# # # #

Ensinando minha filha a não andar de calcinha pela casa – uma lição que ela nunca vai esquecer

1890 palavras | 9 |4.32
Por

Minha filha ficava provocando andando pela casa só de calcinha então, quando ficamos a sós, mostrei a ela porque não deve andar assim

Olá, meu nome é Flávio e o que vou contar aconteceu realmente. Tenho dois filhos (18 e 15) e uma filha de 12 anos, Rebeca. Ela sempre foi minha preferida, nunca escondi. Pareço o pai coruja perfeito e ela faz gato e sapato de mim, dou presentes e ganho beijinhos e abraços de agradecimento. Eu sou um cara comum, 48 anos, apesar de uma barriguinha de chopp, me considero bem conservado pra idade. Rebeca herdou o cabelo castanho e liso da mãe, tem olhos enormes cor de mel e a pele bem branca, como da família da mãe dela. Quando ela tinha uns 9 anos, estávamos num churrasco de família e amigos, na beira da piscina. Eu estava na cozinha jogando cartas com meu cunhado quando a Rebeca chegou e perguntou se podia me ajudar a jogar. Coloquei ela no colo, sem qualquer malícia, como o pai coruja que sempre fui. Quando ela sentou no meu colo, só de biquíni, ainda meio úmido da piscina, começou a se chacoalhar para comemorar que eu tinha ganho a partida. Na mesma hora meu pau ficou tão duro que me envergonhei. Tirei ela do meu colo e disse que precisava ir ao banheiro. Bati uma punheta pensando naquela bundinha pequeninha rebolando no meu pau. Foi a melhor gozada de toda a minha vida, seguida de uma culpa enorme do horror que eu tinha acabado de fazer. Quando cheguei em casa a chamei para conversar: “Beca, você já está uma mocinha, não pode mais sentar no colo de homens, incluindo o papai, também não pode andar só de calcinha pela casa ou tomar banho de porta aberta, ok?” Ela chegou a ficar um pouco vermelha, mas concordou com a cabeça. Mas vocês sabem como são as crianças, uns dois dias depois ela já estava só de camiseta e calcinha pela casa e ainda com a mania de sentar no meu colo. Comecei a me masturbar todo dia pensando nela. Roubei uma de suas calcinhas usadas do cesto do banheiro e cheirava até gozar. Eu me dei conta que estava apaixonado pela minha filhinha. Semanas foram se passando e eu tentando tirar aquilo da cabeça, mas batendo punheta com as calcinhas sujas dela todos os dias. Morria de medo de alguém descobrir. Um dia ela saiu do quarto para tomar café da manhã, já estava com 10 anos, somente de camiseta e calcinha. Meu filho mais velho estava passando pelo corredor e nem escondeu a cara maliciosa ao olhar a bundinha perfeita dela à mostra. Foi então que me dei conta: ela estava crescendo e logo algum pivete pervertido ia deflorar a minha menina, minha filha, eu não podia deixar… A ideia de alguém tirando a virgindade dela me deixava louco de ciúme e raiva. Eu tinha pouco tempo, mas nunca conseguia ficar sozinho com ela e mesmo quando conseguia, não sabia como fazer, pois sabia que ela jamais guardaria esse segredo. Mais um ano se passou e já estava difícil esconder meu tesão pela Rebeca. Cheguei a instalar uma câmera oculta no banheiro que ela toma banho. Eu estava viciado em bater punheta para ela, já não conseguia nem comer minha mulher mais. Foi então que aconteceu o melhor dia da minha vida. Estávamos nós cinco (minha mulher, meus dois filhos, Rebeca e eu) numa casa na praia. Era uma casa no fim de uma rua estreita, longe da praia. A casa ao lado estava vazia e no outro lado apenas um terreno baldio. No terceiro dia que estávamos lá, meu filho mais novo tinha que voltar para a cidade, para fazer uma prova de concurso para fazer o ensino médio numa escola militar. Minha mulher foi junto, dirigindo, pois ele era menor de idade e o mais velho ainda não tinha carteira. Enquanto isso, o mais velho arranjou um grupo de amigos e foram jogar vôlei na casa de um deles e disse que voltaria só na madrugada. Fiquei sozinho com Rebeca. Ela estava feliz de ficar a sós com seu paizinho. Assim que estávamos a sós em casa a minha chance apareceu. Ela havia tomado banho para a gente jantar e saiu do banheiro só de calcinha e camiseta, indo para o quarto para terminar de se vestir. Nessa hora quase explodi de tesao e me dei conta da minha chance. Ela estava com 11 anos, a cintura já começava a aparecer, havia pequenos bicos de seios marcando a blusa e as pernas estavam mais grossas e longas que no último verão que havíamos passado lá. Não tive dúvidas, no que ela entrou no quarto dela, só de camiseta e calcinha, entrei atrás. Ela levou um susto. “Papai! Que isso?” e começou a rir como se eu tivesse me enganado de quarto. Olhei para ela e disse “Beca, você sabe que o papai sempre te protegeu, sempre deu preferência para você, mas você nunca me obedece. Eu disse a você mil vezes para não andar de calcinha pela casa, mas você parece que não ouve!” e ela começou a pedir desculpas com cara de choro, dizendo que não faria mais isso e tudo mais. Então olhei para ela, segurei suas mãozinhas e coloquei no meu pau por cima da calça. Ela ficou vermelha e tentou tirar a mão. Eu segurei a mão dela no meu pau duro feito uma pedra e disse “Isso é o que acontece com os homens quando você anda só de calcinha por aí. Então hoje eu vou te ensinar a não fazer mais isso. Hoje o papai vai fazer você de putinha, assim você não vai mais esquecer de me respeitar, tá entendo?” Ela começou a chorar e dizer “papai, não faz isso, por favor…” e quanto mais ela chorava mais meu pau latejava. Mandei ela deitar na cama, só de calcinha. Ela continuou dizendo que não , chorando, então peguei e joguei ela a força. Ela gritava “papai, não, por favor, eu sou viagem, não faz isso”. Segurei os bracinhos dela com um dos meus braços e abrindo as pernas dela com a outra mão. Mandei ela ficar bem quieta, que se ela não chorasse e deixasse eu mostrar para ela o que uma putinha faz, tudo terminaria bem rápido. Disse “lembra que a culpa é sua por ficar provocando seu pai e seus irmãos todo dia, sua vagabundinha. Eu acho que você já queria isso é não tava sabendo como pedir.” Ela negou com a cabeça, algumas lágrimas ainda saiam, mas ela ficou imóvel. Foi então que afastei aquela calcinha branquinha de algodão e pude ver a bucetinha mais linda que já vi na vida. Rosinha, com alguns pentelhinhos bem pequeninos começando a nascer. Passei os dedos para cima e para baixo naquela bucetinha. Ia ser minha a primeira metida na bucetinha rosinha da minha filha, nada mais justo, pois sempre fui o pai mais amoroso do mundo e nenhum macho nunca vai tratá-la como eu tratei. Enquanto passava os dedos na xaninha rosa dela fiquei olhando para o rosto imóvel dela. “Diz pro papai assim: obrigada papai por me ensinar a ser sua putinha”. Ela repetiu com aquela vozinha quase de criança. Não aquentei e enfiei um dedo naquela xerequinha dela. Ela apertou a boca com força e eu quase gozei sem sequer meter nela. Comecei a me masturbar e enfiei o dedo nela mais algumas vezes, até que um pouquinho de sangue saiu. Minha menina virgem, pensei. Vou ter que dar um jeito nisso depois, pois caiu sangue no lençol. Olhei pra ela e disse: “como minha putinha está bem comportada, vai ganhar um presentinho do papai, beijinhos na xerequinha!” Ela continuou sem falar nada e eu fui lá e comecei a lamber o grelinho dela. Ficou inxadinho e pude ver que a xaninha tava um pouquinho molhada. Ela tinha parado de chorar e ficou de olhos fechados enquanto eu chupava devagar seu grelinho e também a bucetinha. Use ouvir ela fazer um pequeno gemido, quase desmaiei de tesão. “Agora é sua vez de beijar o piru do papai”. Sentei na borda da cama dela, coloquei ela de quatro e disse para pegar meu pau com a mão e dar uns beijinhos na ponta. Ela viu meu pau todo rijo e duro, fez uma cara como se achasse estranho. “É assim que fica o piu-piu do papai quando você fica só de calcinha. Só pra minha filhinha ele fica assim tão grande e duro, porque agora você é a purinha do papai e minha purinha merece tudo. Ela olhou fixamente enquanto eu explicava, sem dizer uma palavra, mas não estava mais chorando e nem se debatendo. Eu podia sentir o calor da mãozinha dela segurando meu pau. Ela deu uns beijinhos na ponta do meu pau e já pedi para ela parar. “Fiz errado papai?” Ela perguntou. Respondi “Não meu amor, seu beijinho é tão gostoso que se o papai deixar você beijar mais o papai não vai aguentar e ainda tem mais uma coisa para mostrar pra você. Deita na cama de novo, sem calcinha e abre um pouco as pernas que papai vai te mostrar como ser uma mulher adulta. Você não quer ser uma mulher adulta um dia?” Ela fez que sim com a cabeça, já foi subindo na cama e tirando a calcinha. Cuspi tudo que deu ma bocetinha dela, tinha medo de machucar muito e deixar marcas, a mãe dela poderia estranhar caso visse. Então coloquei só a cabecinha. Ela reclamou de dor, mas foi deixando. Gozei como nunca antes na vida e olha que só coloquei a cabeça do pau. Quando terminei disse para ela tomar banho novamente para a gente jantar. E completei “você sabe porque isso aconteceu, né?” E ela “sim papai, porque não obedeci e andei só de calcinha pela casa”. Abracei ela ainda pelada e disse “sim, agora você é a purinha do papai e esse será um segredo só nosso. Se você contar a alguém, vou ter que dizer que a culpa foi sua e poderemos ser presos.” Ela arregalou os olhos e prometeu que não falaria nada. Então disse que como ela se comportou, ia comprar o notebook que ela tanto queria. Ela sorriu e pareceu bem feliz. “De vez quando o papai vira aqui ver sua purinha, te ensinar mais coisas para você virar uma mulher maravilhosa, certo?” Ela concordou. “Cada vez que o papai vier, se você se comportar, ganha um presente bem legal no outro dia!” Ela ficou bem feliz. Tomou banhou, colocou o pijama e fomos jantar. Isso aconteceu tem uns 4 meses. Desde então visito minha filhinha putinha pelo menos uma vez a cada 15 dias, quando minha esposa tem que fazer plantão. Rebeca já não reclama, fica até feliz em me ver. Adora os presentes. Já consigo meter inteiro nela e vejo que ela está começando a gostar.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,32 de 56 votos)

Por # # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

9 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder NegoKarioka ID:19p1j2mm1

    Gostei, bom demais o conto, só demorou muito, com 9 já dava para fazer umas coisas… E na maioria dos casos se começa mais cedo

  • Responder Filhinha ID:wc4n09qk

    Meu padrasto tbm colocava a cabecinha na minha bocetinha, eu fechava os olhos e gemia muito. Primeiro homem que chupou minha bucetinha com 11 anos. Agora com 24 anos só consigo gozar imaginado essa fantasia.

  • Responder manao ID:1eimcw8tgtk1

    essas putas desde pequenas sao gostosinhas, ficam instigando o cara, dps choram quando o pai faz aquilo que ela mesma pediu

  • Responder Carlos ID:1dqo98j1xq3f

    Conto gostoso, Curti demais. t = anonico1234

  • Responder Carlos ID:gqbg066ii

    Toda filha tem o dever de servir ao seu pai!!

    @Carlos_A_Souza

  • Responder N Ramos ID:8k4je2yzri

    Tem cada história que é uma viajem
    😅😅😅😅😅

  • Responder Daddy ID:1eq9cnbh132t

    Não gostuei

  • Responder Maria Isabel ID:7r05evk941

    Muito nojento
    Pedófilo

  • Responder Matador de punheteiro ID:v6lc7wawkrj

    Mas um punheteiro que andou sonhando