Visitei minha irmã e me dei bem com minhas sobrinhas

Ola, tenho 40 anos, sou solteiro ainda. Me chamo Carlos e minhas sobrinhas são; Paulinha de 7 aninhos, sapequinha para sua idade. Olhos azuis e cabelos loiros, boca carnuda e nariz bem empinadinho, seu corpo é magrinho, mas bem feito. Renata de 9 aninhos é o contrário, tímida e muito observadora. Já seu corpinho é uma tesão, pernas roliças, bumbum bem empinadinho, cinturinha fina, com pequenos mamilos em desenvolvimento, do tamanho de uma azeitona. Sua pele, olhos e boca, parecidos com os de Paulinha. Bem, já que foi feita a apresentação, vamos ao que interessa.
Como falei anteriormente sou solteiro e sempre nas minhas folgas ia visita minha irmã. Mas com o propósito de brincar com minhas sobrinhas, elas sempre tiveram um grande carinho por mim. Todo tipo de brincadeiras a gente inventava, ate de boneca brincava com elas para deixa-las felizes. Nessas brincadeiras, rolávamos pelo tapete, fazia cosquinhas nelas, tudo acontecia sem nenhuma maldade minha.
Quando fui entrando, minha irmã já veio me encontra e já foi falando;
– Ainda bem que você chegou, tenho broncas para resolver no banco e não sei que horas volto. O almoço está pronto, é só servir, mas de um banho em Paulinha, essa menina está janelando banhos. Só almoça se banhar.
Quando ouvi banhar Paulinha, me deu um estalo de maldade, não por Paulinha e sim por Renatinha. Quando Renatinha colocava shorts colados, eu notava que ela tinha um volume bem acentuado de xerequinha, era um capuz de fusca bem elevado. Pensei logo é hoje que vejo essa bucetinha de Renatinha. Acompanhei minha irmã ate o portão e já vir planejando como chegar ate Renatinha através de Paulinha, como falei antes Renatinha era muito tímida.
Entrei e já fui direto para o banheiro, coloquei a banheira pra enche, queria ficar com as duas lá dentro, fui ao quarto, peguei o roupão de meu cunhado, tirei minha roupa e fiquei só de sunga vestido no roupão. Já cheguei brincando com elas duas de corre, corre pela casa, quando pegava uma, trazia em direção ao meu coloco e se jogava ao chão, era aquela alegria, ai a outra que estava souta se jogava em cima da gente. Brincamos assim por uns cincos minutos, minha intenção era descontraí-las.
sentei num puf e falei, vamos agora fazer uma outra brincadeira para a gente ir para a banheira banhar. A brincadeira é do coelhinho, só que é um segredo nosso, se alguém souber titio não vem mais brincar com vocês, concordam ? Elas balançaram a cabeça afirmando sim.
Vamos começa por você Paulinha, venha aqui perto, coloquei ela em minha frente e já abrir as bandas do roupão pra encachar ela sentada em meu colo. Vamos tirar a roupa da coelhinha, para quando entra na banheira não molhar os pelos, Paulinha já caiu na risada e foi se colocando em minha frente, ela estava de shorts e uma camisetinha. tirei a camiseta e depois shorts. Deixei ela só de calcinha, puxei ela, e sentei ela de pernas abetas em meu colo, encachei sua xerequinha direto em meu pau, ela sentiu o volume, mas por ser muito criança e só pensa em brincar ficou como nada tinha acontecido, mas notei que ela sentiu. pois meu pau estava bem duro. Ai falei, os coelhinhos vão roça os narizinhos para abri as comunicações, ela riu e já foi roçando, agora, vamos roças os lábios, ela fez um biquinho, e começamos a roça, roça naquela boquinha me deu um tesão tão grande que quase gozo, meu pua latejava e eu via que ela esta sentindo o pousar dele. Renatinha sentada no sofá não tira os olhos e de vez em quando soltava uma risadinha meio tímida. Agora o coelho maior vai levar sua coelhinha para banhar nas águas do grande lago azul. Ai deitei ela em minhas pernas e fui tirando a calcinha, quando tirei, vir que ela também tinha uma xerequinha já grandinha, levantei sem desencacha da minha cintura e a levei para a banheira,falei, fique aqui que vou busca a outra coelhinha.
Quando cheguei a sala, Renatinha estava do mesmo jeito, sentada no sofá, com as mão entre as pernas e um olhar muito tímido, ela me olhou e deu um sorrisinho acanhado. como ela já tinha 9 anos, já falei com ela mais serio e em um tom mais carinhoso. Venha pra minha coelhinha, Titio vai prepara você para o banho. Ela se levantou bem lento e se encaminhou para minha frente. Eu me tremia todo. Como meu amor está de vestido( um vestido todo florado e bem curtinho ) eu vou tira ele depois tá ? Ela com a cabeça baixa, olhar para o chão, só confirmou, então, peguei na mãozinha dela e fui puxando para senta no meu colo, ela veio andando e foi abrindo as perninhas, para a minha entra e ela senta. Renatinha sentou nas pontas dos meus joelhos, peguei na cintura dela e fui puxando ela pra baixo ate encosta em meu pau, quando ela sentiu o volume, respirou fundo, baixou a cabeça e fechou os olhos. Falei bem baixinho, como meu amor já é uma coelhinha maior, Titio vai brinca diferente viu ? sem abrir os olhos ela confirmou, eu sentia que meu pau estava bem coladinho em sua bucetinha, pois sentia o volume dos lábios vaginais em cima dele. Comecei a roça os narizes e depois, fui encostando meus lábios no dela e fiquei parado só respirando, fiquei assim por uns 2 minutos, depois, fui mordendo bem de leve, percorri toda sua boca com essas mordidas, suspirava encostadinho na boca dela, passava a ponta da língua em seus lábios e nisso sua respiração ia aumentando, abri a boquinha pro titio e coloca só a pontinha da língua pra titio da uma chupadinha, ela abriu e colocou só a pontinha , fui mamando naquela pontinha de língua e ao mesmo tempo minhas mãos corria seu corpinho por baixo do vestido. Vou tira seu vestidinho agora, quando vir aquelas duas azeitonas, já fui caindo de boca, mamei e mamei gostoso, ela já não segurava mais a respiração, estava muito ofegante, me levantei com ela enroscada em minha cintura e a deitei no sofá e fui descendo com a língua ate chegar em sua calcinha, fui puxando e já lambendo aquele clitores que estava empinadinho de tanta tesão, ela prendia minha cabeça em suas pernas e gemia forte. Tava muito gostoso, mas eu queria era coloca meu pau dentro da sua xerequinha, como suspeitava ela era grande o suficiente para receber meu pau.
Me levantei, terminei de tira a calcinha dela e falei, agora tira a sunga de titio, ela pegou de um lado e do outro e foi baixando, meu pau deu um pulo pra fora que bateu no rostinho dela, ela olhou e não disse nada, Pule na cintura de titio, quero chegar lá, com meu amor já na minha cintura e quando a gente entra na banheira vc não me souta pra sua irmão não ver ta. Quando a gente vai chegando Paulinha sai da banheira e fala, titio já acabei. Era tudo que eu queria, fica lá só com Renatinha e tira seu cabacinho dentro dágua. Só soltei o roupão no chão e entrei na banheira ainda com Renatinha entrelaçada em minha cintura, fui me ajeitando, me encostei e ela ficou sentada em cima de mim. Renatinha meu amor, você está sentindo meu pau entre suas perninhas? ela confirmou que sim. Renatinha deixa titio coloca ele dentro de sua bucetinha, meu amor levanta um pouquinho e titio ajeita no buraquinho ai você senta devagarinho e ele vai entra, faz isso pro titio vai. Ela sem pensa duas vezes, deu ama levantadinha, encachei meu pau no buraquinho, fiquei segurando ele com uma mão para não desliza e sai, com a outra mão, segurei no ombro dela e falei, agora meu amor vai descendo, se doer, é bem pouquinho e passa logo. Ela deu uma descidinha e a cabeça começou entra, ela sentiu aquela dor inicial e tentou levanta, segurei ela pelo ombro e falei. É assim mesmo meu amor depois que entra você vai se acostumar e não doí mais. Ela deu uma respirada e foi descendo de novo, sentir que já tinha entrado mais que a cabeça, ela se segurou de um lado e do outro da banheira e fez uma carinha de choro. Meu amor vamos acabar logo com isso. Deixa titio puxa meu amor pra baixo, que entra toda de uma vez e acaba com a dor. Soltei meu pau, pois já tinha entrado um pouco, não corria o risco de sai, segurei ela pela cintura e fui forçando ela pra baixo, eu foçava e ela segurava na banheira pra não descer. Vou distraí-la pensei. Meu amor me dá de novo a pontinha de tua língua, ela vei se inclinado para me beija, fui beijando e ela foi relaxando, quando notei que ela estava relaxada, puxei ela pra baixo que sentir o rompimento de seu cabacinho e o encosto de sua bucetinha no tronco do meu pau, ele só deu um grito, mas eu calei com um longo beijo de língua. Fiquei ali parado por uns instantes e depois comecei levantando ela pela cintura de sobe e desce, ela já não mais setia dor, gemia, sei que com poucos movimentos dei a melhor gozada de minha vida. Depois desse dia passei a frequentar mais a casa de minha irmã. Pagava a ela pra resolver meus problemas de bancos.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 2 votos)
Loading...