Minha cunhadinha de 10 anos – O boquete

Continuação desse conto: Minha cunhadinha de 10 anos – A Iniciação
Bom, vou continuar a história, como o pessoal gostou de detalhes, escreverei da mesma maneira.
Depois do ocorrido, minha esposa chegou por volta das 12:30, eu estava cortando o pasto e minha cunhadinha olhando desenho, Marcela, minha esposa, foi fazer o almoço, assim que ficou pronto, fomos almoçar, como eu ainda estava brigado com minha esposa e Carolina(minha cunhadinha) havia ficado estranha, ficou um silêncio na mesa.
Após almoçarmos, Marcela perguntou se estava tudo bem com sua irmã, fiquei gelado na hora, Carol, muito timidamente respondeu que sim, só que não estava se sentindo muito bem, após comemos e saímos para passear.
Já a noite, minha esposa tinha ido na venda e minha cunhadinha estava no banho, eu estava com muito tesão, afinal, tinha rolado tudo aquilo com minha cunhada e não havia gozado, comecei a tocar uma, mas logo escutei o desligar do chuveiro, tive que parar, minha esperança era que minha cunhadinha entrasse enrolada na toalha novamente, dessa vez já entrou vestida no quarto. Antes que eu pudesse falar com ela para saber se estava tudo bem, minha esposa adentrou em casa, impedindo qualquer diálogo com minha cunhada. Jantamos e fomos deitar.
A noite, Marcela percebeu que Carol já estava dormindo, encostou-se em mim e começou a passar a mão em meu pau, já estava louco de tesão, olhei para ela e fiz sinal para sua irmã, como perguntando se dormia, ela disse baixinho “Já está dormindo, estou com saudade”, claramente queria fazer as pazes. Como minha cunhadinha estava ali, não progredimos muito, nos beijamos e fomos dormir.
Depois que Carol voltou para a casa da mãe, duas semanas se passaram, evitava ir na casa de minha sogra, mas Marcela me pediu para irmos almoçar lá e que eu necessitava ajuda com o computador de minha sogra que estava com problemas, relutante, fui. Estava nervoso para ver minha cunhadinha, sempre travessa, me recepcionava pulando e gritando, dando beijo, mas dessa vez não, ao entrarmos na casa, nem vimos ela, minha esposa até estranhou, perguntou a minha sogra por Carol, minha sogra disse que ela andava muito estranha, passava encerrada no quarto. Comecei a me sentir mal, achei que tinha causado problemas psicológicos na minha linda cunhadinha.
Carol, sua irmã e seu cunhado estão aqui, venha dar um beijo neles, gritou minha sogra. Minha cunhadinha saiu do quarto, ela vestia um shortinho verde e uma mini blusa que parecia ser maior que seu número, não estava usando sutiã, ela veio muito tímida e deu um beijo em cada. Minha mulher perguntou se estava tudo bem, ela disse que sim, só que não sentia muito bem e voltou para o quarto.
Eu estava cansado tinha o costume de dormir aos domingos a tarde, depois que arrumei o computador e almoçamos, falei que gostaria de ir embora, pois queria dormir, minha esposa falou que queria ficar mais e que tinha que ver umas coisas com minha sogra, então fiquei, minha sogra disse que eu dormisse no quarto dela, resolvi aceitar.
Quando acordei, não vi ninguém na casa, bati no quarto da minha cunhadinha, e ela gritou “só um minuto”, quando abriu a porta, estava com o rosto um pouco corado, perguntei a ela pela irmã e pela mãe, ela disse que tinham ido no centro, comprar umas roupas, lá estava eu, sozinho com minha cunhadinha novamente, elas sempre demoravam quando saiam assim.
Aproveitei e perguntei se estava tudo bem com ela, pois andava estranha, se tinha alguma coisa haver com o que tinha acontecido com a gente, ela abaixou a cabeça e falou que estava tudo bem, resolvi mudar minha estratégia, depois de duas semanas se não tinha falado nada ainda, não falaria mais, então disse a ela: “Bom, você não está, vamos ter que contar para sua mãe e para sua irmã o que aconteceu”. Ela deu um pulo, “Não, tudo menos isso”, perguntei a ela então porque estava ficando tanto tempo no quarto trancada. Ela baixou a cabeça e disse: “É que depois daquele dia, tenho sentido umas coisas estranhas, e não consigo evitar, eu tenho que ficar me apertando, mas não consigo sentir nada como aquele dia”. Ela ficou vermelha, meu coração disparou, falei pra ela que era normal e que isso se aprendia com o tempo, me comentou também: “Eu achei um canal na TV que aparece umas coisas, tipo o que a gente fez aquele dia, mas eles fazem mais algumas coisas”. Ela tinha achado o canal adulto, pedi a ela que me mostrasse esse canal, ela disse que tinha vergonha, insisti e disse que explicaria as coisas pra ela, relutante resolveu aceitar.
Colocou no canal porno, demos sorte, estava no início de uma cena, uma loira, muito gostosa, com um moreno, começaram a se beijar, eu ia fazendo comentários, meio como desentendido.
-Isso é que tu acha estranho?
– Não, capaz, isso eu conheço?
– Mas já fez?
– Não, ainda não?
-Quer experimentar?
-Sim, respondeu ela, muito timidamente, encolhendo os ombros. Cheguei pertinho dela, bem devagar, e comecei com um selinho, disse a ela que abrisse um pouco a boca, comecei a chupar o lábio inferior e lamber, ela instintivamente colocou a língua para fora e começou a passar na minha minha. Foi maravilhoso, estava muito excitado, deu para perceber que ela também. “Nossa, é legal isso” disse ela, ai olhamos para a tv, o moreno estava chupando a loira, disse a ela: “isso você conhece, não?” Ela riu e disse que sim, e que era muito bom. “mas isso eu não conheço” a loira estava chupando o pau do ator, ela completou “é estranho, as vezes os caras mijam na boca dela” começamos a rir, expliquei a ela que não era mijo, aquele fazia quando o cara gostava muito, e que ela podia chamar de “leitinho”. Curiosa perguntou, se tinha gosto de leite, respondi a ela que não saberia dizer, nunca tinha provado. Apontei para o televisor e perguntei a ela: “ta, e isso, tem curiosidade?”
Ela tapou o rosto e disse: “tenho muita, mas acho que não sei fazer”. Ela seguiu o com o rosto tapado, estava com vergonha, aproveitei e tirei o pau pra fora.
Vem aqui experimentar. Disse eu a ela, segurando o pau. Ela com uma mão no rosto, levou a outra no meu pau.
Nossa, não lembrava que era tão duro.
Peguei a mãozinha dela, e comecei a bater uma punheta, com a outra mão coloquei atras da cabeça dela e fui puxando, ela foi chegando perto, tirou a outra mão do rosto, olhou um pouco e abocanhou meu pau, vi estrelas, começou a chupar, acho que ela tinha visto muitos filmes ou tinha um dom natural, chupava muito bem, colocou meu pau pra cima lambeu toda a extensão, comecei a tocar nos peitinhos dela, fui descendo, abri as perninhas o short que ela estava era um pouco largo, já conseguia ver sua calcinha, verde limão, com uns bixinhos, parecia uns ursinhos, tirei um pouco para o lado e colocou o dedo na bucetinha dela, estava ensopada, muito molhada. Ela começou a chupar com mais vontade. Passava o dedo na bucetinha e levava aquele caldinho até o cuzinho, comecei a forçar a entradinha, meu dedo começou a entrar, parece que ela já havia brincado ali, ela começou a gemer e disse: “Ai… é gostoso”. Falei para ela parar, me perguntou porque, se eu não estava gostando, disse ela que estava adorando, mas se continuasse, ia acabar saindo “Leitinho”.
Tudo bem, quero ver o gosto. Não podia acreditar naquilo, minha cunhadinha era putinha safada. Comecei a ficar mais ousado com ela.
Então chupa safadinha, chupa meu pau. coloquei ela de joelho.
Abri a boquinha abre. Aquela cena nunca vai sair da minha cabeça, minha cunhadinha, de joelhos na minha frente, com o cabelo preso e uns óculos de grau, aquilo me excitava mais ainda.
Comecei a gozar, o primeiro foi no óculos e no cabela, apontei mais pra baixo e gozei bem na boquinha dela, deve ter ido na garganta, mais uns três jatos de gozo, pra minha surpresa ficou paradinha, deixou eu gozar tudo, com a boca cheia de porra, engoliu. “Não é ruim, mas é estranho” Pegou meu pau e deu mais umas chupadas.
Vou para o banho me lavar.
Saiu e eu deitei, nem havia visto o tempo passar, depois de gozar me bateu a preocupação, minha mulher e minha sogra podia podiam ter nos pego. Limpei todo e qualquer vestígio, fui para o quarto da minha sogra e deitei novamente. Não demorou elas chegaram. Tudo acabou bem. Mas eu sabia que mais vinha pela frente. Teria que ver uma maneira de ficar sozinho com minha cunhadinha de novo.

Espero que tenham gostado, se comentarem, eu posto a continuação. Tenho mais três capítulos para escrever ainda.