Fui convencido a comer minha filha novinha 5 final

Quando cheguei em casa naquele sábado, fiquei pensando melhor na merda que tinha feito. Uma coisa era minha filha a outra era ter comido a filha dos outros, um ano mais velha que a minha. No domingo passei o dia quase todo em casa, saindo apenas à noite pra comer alguma coisa. Na hora que estou saindo da lanchonete dou de frente com o pai de Ana, que assim que viu me cumprimentou e disse que a feste tinha ido até a madrugada. Confesso que fiquei meio apreensivo na hora que dei de frente com ele, porém conforme ele ia falando, vou ficando mais calmo. Terminamos conversar e seguimos cada um o seu caminho. Eu claro, que aliviado por Ana não ter contado nada e nem deixado transparecer que algo havia acontecido.

Os dias foram passando e com ele meu pensamento sobre Ana. Mas com tudo na vida é relativo. Na quinta feira depois de ter deflorado Ana Clara, estava em casa voltado para o meu hobby, que é marcenaria, quando a campainha toca por volta de umas 14:30hs. Vou atender a porta e para minha surpresa era ela, vestindo um shortinho curto mas larginho, uma blusa branca e usando uma sandália. Uma típica roupa de andar na rua perto de casa. Levou um susto na hora, por que não esperava que fosse ela e vai logo dizendo:
– Oi tio! O senhor disse que poderia vim na sua casa!
– Sim claro! – ainda meio que não acreditando – Você quer entrar?
– Aham! Quero!

Ela entrou e o clima ficou estranho, ficamos calados sem assunto por instantes. Tinha que saber se alguém sabia que ela estava vindo a minha casa:
– Ana, você contou para alguém que viria aqui em casa?
– Não tio! Eu disse para a Dona Lolo (empregada de anos da casa dela) que iria brincar um pouco na casa de uma amiga!
Mais um pouco de silêncio e agora e a vez dela quebrar:
– Tio, sabia que não paro de pensar do que fizemos no meu quarto?!
– É, e como você ficou depois daquele dia? Sua perereca ficou muito dolorida?
– Um pouco, mas agora não dói mais!
– Alguém percebeu, digo sua mãe, seu pai ou a Dona Lolo?
– Não!
– Contou a alguém?
– Também não tio! – risos

O clima foi ficando mais leve e perguntei:
– Então Ana o que você quer?
– Tio, eu quero mais?
– Mas o que você quer? – queria ouvir da boca dela a palavra sexo
– Ai tio! Quero fazer mais sexo!
Fui a sua direção e dei um beijo na boca. Ana retribui e ficamos nós beijando e minhas mãos foram correndo pelo seu corpo levantando sua blusa. Ela usada um sutiã de pano com pequenos desenhos. Tirei sua blusa e sutiã, com ajuda dela. Cair de boca nos peitinhos. Ana me olhava mamando, sem parar, suas tetinhas. Logo em seguida tirei minha blusa e short, e disse:
– Ana tira o short!
– Tá tio!
Ela tirou o short ficando de calcinha. Alisei suavemente sua bucetinha por cima da calcinha:
– Você quer que o tio coloque o pinto dele aqui dentro?
– Quero tio! Até já sonhei com isso!
– Foi? – não parava de alisar sua ppikinha
– Sim!
– E como foi? – puxava sua calcinha de lado e alisando seus lábios inchadinhos
– Ai tio! Não lembro muito bem! Foi no meu quarto – uma pausa na fala para um beijo longo e molhado – Só lembro-me do senhor e eu fazendo sexo na minha cama!
– Gostou de sonhar com o tio comendo sua perereca? –falei comendo para dar mais tesão na fala
– Comendo minha perereca, tio? – voz de surpresa
– É Ana! Do tio colocando do piru dentro dela no sonho!
– Aham…gostei muito! – sua voz já estava tremula
– Então você veio aqui para o tio comer mais sua bucetinha? –alisava também sua bundinha e enfiava a calcinha no reguinho para fazer um fio dental – Fala pro tio; come minha bucetinha?
Ele demorou um pouco e disse:
– Come minha bucetinha tio!

Baixei meu short e minha cueca, peguei em sua mãozinha e a levei ao meu pau. Ana mexia meu pau e eu alisada sua bucetinha. Comecei a descer sua calcinha, expondo sua ppkinha. Ana não parava de apertar meu pau. Sentei-me no sofá e disse:
– Ana chupa o piru do tio?!
– Mas tio, chupar seu piru como?
– O coloca dentro da boca e chupa igual a pirulito!
Ela olhou meio com nojo e deu um beijo na cabeça, que já estava começando a sair lubrificação. Ela colocou na boca logo em seguida e foi chupando toda desordenada e bateia com as dentes. Não me importei e fui deixando. Ela parou e disse:
– Tio seu piru é salgado! – sorrisos leves
– Mas é ruim?
– Não, ele também e quentinho!
Ela volta a por na boca, ponho minhas mãos em sua cabeça e peço:
– Ana chupa devagar! – fui ditando o ritmo da sua chupada – Isso chupa bem devagar a pica do tio! – ela vai indo no meu ritmo

Não queria gozar na boca dela e pedi para ela parar de chupar:
– Vamos fazer sexo agora?
– Vem Ana fica de quatro no sofá!
Ela fica de quatro. Sua bundinha de quatro ficava ainda mais empinada. Puxei sua calcinha para baixo, deixando cair até seus joelhos. Seu cuzinho rosadinho ficou a mostra junto com a vulva da ppkinha. Abrir com as mãos suas nádegas, expondo ainda mais, caindo de boca em seu cuzinho, passando a língua indo até a bucetinha. Ana quando sentiu a linguado no cuzinho deu um pulinho de susto:
– Ai tio! O senhor está lambendo minha bunda?!
Eu lambia seu cuzinho e passava a mão em sua ppkinnha, enfiando o dedo dentro aos poucos. Ana foi caindo aos poucos aos desejos do sexo e descoberta do corpo. Sua bucetinha vai ficando bem úmida por dentro e o barulhinho de bucetinha molhada vai ficando mais alto. Com a voz de tesão e louco pra comer sua bucetinha digo:
– Tio vai comer sua bucetinha agora! – posiciono meu pau na entrada, pincelando a cabeça entre o cuzinho e os lábios – Vou colocar minha pica dentro dessa bucetinha!
Ana diz:
– Tio coloca logo!

Enfio meu pau todo bem lentamente, a seguro pela sua cintura. Sua bucetinha engolia minha pica todinha, como de uma mulher formada. Ana fica ofegante, dizendo baixinho as palavras “ai” e “gostoso”. Provavelmente a sim como minha filha, ela havia gozado na sua segunda transa. Eu gozo em cima da bundinha dela e me sento no sofá para relaxar e a manda fazer o mesmo.
– Tio, o senhor gozou?
– Sim! Por quê?
– É que foi igual ha primeira vez. O senhor disse que havia gozado quando parou!
– Isso tio gozou, por que sua bucetinha é muito gostosa!
– Dessa vez foi mais gostoso tio!
– Vai querer mais?
– Aham! – Ana colocou a mão na bunda, passando os dedos na minha porra – Tio isso é o que?
– Isso é leite de piru! – ela leva a boca
– Tem gosto ruim! – lambeu mais um pouco – É salgado! – risos
Meu pau ainda estava duro e disse:
– Vem Ana, senta no piru do tio! – ela veio e sentou de frente pra mim – Tio vai comer mais um pouco sua bucetinha – coloquei meu pau na entrada da ppkinha – Senta agora – ela sentou e meu pau entrou todo. Ela deu uma pequena ajeitada na perna – Agora rebola no piru do tio! –

Ela começou a rebolou sem jeito e começamos a beijar na boca – Ai tio! Assim é mais gostoso – passava as mãos em todo seu corpinho e lambia seu pescoço – Ai tio… é gostoso fazer sexo! – ela relaxa o corpo e eu gozo pela segunda vez.

Ficamos parados e meu pau vai amolecendo dentro de sua ppkinha. Demos mais uns beijos e fomos nós repomos aos poucos. Ana foi embora dizendo que iria voltar para fazer mais sexo e voltou para casa cheia de leite na bucetinha.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,74 de 34 votos)
Loading...