Porque esse pau tão grande

Autor

Nosso final de semana começou cedo, e plena sexta feira, mas como estava com cliente, estava ansioso para visualizar as mensagens e fotos de nudes de linda Princesa. Durante o dia tood foram inúmeras trocas de mensagens e como na noite de quinta para sexta, havia dormido mal e com a problemática do combustível, deixamos para sair no sábado, até porque teríamos mais tempo para ficar juntos. E foi assim, que despertei no sábado com mensagem dela, desejando dar para mim. Seu enorme tesão a consumia e que árdua tarefa, aguardar até começo da noite para ser devorada. Veio então uma brincadeira minha, chamando-a de chapeuzinho. Pronto foi o star para sua imaginação traquinar mil coisas. Foi ela para rua começar a povoar sua sexta de pique-nique com muitas coisas. Para mim era surpresa geral e eu mais tarde a revelei que nem imaginava, pois tinha até medo do que estaria por vir.
Cheguei em sua casa, e qdo ela abriu parte do portão e pôs a carinha para fora, salutei-a que quem colocaria só a cabecinha, seria eu. Ela então, toda menina, veio com uma roupa preta, calça legging, bota, perfumada e um sobretudo de lã na cor vermelha. Nossa ri bastante com alegria de criança no coração. Fomos então para um bom motel na cidade. Subimos a escada, logo depois ela desceu para voltar sorrateira com a cesta na mão e um capuz, saiu como a personagem em quadrinho. Eu então como um lobo mal, a surpreendi, levando para cama, com a promessa que nada de mal faria. Sua nova e diminuta lingerie, tentava em vão ocultar sua orvalhada buceta já em chama encharcada, tamanho pleonasmos, mas com a licença poética, foi assim que nosso enredo começou. Tirando gradativamente suas roupas e ela as minhas, surpreendendo com a cueca branca, denunciando o membro em riste na posição de duas e e meia, pronto para fazer chapeuzinho dizer adeus ao cabaço. Nos devassos beijos e afagos, fomos embolando na cama e na posição mais tradicional sussurei em seu ouvido a maior das mentiras, para numa vigorosa arremetida, ir até o fundo, arrancando seu suspiro agudo para em seguida ordenar para meter forte, fudendo sem parar para gozar novamente aos borbotões. Veio aquela avalanche de gozo, molhando meu quadril e virilha. Pos em pé e com a mão socou forte e ritmada dentro de sua buceta, até me inundar com seu gozo novamente. Pingava forte em mim, sem parar. Ajoelhando agora na cama, de macio lençol branco ofuscado pela meia Luz e luz negra que pendia do teto, derrubeia num beijo de boca e lábios colados, dedos dentro dela e na boca, enfiando sem parar. Foi assim por longo tempo e logo após ela me pede para comer seu rabo. Viro a de costas, e com o cuspe certeiro fiz seu brioco borbulhar com o páu todo atolado na buceta tirei e mirei, cravando. Ela ainda afastou as bandas para facilitar a penetração. A invasão do gigante se fez jus, quando ela gritou mas valente como si, e indefensa deixou seu corpo lânguido sentir o peso do meu e todo o pau cravando fundo e um poucas ida e vindas, derrubei dentro de si, uma torrente de esperma em fartas golfadas.
Uma pausa para um banho e segundo round a vista, mas antes, teríamos um capítulo inusitado. Fui até o carro, buscar o sabonete e um outro elemento,quando fui surpreendido pela carro travado com a chave dentro. Acionei o seguro que enviaraia um chaveiro num prazo máximo de uma hora. Tomamos um banho com o sabonete do motel e ficamos numca brincadeira, beijos e chupadas e quando ele estava em ponto de bala para comer gostosamente aquele mulher, toca o celular. Era o chaveiro que sem saber o que falar e eu muito menos, se realmente o endereço fornecido era do motel. Sim, pode entrar. Toca o interfone e a recepcionista também avisa que está entrando. Cinco minutos foram até abrir o carro. Agradeci e ela me esperava na escada, envolta num lençol, dizendo que por mais um minuto iria chupar o cacete de arrombador de carro. Voltamos pela escada, jogando nos nus na cama e eu agora com a surpresa na mão. Uma lata de energértico Red Bull. Ela mesmo enfiou em sua buceta e pos a abrir o lacre derramando em mi.. delícia de banho. Foi mais um round espetacular de transa, com uma gozada fantástica e sua boca, já que implorou por tomar e beber toda minha porra. Agora sim um banho gostoso com Dove e shampoo. Fomos para cama, banquetear com que trouxe em sua cesta, afinal estava comida, mas não alimentada. Foi um delicioso bolo de chocolate com leite moça e morangos doces e maduros, servidos numa vasilha em forma de morango. Assim fomos embora já de madrugada e felizes da vida.
História com final feliz.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,17 de 6 votos)
Loading...