#

A Priminha da Minha Mulher – Final

608 palavras | 4 |5.00
Por

Sempre que lembro do que me ocorreu, ao longo da vida, me excito novamente, revido cada um daqueles momentos. Desejo o mesmo a quem ler.
Como contava anteriormente, ao sentir aquela mãozinha, vi que ainda não havia terminado a noite, deixei ela me achar, tocar, por cima do calção, e enfiar a mão, tocando meu pau. Apertou soltou e se virou pra mim.
Me virei, ao seu encontro, e me encaixei por trás dela, que empinou aquela bundinha gostosa.
Minha mão embaixo dos lençóis foi a procura de seu corpo, acariciando sua cintura e levantando sem cerimônia, sua camisolinha, até a altura dos seios. Toquei, acariciei e apertei seus peitos duros e macios, dando leves beliscões em seus mamilos, fazendo seu corpo tremer. Ela pegou minha mão e conduziu até sua calcinha, meti meus dedos e toquei sua bucetinha já meladinha a minha espera.
Resolvi baixar sua calcinha, e assim o fiz. baixei um lado, e fui pro outro, ela ajudou levantando um pouco o corpo, tirei enfim toda, ficando apenas de camisola levantada. Ousei e tirei meu calção, ficando nu. Meu pau enfim estava roçando sua bucetinha. Com a outra mão, comecei a inclina-la pra frente, deixando-a empinadinha pra trás. Posicionei meu pau na entradinha de sua buceta, ensopada e fui inicialmente esfregando, de baixo até em cima, as vezes chegando no seu cuzinho, dando a intensão de enfiar, mas saia. Parei na entradinha e fui metendo, queria confirmar algo.
A cabeça da minha rola por ser grossa, em relação aquela menininha, foi sentido dificuldade em entrar, eu tirava e voltava e pressionar, até que fui conseguindo abrir caminho, e como de fato já desconfiava, ela não era mais virgem. Meu pau enfim deslizou, fazendo ela deixar um suava gemido se soltar. Puxei mais pra perto, e enfiei todo ele.
Ela deu um leve grunido, e colou sua bunda no meu corpo…Respirei fundo, não queria gozar agora. E nem poderia fazer barulho, pois no quarto ao lado, embora dopada, poderia acordar, e nos flagrar.
Num vai e vem, gostoso e suave, ia alisando seus peitos sua barriguinha, enquanto ela se mexia, tirava e metia cada vez mais fundo. Agora não pensava mais em nada, virei e me deitei por cima dela, estava próximo a gozar, tirei meu pau de sua bucetinha, posicionei na entradinha de seu cuzinho, e fui metendo. Para minha alegria sem nenhuma resistência de sua parte, que permitiu a penetração apenas mordendo o travesseiro e abafando assim o gemido de dor.
Com meu pau já na metade do caminho, e ela totalmente entregue, e com a cara enfiada, com a boca abafada. não me fiz de rogado, e soquei com força, uma, duas, três vezes ou mais, até sentindo uma onda percorrer todo meu corpo me fazendo explodir num gozo maravilhoso e intenso, mas também abafado, sem que nenhum som fosse emitido, assim acredito.
Fiquei algum tempo largado sobre seu corpo, enquanto meu pau ia diminuindo dentro dela e se soltando, até sair por completo.
Levantei fui ao banheiro, me limpei. Ela fez o mesmo.
Nos encontramos no corredor…nos beijamos, e fui dormir no sofá, para driblar qualquer tipo de desconfiança.
Ainda brincamos algumas vezes antes dela voltar pra Fortaleza com minha esposa. Hoje ela é casada com filho, continua linda.
Ah antes que eu esqueça, fizemos uma despedida de solteira, para recordar dos velhos tempos.
Mas isso é uma outra história, espero que vocês se excitem e gostem.
Beijos e Abraços

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 20 votos)

Por #

4 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Ebannus

    Muito bom..
    Grato pela ótima lembrança, uma dessas, já aconteceu comigo, com uma entiada, tbm sou de Recife.

  • Responder Ebannus

    Família unida, é outro Nível..
    Viva as cearenses, eita povo erretado.. kkkkkk
    Tbm sou de Recife.

  • Responder Tikomo Nakombe

    Gostei.. historia muito boa e bem contada!

    • Velhinho

      Obrigado