# #

Deixei o Jabuti grandão usar meu cu

1282 palavras | 3 |4.80

Me admirei com o pauzão do jabuti e deixei ele arrombar meu cu, tendo uma surpresa de seu vigor e do quão ele fode bem.

Me chamo Vitor, tenho 25 anos, corpo cheinho, levemente peludo, pernas grossas e bumbum avantajado, sou loiro e altura média. Moro em uma chácara no interior que pertence aos meus pais, que só dão as caras por aqui em fins de semana. É um lugar agradável porém sem muito o que fazer e para me divertir sempre tenho que ir na cidade e etc.

Na chácara tem uma criação de galinhas importadas do chile, que são destinadas a venda, elas são enormes de grande e tem de dois tipos, as de penugem marrom claro e as de penugem preta (na qual tenho uma especial que em outro conto posto aqui). Fora isso tem uns jabutis que são de estimação e são criados soltos no quintal espaçoso que temos na casa, são dois machos onde um é de tamanho médio e o outro é bem mais velho e quase o dobro de tamanho desse mais novo, a jabota é novinha e pequena ainda e não esta pronta para acasalar com nenhum deles.

Ambos os jabutis machos tem um fogo danado, e estão sempre à espreita da jabota fêmea para tenta cruzar com ela, até conseguem subir na coitada que se desepera e sai de baixo deles impedindo a penetração. Em uma tarde em que eu estava de bobeira no quintal presenciei mais uma tentativa do jabuti grandão de tentar penetrar na jabotinha que conseguiu sair debaixo dele as pressas, foi ai que notei pela primeira vez o tamanho do pênis do jabuti, foi um susto e ao mesmo tempo senti uma coceirinha no cu ao pensar em sentir um pauzão daqueles me arrombando o furico.

Senti um calor que me deu até suadeira, estava mais de um mês sem transar e o último cara que encontrei pelo “app da máscara”, na cidade era um brocha que nem conseguia ficar duro direito e a metida dele foi uma tristeza. Ter ali na minha frente aquele jabuti grandão que estava todo excitado e a ponto de bala me ascendeu um fogo no cu que se espalhava pelo meu corpo todo. Cheguei perto dele sem cerimonia e o virei de lado para ver aquele pauzão maravilhoso de perto, era todo preto, com veias grossas e pulsantes, a cabeça com um formato pontudo e triangular com um buraco dilatado na ponta que já escorria um liquido pré gozo de cheiro forte e excitante, era grosso que mal conseguia fechar a mão em volta dele e seu comprimento era de um palmo e quatro dedos (que deveria dar uns 25 cm no mínimo).

– Puta merda! que cacetão tu tem hein macho. (disse ofegante ao jabuti segurando no seu membro).

– Bora pra dentro que vou deixar tu usar meu buraco. (susurrei pra ele enquanto o segurava pelo casco e entrava com ele dentro de casa em direção ao banheiro).

Deixei ele na parte de dentro do box enquanto sentei no vaso pra fazer cocô e preparar o “terreno”, depois fiz uma chuca caprichada, se não aquele jabutiz˜ao iria fazer eu me cagar todo naquele pauzão comprido dele. Depois de me secar com a toalha e estar com o cuzinho bem limpo abri a porta do box e peguei aquele macho que iria me fazer de sua fêmea e o levei para o meu quarto.

Passei lubrificante no meu cuzinho rosado e meti o dedo pra ir laceando, depois me deitei no tapete do quarto, de frago assado e segurando minhas pernas pra cima ficando com o cu bem exposto e disponível para ser penetrado pelo meu macho, ele estava de frente para mim, e o puxei para mais perto afim de fazer ele me “montar” na posição em que eu estava deitado de barriga pra cima. Não demorou para ele se apoiar com as patas dianteiras na minha virilha, andando nas patas traseiras e avançando com o cabeção pontudo de sua rola preta em direção ao meu cuzinho que já estava avermelhado de tão quente, excitado e vazando lubrificante.

Não demorou pra cabeça encaixar na minha bunda e senti aquele putão forçar pra frente, ele era todo grandão e pesado, suas pernas eram grossas e fortes e naturalmente ele sabia oque fazer ao me forçar com o pau até me arrebentar as pregas quando o cabeção pontudo entrou com tudo, eu já tive varias fodas com homens de todos os tamanhos, mas foi a primeira vez que me senti sendo arrombado de verdade, o cabeção dessa vara grossa definitivamente não é para amadores, relaxei as pregas oque pude e me inclinei um pouco mais afim de melhorar o angulo para meu macho me penetrar mais, arregalei os olhos ao sentir aquele cacetão cheio de veias deslizar lentamente pelo olho do meu cu arreganhado em diração ao fundo de minhas entranhas.

Dei um suspiro ao sentir seu casco encostar na minha bunda, eu estava pingando de suor enquando o calor daquele pauzão pulsante me queimava e ardia por dentro.

– Caralho macho! tu meteu em mim até o talo. (falei cerrando os dentes e fechando os olhos).

O Jabotão tava no tesão e começou a movimentar no meu rabo, não era um bate estaca (igual cachorro que bomba muito rapido). era mais lento e dava pra sentir deslizando por dentro de mim, porem era forte e ele tinha uma ereção muito potente, parecia que aquele pau tava virando pedra de tão duro e forte que me tocava no fundo do meu cu. Ele me fodeu pra caralho nessa posição, eu estava de corpo mole e as pernas já estavm dando caimbra de tando estar deitado e nada do jabuti amolecer o pau.

– Pera que agora eu vou sentar nesse cacetão. (disse isso ao me afastar dele e me levantar).

Ao retirar a verga preta dele de dentro do meu rabo, até lacrimejei quando senti a cabeçona rasgando minhas pregas ao sair. Peguei um travesseiro e coloquei no chão encostado na parede, posicionei o jabuti no travesseiro com aquele pauzão de frente para mim e me agachei de frente a ele encaixando o cabeção pontudo no meu buraco que foi arrombando tudo de novo ao entrar. O tesão estava no auge e caprichei nessa cavalgada invertida, sentia ele me preenchendo e batendo no fundo do meu cu, estava dolorido e ardido de tanto levar esse cacetão animal dentro de mim, sentei mais rápido ainda e o jabuti começou a roncar como se estivesse tendo um orgasmo.

– Ah, ah, fode meu rabo caralho, fode… olha como eu aguento teu pauzão fazendo bate estaca no meu anel de couro (falei entre gemidos enquanto sentava violento).

Me desmanchei em suor e tesão, estava vendo estrelas a cada vez que aquela verga grossa me invadia até o talo, forte, rápido e sem o menor pudor, senti o jabuti roncar alto e pulsar seu membro dentro de mim liberando seu gozo, o extase foi tão intenso que terminei por gozar sem ao menos me tocar. Levantei com cuidado, de pernas bambas e dormentes, ao me jogar no chão pude perceber o quão maltratado meu buraco ficou; todo arrombado, dolorido, melado e gozado.

Depois desse dia nunca mais deixei o Jabutizão passar vontade, sempre que ele queria eu deixava ele queimar minha rosca, era bem dolorido me recuperar depois mas valia o esforço.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,80 de 15 votos)

# #
Comente e avalie para incentivar o autor

3 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder @observador ID:41ii0ywn20j

    kkkk essa é nova pra mim tive q ir ver como era kkkk a gente pensa q ja viu d tudo no zoo …

  • Responder amobolasgrandes ID:1e268010ops9

    eu já tive um jabuti realmente são pauzudos chupava muito o meu

    • Gabriel ID:on956s5qrb

      Sempre quis chupar um, é um pau bem exótico