Recordações

Autor

Cresci nasci e passei boa parte da minha infância e início da puberdade no interiorzinho de um município do Pará. Lá ainda é comum crianças crescerem soltas, brincando na rua, e por ser uma região muito quente, nós não costumávamos usar tantas roupas, e pra economizar o acúmulo pra lavar também.
Minha mãe sempre foi muito pervertida, tinha fetiches comuns e fora do comum também, eu cresci em meio ao meus 6 irmãos, 2 meninos e quatro meninas contando comigo, eu era a mais velha das meninas. Bom, voltando a convivência do nosso meio familiar, tínhamos total liberdade de ficar na rua o tempo que quiséssemos, principalmente em tempos de férias da escola, meu pai trabalhava, mamãe passava o dia em casa as vezes com os dois menorzinhos e eu e o resto dos irmãos brincando na rua ou na casa de amigos.
Por várias vezes cheguamos a ver nossos pais transando. No começo a gente via pelos espaços entre as tábuas de madeira, transavam até com a bebê na cama, algumas vezes quando mamãe deitava de lado e amamentava a caçula, papai ficava metendo na mamãe por trás. As vezes quando papai tava bêbado, ele pegava meus dois irmãos (os meninos) e levavam eles pra assistir papai comendo mamãe, pra ensinar pra eles como homem tinha que fazer, e acho que esse tipo de instrução foi que estimulou os meninos a mexerem cedo com a gente, por diversas vezes eles pegavam a gente e fazia chupar o pinto deles, eles metiam na ppk da gente (minha e das minhas irmãs). Fazíamos escondidos, uma vez meu pai pegou eles fazendo isso na gente na hora do banho e brigou muito e bateu na gente, até mamãe fazer ele parar que era ele que insentivava.
Naquele mesmo dia ele saiu e voltou a noite já bêbado, pedindo desculpas pra gente e beijando na nossa cabeça e pedindo desculpa, mandou a gente tirar a roupa e ir ver, saimos atrás dele, ele então do jeitinho q mamãe estava deitada na cama de barriga pra cima, ele só levantou o vestido dela e comecou a lamber a buceta dela, ninguém falou nada, só ficávamos olhando, mas achamos aquilo nojento, ele passou um tempão fazendo aquilo e depois tentou várias vezes meter mas não conseguia e caiu deitado ao lado da mamãe na cama e dormiu, mamãe com a buceta exposta e papai de pau pra fora da bermuda.
Depois daquela ocasião fomos retomando nossas sacanagens aos poucos (entre irmãos).
E em uma dessas de ir brincar na casa de amigos, fui na casa de samarinha, chamar ela pra brincar, é uma coleguinha minha, mas ela não estava, ela morava com os avós e a mãe dela, e estava só o vô dela em casa, e ele disse que ela viajou com a mãe e a vó, foram visitar a bisavó dela, e mandou eu entrar, perguntou se eu queria lanche e eu disse que sim, ele ligou a tv mandou ir pro sofá olhou na rua e entrou e foi pra cozinha, trouxe um suco e pão pra mim e olhou na porta de novo e encostou a porta. Eu tava lanchando e ele sentou do meu lado e perguntou se eu já namorava e eu falei que não, depois perguntou se eu já tinha visto o que um homem tem entre as pernas, eu nem respondi nada, só olhava pra tv e mastigava, ele então começou a passar a mão na minha perna até do joelho até a coxa bem de leve algumas vezes e foi pouco a pouco tocando a ponta dos dedos na minha ppkinha e eu continuei sem reagir, só gelei quando ele se abaixou na minha frente e puxou pro lafo meu shortinho que era de um paninho bem leve e foi chegando o nariz perto da minha ppka, senti ele respirando e até a ponta do nariz dele tocar lá, aí ele deu um beijo na minha ppka e começou a lamber, eu só terminei meu lanche e fiquei segurando o copo enquanto ele fazia aquilo, fiquei com muito medo de alguém chegar e ver aquilo, mas eu tava gostando, eu lembrava que meus pais faziam, mas meus irmãos não, quando ele parou e levantou eu rapidamente entreguei o copo pra ele e enquanto ele virou colocar o copo na mesa, eu fui rápido até a porta, só ouvi ele dizer espera, e sai correndo pra casa. Fiquei em casa por um bom tempo e depois fui brincar de boneca na frente de casa com as outras meninas.
Depois de muitos dias, fiquei pensando muito naquilo e tava com vontade de sentir de novo, mas tava com medo, então eu ficava na porta olhando pro lado da casa da Samarinha com vontade de ir lá de novo mas sem coragem. Passei vários dias assim, até que passei algumas vezes lá em frente mas tava fechado, até que uma vez eu fui de novo e a porta estava entreaberta, e eu fui chamei Samarinha?, mas quem apareceu foi o avô dela de novo e falou
-oi menina linda! A Samara ainda não chegou chegou.
-e quando é que ela volta?
-só no próximo domingo.
-ah, então ta bom.
Foi o fim da conversa, mas eu continuei lá parada, ele disse, "o que foi? Quer entrar? Pode entrar". E eu entrei e perguntei se ela tava viajando de férias, onde era… Tentei puxar conversa, e ele foi dando corda e comentou que pensou que eu tinha ficado com raiva dele, mas eu disse que não, perguntou se eu falei pra alguém, tambem falei que não, ele disse então tu gostou?
Eu toda sem graça, disse um pouco.
Ele disse, eu posso fazer dinovo?
Eu só balancei a cabeça afirmando
Ele perguntou se alguém sabia que eu estava lá, eu disse que não, ele novamente olhou pros dois lados da rua, lá da porta mesmo entrou e fechou, perguntou se minha mãe ou meu pai não iriam procurar por mim agora, eu disse que não, que meu pai só chegava de noite e minha mãe tava ocupada.
Ele me levou pro quarto, tirou minha roupa e tirou a roupa dele, meu coração estava acelerado. Ele começou a passar a mão na minha ppka, nos meus peitinhos que ainda não tinha nada, me deu um beijo na testa e depois passou a língua nos meus peitinhos sem nada, e começou a lamber minha ppkinha, depois pediu pra eu lamber o pinto dele, eu não gostei mas fiz um pouco e parei ele queria pra eu fazer mais e eu disse que tinha que ir embora, acho que ele notou que eu não gostei daquilo e disse não não, espera um pouco, fica só mais um pouquinho que eu te dou um presente, eu perguntei o que era, ele perguntou se eu queria uma boneca igual aquela da Samarinha, eu disse que sim, era uma boneca Susi. Ele sentou e me colocou em pé de costas pra ele, ficou mexendo no pinto dele e depois ficou esfregando na minha ppkinha até aí tava bom mas depois ele foi tentar me sentar no pra enfiar na minha ppk aí doeu muito eu eu levantei de uma vez só com muita dor aí ele foi me acalmando e me mandando falar baixo e não fazer barulho e foi passando saliva no pinto e na minha bundinha e disse que iria doer muito ali atrás, mas que depois eu iria acostumar e gostar e perguntou se eu deixava ele botar e eu disse que não, mas ele insistiu e disse pra eu tentar e fazer até onde eu conseguisse colocar, mas eu não conseguia, tava doendo muito e não entrava, ele vai senta vai, senta que te dou aquela boneca linda, eu então fui forçando mais, e era umas dor enorme, ele ainda fez tirou e colocou umas duas vezes e ficou com o pinto dentro da minha bundinha por um tempo só senti o pinto dele pulsando lá dentro, eu chorei, doia muito mas era gostoso, o problema é que naquele momento a dor era mais forte, só não era maior que minha vontade de ganhar aquela boneca.
E depois que terminamos, me lavei lá e fui pra casa ficar quietinha morrendo de dor.
A samarinha voltou só com a mãe dela, e no dia que chegaram, ela foi lá em casa me falar a novidade, que ela iria mudar de cidade, falou que a vó dela já ficou lá, e que ela a mãe dela vieram só buscar as coisas e iriam com o avô dela. Fiquei triste e chateada com a notícia, pensei logo na boneca e também porque minha amiga estaria indo embora.
Mas antes deles viajarem eu não saía mais da casa da Samarinha, falei pra minha mãe que iria aproveitar esses dias enquanto ela tava por lá, um dia quando a mãe da Samarinha foi atrás da transferência da escola, ficamos lá na casa, só nós com o avô dela. Ele mandou ela ir tomar banho e quando ela foi ele começou a me abraçar e eu falando pra ele parar, perguntei da boneca que ele prometeu, ele disse que iria comprar mais tarde, me mostraria no dia seguinte mas eu só poderia levar pra casa no dia da viagem deles, pra ninguém comentar nada e nem desconfiarem, que era pra eu falar que a Samara me deu a boneca. Depois disso eu deixei ele pegar na minha ppk um pouquinho e até na minha bundinha.
Depois que arrumaram caixas e troxas pra tudo, tudo desmontado depois da correria no dia seguinte iriam embora e foi quando eu vi a boneca, fiquei tão feliz de ele cumprir o que prometeu e ao mesmo tempo triste por eles irem embora, samarinha e a mãe sairam primeiro, elas foram passar na casa da madrinha da mãe da samarinha pra se despedir e ele ficou de acompanhar e foi quando me entregou a boneca e disse que não era pra falar nunca pra ninguém aquilo, que era pra dizer que samara deu a boneca de presente pra eu nunca esquecer ela. Aquilo tudo foi tão triste pra mim.
Depois daquilo eu sentia uma vontade enorme de sentir denovo uma coisa na minha bundinha, tinha dias que sentia que eu tava preparada pra sentir aquilo.
Isso foi só o começo. Depois disso ocorreram várias outras situações comigo e com minhas irmãs e até meus irmãos, juntos e separadamente.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,46 de 24 votos)
Loading...