Sem comentário

Meu nome e Paulo Roberto. Tenho 42 anos, moreno, 92kg e minha altura é 1,70m. Sou casado há 17 anos e sou muito mente aberta em materia de sexualidade; gosto de quase tudo que dá prazer sexual, inclusive umas sacanagenzinhas com outros homens iguais a mim também .

Minha filha Daniele, de 13 anos, estava naquela fase de muitas amiguinhas de escola, muitos contatos no MSN, Facebook, Twitter, etc…. Quase sempre tinha alguma amiguinha dela dormindo lá em casa ou circulando por lá com muita algazarra e segredinhos….coisas de meninas.
Algumas dessas amiguinhas eram verdadeiras delícias que fazem a imaginacão da gente viajar nas fantasias, pois são extremamente gostosas e várias delas tem umas carinhas muito safadinhas. Um dia, aproveitei que a Daniele havia ido ao União, um grande Shopping aqui de Osasco, e fui fazer uma manutenção preventiva em seu notebook, pois como ela vivia na internet, vinham muitos virus, spywares e outras pragas.

Já que eu estava "com a mão na massa", resolvi dar uma olhada nos históricos de conversas dela no MSN. Olhei e vi lá um nome que me chamou a atenção, pois era o nome de uma das colegas dela, a Michele, que me olhava de um jeito muito estranho, sempre me medindo de cima a baixo e quando se despedia da minha filha, ela sempre vinha até mim e me dava um beijo no rosto e, ao contrário das outras, nunca me chamava de "seu Beto", mas me tratava sempre por "você" e só me chamava de Beto.

Essa tal Michele, tinha 13 anos também e um corpo bem desenvolvido, uma bunda redondinha, uns peitos medio e uma buceta bem estufada, conforme eu podia ver em suas calças legging. Comecei a ler o histórico e percebi que as conversas eram bem picantes e a Michele confessava para a Daniele as suas transas, como gostava de ser comida por seus namorados e até a intensidade de suas gozadas, dizendo que ficava molhada com muita facilidade e que, às vezes, chegava a escorrer pelas pernas seu suco vaginal.

Aquela conversa foi me deixando excitado e de pau duro, mas minha esposa estava por ali e pra não dar bandeira, eu copiei o texto e enviei por e-mail para o meu escritorio para ler posteriormente. Fiquei ansioso que chegasse a segunda-feira para eu poder ler o dito e-mail e então pude ver o quanto ela era putinha e gostava muito de meter.

Minha filha também entrou na dela e comecou a soltar seus segredos, confessando inclusive que não era mais virgem há mais de um ano e que se masturbava com frequência assistindo meus filmes pornôs que eu pensava estarem tão escondidos.

Aquilo foi como uma bomba caindo em minha cabeça, afinal, jamais imaginei que minha princesinha, com aquela cara de inocente ja tinha dado a bucetinha e que gostava de ver sacanagem e gozar se masturbando. Pensei em dar uma bronca nela e proibir sua amiga Michele de ir lá em casa, mas estranhamente, meu tesão era maior do que minha surpresa ou raiva.
Isso me deixou extremamente excitado e cheguei a me masturbar pensando em tudo aquilo que eu tinha acabado de ler. A partir daquele dia, toda vez que a Michele ia lá em casa, eu já não a via mais como a coleguinha da Daniele, mas agora era uma putinha gostosa que era doida pra dar a buceta.
Comecei a ler as conversas todos os dias, na ausência da minha filha e num desses dias, descobri que a safadinha da Michele me achava charmoso e que eu deveria ser muito gostoso. A Daniele ao invés de repreender a amiga, pois afinal estava se referindo ao seu pai, ainda colocou mais lenha na fogueira, dizendo que ela também achava que eu era gostoso porque escutava os gemidos da mãe quando eu e minha esposa estávamos metendo.

Quando a Michele viu o sinal verde por parte de minha filha, descambou pra baixaria mesmo, dizendo que havia reparado o volume em minha bermuda numa das noites em que dormiu lá em casa e que eu deveria ter um pau delicioso e que ela tinha a maior vontade de chupar até eu encher a boca dela de porra….coisas desse tipo.
Minha filha, pra não ficar pra trás, disse que também tinha notado quando eu a abraçava, que meu pau roçava nela e a deixava excitada. Putz…. Minha princesinha estava sentindo tesão pelo seu pai. Não preciso nem dizer que bati a maior punheta lendo essa putaria toda.

A partir dai, comecei a dar abraços mais apertados e mais demorados em minha filha e quando a Michele vinha me beijar o rosto, eu a abraçava e fazia uma caricia de leve em suas costas, sempre tomando cuidado para que minha esposa não percebesse que ali rolava as piores intenções de ambos os lados.

Até que um dia, minha esposa me avisou cedo que ia ficar o dia inteiro fora, só ia voltar à noite do curso intensivo que ela estava fazendo, mas que eu fosse trabalhar tranquilo, pois a Daniele sabia se virar sozinha e iria esquentar o almoço pra ela quando chegasse do colégio.

Pronto….estava ali a oportunidade que eu queria, pois tinha certeza que a Daniele iria trazer sua amiga Michele pra almoçar em casa, como ela fazia diversas vezes. Não fui trabalhar neste dia, fiquei em casa para preparar tudo.

Tomei um banho, me perfumei, coloquei uma bermuda bem folgada, sem camisa, ajeitei tudo em casa e fiz um bilhete pra minha filha dizendo que estava com fortes dores nas costas e que havia tomado um relaxante muscular com tranquilizante pra dormir e descansar um pouco, mas que ela ficasse à vontade em casa porque provavelmente eu iria dormir pesadamente.
Quando deu umas 12:15 hs, minha filha chegou, acompanhada da Michele, conforme eu previa. Chegou fazendo algazarra e ao ler meu bilhete, a Michele se preocupou pedindo silêncio já que eu estava dormindo, mas a Daniele a tranquilizou dizendo:
– Nem esquenta, Michele…esse ai quando cai na cama desmaia; ainda mais que tomou remédio, não acorda nem se a gente derrubar a casa.

Eu lá no quarto ouvindo isso, puxei um pouco a bermuda para o lado, deixando parte do meu pau aparecendo. Depois de alguns minutos, escuto as duas entrando no quarto e a Daniele falando pra amiga:
– Tá vendo?…eu não disse?……Ele tá desmaiado…tanto que dormiu quase pelado; deixa eu arrumar isso.

E subindo na cama, veio arrumar minha bermuda, mas a amiga disse:
– Deixa, Dani…eu quero ver mais um pouco; não cobre não!!!
Minha filha ao ver a curiosidade da amiga, puxou minha bermuda totalmente para o lado, expondo meu pau, que até esta hora estava em repouso e eu fingindo dormir, até roncava um pouco.
Então a Michele falou:
– Nossa, Dani…que delícia…..é grande, né?
Nessa hora minha filha pegou com suas mãozinhas delicadas em meu pau e começou a admirar também, enquanto a Michele já subiu na cama pra ver mais de perto meu pau na penumbra do quarto.

Lógico que meu pau comecou a dar sinais de vida e aumentar de tamanho. Elas apenas riam e comentavam sobre meu sono pesado e sobre a reação da minha piroca. Não demorou muito tempo, meu pau já estava completamente duro, apontado para cima e eu na maior dificuldade em manter aquela aparência de quem dorme pesadamente.

A Michele não aguentou e pediu pra pegar um pouco e com suas pequenas mãos comecou a me punhetar e dizer o quanto meu pau era grande, bonito e duro. Volta e meia eu dava uma roncada mais alta para disfarçar e ela imediatamente largava meu pau de susto. Não demorou muito e a Michele não resistiu e abaixou a cabeca e comecou a cheirar, elogiando o cheiro do meu pau, dizendo que eu era cheiroso, limpinho, etc….

Fazendo isso, ela começou a colocar a cabeça do meu pau em sua boca e dizer:
– Amiga, isso é melhor que sorvete…olha que delícia…. – ela falava e lambia todo o meu pau. Minha filha vendo aquilo também pegou no meu pau e timidamente começou a passar a língua na cabeça da minha rôla. Quando ela fez isso, tive que me controlar pra não gozar, afinal, era a minha filhinha que eu amava e que agora colocava meu pau em sua boquinha tão linda.

Como o quarto estava um pouco escuro, eu abria meus olhos só um pouquinho e conseguia ver as duas, se deliciando com a minha piroca. Elas estavam tão distraídas que nem se preocupavam em olhar para o meu rosto, pra ver se meus olhos estavam abertos ou não.

A Michele, agora com uma mão, manipulava meu pau e com a outra esfregava sua bucetinha por cima da calcinha, até que falou:
– Deixa eu fazer uma coisa, Dani! – e erguendo a saia e puxando sua calcinha para o lado, ficou agachada, bem em cima do meu pau.

Quando a Daniele viu aquilo, quis impedir sua amiguinha, dizendo:
– Voce ficou louca, Michele? Vai meter essa buceta no pau do meu pai? Pára com isso!!
A Michele só respondeu:
– Relaxa, bobinha….eu só vou esfregar assim oh…..
Então ela segurou minha pica e começou a esfregar a cabeça da minha rôla em seu clitóris, começando a gemer baixinho.

Minha filha só olhava e a chamava de louca e putinha. A Michele só ria e gemia, sempre esfregando a cabeça do meu pau na entrada da buceta e às vezes esfregava também no cuzinho. Em pouco tempo, meu pau já estava todo lambuzado com o caldinho de sua bocetinha e logo ela avisou que ia gozar:
– Ahhhhhhh!!! Dani!! Que gostosooooo!! Pode gozar no pau do seu pai?? Pode?? – ela gemia e falava baixinho.

– Sim, pode!! Mas rápido, senão ele acorda!! – minha filha falou e a Michele acelerou seus movimentos, roçando a bocetinha na minha pica, que estava dura como uma rocha. Quando percebeu que ia gozar mesmo, ela encaixou a cabeça da minha rôla em sua entradinha apertadinha e soltou seu corpinho.

– Ahhhhhh!! Que gostoso!!! – a Michele gemeu e desceu deslizando no meu pau, até encaixar tudo. Ela só deu umas três reboladinhas e senti a xoxotinha dela apertar minha pica desesperadamente.
– Daniiiii!!! Estou gozandooooo!! Meu deussss! – a safadinha gozou bem gostoso, gemendo bem baixinho.

– Michele de deus!!! O pau do meu pai estava na sua boceta??? – minha filha parecia não acreditar naquilo, quando a Michele, já recuperada, foi saindo de cima de mim, ofegante e com a buceta pingando de tão gostoso que ela tinha gozado.

– Dani!! Que coisa gostosaaaaaa!! Pensei que eu ia morrer na pica do seu pai!! – a Michele disse, toda satisfeita.
– Nosssss, Micheleeeeee!! Estão com tanta vontade também!! – minha filha disse, com a voz cheia de tesão – Mas é o meu pai!! Isso não é certo!!

– Deixa de ser boba, Dani!! Ninguém vai ficar sabendo!! E ele está dormindo! – a Michele disse para a minha filha.
Minha filha então se posicionou em cima do meu pau, bem lentamente. Meu sangue ferveu quando a bocetinha quentinha dela encostou na cabeça da minha pica. Mas ao invés de pegar meu pau e esfregar em sua bucetinha conforme a amiga havia feito, ela foi logo sentando em cima.

– Uhhhhhh!! Está me rasgando todinha, Michele!!! – minha filhinha gemeu quando meu pau, que estava todo lambuzado com o gozo da Michele, entrou deslizando em sua bocetinha molhadinha e apertada. Meu deus! Que safadeza era aquela. Minha pica entrou tudo e ela comecou a fazer um vai-e-vem delicioso, dizendo:
– Aiiiiiii, paizinho…que delícia…..que pau gostoso!

Ela subia e descia no meu pau parecendo uma profissional. Nem parecia que ela tinha apenas 16 anos. Eu já estava quase gozando e como sou vazectomizado, nem esquentei a cabeca com gravidez. Com poucos minutos, enchi a sua bucetinha de porra, enquanto ela se deitava sobre mim, ofegante e dizendo:
– Ai, paizinhooooooo….que gozadinha mais deliciosa…. pena que você tá dormindo….

As duas entraram no banho e me deixaram ali, com a consciência pesada por ter comido duas ninfetas, sendo uma delas a minha filhinha que eu achava que era tão inocente. Me virei para o canto e dormi, agora de verdade e só acordei à noite, já com a minha esposa me trazendo o jantar.
ESPERO QUE VOCÊS TENHAM GOSTADO ATÉ O PRÓXIMO CONTO

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,74 de 58 votos)
Loading...