# #

Sogro se aproveita de sua norinha bêbada

1573 palavras | 1 |4.50
Por

Comi a namorada bêbada do meu filho

Atenção: história fictício

POV Matthew:

Olá. Quero contar para vocês uma história que aconteceu uns dias atrás, e foi muito gostosa.

Meu nome é matthew, tenho 46 anos. Moro na cidade de São Paulo. Me separei da minha esposa Ana a 3 anos, deixei para ela nossa bela casa em Alphaville e vim morar na região do Paraíso, perto do metrô num apartamentinho bacana, de dois quartos.

Sou executivo de vendas de uma grande empresa, e tenho muitos clientes na Avenida Paulista. Morando próximo, economizo muito de meu tempo e paciência nessa cidade onde o trânsito é sempre uma merda.

Tenho um filho de consideração, o nome dele e Lorenzo, que está com dezoito anos. Nessa idade os jovens gostam de sair para baladas, e normalmente aos sábados quando ele sai ele vem dormir no meu apê, por conta da proximidade.

Depois que me separei não quis mais um relacionamento fixo. Dada minha boa condição financeira, quando sinto minhas necessidades prefiro recorrer a essas GPS de luxo. Gatinhas maravilhosas que fazem de tudo e não te ligam no dia seguinte.

Em um sábado, umas semanas atrás, meu filho me disse que ia em uma festa e que viria dormir no meu apartamento. Como ele tem a chave do apartamento e os porteiros já o conhecem, eu normalmente nem espero ele chegar.

Para esses garotos a madrugada é longa.
Mas nesse sábado foi diferente. Pouco depois da meia-noite ele me ligou, e parecia estar em pânico.

ligação on:

“Pai, estou com um problema.”

“O que foi, lour?”

“A Camila bebeu demais, está passando mal, se vomitou toda.”

“Quem é a Camila, Lourezo?”

“É minha namorada, pai”

“Não era a Isabela ?”

“Era. No mês passado”.

“Tá. O que você quer que eu faça?”

“Quero levar ela para aí, até ela melhorar”

“Essa menina não tem casa, não tem pais?”

“Ela não pode chegar em casa nesse estado, pai. A Larissa, que é amiga dela já ligou para a mãe avisando que a Camila vai dormir na casa dela. Mas ela também não quer levar ela pra casa nesse estado. Os pais dela matam ela.”

“lourezo, não é droga não, né? É só bebida? Se você trouxer uma menina em overdose aqui quem te mata sou eu!”

“Não pai, é só bebida. Ela não está acostumada. Exagerou.”

“Tá. Sobrou para mim, né? Pega um Uber e vem para cá.”

ligação off.

Pouco mais de meia hora depois meu telefone toca.

ligação on:

“Pai, tô aqui em baixo. Dá para você vir me ajudar?”

ligação off.

Desço e me deparo com uma cena lamentável. O Uber puto da vida. A menina tinha vomitado no carro todo. Estava praticamente desmaiada. Dou 50 contos pro Uber mandar lavar o carro e ajudo o Lourezo a carregar a menina para cima.

-Não pões essa menina vomitada assim no meu sofá. Leva ela direto pro banheiro e dá um banho nela.

Ao ver o estado da moça eu me arrependo de ter deixado o Lourezo trazer ela pro apartamento.

– lourezo, você é bem filho da puta de embebedar uma moça.”

– Não fui eu, pai. Quando eu cheguei na festa ela já tava chapada..

–Dá o vestido dela que eu vou passar uma água. Tá fedendo vômito. Até de manhã já vai estar seco.

Percebo que Lourezo também estava bêbado.

Lavo o vestido da moça, irritado com o problema que o Lourezo arrumou para mim. Ele me chama:

-Pai, ajuda eu levantar a Camila.

Entro no banheiro e vejo a moça sentada no box, aparentemente desacordada. O Lorenzo, ruim também de bebida, tentando desajeitado levantar a moça.

Só então reparo melhor na garota. De fato é uma moça linda. Cabelos longos castanhos, pele bem brozeada, peitos pequenos, mas perfeitinhos. Um corpo escultural. Carinha de anjo, parecendo uma menininha.

– Quantos anos tem essa moça, Lourezo?

– 17.

–Puta que pariu, Lourezo! Menor de idade? Você é um irresponsável.

Carrego a menina para a cama do quarto onde o Lourezo normalmente dorme quando está no meu apartamento e falo para ele pegar uma camiseta larga para vestir na moça.

Como ele colocou a moça de calcinha e tudo no banho, ela também ficou molhada. Levo para secar a pequena peça. Não resistindo, dou uma cheirada no fundilho para ver se está com cheirinho daquela bucetinha linda que eu acabara de ver. Não estava cheirando nada.

Lourezo vai para a sala e liga a TV.
Durante o banho minha imaginação fica no corpo lindo da Camila. Fazia muito tempo que eu não via um corpinho assim. Só de pensar, o pau vai ficando duro.

Saio do banho e encontro Lourezo já roncando na sala. Vou até o quarto para ver se a Camila está bem. Ela se descobriu do lençol que o Lourezo colocou nela.

Só de camiseta, deitadinha de lado, deixava a mostra sua buceta entre as coxas. Não resisto, me abaixo e quase encosto o nariz para tentar sentir seu cheiro. Um cheirinho delicioso de buceta novinha invade minhas narinas. O pau quase estoura de tão duro. A vontade era de cair de boca. Mas me afasto. Vou para o meu quarto. Me deito e não consigo dormir.

Começo a bater uma punheta para ver se acalmo. Paro. Penso “Quando na vida você vai ter outra chance dessa?”

Volto para o quarto onde está a Camila. Me deito ao seu lado. Ela parece realmente desmaiada. Toco em seu rosto para ver se ela tem alguma reação. Nada. Me permito dar um beijinho leve em sua boquinha linda. Ela não reage.

Levanto então sua camiseta para ver seus peitinhos. Toco neles que ficam durinhos na hora. Me abaixo e dou uma lambidinha em seu pequeno seio esquerdo. Ela solta um gemidinho. Que delícia. Chupo com um pouco mais de vontade. Abro um pouco suas pernas para que minha mão alcance sua bucetinha. Chupando seus seios, inicio uma leve massagem lá, masturbando-a.
Ela, de forma inconsciente, abre mais as pernas facilitando meu acesso. Sinto a buceta ficando úmida. Enfio um pouco do dedo em sua bucetinha que me parece bem apertadinha. Tiro o dedo e levo a minha boca. Que sabor delicioso. Preciso chupar essa bucetinha.

Me coloco entre suas pernas e abaixo até meu rosto ficar a poucos centímetros dela. Que bucetinha linda. Perfeita, sem um pelinho. Abro um pouquinho a mesma, expondo seu grelinho minúsculo. Começo então a lambê-lo o que faz ela soltar mais um gemido. Chupo então com vontade, alternando seu grelinho com linguadas que penetram sua vagina. Ela aparenta estar gostando, facilitando meus movimentos. Então ela começa a gemer ritimadamente, respirar ofegante. Goza na minha língua. Mas, incrivelmente, não desperta.
Penso que eu mereço gozar também.

Subo meu corpo e posiciono meu pau grosso na entrada de sua bucetinha. Com está molhadinha depois da chupada, meu pau desliza deliciosamente dentro dela. Que apertadinha! Me dou conta que estou fodendo com uma gatinha 30 anos mais nova que eu. Beijo sua boca, enquanto vou metendo. Não quero que acabe logo, seguro o ritmo. Num momento de lucidez, penso que não posso gozar dentro dela. Vai que eu engravido a moça… Mas estou quase gozando… Saio de sua buceta e me posiciono atrás dela.

Tento encaixar meu pau em seu cuzinho. Não consigo. Imediatamente vou atrás de um lubrificante íntimo. Sempre tenho um em casa. Pego e começo a passar em seu cuzinho. Ela parece que empina a bundinha, instintivamente. Enfio um dedo, deixo acostumar, faço movimento de entra e sai… Coloco o segundo. Enfio o mais que posso. Deixo um pouco. Então tido os dedos e encosto o pau. A cabeça entra. Ela geme de novo. Empurro até a metade. Nunca penetrei em nada tão apertado assim. Começo a bombar em seu cuzinho. Parece que estou no céu. Não aguentando mais, gozo. A melhor gozada da minha vida. Devo ter jorrado um volume enorme de porra naquele cuzinho. Tiro o pau e vejo um pouco escorrendo para fora. Vou até o banheiro e pego papel higiênico para limpar aquela bundinha linda, melada com minha porra. Limpo e, satisfeito, vou me deitar.

Próximo das oito da manhã ouço Lourezo mexendo na cozinha. Está preparando algo para comermos.

-Bom dia. Está vivo?.

-Nossa, que ressaca.

-Sua namorada vai acordar pior ainda.

Tomo um café, quando ouço a voz da Camila.

-amor, cade minha roupa?

Falo para Lourezo ver se o vestido secou. Tudo certo. Ele leva para ela. Vou atrás e fico ouvindo do lado de fora.

-Nossa, estou mal. Estomago embrulhando.

-Você ficou muito ruim.

-Onde a gente está?

-No apartamento do meu pai.

-Nossa… Lourezo, você me comeu bêbada?.

-Eu não, amor. Imagina…

-Acho que comeu sim.

Volto para a cozinha. Logo eles vem. Ela linda, toda sem graça.

-Bom dia, sr matthew. Nossa, me desculpa por ontem. Não sei o que aconteceu comigo… Que jeito de conhecer o senhor… Muito prazer.

Só imagino… Muito prazer mesmo, mocinha linda…

Fim.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,50 de 10 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder breno ID:1ien0g8k0

    Gostei
    Tele Breno26