# # #

A novinha me fez de gado

2115 palavras | 2 |3.42
Por

Meu nome é Felipe, faz 3 anos que namoro com a Manu. Conheci ela quando eu tinha 21 e ela 17, nessa idade ela estava saindo do ensino médio, uma novinha estourando de gostosa, 1,70, morena alta e magra, pele branquinha com rostinho de anjo, olhos verdes, bunda pequena e redondinha, e um jeito de safada que leva tudo pro lado da putaria. Filha de pai rico, só estudava e tinha tudo que queria.

A gente saia todo dia e ela só queria saber da minha pica, me chupava toda tarde na minha casa e rebolava aquela bunda no meu pau, 18cm pra uma novinha que tinha fome de sexo. A gente fodia umas 3 vezes por dia, a safada ainda me pagava boquete sempre de manhã cedo e antes de ir pra casa do pai dela almoçar, era uma leitera adolescente, ela brincava que assim eu nunca ia fugir do curral dela. Ela curtia todo tipo de fetiche e aceitava qualquer coisa que eu falasse, cansei de amarrar e espancar a bunda dela, chamar de escravinha, ela engasgava com meu pau e deixava eu gozar dentro da buceta. Nunca comi o cuzinho dela, quando eu começava a colocar, ela pedia pra parar, e eu não era macho o suficiente pra continuar a socar naquela bundinha. Cheguei no máximo a colocar a cabeça, gozei dentro daquele buraquinho bem rosinha de menina, e depois lambi o cuzinho gozado dela, ela gozou forte esse dia, e me beijava na boca com a minha porra cheia de tesão. Por 3 anos eu tava no céu com uma putinha e nossa fome de sexo não acabava.

Nesses 3 anos ela não fazia nada que não fosse ir pro cursinho do vestibular e dar pra mim, esse ano ela entrou na federal e começou a ir pra umas festas de faculdade, eu até fui em algumas acompanhá-la, mas não tinha tempo. Ela é um tesão dançando funk e eu tava ligado que os colegas dela iam cair matando, eu não tinha muito oq fazer e tive que confiar nela. Ela entrou na onda de feminismo e essas coisas, e vivia falando que odiava macho que cantava ou assediava mulher, e eu pensei que isso me dava mais segurança. kkkkk vai vendo

Esses dias eu e o Rafael, um amigo meu de 20 anos, combinamos de ir dar uma corrida numa praça gigante aqui em Porto Alegre, a Manu estaria na faculdade, então aceitei a corrida, quando chego na praça ele me disse que íamos encontrar um amigo dele que estudava na faculdade e estava matando aula pra fumar maconha, eu já experimentei maconha, mas raramente fumo. Mesmo assim fomos encontrar o cara.

Quando chegamos atrás dos banheiros da praça, um lugar que precisava pular um muro e tinha muito mato ao redor, não acreditei no que vi. Minha namorada estava sentada numa cadeira com um baseado na mão e um garoto sentado em outra cadeira conversando com ela. Ela me viu e se assustou, claramente o garoto não sabia quem eu era, e por isso o Rafael me levou lá. Falei pra ela “Manu oq tu ta fazendo aqui?”, e ela se recompôs imediatamente: “oi amor, to fumando um beck com o Dé”, aparentemente o Dé era o moreninho marrento que pegava o beck das mãos delas, ele me olhou meio que rindo. Pensei logo que estava levando chifre, mas não tinha evidência, ela estava apenas matando aula, eu também faria pensei comigo mesmo, então o clima ficou mais leve ficamos conversando um pouco, e eu e o Rafael decidimos continuar a corrida, o tal Dé ia fiar ali fumando sua maconha, mas fiz minha namorada me fez prometer que iria logo voltar pra aula, pois ela precisaria pegar um ônibus até a casa do pai dela depois da aula. A abusada ainda me pediu 10 reais pra pagar uma “mão” de maconha pra ela e o Dé, não gostei nada da situação, mas dei o dinheiro. Nos beijamos na frente dos dois e fui embora.

Eu e o Rafael damos mais algumas corridas e ele me perguntou se eu estava bem, eu disse que não estava mais no clima pra correr e falei que iria pra casa, ele disse que iria voltar a encontrar o Dé e fumar mais maconha. Eu fiquei puto da cara, meu amigo agora era maconheiro e minha namorada também, e ngm tinha me contado. Nos despedimos.

No caminho eu não conseguia parar de pensar nisso e decidi voltar e falar com esse tal Dé perguntar o que tava rolando e se eu tava levando chifre. Dei meia volta e fui para a praça em direção aos banheiros. Fui me aproximando devagar e quando chego atrás dos banheiros, por cima do muro vejo o peito do Dé, sem camisa e de calça arriada, e minha namorada ajoelhada no meio das pernas dele, totalmente putinha do macho dela, ela segurava a rola grande dele com as duas mãos e colocava todo o pau dentro da boca macia dela, subia e descia do mesmo jeito que fazia comigo. Senti tesão na hora. Eu fiquei no raio de visão dela e ela levantou a cabeça quando me viu. Fiquei olhando e não sabia como reagir, apenas fiquei em silêncio. Ela me olhava com aquela cara de mocinha, mas dava pra ver que ela tava achando engraçado, ela sorria timidamente, e ainda tentava me seduzir com os olhos. Nesse momento o Rafael meu amigo aparece atrás de mim com umas cervejas, e quebra o gelo:”já entendeu que tua mina curte ser putinha né? demorou muito cara, sou teu amigo e tudo, mas tu é gado demais”, e ela completou “amor tu não é gado”, minha namorada riu e o rafael se aproximou, ele tirou pra fora o pau dele meia bomba dele e ofereceu pra ela, era um pouco maior que o meu. Ele pediu pra ela mamar, ela olhou pra mim rindo, brincando comigo, e me pediu pediu “posso amor?”, eu sabia que eu não podia mais impedir isso e fiquei calado, ela começou a mamar meu amigo e isso me deu tesão, ela subia e descia, chupou as bolas, a barriga dele, putinha nessa idade quando quer dar show não tem quem não fique com tesão, meu pau tava duro, e ela com aquela cara de safada trocou e foi mamar o Dé e ficou batendo uma pro Rafael. Minha mina me olhava com um pau na boca, um short curto, aquelas perninhas brancas e tenizinho de menina, e uma camisetinha sem sutiã, pq claramente ela já tinha tirado, os peitinhos dela piscavam no tecido. O pau do rafael era bem reto e branco, a cabeça rosada e o peitoral dele era bem definido, quando reparei nisso meu cuzinho piscou. Minha mina mamava a pica preta do Dé e os dois me olhavam me convidando, ela engolia aquela rola preta e ele me dizia que minha mina era muito gostosa.

Foi o Rafael que percebendo que eu não reagia, não falava nada, só olhava em silêncio, ele me pediu “quer mamar com a tua mina?” eu fiquei vermelho e ele percebeu que eu tava querendo, ele chegou perto de mim me abraçou sem camisa, colou o peito dele no meu e passou a mão na minha bunda, falou no meu ouvido “ngm vai saber, só a tua mina cara” e já foi empurrando minha cabeça pra baixo, quando encostei o joelho no chão e vi aquele pau duro na minha frente coloquei a cabeça na boca e comecei um boquete lento. Eu olhava pra minha mina e ela com a boca no pau preto me olhava de volta, e nós dois mamando e dava pra ver que eu e ela tava tomados pelo tesão, nós dois gemendo e o Dé e o Rafael só riam e pediam pra gente engolir. Quando fomos trocar de pau, eu tentei beijar ela, mas ela me rejeitou, disse que hoje ela era só dos dois machos e que eu era namoradinho de casa e só, os dois garotos riram e eu meu cu tava piscando com essa situação de ser usado pelos 3 e ainda ser impedido de tocar na minha namorada. Trocamos de pica e mamei a rola do Dé, ele me empurrou forte naquela rola grande, e o fato de ter a baba da minha namorada me deixou com mto tesão, beijei ele na boca e ele me chamou de bb, falou que eu era branquinho e tinha um rostinho de playboy riquinho, eu piscando o cu, mamei o peitoral dele, chupei os mamilos e os dedos da mão dele, fiz cara de safado, ele disse que curtia viadinhos brancos como eu.

Minha namorada então ficou de 4 e os dois bateram na bunda dela, e ela disse que eu ia ser o namoradinho em casa, mas na facul ela tinha macho de verdade, e agora eu era corninho “corninho, você não me toca nessa faculdade, aqui eu dono. Amorzinho, fala pro teu amigo que tu ficou comigo por 3 anos e nunca comeu meu cu, nunca me aguentou, sempre negou fogo”, eu de pau mole ao lado e com a boca cheia de baba de pau, só balbuciava desculpas. Então eu vi por uns 15 minutos os dois trocarem e comerem a minha namorada , de 4 atrás de um banheiro público, dando tapas nos peitinhos dela, chupando o cuzinho, e eu batendo uma punheta do lado. A putinha só resmungava e pedia mais, ela parecia outra mulher com esses caras, parecia mais puta, uma delícia de foda. Em um momento o moreninho tirou o pau da buceta dela e colocou no cuzinho, pensei que ela iria rejeitar, ela reclamou no inicio, mas ele foi firme e foi enterrando a cabeça do pau, eu intervi e disse que ela nunca tinha dado, ele riu, e teu 3 tapas na bunda dela, “essa daqui já tá pedindo no cu desde chegou nessa faculdade”. Ela gemia manhosa, pedia pra parar mas ele parecia perceber que nao era pra parar, e foi socando, quando entrou tudo ele começou a bombar devagar e la começou a gostar, ela dizia “tu é um putinho, frouxinho, aprende a comer um cú. Eu acho que tu quer dar o cu tambem né viadinho?” eu só tocava uma punheta incrédulo no que via. Ela gemia gostoso no pau dele, uma braquinha rica com carinha de manhosa, levando vara de um pretinho maconheiro e amando. O meu amigo, filho da puta, comeu o cu dela também, e ela nao deixava eu encostar.

Me pediu pra mamar o pau dos dois, pra sentir o gosto do cuzinho, eu chupei e tomei o leite dos dois, engoli e eles passavam a mão no meu cabelo e me chamavam de puto. Aí ela chegou perto de mim, me abraçou, me deu beijo de língua bem bom, eu quase gozei nessa hora e ela começou a tocar uma de leve pra mim, e foi falando putaria “a tua namorada é mais safada do que tu pensava, tu é meu gado, quietinho e bem comportado” ela me pediu se eu queria ser corno e eu falei que sim na hora do tesão, ela disse que me amava, depois disso ela ficou beijando meu amigo que era o mais bonito dos dois caras, ficou dando uns beijos, e ele pedia se ela ia voltar. E eu recebendo uma punheta bem leve e ouvindo isso. Gozei muito, ela ficou toda orgulhosa. Todos nos beijamos ao sair. Os garotos disseram pra mim aparecer no dia seguinte.

No caminho pra casa fomos de mãos dadas, ela me contou que já tinha dado o cu várias vezes, mas que nao tinha coragem de me falar. Chegando em casa ela me chupou e me jurou amor desde que eu deixasse ela procurar o pau que quisesse, eu não respondi. Ela me tocou uma punheta no banho e deixou eu tocar no cuzinho dela, eu vi que ele está mais abertinho e inchado, chupei com cuidado. Dormimos juntos na cama e no dia seguinte foi tudo normal até agora.

Acho que vou terminar com ela. Eu to cheio de tesão e com vontade de trocar experiências pessoais, talvez fotos. Tenho 24 anos. Me mandem email

[email protected]

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,42 de 33 votos)

Por # # #

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos