e lambendo deliciosamente à ponto de deixá-lo em ponto de bala para meter em sua bucetinha depiladinha e rosadinha, a B se virou de costas para mim onde prontamente abaixei sua calça para ver o estilo de calcinha que a B usava, a mesma estava com uma calcinha branca enterrada em seu rabo, logo desci sua calcinha e com meu cacete lambuzado desenrolei uma jontex que sempre está no bolso de qualquer calça que uso, pois, temos que sempre estar prevenidos certo? Em seguida abri sua bucetinha e seu rabo vendo ambos rosadinhos e meladinhose comecei à introduzir meu cacete devagar naquela bucetinha quente, que delícia, porém, o tempo era curto, dei algumas socadas com vontade enquanto ela rebolava no meu cacete e ela começou à dizer para mim gozar rápido para não perdemos aquela vibe, dei umas bombadas rápidas em sua bucetinha e gozei gostoso, ela saiu primeiro do banheiro para ver se a barra estava limpa, me deu ok e saí em seguida com as pernas bambas, pois, a B metia muito gostoso, uns minutos antes o sinal havia batido e tive que ir rapidamente para sala de aula, quando fui entrar todos me olharam e bateu aquela sensação de que todos sabiam de algo, mas, era só a tensão do momento. Me senti atrás do meu amigo M como de costume e ele se virou olhando para mim e dizendo: ” Não acredito no que presenciei e em seguida me perguntou como foi”. Bom, esse é um fato real ocorrido no ano de 2.006, claro que eu e a B transamos mais algumas vezes dentro daquele mesmo mês e em breve relatarei à vcs leitores. Desde 2.008 não à vejo e como gostaria de encontrá-la novamente. Atualmente me aventuro de vez em quando e deixo aqui meu convite à mulheres casadas, solteiras, viúvas, evangélicas, crentes, morenas, negras, loiras, ruívas, magrinhas, gordinhas, japonesas, etc e casais aqui de Curitiba e região afim de uma boa aventura com respeito, discrição, higiene e sigilo. É só mandar e-mail para alexandremrc@yahoo.com.br. Aguardarei ansioso.