Meu Filho de 11 anos e a Mamãe

Olá pessoal. Meu nome é Andrea, tenho quase 40 anos e sou dona de casa. Sou casada há doze anos. Meu marido é caminhoneiro e passa muito tempo fora de casa. Ano passado perdi meu filho de um outro casamento. Fui um grande abalo pra mim e pro meu marido, que desde então, tem preferido trabalhar mais, já que a casa inteiro lembra o Felipe. Já tinha 18 anos e sofreu um acidente de carro. Temos um outro filho, que adotamos, o Caio. Ele ficou muito sentido com a perda do irmão, eles eram muito próximos. Ele só tinha 11 anos, e era muito pra ele processar.
Certa noite, estava em casa sozinha com o Caio, meu marido tinha viajado à trabalho a quase uma semana. Para não perdermos o contato, mandávamos mensagens e um videos sacanas um pro outro. Ele sempre me mandava vídeos dele tocando punheta na beira da estrada, ou em banheiro de rodoviária. Eu lembrava daquele pau grosso que ele tinha e já ficava todo molhadinha, e devolvia o vídeo pra ele de mim trocando siririca. Quando ele teve a ideia, eu odiei, mas agora não vivo sem isso. Eu estava assistindo um dos vídeos das leitadas dele e levantei, já de madrugada pra ir ao banheiro. Como já eram 2h, levantei só de calcinha e sutiã mesmo e passei pelo corredor. Notei a luz do quarto do Caio acesa. No mínimo tinha dormido assistindo hora da aventura de novo. Ele adora aquilo. Eu abri a porta devagar, pra não acordar ele, mas a cena que eu i, não era o que eu esperava.
Ao entrar no quarto, me deparei com o caio, sentado na cadeira do computador, com um dos pés no chão e o outro apoiado no acento da cedeira. Com uma calça de moleton azul e aquelas meias que são brancas com a ponta e o calcanhar cinza. Usava uma blusa do Jake, do dezenho e estava com o pinto dele pra fora, tocando punheta na frente do computador. Eu não sabia como reagir, ao mesmo tempo que eu estava chocada, achei tudo tão bonito e inocente. Ele vivia tão solitário que eu devia ter imaginado que ele já teria descoberto essas coisas de garotos. Mas o que eu não tinha reparado é que o vídeo que ele assistia no computador era de dois homens fazendo sexo. Aí eu reagi.
_ O que você está fazendo senhor Caio?
Ele virou e tentou disfaçar no susto, com uma cara de assustado que eu até fiquei com dó.
_ Desculpa mãe, não é o que você está pensando.
_ Vendo vídeo pornô nessa idade, e de gay ainda por cima. Você acha que isso tá certo? Pode começar a me explicar mocinho.
_ Eu só queria me lembrar.
Ele começou a chorar. Não de susto, medo de mim, chorar mesmo. EU não entendi nada, mas fiquei com muita pena e preocupada. Tinha pegado pesado de mais com meu bebê, deveria ter sido mais compreensiva. Me aproximei e tentei acalmá-lo. Meio sem jeito, já que estava semi nua, abracei ele.
_ O que você quer dizer com lembrar filho? Conta pra mamãe.
_ Eu não posso, eu prometi.
_ Você não pode ficar guardando essas coisas de mim, eu só quero te ajudar. Desculpa ter gritado. É normal na sua idade, ainda que seja vídeo de homens, eu acho…
Ele me olhou com aqueles olhos tristes, suas mãos quentes me seguravam firme. Ele tinha um rosto lindo, pele lisa e muito clara. Cabelos negros lisos, tipo tijelinha, mas estava todo bagunçado.
_ O Felipe ele brincava comigo, me ensiva pra quando eu ficasse grande.
_ Brincava?
_ É, a gente assistia a esses filme de “coisa que não deve” e a gente fazia parecido. Ele me disse que era normal brincar disso e que era nosso segredo.
Eu fiquei chocada, meus filhos faziam sexo juntos? Eu sei que garotos não têm limites mas isso?
_ Filho, vocês não devia fazer essas coisas, é muito errado.
_ Eu não sabia, não briga comigo mamãe, por favor, eu não faço mais. É que vendo os vídeos, eu lembro do Fê, e parece que ele está aqui comigo.
Eu fiquei muito sentida por ele, ele poderia ficar traumatizada por esse tipo de relacionamento impróprio e até virar gay. Além do trauma de perder o irmão, ele deveria estar em conflito.
Mas não sei se devido ao vídeo do meu marido… eu estava mais curiosa e interessada na sexualidade do Cacá.
_ Mas você sente saldade só do Fê, ou do que vocês faziam juntos? Ele não machucava você né? Você têm que me contar tudo.
_ Machucar não. Doia mais quando ele colocava o pipi dele… Mas ele passava bastante olhinho e ia devagar.
Ele estava começando a ficar mais calmo a medida que falava e sua mão estava no meio peito.
_ E ele te ensinou mais o quê?
_ A fazer coisa com o meu pint… pipi.
_ Fazer o quê? Mostra pra mamãe.
_ Agora pouco você brigou.
_Eu já pedi desculpa, seu vídeo continua tocando, porque você não continua.
Tinha dois jovens no vídeo, loirinhos com uns pauzões. Era todo depilados, era estranho, mas bonito. O Caio, não estava se sentindo a vontade e não queria tirar a calça. Eu pausei o vídeo e entrei na frente do computador. Acho que só agora ele se deu conta realmente de que eu estava só de sutiã e calcinha.
_ E vídeo de mulher ele te mostrou?
Ele disse que não com a cabeça. Eu soltei o sutiã e mostrei meus peitos que ele tanto apalpava a minutos atrás. Eu estava meio gordinha, mais ainda inteirona pra alguém da minha idade. Depois fui devagar baixando a calcinha. Minha bucetinha depilada pro meu marido estava agora bem na cara do meu filho.
_Viu, é assim que é um mulher pelada, agora que mamãe já tirou tudo eu vou te ajudar a tirar a sua roupa. Eu me abaixei e puxei de vagar pelo elástico da calça de moleton. Fui descendo a calça e pedi pra ele levantar só um pouquinho da cadeira pra ela descer e deixei-a pelo joelho. A cueca tava com uma gotinha, naõ sabia se era xixi um baba do pinto dele. Acho que com 11 anos ele ainda não gozava.Tirei a cueca dele e o pinto dele estava meio mole, meio duro, deitado de lado na virilha dele. Ele quase não tinha pelos ainda e o pinto dele era pequeno, mas muito bonitinho, todo lisinho e quente. Eu comecei a bater uma pra ele, é em segundos ele estava de pé.Realmente tava todo babado e a pele ainda estava meio colada na cabeça do pau dele.
_ Mamãe…
_ Fica calmo, vai ser nosso segredinho agora.
Eu baixei a calça dele até os pés, e caí de boca no pau dele. Devia ter uns 12 cm, era até que grossinho, não igual ao do pai é claro, mas acho que era grande pra idade dele. Estava tão salgadinho. E mamar um pau sem pelos e tão gostoso, todo o corpo dele era tão liso e macio.
Ele estava gemendo baixinho e começando a forçar minha cabeça com as mãos, ditando o rítmo. Eu Tirei a calça dele toda e levei ele pra cama, coloquei ele meio que de frango assado, deitado com as pernas abertas e continuei a mamá-lo. Fui acariciando o corpo dele e passando a mão na bunda. Não resisti e fui colocando o dedo no cuzinho dele, ele fechou o cu e eu tirei.
Eu deitei na cama e coloquei ele em cima de mim. E o abracei. O pau pulsante dele estava deitado sobre minha buceta. Eu peguei ele na mão e coloquei na entrada.
_ Você vai gostar muito mais de fazer com mulher do que com homem. Coloca ele dentro.
Eu segurei a bunda dele com gosto, afastando as bandas com as mãos e empurrei pra dentro. Estava tão babado que deslizou de uma só vez. Ele, sozinho, começou a meter de vagar. Ele tinha um pau pequeno, mas fazia gostoso. Encaixava até o talo, depois tirava pra fora e colocava tudo pra dentro de novo. Apalpava meus peitos e depois começou a mamá-los. Ele começou a mexer no meu grelinho e percebeu que eu estava gostando e continuou a tocar uma siririca pra mim. Só agora tinha me lembrado que havia levantado pra ir ao banheiro. Ele acelerou as estocadas e fazia aquele barulho de putaria molhado enquanto continuava a tocar siririca pra mim. Antes que eu pudesse pedir pra ele parar, as contrações do orgasmo na minha buceta começaram e eu não pude segurar. Eu comecei a mijar no pau do meu filho. Eu gritava de prazer e molhei a cama toda. O caio nem se importou, parecia ter achado engraçado, estava com um sorriso safado que eu nunca tinha visto nele e começou a meter com mais força. Eu então saí da cama molhada e fui pro tapete que ficava abaixo da janela. Eu queria muito chupar o pinto dele de novo. Ele deitou na memsa posição e eu voltei a chupá-lo e acariciá-lo como louca. Antes que me desse conta estava com o dedo no cu dele de novo.
_ Mamãe, precisa de olhinho, tá na gaveta aí do seu lado.
Eu abri a gaveta do criado mudo e tinha um olhinho tipo Johnson. Eu lambuzei o cuzinho dele e meti o dedo.Entreu lizinho, ele já estava acostumado com o pau do meu filho. Eu comecei a entrar e sair e senti ele se contorcendo. Enquanto metia o dedo no cu do Cacá, continuei a chupá-lo. Ele gemia tão alto, me chando de mamãe. Eu ficava com tanto tesão. Ele se contorcia e eu enfiei dois dedos. Ele gritou e se encolheu todo, com os joelhos dobrados e eu tive uma surpresa. Minha boca foi preenchida por porra. O pau pulsava e pulava com tanta força que senti na garganta. Ele continuava a gemer e se contorcia. Eu pudia sentir o cu piscando.Eu tirei a boca do pau e um fio de porra ainda pendia dele pra minha boca. Eu dentei no tapete, e o coloquei sobre mim de novo, o pau dele ainda tava duro, mas ele dormiu no chão, abraçado a meu corpo nú.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,83 de 6 votos)
Loading...