# # # #

viadinho do pai e do irmão-parte 9

2145 palavras | 4 |3.43
Por

Quando cheguei na sala tinha três caixas e duas bem grandes, uma estava escrita tv 50 polegadas, outra escrita computador e mais uma caixa pequena embrulhado em papel presente, na hora eu fiquei triste por mim mas feliz por meu pai e meu irmão, afinal meu pai ganhou a sua televisão e meu irmão o seu computador, quanto a caixa pequena, acho que não devia ser nada importante.
Meu pai e meu irmão me abraçavam sem parar me enchendo de beijos, fiquei todo babado com a melação deles, mas eu ainda não estava muito animado.

Renato=o que foi maninho?- olha os presentes que ganhamos.
Pai=que o Rafael ganhou né –disse ele corrigindo o irmão.
Eu= que nada pai, esses ai é pra vocês, o Luiz comprou pra vocês.
Renato=mas você também ganhou- disse ele apontando para aquela caixinha pequena.
Eu=é, estou vendo, não deve ser nada demais, mas estou feliz pela televisão e o computador, afinal todos vamos usar juntos.
Pai=mas se você não abrir o seu presente não vai saber o que é.
Eu=está bom, vou abrir- disse eu desanimado.

Quando eu comecei a desembrulhar aquela caixa pequena eu logo vi escrito na caixa, playstastion 5, tinha dois controles e muitos jogos de diferentes tipos.

Eu=ééé u.ummm vi.vi.vide.video game- disse eu sem acreditar.
Pai= você gostou? –não era isso que você queria?
Eu= adorei pai, muito obrigado –disse eu pulando no colo dele quase o derrubando para traz.
Pai=hehe minha garotinha, precisa agradecer não, pelo contrario, nóis que temos que te agradecer, isso tudo é mérito seu, só seu.
Renato=valeu maninho, muito obrigado mesmo –disse ele me abraçando junto com meu pai.
Eu=vem gente, vamos instalar tudo isso.
Pai=mas agora, já?
Eu= sim, sim, vamos.
Renato= vamos fazer um sexo primeiro, estou louco pra gozar na sua boquinha Rafael, quero foder bem gostoso esse cuzinho, olha só como esta duro- disse ele tirando seu pau pra fora e me mostrando.
Eu=NÃÃÃOOO, eu quero montar tudo isso já, quero jogar no meu vídeo game.
Pai= vamos fazer o que o Rafael, quer primeiro, depois a gente transa.
Renato= mas pai!!
Pai= quem manda é nossa garotinha, ela merece.
Renato= é, ela merece mesmo, vamos montar tudo então.
Então começamos a montar todas aquelas coisas, meu irmão estava ansioso para ver o computador funcionando, mas também ele não parava de encher o saco pra mim dar uma mamada no pau dele, então decidimos montar o pc primeiro lá no quarto dele, assim ele fica entretido lá e esquece um pouco de querer gozar na minha boca, meu pai nem se fala, tudo o que ele dizia era de assistir o futebol dele, parecia dois crianção, mais do queu kkk. Por fim terminamos, quando liguei aquele vídeo game fiquei fascinado, eu estava muito feliz, meu irmão ficou lá fuçando no seu pc mas ainda não tínhamos internet, mas meu pai disse que ia fazer um plano de internet, mas ia demorar uns dois ou três dias para o técnico instalar, fazer o que, o jeito era esperar, eu não parava de jogar, nem piscava, a minha alegria era muita, quem sabe eu até jogaria outras indiretas no Luiz pra comprar outras coisas pra mim, como um celular por exemplo, vocês podem até pensar que eu estou abusando da boa vontade dele né, foda-se se eu estou abusando de sua boa vontade, ele esta abusando do meu cu kkkk, e só de pensar no tamanho da rola desse tal de Roberval que eu vou ter que encarar no próximo final de semana já vale os celulares pra mim pro meu pai e pro meu irmão kkkk.
Já era tarde, eu tinha jogado tanto que minhas vistas estavam até embaraçadas, meu pai já estava em seu quarto dormindo, coitado foi dormir com tesão, o meu irmão também ainda fuçava em seu computador, apesar de não ter internet. Decidi desligar o vídeo game e ir até ele, acho que agora ele merecia uma boa chupeta, cheguei no quarto ele nem me viu de tão entretido que estava, fui engatinhando por baixo da mesa e peguei em seu pau, ele se assustou mas quando viu que era eu já largou tudo e já foi me arrastando para a cama arrancando nossas roupas ferozmente. Eu já fui caindo de boca no pau dele.

Renato=há, que delicia Rafael.
Eu=Rafael não, -garotinha.
Renato=então chupa minha garotinha, mama bem gostosa, o mano vai encher sua boca de leitinho.
Pai=o que esta acontecendo aqui? –disse meu pai peladão em pé na porta com seu pau duro feito pedra.
Eu=humm! Que gostoso, o papai quer brincar também com sua garotinha?
Pai=demoro, vamos lá para o meu quarto, a cama é maior.

Eu chupava um pouco o pinto de um depois chupava o de outro, eu chupava e chupava até que eles gozaram na minha boca, e como gozaram, acho que estavam se segurando o final de semana inteiro, era muita porra acumulada, eu engoli tudo, estava uma delicia.
Meu irmão foi pegar o lubrificante, mas eu disse que não precisava, ele passou saliva em seu pau e no meu cu e já foi enfiando seu pinto no meu cuzinho, ele me comia gotoso dando tapinhas na minha bunda, seu pinto entrava e saia do meu cu, ele me puxou forte contra seu corpo e gozou, então veio o meu pai, ele já foi enfiando seu pau no meu cu, seu pinto era maior que do meu irmão, entrou fácil, não doeu pois já estava lubrificado, seu movimento de vai e vem eram mais bruscos mas sem machucar, suas mãos ásperas do trabalho seguravam minha frágil cintura, ele tirava e colocava seu pauzão no meu cu fazendo seu saco bater forte na minha bunda, nossa cama rangia com aqueles movimentos de vai e vem, meu pai atolou fundo seu pau no meu cu e gozou, eles me comeram quase que a noite inteira, no outro dia estávamos um bagaço de tão exaustos que estávamos, coitado do meu pai, chegou atrasado em seu serviço, assim como eu cheguei atrasado na escola.
E por falar em escola, lá eu encontrei o Fernandinho, nois estudamos na mesma sala, ele me olhava sem disfarçar, chegava a ser chato, incomodava, acho que até os outros alunos perceberam alguma coisa estranha no ar, eu estava vestido normal com roupa de escola, calça larga camiseta comprida, tênis, cabelo amarrado estilo rabo de cavalo, era um menino normal como qualquer outro ali, na hora do recreio o Fernandinho veio até mim dizendo:

Fernandinho= hei, vamos ali atrás no lugar mais reservado, lá não passa ninguém.

Esse lugar que ele estava falando era o fundos da escola que dava em algumas salas desativadas, por mais que fosse um lugar que não tinha movimentos lá ainda sim corria o risco de algum estudante passar por lá.
Nem consegui dizer se ia ou não e ele já foi me puxando em direção pra lá, quando chegamos lá ele já foi me colocando contra a parede, enfiando suas mãos por dentro da minha camiseta, seu corpo se colou ao meu, ele me olhou nos olhos e me beijou, foi um beijo profundo, eu agarrei suas costas enquanto ele me beijava, seu hálito estava delicioso, nossos pintinhos estavam durinhos se esfregando nos corpos um do outro, nossas caricias estavam demais, nossas bocas coladas num prazer intenso, acho que nesse momento tanto eu quanto ele sabia que estávamos gostando um do outro, não era só tesão, era mais que isso, era mais forte, o Fernandinho foi me virando de costas roçando seu pintinho na minha bunda, ele segurou as bordas da minha calça junto com a cueca a descendo para baixo.

Eu=hei cara, o que você esta fazendo?
Fernandinho= quero comer seu cuzinho bem gostoso.
Eu=mas aqui? –alguém pode passar e nos ver.
Fernandinho= não vai passar ninguém, e se passar que se-foda.
Eu=você esta louco?
Fernandinho=estou, estou louco por você.
Eu=daqui a pouco o sinal toca, vamos chegar atrasados na aula.
Fernandinho= vou ser rapidinho, vai dar tempo.
Eu queria resistir a ele, mas eu não conseguia, seus carinhos me dominavam, ele abaixou minha calça junto com a cueca até os joelhos, tirou seu pintinho para fora e já foi posicionado ele na entradinha do meu cu, ele foi fazendo pressão, ele foi entrando tudinho e de-novo aquela cosquinha deliciosa, ele metia gostoso com movimentos rápidos, ele metia e metia e gozou enchendo meu cuzinho de porra, na pressa para chegar atrasado na aula nem deu tempo de eu expelir sua porrinha rala de dentro do meu cu, me vesti e saímos rápidos.
Bom, se passou dois dias depois disto, o técnico chegou em casa para fazer a instalação da internet, ele era um homem forte negro barbudo, vestia a roupa da empresa, seu pinto se destacava em sua calça, perfeito para mim dar o bote, e como um bom safadinho que eu sou, eu vesti uma cuequinha rosa minúscula, eu queria que ele me comesse, meu irmão que estava em casa, estava de boa com isso, ele não estava mais com sua crise de ciúmes, ele estava mexendo aqui, lá, ali, estava atencioso em seu trabalho, eu fui até ele e para a minha decepção ele me viu e nem ligou, continuou o seu serviço sem me dar atenção, eu fazia varias posições propositalmente para ele me reparar e nada, já estava ficando nervoso, eu queria aquela pika, queria ela todinha dentro do meu cu.

Eu=quer ajuda moço?
Técnico=não menino, muito obrigado, já estou quase acabando, mas fico feliz em ver um menino dedicado e educado como você, queria que meu filho fosse assim como você, de qualquer forma eu agradeço.
Eu=esta calor né?
Técnico=esta sim.
Eu=não quer tirar a camisa?
Técnico=que! Esta louco moleque? –mas você pode me trazer um copo de agua bem geladinha.

Então eu fui sapateando de raiva buscar um copo de agua para aquele homem, meu irmão deu rizada do fora que eu levei, de raiva eu tirei minha cueca e fiquei peladinho e então enchi o copo e agua e fui e entreguei a ele, tomou e me devolveu sem se preocupar que eu estava ali peladinho em sua frente, nem mesmo atenção em mim ele prestou.
Fazer o que né, nem todos tem a mente suja como nóis, como vocês leitores, como eu que estou escrevendo, é a vida, tem que aceitar e partir pra outra.
Quanto ao lance da escola com o Fernandinho, rolava todos os recreios, começou a chamar a atenção dos alunos, pois desaparecíamos, e chamou a atenção de dois meninos já bem grandes que estudavam na mesma escola que eu e o Fernandinho, porem já estavam mais adiantados nos estudos, tanto que o próximo ano eles ia para outra escola, esses dois meninos era o roberto e o Júlio, lembra de quando eu falei que o meu irmão tinha sido expulso da escola por bater em dois meninos? –pois é, eram esses dois. Já era sexta feira, amanhã seria o dia de ir para o sitio encarar o Roberval pika de cavalo, eu estava tremendo de medo, mas não tinha jeito eu tinha que ir, mal consegui dormir direito, até que acordei e era sábado.
Acordei e como de costume fiz uma chupeta deliciosa no meu irmão e no meu pai, eu queria que eles comessem meu cuzinho, mas eles disseram que só iriam me comer lá no sitio, ordens do Luiz.
Mal eles acabaram de gozar o Luiz chegou com sua camionete monstruosa, o Fernandinho estava junto, entramos e partimos rumo ao sitio, eu estava no banco de traz entre o meu irmão e o meu pai, o Luiz dirigia e ao seu lado estava o Fernandinho.

Fernandinho= prepare se pra gritar e chorar na pika do Roberval Rafael, seu cuzinho nunca mais será o mesmo- disse ele dando rizadas.
Luiz=pare de assustar o menino Fernandinho.

Nesse momento eu abracei o meu pai, eu tremia dizendo.

Eu=vamos voltar pai, estou com medo do Roberval.
……….continua

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,43 de 21 votos)

Por # # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

4 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Angel ID:830wykaiqm

    Postaaa mais por favor moço tô a dias esperando jaajhah

  • Responder Fgggg ID:g3ja3f20k

    Toma mijo deles

  • Responder Nelson ID:3c793cycoii

    Oh delícia. Sonhei toda a minha infância e adolescência em ser abusado e não tive essa sorte. Adorando esse conto. Obrigado.

  • Responder luiz ID:dlns5khrd

    Tomara que alem de Roberval tenha mais homem dotado no sitio para deixar vc todo abertinho, tome jeito, quem ja viu um viadinho ter medo de pica, honre seu homem