Armadilha cata puta – cinema

Autor

Terceiro encontro apos: Armadilha cata puta – segundo dia 2
Neste conto, mostro como o Francis me torturou no cinema (fora tbm), me deixando louca de desejo.
Cheguei 15 minutos adiantada, coração estava acelerado, fui de ônibus (com a desculpa de não ir embora de madrugada por depender do transporte). O porteiro me liberou e disse pra subir ao apartamento, pensei q iriamos direto e q ele desceria pra me encontrar, mas fiquei contente dele me chamar pra subir, pois poderia ter uma surpresa ou ele simplesmente me pegar bem gostoso antes de sairmos. E quando entrei em seu apartamento o cumprimentei com um abraço bem demorado e um beijo no rosto. Ele agindo serio, me diz q era pra eu usar algo antes de irmos. Eu q estava com uma saia plissada rosinha claro ate o joelho, e uma blusinha de manga longa tbm rosinha, e salto alto, por baixo uma lingerie de oncinha (estava ansiosa pela noite).
Ele me entrega um tapa sexo, com um consolo e diz pra eu usar aquilo enquanto estiver com ele. Eu sorrindo, cheguei perto do ouvido dele e com uma voz bem safada pegando na cintura dele falei: “vc adora colocar coisas em mim, não e mesmo?”. E dei um beijinho em seu pescoço. Tirei minha calcinha, e deixei no sofá, ele me entregou um lubrificante e eu usei pra colocar o tapa sexo, ele me pediu pra ficar sem o sutiã por baixo tbm, (nessa hora pensei, poxa, tive tanto cuidado pra escolher algo pra agrada-lo e nem vou usar pra ele). Feito tudo isso, ele pegou um shortinho e me fez colocar por baixo da saia, dizendo q era para o tapa sexo não cair, achei ótimo, pois não queria passar o vexame de deixar aquilo cair em um lugar publico. Ele mesmo colocou o shortinho e ajustou algo parecido com um mini cinto interno do shortinho, e posicionou o lacre desse mini cinto. Confesso q o shortinho ficou um pouco apertado, mas não estava incomodo afinal eu já tinha usado coisas menores e mais apertadas antes.
Fomos para o cinema no carro dele, vidros escuros, carro fechado com o ar ligado, som desligado e aquele silencio no carro. Por mais q eu estivesse com vontade de chupa-lo ali mesmo, me contive, pois ele estava serio e mal falava alguma coisa. No cinema pegamos a ultima fileira de cima q era separada em duas partes, pois a cabine dividia a ultima fileira em duas. Ficamos próximos ao meio, pois eu sentei do lado da cabine, ele ao meu lado, e do lado dele a cadeira estava vazia, pois ele comprou pra ninguém sentar ao nosso lado. O filme era um de terror (sinceramente não gosto, pois acabo tendo medo), não me lembro do nome do filme e muito menos da historia, pois não consegui prestar atenção em nada. Assim q o filme começou, eu tive aquela surpresa q ele sempre me fazia durante nossos encontros, o tapa sexo começou a vibrar e eu no susto dei um gritinho, q as pessoas ao perceber riram (devem ter pensado q eu assustava fácil), demorei um pouco a perceber, mas o tapa sexo só vibrava quando tinha algum som um pouco mais alto, quanto mais alto o som, mais forte a vibração.
Como o filme era de terror, haviam aquelas cenas em q era um silencio total e o maior suspense, ate q quando acontecia algo eles colocavam um som muito alto para assustar quem assistia, nesses momentos vibrava muito forte, e eu gritava pelo susto, e pelo prazer. Boa parte do cinema gritava junto e com eles o vibra tbm me torturava a xaninha. Eu agarrava ao braço do Francis, se alguém visse de longe iria dizer q eu estava assustada, mas na verdade estava quase gozando, foi quando teve os próximos gritos q eu apertei o braço dele e gemi baixinho enquanto gozava tremendo minhas pernas. Então eu notei, ele estava com um volume em sua calça, ele estava gostando da situação, eu estava com muita sdd daquele pau, estava com agua na boca só de lembrar, sem falar no tesão q estava com aquilo vibrando na minha bucetinha. Então sem nem pensei peguei aquele pau com minha mão, mas fui barrada, ele pegou em minha mão e tirou de seu pau, beijou as costas de minha mão e ficou segurando. Então tentei dnv e peguei seu pau com minha outra mão, e novamente fui barrada, ele pegou minha mão, e me abraçou segurando minhas mãos. Não entendi o pq ele não querer q eu o tocasse, ele estava claramente com vontade, mas se segurava (pensei q ele não queria por causa do ambiente, ou por medo de perder o controle). Ele me disse para me comportar e me segurou um pouco mais forte, a partir desse momento não vi absolutamente mais nada do filme, ficava olhando seu volume, e quando sentia vibrar eu gritava junto com as pessoas para não acabar gemendo.
Ouve um momento no filme q teve uma cena de tiroteio, o vibrador ficou muito forte e durou o tempo do tiroteio, q não foi pouco. Nesse momento eu parecia estar recebendo os tiros, de tanto q me contorci, ele me segurava, mas mesmo assim acabei chutando a poltrona da frente enquanto gozava, foi o único momento em q percebi ele sorrindo. Depois disso, gozei mais 1 vez durante o filme. Eu sentia minha virilha úmida, antes de sairmos da sala, ele passou 1 dedo envolta de meus mamilos duros e rígidos, querendo furar a blusinha, foi então q percebi a intensão dele me fazer ficar sem sutiã. Apesar de ser rosa claro, o estampado não deixava ver os mamilos (não era transparente), mas era visível q estavam pontudos. Ele colocou uma blusa em seu braço e posicionou na frente de seu corpo, tampando o volume da calça. Segurou-me a mão e saímos, eu fui ao banheiro retocar maquiagem e ajeitar o cabelo q estava desajeitado após me mexer tanto. Quando sai ele já estava com o volume sob controle, e paramos para beber um pouco antes de ir embora, tomamos alguns chopes e fomos embora a todo o momento eu agia como uma namorada apaixonada, ele pediu meu endereço e eu forneci (estava excitada com a possibilidade de jogar ele em minha cama). No carro tentei pegar nele, mas novamente fui barrada, ficava frustrada quando ele me barrava, mas ao mesmo tempo com ainda mais vontade. Ao chegar em minha casa, pra minha surpresa, ele me deu apenas um selinho e disse q eu estava entregue e segura. Eu ia discutir com ele, pois após me torturar tanto, não podia ficar so naquilo, mas ele falou:
– Tenho compromisso, e não posso ficar! Nos vemos em breve! – como ele disse q nos veríamos em breve, fiquei tranquila, dei mais um beijo nele (este de língua), q pra minha surpresa ele não negou (ainda bem), e entrei em casa. No caminho, enquanto eu andava, ele deu uma buzinada, q me fez cambalear ao sentir o vibra.
Em casa, um pouco frustrada, mas contente, pois sabia q o veria dnv. Como tinha bebido um pouco resolvi q era hora de tirar o consolo e ir ao banheiro aliviar por causa da bebida. Mas foi ai q tive minha maior surpresa, o shortinho não saia. Eu não conseguia tirar o lacre (feixo) do mini cinto, tentei puxar sem abrir mesmo, mas com meu quadril largo não consegui fazer nada. Então fui ate a cozinha e resolvi pegar uma faca e cortar o shorts fora, mas fiquei perplexa quando vi q a faca não cortava o shorts, então peguei uma tesoura, já estava entrando em pânico, pois a tesoura tbm não cortava o shortinho. Foi então q lembrei, q já tinha visto isso na tv, era um daqueles shorts anti-estupro, não pode ser tirado por ninguém além da pessoa q colocou, e não rasga, não da pra cortar nem nada. É praticamente um cinto de castidade, mas eu tinha q retirar aquilo, pois precisava ir ao banheiro, então peguei o carro e fui ate o condomínio do Francis. A porteira Soraia estava lá, mas me disse q o Francis tinha passado la rapidamente e saiu dizendo q voltava logo, eu já tinha mandado msgs pra ele ao qual ele nem tinha visualizado, então resolvi esperar e fiquei batendo papo com a porteira. Ela percebeu q eu estava agitada, (vontade de fazer o numero 1), nisso passou um carro e buzinou, e eu dei um grito. Ela riu e disse q eu estava assustada, perguntou se estava acontecendo algo cmg, eu disse q precisava ir ao banheiro apenas. Ela acabou oferecendo o da cabine da portaria, como eu não teria como fazer nada acabei recusando. Mas vendo meu desespero ela insistiu ao mesmo tempo q outro tarado buzina na rua, me fazendo gritar dnv.
Ela estava começando a ficar assustada com minha atitude, então resolvi abrir o jogo e contei do shorts (sem falar do tapa sexo). Ela curiosa quis ver, entramos na cabine e eu mostrei, ela tbm tentou tirar, tentou cortar e ficou surpresa com a resistência do shortinho. Já estava ali com ela a quase 1 hora, estava difícil segurar, foi quando vi o carro do Francis, sai as pressas da cabine e assim q ele me viu ele buzinou, quase cai de joelhos tentando me segurar. Ele estacionou e veio ate a portaria, eu estava brava, mas ele tratou de me colocar em meu lugar.
– Comporte-se ou vai ficar assim – falou ele me olhando serio. E me fazendo perceber q estava na mão dele dnv. – oq vc esta fazendo aqui e o q quer? – perguntou ele.
– Eu vim te ver e quero q tire isso de mim. – respondi quase chorando.
Soraia via tudo, mas tentava disfarçar, ela parecia apreciar o q estava vendo, eu com voz mansa, implorando pra ele tirar o meu shortinho, e dizendo q faria o q ele quisesse, enquanto ele sorria, dizendo: “td o q eu quiser?”. Nisso percebi a Soraia, morder os lábios antes de tentar disfarçar. Então subi com ele, após prometer me comportar.
Já no apartamento ele me fez colocar uma coleira, dessa vez era travada com uma pequena chave, para q eu não tirasse. Ele tirou o shortinho e com uma coleira me acompanhou ate o banheiro, depois de aliviada ele me despiu e prendeu minha coleira no box e disse para q tomasse um banho, feito isso ele me puxou pela coleira, me secou e disse para usar a lingerie q eu tinha deixado no sofá antes do cinema. Nesse momento já fiquei contente, pois sabia q algo iria acontecer em seguida, ele pegou uma sacola q subiu com ela quando chegou a pouco, e tirou uma tiara com orelhas de gato (onça) combinando com minha lingerie e colocou em mim. Um rabo igual ao anterior com plug anal, porem o plug era menor. Lubrificou, me estimulou, me lambeu todinha, chupou, enfiou um dedo, dois, três dedos, e eu estava quase gozando. Ele começou a estimular minha xaninha, com a calcinha de lado, e foi forçando o plug e eu delirando, quando entrou, veio junto ao meu orgasmo, gozei gostoso, tremendo minhas pernas e ele com os dedinhos em minha bucetinha. Ele ajeitou minha calcinha tampando o plug e deixando o rabo sair pela parte de cima da calcinha e da bunda.
Então ele puxa minha coleira, me manda ficar de 4, e depois erguer a mão direita (a patinha direita, segundo ele), tirou o celular e bateu uma foto, me levou ate seu quarto e eu fui abanando o rabinho, ansiosa por mais orgasmos q aquele pau gostoso poderia me dar, queria senti-lo o quanto antes. Ao chegar no quarto ele me prendeu a corrente em um elo a um canto da cama e passou um cadeado. Prendendo-me pela coleira como um bixinho de estimação, e disse: “isso vai te ensinar a não sair de fininho sem a autorização de seu mestre.” Nesse momento entendi q ele não tinha mais me ligado pq eu sai durante a noite na ultima vez q estive ali. Eu pedi desculpas e disse q não iria mais fazer aquilo. Ele sorriu dizendo q era bom eu não fazer mesmo. Se despiu completamente, ele estava totalmente duro, era visível q ele estava me querendo, quando se aproximou, já fui abrindo a boquinha pra abocanhar aquela vara, mas ele passou reto e se deitou ao meu lado. Fui descer seu corpo pra chupa-lo, mas ele me disse pra não fazer. Então montei nele pra cavalgar, e novamente ele me tirou de cima, e disse: “esse eh seu castigo por ter me saído o outro dia, se comporte ou te prenderei na varanda”. Então decidi ficar na minha, quieta, apenas abracei ele e fomos dormir, e o pior era ver ele com aquele pau de fora e não poder fazer nada, o máximo q tive, foi um sonho em q acordei toda molhada. Como saímos na sexta, agora já era sábado de manha, ele preparou o café da manha e depois de comermos, fomos para o quarto com os brinquedos, la dentro ele fez todo o processo pra tirar meu o plug da minha bundinha, passou lubrificante, lambeu, chupou, dedilhou, ate eu gozar e ele puxar o plug de uma vez, me fazendo cair no chão tremula de prazer.
– Vc precisa se manter em forma, vai pedalar um pouco! – e apontou para a bicicleta com o consolo, montei naquele consolo, e comecei a pedalar a cada giro dos pedais, sentia o consolo ir fundo em minha bucetinha.
– Pedale mais rápido – falou ele q apesar de estar de shorts, pelo volume deveria estar sem cueca, então fui aumentando a velocidade conforme ele me mandava ate gozar e perder as forças.
Depois disso ele me mandou para o banho. Chamei-o junto, mas disse q era pra eu ir sozinha, fui, mas estava ficando louca, eu queria sentir aquele pau e ele mesmo estando duro, não me deixava nem toca-lo. Terminei o banho e ele me prendeu a coleira na cama dnv, e pediu para eu fazer uma pose, enquanto ele tirava o pau pra fora e começou a se masturbar em minha frente, vendo a oportunidade fui fazendo poses e me aproximando lentamente, e quando eu estava prestes a toca-lo senti a corrente esticar e não consegui alcançar seu pau, eu estava presa e ele fora de alcance. Aquele pau q eu queria estava na minha frente se masturbando e eu com agua na boca, toda molhadinha de vontade e não conseguia alcançar. Ele me soltou e pediu para q limpasse o chão da porra, enquanto ele tomava banho. Ele estava no banho e eu chorando enquanto limpava, sem entender o pq dele fazer aquilo, me deixar com vontade, pensei em ir embora, mas tinha medo dele nunca mais falar cmg, e não poderia sair com essa coleira em pleno dia. O dia foi passando parávamos apenas para descansar, usar o banheiro, ou tomar banho, almoçamos a tarde ele me mostrou um álbum com as melhores fotos do ultimo encontro (q ficaram ótimas), e me disse para me masturbar enquanto folhava o álbum. Meu celular estava sem bateria, ainda bem, pois a cada vez q ele tocava eu levava 10 palmadas, era gostoso, mas já tinha tocado muitas vezes. Jantamos e a noite eu pedi para ele me deixar ir, afinal ele só estava me estimulando e eu não tinha mais esperanças q ele me comeria, por mais q ele andasse duro sempre q me via.
Após pedir pra me liberar, ele puxou minha coleira e acorrentou a cama dnv com o cadeado, dizendo bravo, q eu só sairia dali quando aprendesse a me comportar. Eu comecei a pensar q ele não iria me soltar, pois eu estava sendo obediente, fazia tudo q ele me mandava, e mesmo assim ele me deixava apenas com mais e mais vontade de pegar naquele pau dele. Após me acorrentar dnv, começou a me chupar, e diferente das outras vezes, dessa vez ele não me deixou gozar, parou antes q eu gozasse, dizendo q eu já tinha gozado demais. Deitou ao meu lado e assistimos um pouco de tv (uma pequena na parte de cima do guarda roupas embutido). Eu sempre em silencio, abraçada ao seu corpo tentando me comportar, mas ardendo de desejo. A noite caiu e dormimos cedo nesse dia. Acordei, acredito q era por volta das 5 ou 6 da manha, toda molhada de outro sonho e frustrada, pois tinha passado 2 dias com ele e não tinha me pegado ainda, eu abraçada com ele acabei percebendo q ele estava meio duro, (provavelmente aquelas ereções matinal), aquilo me deixava louca, e passei a me tocar um pouco, então pensei: “sera q ele tem sono pesado?”. Passei a mão na frente do rosto e nada de se mexer, toquei o ombro e nada. Então resolvi tocar onde me deixava molhada, toquei e nada, e fui me ousando cada vez mais enquanto ia descendo lentamente. Ate q dei um beijo, outro e quando dei por mim, já estava com o pau dele dentro de minha boca. Sentia seu pau crescer, assim como o meu medo tbm, pois se ele acordasse poderia me punir ou mandar embora e não falar mais cmg, parecia q aquele pau e mais delicioso a cada vez q chupo, ou talvez seja a fome q fiquei de ter ele dnv. Fui chupando devagar, babando bastante para lubrificar, e tomei coragem de montar nele. Subi em cima dele, posicionei seu pau na entrada de minha bucetinha q tbm estava molhada, e fui descendo devagar, quase gozei só nessa primeira descida.
Fiz mais alguns movimentos descendo e subindo naquele pau, a sensação junto com o medo era indescritível, ate q comecei a gozar, eu tremia um pouco e tentava conter os gemidos, mas sem quere deixei um escapar, eu estava de olhos virados, mas quando olhei, o vi acordado me olhando. No susto, fui sair de cima dele e implorar para q me desculpasse, mas ele me segurou firme e disse:
– Finalmente vc aprendeu como deve se comportar, deve me obedecer e se comportar como uma boa putinha, e quando for me acordar deve ser exatamente desse jeito! – falou ele com um sorriso bem safado em sua cara, expressando satisfação. – agora vc já sabe como deve me acordar quando estiver aqui, agora merece seu premio, e pode cavalgar a vontade.
Ao ouvir isso, me senti aliviada, e cheia de tesão, aquela fome q eu tanto sentia daquele pau agora podia ser saciada. Deitei-me sobre ele e comecei a soltar todo o libido preso, rebolava feito louco, gemia e liberava todo desejo q ate ali estava retido, engolindo todo aquele pau, em minha bucetinha, fazia com fúria, com vontade, ouvia-se meu corpo estalar ao de meu mestre. Ele gemia ao meu ouvido e me tocava. Quando ele anunciou q iria gozar, eu o abracei forte, mantive o ritmo acelerado, comecei a miar em seu ouvido: “miau, miaaauu”, um miado tímido e retraído, enquanto eu gozava antes dele, q ao me ouvir miando, começou a gozar fortemente dentro de mim, me abraçando com força, senti seu pau pulsando e a porra escorrendo de dentro, ainda sentindo seu pau pulsar, eu desabo sobre ele e começo a chorar. Onde ele me pergunta o pq de estar chorando e eu só respondo: “mestre, eu te amo”, e continuo a chorar e soluçar. Ele apenas riu, e me disse q eu merecia um premio, enquanto me fazia cafuné e eu descansava sobre seu peito. Perguntei qual era o premio, e já sentia o pau dela amolecer saindo da minha bucetinha. Ele me entregou a chave da coleira, e me disse q eu poderia tirar. Respondi q estava cedo pra ir embora q era eu devia ficar ali mais um pouco, olhando triste pra ele, pensando q ele estava me liberando pra ir embora. Ele riu novamente, e disse q eu poderia soltar e fazer o q eu tivesse vontade assim q ele descansasse. E assim fiz, me soltei, ficamos fazendo carinho, nos beijávamos, e assim q ele ficou duro novamente, eu virei de ladinho e posicionei seu pau na entrada da minha bundinha, agora era a vez dela sentir um gostinho de porra daquele pau pulsando. E assim ele me pegou, me apertava e tocava meus seios, enquanto enfiava na minha bundinha me abraçando forte, a cada aperto parecia q meu coração ia pular pra fora, gozamos e eu sai da cama escorrendo porra pela perna e fui tomar banho, tomamos café da manha, assistimos um filme, nos beijamos, fizemos o almoço, almoçamos, e eu já ia embora, quando o vi tomar um como de água com uma pílula azul, e me dizer: “vc sabe o q isso significa ne?”, eu apenas sorri, e em pouco tempo estávamos no quarto dnv.
Fui embora já era domingo à noite e levei uma das fotos do álbum cmg como presente, nunca tinha gozado tanto em um final de semana, foram 3 dias de tortura e prazer. Na saída a porteira estava lá, e me vendo com a mesma roupa q entrei (apesar q tomei vários banhos), e o carro no mesmo lugar, me perguntou se eu passei todo esse tempo lá, abri o maior sorriso q consegui e respondi q sim, ela pareceu surpresa, e parecia interessada no q acontecia cmg, conversei um pouco com ela e fui embora. Aos poucos fui diminuindo meus programas, e os finais de semana eram dedicados ao meu mestre, fui pegando intimidade e amizade com a Soraia, e descobri o pq do interesse dela, sua relação com o marido tinha esfriado e só faziam papai e mamãe uma ou duas vezes por mês no máximo. Minha amiga Rosa passou a me questionar o q eu tanto fazia nos finais de semana, e eu sempre com um sorriso mudava de assunto. Algumas semanas depois estranhei quando vi q a Soraia tinha mudado de turno e estava trabalhando de dia, ela disse q era pra tentar passar mais tempo com o marido, mas q não estava resolvendo em nada, pois acabou aumentando as brigas. Na semana seguinte fui ver o meu mestre dnv e tive uma surpresa q me deixou paralisada, como já estava acostumada a entrar em seu apartamento, fui entrando, pois após o porteiro avisar ele sempre destravava a porta, entrei e ouvi alguns barulhos, fui ao quarto e lá estava ele, completamente sem roupas, com o pau duro enfiado ate o fundo na bundinha da Soraia (a porteira casada) q estava toda amarrada e amordaçada…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,00 de 2 votos)
Loading...