Minha sobrinha Larah

Autor

Tenho uma sobrinha lindíssima.
Desde pequenina que vinha ansioso pra que ela crescesse um pouco e aguentasse meu pau dentro dela.
Eu sou um tiozão pra ela. Faço tudo por ela. Meu irmão e minha cunhada confiam em mim e admiram os cuidados que sempre tive com ela.
Nos 10 anos de idade dela, organizei uma festa do jeito que ela queria. Gastei uma nota. Meu salário é bem superior aos dos pais dela, e eu não tenho filhos, não sou casado. Minhas despesas são curtas, então tive condições de custear essa festa pra ela. Eu havia prometido que faria a festa dela.
Claro que nada é de graça, eu queria conquistar ela de todo jeito.
Com 11 anos ela me pediu um celular. Eu nunca havia tocado nela de uma forma mais íntima, infelizmente eu não tive a oportunidade e nem mesmo coragem.
Aí eu peguei e comprei o celular pra ela, antes disso eu comuniquei aos pais dela sobre o que ela havia me pedido e que se eles concordassem que ela tivesse um celular, que eu teria o prazer de presentear ela com um.
Eles disseram que não precisava, que não era pra eu me preocupar com a Larah, que eu não precisava gastar com ela dessa maneira. Mas aí eu disse que tenho ela como filha, que amo mesmo como se fosse minha filha, e além do mais, ela é meu sangue, minha sobrinha, é obediente, vai bem na escola e merece. Então eu fazia questão de comprar esse celular.
E eu comprei. E no dia do aniversário dela, não teve nem se quer um bolo. Meu irmão estava com contas grandes estava construindo a casa dele e tava duro de grana. Eu que estava pondo comida na mesa. Então acho que por isso ele se sentia mal. Aí pedi a mãe da minha sobrinha pra que eu levasse Larah ao cinema, pra que o aniversário dela fosse bacana e eu daria o celular lá. E ela super me agradeceu. Até disse que se desse, no sábado faria um bolo pra gente de casa.
Então chamei Larah e fomos ao cinema. E no carro eu dei um selinho nela e fingi que foi sem querer. Ela apenas sorriu.
E fomos os divertir. Compramos pipoca, coca….depois do filme fomos comer pizza. E na volta eu disse que tinha um presente. Ela ficou ansiosa, e eu disse que antes, gostaria de fazer um pedido inusitado e então eu disse:"Larinha, você sabe que o titio te ama né? que tudo que eu posso, eu faço por você. Hoje é seu aniversário e eu comprei um presente caro. Não me importo de comprar as coisas pra você, e vou continuar te ajudando. Eu posso levar você aonde você quiser. Semana que vem podemos ir ao parque aquático que tanto você pediu a seu pai e ele não pode levar. Então eu só quero uma coisa em troca. Mas se você não quiser tudo bem. Não precisa ficar chateada e nem comentar com ninguém, eu vou respeitar sua decisão". E ela ouvindo e nem olhava nos meus olhos e perguntou: "tio, você enrola muito, custa falar logo o que quer?".. eu fiquei meio intimidado, mas disse: "queria senti seu corpo no meu, bem grudadinho, e se você pudesse me dá um beijo na boca, é que eu gostaria de aprender e não tenho namorada, você sabe…." ela me interrompeu: "você tá falando sério?.. ce sabe que você é meu tio e nunca vi tio beijar sobrinha, ou algo do tipo".. argumentei que não tinha problema se ela topasse, que antes de a humanidade existir, existiam um casal apenas,e então os filhos deles tiveram que transar pra reproduzir outras pessoas [eu nem sei se foi isso, mas falei pra ver se ganhava ela]. Ela ria demais de mim, parecia que eu era um adolescente trouxa xantando uma mulher esperta.
Mas ela só estava completando 11 anos e tão inteligente. Desenvolvida, esperta demais.
Porém, ela começou a dizer que tinha um namoradinho na escola.
Foi uma bomba pra mim, pensei no pior, dele ter chegado na minha frente e comido ela. E pior que tinha mesmo………
Ela disse pra mim que confiava em mim, que além de tio, me tinha como amigo e sabia que eu não contaria ao pai dela nada.
E falou que tava ficando com esse menino, que achava que era namoro….porque ele era mais velho. Ela completando 11 e ele já tinha 14 anos.
Perguntei meio assustado se ela tinha feito algo a mais com ele além de beijos.
Ela sem pudores disse: sim, tio… mas usamos camisinha.
Cara, eu estava fingido ser natural naquele assunto, mas estava sentindo uma mistura de sentimentos. Raiva, indignação, tesão……
Eu puto da vida disse: então o que me diz da minha proposta?"
Ela sorriu e disse:"tá bom, o que você comprou de caro pra mim??"
Eu peguei o celular e dei a ela.
PENSEM em uma menina feliz!!
Ela me encheu de beijinhos no rosto e me abraçou… logo puxei ela pra cima de mim, sentando ela em cima do meu pau… e disse: no rosto não, na boca!"
ela sorriu e deu uns selinhos….e eu quis um beijo melhor, então pus a língua na boca dela.
E os beijamos.
Eu tratei ela como uma mulher que ela estava se tornando… beijando o ombrinho, baixando a blusa….. e ela já usava sutiã, embora os carocinhos dos seios estivem brotando.
E chupei os carocinhos dela, suguei bastante. Baixei os bancos do carro pra trás. Tirei suas roupinhas… pus ela para mamar….. e ao mesmo tempo que eu me deliciava…. eu me assustava de como ela chupava bem.
E logo me abaixei pra retribuir.
Eu já conhecia aquela buceta de longe, mesmo sem ter tocado. Lembrei das vezes que eu imaginava chupando aquela buceta rosadinha.
E beijei o corpo dela todo. E meu pau babando.
Perguntei se ela já menstruava e ela disse que não. Fiquei mais louco, já imaginava gozando dentro dela.
Então fui metendo devagar e enlouquecendo de tesão, era apertadinha.
E pedi que ela sentava em cima e pulasse que nem uma cachorrinha. Ela quicou. Rebolou.
E lembrei que tava ficando tarde, que eu não podia chegar tão tarde com ela, eu iria levar sermão dos pais dela.
Mas estava muito bom pra parar no meio.
Eu queria comer o cuzinho dela, mas quis deixar pra próxima.
E então quando eu ia gozar, me paralisei….
e gozei….
e pus meu pau pra ela lamber.
Em fim, daí em diante… a gente dava umas escapadas por aí!
E eu dava tudo que ela precisava e queria, inclusive, PICA na buceta dela!
Eu proibi ela de ficar com o tal molequinho.
E ela se tornou somente do titio aqui!
Até hoje nós mantemos relações sexuais. Eu queria poder assumir ela, mas seria um choque na família. Nem sei do que todos seriam capazes. Ela tem 16 anos. E morre de amor por mim, é ciumenta! É minha!
E eu nem fico com outras, sei lá… parece que ela me enfeitiçou literalmente!

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,72 de 32 votos)
Loading...