Juninho 1ª Parte

Autor

Sou o Juninho tenho 13 anos, mas como sou baixinho pareço ter menos. Moro numa travessa de uma avenida bem movimentada no Morumbi, bem próximo da esquina. Sou filho único e depois que a firma do meu pai fechou, só nos restou essa casa e eles agora trabalham o dia todo. Eu sou proibido de sair à rua, só abro a porta para pegar a Van que me leva depois do almoço pra escola e me trás de volta no final da tarde. Meus pais chegam perto das 20 hs. Havia chegado da escola e logo ouvi barulho de batida de carro, da janela vi uma moto caída e um carro. O motoqueiro logo foi levado pra calçada e já pararam várias pessoas e outros motoqueiros para ajudar e logo pararam 2 policiais de moto que passavam por ali, parece que o moço só machucou o pé. Um dos policiais me viu na janela e disse garoto pode arrumar um saco com gelo pra por no tornozelo do motoqueiro até o resgate chegar? Afirmei com a cabeça e corri providenciar abri a porta e o policial já aguardava ali. Parecia um gigante perto de mim. Agradeceu e lá foi ele. Voltei pra janela e de vez em quando ele me olhava e fazia positivo. Demorou bastante tempo pro resgate chegar e outros policiais. O policial se aproximou e perguntou se podia usar o banheiro pra dar uma mijada, desci e abri a porta, ele entrou e questionou se eu abria a porta pra qualquer pessoa e disse que não, que só abri por que ele era policial, foi entrando e elogiando minha casa, perguntou meu nome e minha idade enquanto mexia na mala e procurava o banheiro com os olhos, disse que eu parecia ter 10 anos, mas com 13 já era um hominho, eu sorri satisfeito e fui até o banheiro ele entrou e continuou conversando, eu quis fechar a porta e sair e ele disse pra ficar ali pra irmos conversando, tirou o pau pra fora e começou a urinar um mijo forte amarelo parecia uma torneira tal o volume de mijo e o barulho na privada, era impossível não olhar pois era um pau grande como dos artistas de pornô que vi na internet. Como é bom dar uma mijada quando se está apertado, afirmou. Balançou bastante o pau e guardou. Na sala sentou-se e pediu se podia descansar, mas nem esperou eu responder e falou vc assim bonitinho já deve ter beijado muitas garotas, falei que nunca tinha beijado, mas meus amigos que moram em apartamentos já e um deles até já tinha transado. Contou que está com 43 anos é policial há 18 anos tem 3 filhos todos altos como ele, que tem 1,87m e pesa 100Kg. Vem cá garoto e me fez apalpar seu bíceps que é bem maior que minha coxa e me puxou fazendo sentar na sua coxa direita, fez um carinho nos meus cabelos e no meu rosto dizendo que eu era muito bonito e que sempre teve muita vontade de beijar um garoto, mas nunca teve coragem e me deu um beijo no rosto. Eu meio assustado sai do colo dele e disse que meus pais logo chegariam. Ele se levantou e dava pra ver que estava com o pau duro, ele disse “nossa! olha como fiquei pois gostei muito de vc Juninho, deixa eu voltar ao normal pra sair, mas saiba eu gostei demais de vc e quero muito ser teu namorado secreto, vc tem um papel aí? Forneci e ele escreveu o nº do celular e disse se vc quiser me conhecer melhor me adiciona e vamos ser amigos. A mala deu uma boa diminuída e ele foi embora. Voltei pra janela e fiquei lá observando até ele ir embora, me mandou um beijo e foi. À partir dai minha vida mudou, eu só pensava nele, em beijar e acariciar e batia punheta o tempo todo, nunca alguém mostrou desejo por mim e logo aquele policial lindo me queria, uma angústia, um desejo e coisas que nunca havia sentido me dominavam. Quando meus pais chegaram perceberam algo diferente em mim e contei do acidente e de ter permitido ao policial usar o banheiro, eles me repreenderam mas aceitaram por ele ser policial. Eu só pensava nele, não tinha certeza se os olhos dele eram verdes, mas estava encantado com o pau dele, com as mãos dele, com o corpo forte e o desejo de namorar com ele passou a ser minha obsessão. Após 2 dias add no whats e mandei um
_“Oi! sou o Juninho, lembra de mim?” Horas nem sei quantas aguardando resposta, ele viu mas não respondeu. Parecia que o mundo ia acabar pra mim. E então chegou msg : _Meu lindo menino como lembrar? Eu não paro de pensar em vc desde que te conheci! Assim que vi que vc me add fiquei numa alegria que até meus colegas perceberam, só não respondi antes pois estava de plantão. Tô morrendo de saudades de vc meu garoto lindo! Perdi o folego só dele dizer que pensava em mim. Respondi com uma carinha feliz.
_Pensou em ser meu namorado secreto?
_Sim!
_Gostaria de namorar comigo?
_Sim só penso nisso embora não saiba se isso vai ser possível.
_Se vc quiser mesmo é só deixar por minha conta que resolvo tudo!
_QUERO SIM! Ficamos sem trocar msgs.
Sábado meus pais em casa, toca a campainha, meu pai atende e entram Pedro e um rapaz, gelei, acho que fiquei branco! Vim agradecer o Juninho pela ajuda dele no dia do acidente. Eu sou Pedro e este aqui é meu filho João. Vi que o menino fica sozinho e que não pratica nenhum esporte, nem tem amigos por aqui e gostaria de convidar para que ele frequente a academia de ginástica da qual sou sócio, isso ajudaria no desenvolvimento físico dele e também aprender a defender-se. Como aqui é meu caminho me prontifico à pegá-lo e devolvê-lo em casa. Minha mãe serviu petiscos e parecíamos todos amigos de longa data. Meu pai e minha mãe também encantados com o policial Pedro. João pouco falava, jovem muito bonito, uns 17 anos, parecia tímido, mas corpulento como o pai. No fim ficou combinado que ele me pegaria terças e quintas pela manhã. Meu pai todo feliz e agradecido parecia ter ganho um bom amigo. Na terça Pedro vem me pegar entra um pouco em casa. “Ah meu menino meu namorado” e me dá um beijo na boca, sinto sua língua penetrar na minha boca forte, sem que eu pudesse ter reação, todo meu corpo amolece, minhas pernas ficam bambas, suas mãos percorrem meu corpo, apertam minha bunda, me sinto totalmente dele. Temos que ir, quero que nosso namoro vá devagar, sem pressa com muito carinho e amor pois eu te amo meu menino e quero te fazer muito feliz. Fomos para o carro e rumamos pra academia. No caminho falou de sempre todos os dias namorarmos pelo whats, trocarmos msg, fotos, etc mas sempre apagar tudo pra não corrermos riscos e ninguém nunca pode saber do nosso namoro. Eu concordei com tudo. Na academia foi treino mesmo, mais nada, fiquei um pouco frustrado. Na volta disse que queria entrar em casa só pra despedir e trocamos beijos deliciosos, ele colocou seu dedo na minha boca e eu instintivamente comecei a chupar e olhar nos olhos verdes e amorosos dele. Ele me senta no colo de pernas abertas de frente pra ele se recurva e beija chupando minha boca, sua mão percorre minhas costas e entram pelo meu short e cueca e seu dedo acaricia meu cu que se contrai e relaxa involuntariamente me fazendo suspirar e gemer, tento me empurrar querendo que seu dedo entre em mim, mas ele apenas rodeia, acaricia com a polpa do dedo, parecendo querer me enlouquecer de desejo. Eu gemo e tremo de tanta excitação. Calma meu Juninho, temos todo tempo do mundo e me beija, despede-se e vai embora.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 2 votos)
Loading...