# # # #

Que loucura! Fazendo uma DP em casa, com meu marido dormindo

925 palavras | |4.48
Por

Há dois meses que o sobrinho e afilhado do meu marido, Pedro Nelson, de 26 anos de idade, moreno claro, alto, forte, tórax e pernas bem peludas, dono de um pau enorme, muito grosso e cabeçudo; está praticamente morando aqui em nossa casa, em virtude de um curso técnico na área da produção que ele está fazendo em uma usina de álcool aqui na nossa cidade. Como já relatei em contos anteriores, desde o dia que ele chegou que ele tem me comido, me devorado, me fazendo comer o seu pau com a minha boca, boceta e claro, com o meu cu. Ele se tornou em um verdadeiro amante, morando aqui em casa, sem o meu marido, nada perceber. Mas, um tempinho desse ele pediu para recebermos um amigo de infância aqui em nossa casa, porquê esse amigo queria vir visitá-lo. Falei com meu marido que autorizou hospedar o amigo dele na nossa casa.

Na quinta feira da semana passada o amigo dele chegou, o Rubens, de 25 anos, alto, muito forte como o Pedro Nelson, moreno claro, que ao chegar aqui em casa com o Pedro, ao me ver, me olhou feito um tarado nas minhas coxas e corpo, ao me ver deitada no sofá, exibindo as minhas formas físicas. Eu tenho 48 anos de idade, mas sei que atraio olhares de cobiça e tesão, de homens novos, de meia idade e coroas, principalmente dos amigos do meu marido. Ele me olhava dando a entender que já sabia que o Pedro Nelson, me comia, que me chamava de “tia” o tempo todo. O Pedro Nelson, me abraçava por trás, me encostando sob o tecido da sua calça jeans, o seu pau bem duro e enorme na minha bunda na frente do seu amigo Rubens, e isso me deixou com a boceta meladinha. Conduzi o Rubens para o quarto onde o Pedro Nelson estava hospedado com duas camas de solteiros e ali ele se acomodou dizendo que ia para o banho.

Eu e o Pedro Nelson, íamos voltando para sala, e no corredor, o Pedro Nelson, me agarrou, me beijou, erguendo minha mini saia, arrancando e rasgando a minha calcinha fio dental, enfiando dois dedos na minha boceta, me falando: “Vou te fazer puta, bem vadia, igual essas prostitutas de ponta de esquina, sua vagabunda! Você vai dar pra mim e para o Rubens, hoje a noite. Vamos comer esse cu e essa boceta juntos, te prepare sua vagabunda!” Essa fala do Pedro me beijando me deixou molhada. Minha calcinha deixei rasgada no chão, propositadamente!

Quando foi a noite depois de tomarmos nossos banhos, jantarmos, os dois, Pedro Nelson e Rubens, conversarem com meu marido, e após o meu marido tomar o seu remédio para dormir e ir para o nosso quarto, ao voltar, fui para o quarto deles dois, estavam somente de cuecas. Ao entrar no quarto o Pedro Nelson, falou: “Não te lalei que a gostosa e safada da minha tia viria para foder com nós dois?” Demos risadas e o Pedro Nelson, saiu da cama, me abraçou, me beijou, tirou minha mini saia, minha blusa, me deixando somente com as sandálias nos pés e minha calcinha fio dental na cor bege, que eu havia trocado. O Pedro Nelson me fez ficar de quatro na cama, arrancou minha calcinha fio dental e passou a me chupar por trás, na boceta e no meu cu, mandando o Rubens colocar o seu pau duro, muito duro, grande e grosso na minha boca, que tesão!

Depois eles dois inverteram, o Pedro Nelson, colocou o pau dele na minha boca e o Rubens veio me chupar a boceta e o meu cu, brincaram dessa forma por mais de uma hora comigo, até que começaram a meter, nossa, como poder ter dois enormes cacetes é maravilhoso! Eu fiquei totalmente tomada por uma tara incrível, muito louca, minha filha já havia me falado a respeito do quão gostoso era poder receber dois cacetes, um na boca e outro na boceta, é bom demais! Mas, a loucura maior foi receber os dois paus primeiramente na minha boceta e depois, os dois cacetões no meu cu! Me senti estuprada., verdadeiramente violentada. Eu gritava sem me importar se o meu marido poderia acordar com os meus gritos, eu gozava muito! Eu sentia os dois paus se roçando, se esfregando um no outro, dentro da minha boceta e dentro do meu cu. Me sentia rasgada, arrombada, totalmente dilacerada. Uma puta cachorra e muito submissa.

Eles dois, o Pedro Nelson, sobrinho e afilhado do meu marido, e o seu amigo Rubens, meteram em mim nas DPs oral, vaginal e anal, como se estivesse metendo em uma égua, em uma vaca, sem nenhuma dó ou piedade. No fim, por volta das quatro da manhã, ambos se punhetaram e gozaram muito na minha boca, me obrigando a engolir as suas viscosas porras, muito densas e grudentas. Fui me deitar ao lado do meu marido de 63 anos, sem ele perceber nada. Dormi marcada e toda arrombada como uma verdadeira puta de rua. Após o almoço do dia seguinte tive que dar dinheiro para o Pedro Nelson sair com o seu amigo Rubens. Ele me explora como um verdadeiro cafajeste e eu o atendo, dando dinheiro do corno e chifrudo do meu marido para ele. Agora o Pedro Nelson, quer organizar uma noitada comigo e a minha empregada Olga de 36 anos e o Rubens!

Fazendeira-0014

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,48 de 33 votos)

Por # # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

2 Comentários

  • Tarado do Cais - Santos ID:pknntzhimf1

    Que rego de bunda delicioso de chupar, bunda de mulher fresca, rica, parece ser um rego bem perfumado!

  • Comedor de Coroas ID:pknntzhimf1

    Que coroa gostosa! Mulher verdadeiramente deliciosa, jeito de puta fina!