# # #

Aline – Meu Tio me chupando

3820 palavras | 9 |4.72
Por

A minha buceta estava cada vez mais quente, formigava e pulsava dentro da minha calcinha. Eu não sabia oque era aquilo, só sabia que eu queria que ele

Aos Oito anos de idade eu não era muito diferente das outras garotas, talvez um pouco mais esperta, talvez um pouco mais safada, mas nada que realmente me fizesse ‘especial’. Eu não era a menina mais bonita da escola, tinha um rosto comum e um corpo como o de qualquer outra garota de Oito anos. Mas não me entenda mal eu não era feia, eu me cuidava bastante e minha mãe era rígida quanto minha higiene e aparência. Meu cabelo castanho sempre bem penteado, minha pele branquinha sempre limpa, meus dentes sempre escovados e um perfume pra dar um toque especial. É claro que se tivesse um concurso de beleza na minha sala eu não ficaria entre as Top Três, ainda assim eu era ‘bonitinha’.
Talvez tenha sido essa pequena beleza que chamou a atenção dele, ou talvez a minha esperteza em perceber os olhares dele e meio que dar bola. Eu não sabia oque estava fazendo é claro, como toda garota da minha idade eu era inocente, porém eu gostava de ser olhada e admirada, de certa forma eu me sentia especial. Afinal que garota não gosta de se sentir admirada? Eu com certeza gostava. O jeito que ele olhava para o meu corpo e depois sorria pra mim de forma carinhosa era muito legal. Eu ouvia as conversas do meu irmão mais velho com os amigos dele quando eles falavam sobre garotas, os corpos delas, bunda, peito, rosto. Falava qual era mais gostosa, qual tinha uma bunda maior ou o peito maior, e via-os olhando pras garotas na rua. Então apesar de eu ser inocente ainda eu já sabia oque aqueles olhares significavam, e aquilo atiçava minha curiosidade e vontade de ser olhada cada vez mais por ele. Um homem alto, forte, bonito e muito carinhoso comigo. O irmão mais novo da minha mãe e o único da família com quem a gente ainda tinha contato, ele e a esposa vinham sempre que podiam nos visitar e sempre me traziam muitos livros legais que eu não achava em qualquer lugar.
No final do ano de 2006 eles vieram pra ficar um bom tempo, os dois estavam de férias e minha mãe os convidou para ficar do natal até a virada do ano. Quando chegaram foi muito divertido, ganhei um livro muito legal e bem grande da minha tia, e pela primeira vez eles me deram algumas roupas, eram duas camisas, uma saia, uma calça e duas calcinhas. Eu agradeci como minha mãe me ensinou más confesso que não fiquei muito feliz afinal eram roupas simples e de marcas baratas e eu era muito patricinha e costumava usar só roupas de marca, mas ainda assim – Obrigada pelas roupas tia, eu gostei muito- Era isso ou apanhar da minha mãe na frente de todo mundo. Enquanto eles conversavam, eu já notava os olhares do meu tio, sempre com um olhar carinhoso, mas a malicia estava lá no fundo dos olhos dele, e eu toda bobinha já dava alguns sorrisinhos quando via ele me olhando. ‘Será que ele olha pra minha bunda? Será que ele é um tarado?’ Minha mãe havia me falado sobre os tarados e me disse pra ficar longe deles e não deixar que tocassem em mim, mas ela nunca disse nada sobre deixar eles me olharem. Fui pro meu quarto guardar as roupas que ganhei e resolvi olhar elas. Camisetas simples, uma rosa e outra branca com detalhes de ursinhos e flores, a calça até que era bonita e parecia ser de uma qualidade melhor – Essa deve ter sido a mais cara- foi a primeira coisa que pensei, quando olhei a saia eu quase tive um infarto, o tecido era o mesmo da minha cortina, era bem pequena – Nossa, essa saia deve ter custado uns Cinco reais- joguei de lado com cara de nojo e peguei as calcinhas, e COM CERTEZA eu nunca iria usar aquilo, além de feias eram duras, minha piriquita e minha bunda iriam ter alergia se eu usasse aquelas coisas. A única coisa que dava pra salvar ali era a calça, todo o resto era lixo, e aquela saia era pequena, muito pequena, como eles poderiam me dar uma saia daquelas? Eles sabiam que não iria servir em mim – Será que foi a tia que comprou isso? Oque ela estava pensando?… Será que foi ele? Será que ele comprou isso só me ver com uma saia curta?- Meu coração disparou, e um sorriso apareceu no canto da minha boca. Decidi experimentara a saia, e meu deus, a minha mãe não me deixaria usar aquilo nunca, minhas pernas ficaram toda de fora e o menos pulo que eu dava já fazia minha calcinha aparecer, virando de costas dava pra ver a polpa da minha bundinha um pouco abaixo da saia, e se eu girasse rápido ou pulasse minha bunda aprecia quase que inteira, eu estava parecendo às putas das novelas – Será que meu tio comprou isso pra me ver assim?- Fui pra sala mostrar pra minha mãe, assim que entrei na sala já pude notar o olho arregalado do meu tio secando minhas. Ele me olhou e eu não pude esconder o meu sorriso de menina sapeca olhando pra ele.
– Mãe, olha a saia que a tia me deu, eu gostei- Minha mãe olhou com uma cara de assustada.
–Nossa, é muito curta essa saia, tuas pernas tão tudo de fora. –
– Não é tão curta-
-É sim, olha tuas coxas aparecendo, quase da pra ver tua calcinha. – Ela me puxou pela mão pra perto dela e me virou de costas – Tá mostrando toda sua bunda Aline, pode tirar isso agora.-
Obedeci muito à contra gosto, mas pelo menos eu tinha conseguido que meu tio me visse com aquela saia. Ouvi minha tia pedindo desculpas pela saia ser muito curta e ela disse que meu tio não sabia comprar roupa, então tive certeza que tinha sido ele que tinha comprado. Não restavam mais dúvidas, ele era um tarado.
Já com minha calça de moletom chata eu fui pra cozinha beber um copo de água, e encontrei com meu tio sozinho lá.
-Que pena que sua mãe não deixou você ficar com aquela saia né?-
– É mesmo, ela não gosta que eu use roupas curtas-.
– Bom, é uma pena mesmo, você tinha ficado linda com ela- Seu sorriso carinho misturado com malicia me deixava com muita vergonha, mas eu adorei ouvir aquilo.
– Você achou mesmo?-
– Claro que achei, não viu o jeito que te olhei?-
– Eu vi, só não entendi porque né. – Agora foi a minha vez de dar um sorriso malicioso, mas eu nem sabia oque estava fazendo.
– Porque você acha?-
– Eu não sei, vocês homens são tudo tarado-
Ele se aproximou de mim e falou bem baixinho. – Mas com essa bundinha que você tem como eu não poderia ser tarado?- Meu rosto corou na hora, eu nem sabia oque pensar afinal ele nunca tinha falado algo daquele tipo pra mim. Nem ele e nem ninguém na verdade.
– Credo tio, porque falar isso?-
– Eu só estou falando a verdade ué, ninguém nunca disse que você tem uma bundinha linda?-
– Não, nunca falaram isso, e nem pode falar né, minha bunda não é nem grande-.
– Ela é grande sim pra sua idade-
– Mas ninguém fala isso pra criança tio, se minha mãe souber que você falou isso ela te mata-.
– Eu sei, sua mãe é muito brava, e você vai contar pra ela?- Ele colocou a mão no meu rosto e ficou alisando enquanto eu bebia água. Olhei nos olhos dele e depois pro lado tentando disfarçar o sorriso.
– Não vou contar. –
– Eu sabia, por isso você é minha sobrinha favorita sabia?-
-Eu sou sua favorita? Por quê?-
Ele se aproximou ainda mais, e colocou sua outra mão na minha cintura.
– Claro que é você, a mais lindinha e perfeita sobrinha que eu tenho- Sua mão alisava meu rosto e a outra alisava minha cintura e descia pra minha coxa, meu coração batia cada vez mais forte e eu sentia meu corpo pegando fogo. Ele levou sua mão pra minha bunda e com a outra passava o dedo nos meus lábios, eu não consegui olhar pra ele ou pra qualquer outro lugar, só ficava olhando pra baixo, e quando ele apertou minha bunda eu levei um susto e finalmente olhei pra ele, que se aproximou de mim e falou baixinho no meu ouvido – E é a mais gostosinha também- Ele me deu um beijo no rosto bem perto da minha boca e se levantou, e deu um leve tapinha na minha bunda. – Será que você pode não contar isso pra sua mãe também?- Meu coração parecia que ia explodir, minhas pernas estavam moles e eu não sabia direito oque pensar, eu nunca tinha passado por aquilo, só havia visto em filmes e novela. Tudo oque eu sabia é que tinha adorado, foi um dos melhores momentos da minha vida, e até hoje eu fico molhadinha quando me lembro. – Eu não vou contar pra ela- Foi a única coisa que consegui falar, meu tio sorriu e foi saindo da cozinha, eu o olhei antes de sair e sem conseguir esconder, sorri pra ele como se tivesse ganhado na loteria de tão feliz.
O resto do dia foi normal, algumas olhadas do meu tio pra mim, algumas olhadas minhas pra ele. Não tivemos mais a chance de ficarmos sozinhos. Eu tentava me aproximar dele, mas sempre tinha alguém perto. Mas não tinha problema, eles ficariam a semana toda aqui.
Antes de dormir eu fui tomar um banho, e fiquei pensando no que tinha acontecido, passava a mão na minha bunda e sentia meu corpo esquentar, esfreguei minha bucetinha até enjoar, minhas pernas tremiam e eu sentia uma sensação muito boa – Seu ele gostou da minha bunda imagina quando ver minha piriquita- Eu nem sabia oque estava pensando, era como se aqueles pensamentos surgissem do nada na minha mente. Eu era inocente, mas não idiota. Eu sabia a diferença entre meninos e meninas e sabia como se fazia bebês, e as conversas do meu irmão com os amigos dele me ensinaram bastante também, eu sabia que os homens gostavam da piriquita das mulheres – O Matheus chama de buceta, será que o tio chama assim também?- Eu estava disposta a descobrir. Após o banho eu fui me deitar pra dormir, e esse era o único momento que minha mão me deixava usar roupas curtas – Posso vestir a saia que a tia me deu? É bem levinha. – Minha mãe me deu permissão, eu vesti e me deitei, já era 10 horas e eu não podia ficar acordada depois das 10. Mas claro que eu não conseguia dormir, ficava pensando em um monte de besteira, pelo menos nas que eu sabia. Deitada de lado ficava com uma mão na minha buceta e a outra na minha bunda apertando e sentindo aquela sensação gostosa. Acabei adormecendo um pouco, mas acordei com barulhos no corredor, olhei pro relógio e era 00:52, ninguém da minha casa ficava acordado até essa hora, então ou era meu tio ou minha tia. O foguinho começou a acender de novo – será que é o tio?- Levantei de vagarinho, e fiquei na porta tentando ouvir alguma coisa, mas não ouvi nada. Eu teria que sair do quarto pra saber quem era, mas era arriscado de mais, e se fosse minha tia? Ou pior ainda, e se fosse minha mãe? Ela não iria gostar nada de me ver acordada aquela hora. Minha barriga formigava, eu estava com medo, mas não queria voltar pra cama, eu queria muito que fosse o meu tio. Criei coragem e abri a porta, a passos lentos, fui até a cozinha, sempre atenta há qualquer barulho. Não tinha ninguém, será que foi só impressão minha? Me virei pra voltar pro quarto e de relance vi meu tio pela janela, ele estava lá fora fumando um cigarro. Minha tia não gostava que ele fumasse, ele devia está fumando escondido. Ele não me viu, estava de costas e jogava a fumaça pra cima. Abri a porta de vagar, mas acabei fazendo um pequeno barulho, no silencio parecia que era alto como um tiro. Ele se virou de pressa escondendo o cigarro atrás das costas e me olhando com cara de assustado.
– Que susto menina!-
-Desculpa, oque o senhor está fazendo aqui fora?-
– Eu só estou fumando um cigarro, pensei que fosse tua tia-.
– Ela não gosta que você fume né?-
– Não, eu tenho que fumar longe dela. Mas e você?-
– Eu não ligo, mas minha mãe fala que faz mal- Ele fez uma cara estranha e segurou o riso.
– Eu quis dizer oque você está fazendo acordada, achei que já estivesse dormindo-.
– Atá. Bom eu ouvi um barulho e vim ver quem era, só isso-
– Entendi, só veio ver quem era? E quem você esperava que fosse?- Ele jogou o cigarro fora e veio andando na minha direção.
– Ninguém, eu só estava curiosa, todo mundo daqui de casa dorme nessa hora-.
– Se você sabe que todo mundo dorme nessa hora, então sabia que só podia ser eu ou a tia né?-
– É, só podia ser um de vocês dois-
– E você queria que fosse sua tia?-
-Não…- Meu rostinho começou a queimar e meus olhinhos só ficavam olhando pro chão.
– Você já esperava que fosse eu então? Por quê?-
– Por nada… –
– Você está usando a saia que eu comprei pra você? Achei que tua mãe não ia deixar você usar-
– Ela me deixa usar só pra dormir –
– Então eu vou ter que esperar você ir dormir todo dia pra poder te ver usando ela?-
– Vai, não vou poder usar durante o dia-
– Que pena, queria te ver com ela o dia todo-.
– Serio? Porque?-
-Porque você fica linda com ela, eu comprei já sabendo que ia ficar curta. Pode dar uma voltinha pra eu ver como ficou?-
Ele segurou minha mão me fazendo girar, e quando eu fiquei de costas ele parou, e ficou me olhando.
– Nossa, tua bundinha ficou linda nessa saia-.
– Credo tio, para de falar isso- Eu falava isso, mas a verdade é que eu amava ouvir ele falando aquilo, e i por é que eu nem consegui disfarçar.
– Você pede pra mim para, mas esse sorriso no seu rosto diz que você gosta quando eu falo isso- Ele se abaixou e se aproximou mais de mim, passou sua mão na minha barriga e beijou meu pescoço, eu me arrepiei todinha, cheguei a tremer com aquele beijo. Sua respiração no meu ouvido e sua mão na minha barriga era muito bom.
– O tio tá certo? Você gosta quando eu falo que sua bundinha é linda?- Eu não aguentava mais, aquilo era estranho, mas de certa forma era muito bom. Todo mundo estava dormindo, só ele e eu ali sozinhos no meio da noite, na minha cabeça ingênua nada poderia dar errado, decidi me entregar de vez, eu sabia que ele me amava independente de qualquer coisa, e sabia que ele me queria também. Pode me pegar, eu sou sua tio.
– Gosto-
– Mas o tio nunca viu sua bundinha de verdade, só por cima da roupa. Você me mostra ela de verdade?-
– Mostro tio-
– Então levanta a saia-
Levantei a parte de trás da saia e por instinto empinei a bunda também, ouvi um suspiro vindo dele, isso deve ser algo bom.
– Nossa Aline, sua bundinha é muito lindinha mesmo-
Senti a mão dele alisando minha bunda, aquele fogo já estava queimando forte. A mão dele alisava e apertava ela enquanto a outra mão passeava na minha barriga. Mas minha calcinha estava na frente atrapalhando.
– Posso abaixar sua calcinha?- Eu já tinha decidido, eu deixaria fazer qualquer coisa.
– Pode tio-
– Então vem aqui comigo- Ele me levou um pouco mais pra longe da cozinha, me colocou de frente pra parede e foi abaixando minha calcinha devagar até chegar aos meus pés, pediu pra eu me apoiar e empinar a bunda pra ele, eu fiz do jeito que ele mandou.
– Isso princesa, agora afasta as pernas um pouco, deixa bem aberta-.
Abri as pernas um pouco como ele pediu, e essa era a cena. Eu com as mãos apoiadas na parede, com a calcinha nos pés, as pernas abertas e a bunda empinada pra ele. Eu sentia um vento batendo na minha buceta e no meu cu, comecei a ficar com muita vergonha quando percebi como eu estava, eu ia parar com aquilo, já estava muito estranho. Mas senti as mãos dele na minha bunda, ele apertou e abriu e ficou alisando, e aquele fogo tomou conta de mim de novo.
– Nossa Aline, como você é gostosa. Tua bundinha é uma delicia, e essa buceta é perfeita- Tá ai, ele falava buceta igual o Matheus. -Você é uma delicia Aline-
Aquelas palavras me deixaram doidinha, meu fogo aumentava cada vez mais.
– Obrigada titio- Titio? Eu nunca chamei ninguém de titio.
– O titio vai fazer uma coisa que você vai gostar muito tá bom?-
– Tá bom titio- Oque será? Ele vai passar a mão na minha buceta ou no meu cu? Melhor ainda, as mãos dele abriram minha bunda e eu senti o nariz dele entrando no meio, de repente a língua dele tocou no meu cu, eu arrepiei e dei um pulinho pra frente, mas logo voltei ao mesmo lugar. Ele segurava minha bunda e passava a língua pelo meu cu, enfiava lá dentro e ficava me chupando, no inicio parecia nojento, mas logo eu já estava gostando e queria cada vez mais. Empinei a bunda mais ainda, e ele começou a descer com a língua na minha buceta. Arrepiei de novo, mas era muito bom, a língua dele ia de baixo pra cima e lambia minha buceta inteira, ele enfiava dentro do meu buraquinho e quando chegava à minha bolinha eu sentia um choque no um corpo inteiro, parecia que eu ia explodir. Comecei a gemer baixinho enquanto ele me chupava, minha buceta e minha bunda já estavam muito molhadas, um pouco da baba dele e um pouco do meu melzinho. Ele me chupou por muito tempo, eu já não estava aguentando mais, enquanto chupava minha buceta um dedo dele já estava inteiro dentro da minha bunda, eu já rebolava no rosto dele até que senti uma sensação maravilhosa. Minhas pernas ficaram moles, eu gemia bastante e revirava meus olhos. Não sabia oque estava acontecendo, mas estava adorando, eu queria que aqui durasse para sempre, era uma sensação muito gostosa. Minha buceta pingava e eu sentia meu tio chupando ela inteira. Ouvi sua voz baixinho falando comigo.
– Que delicia, gozou na boca do titio putinha?- Putinha? Eu não fazia ideia do que era isso, mas parece muito com puta, será que é isso? Ele me chamou de puta?
– Gostou da chupada do titio?-
Eu ainda estava recuperando o folego. – Gostei, foi muito bom eu nunca tinha sentido isso-
– Você gozou bem gostoso-
– Tio, você me chamou de puta?-
-Chamei de putinha, porque você é uma puta pequena-.
– Eu não sou puta não tio, ser puta é coisa feia-.
– Ser puta não é coisa feia, é uma coisa muito boa, você não gostou de gozar com o titio te chupando?-
– Gostei… –
– Então, isso é coisa de puta, mas não é uma coisa ruim não, é só uma coisa que você não pode contar pra ninguém tá bom?-
– Tá bom, eu não vou contar-.
– Ótimo. O tio queria brincar mais com você, ainda tem muita coisa que a gente pode fazer se você quiser-.
– Eu quero, vamos fazer. Oque mais da pra fazer?
– O tio vai te mostrar tudo, mas não agora. A gente já tá demorando muito e alguém pode aparecer aqui, acho melhor eu voltar pro quarto e você também-.
– A tio, eu queria fazer mais coisas, eu gostei disso que você fez comigo-.
– Viu como você é puta sim?- Arregalei os olhos, então ser puta é isso? Gostar dessas coisa, não me parece tão ruim assim.
– A gente ainda vai fazer muita coisa, mas não agora está bom?-
– Tá então… –
– Não fica triste, vem cá me dar um beijo- Ele se aproximou de mim e já colocou a boca dele na minha. Eu nunca tinha beijado ninguém e nem sabia oque fazer, mas ele foi me conduzindo bem. Enquanto me beijava ele passava a mão na minha buceta que ainda estava molhadinha.
– Sua bucetinha é uma delicia Aline, quero comer ela bem gostoso antes de ir embora-.
Apesar de não saber oque isso significava eu entendi um pouco. Comer era tranzar, já tinha ouvido meu irmão falando assim. Então meu tio queria me comer ainda essa semana, eu fiquei muito empolgada com tudo aquilo, muitas coisas passavam pela minha cabeça. Mesmo cansadinha eu só consegui dormir um tempo depois, fiquei pensando no que tinha feito e no que meu tio tinha me falado. Então eu era puta? Ele iria mesmo tranzar comigo? Será que dói? Todo mundo diz que é bom, então dever mesmo. Ser puta não parece tão ruim quanto minha mão falava, é só eu não contar pra ela e não deixar ela descobrir que não tem problema. Dormi com a bucetinha melada e ansiosa pelos próximos dias, não via a hora de o meu tio me comer e fazer eu se puta de novo.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,72 de 36 votos)

Por # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

9 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Boomjoov ID:1cr1ekjsxq2g

    Que tesão.
    Tele @boomjoov

  • Responder Rafaella ID:7xbyxpzfii

    Por favor Aline , conte o resto !!

  • Responder Gandalf ID:f4cz4jkv4

    Aline 1123 que conto gostoso
    Eu tenho uma sobrinha de 11 anos ela já pega na minha rola ,passo a mão na pepeka na bundinha
    Nesse final de semana q passou ensinei ela a bater punheta para mim ,na próxima oportunidade quero chupar ela e depois fazer ela chupar minha rola ,só de lembrar fico com muito tesão

  • Responder Observador ID:1e9d6k06ucrb

    Continua putinha

  • Responder Amon ID:1dscyz97lbxb

    Nossa tenho uma sobrinha que tenho um tesão nela ela tá com 11 mas a única coisa que fiz foi cheirar as calcinhas deliciosas dela, as calcinhas dela ficam com a mancha de sebinho bem no lugar que fica a buceta sempre que chega da escola vai tomar o banho dela e é certeza tá lá no cesto de roupas o uniforme e a calcinha dela enrolada, dou uma disfarçada e meto o nariz na calcinha suja com o cabinho dela e punheta na certa é uma bela gozada pensando em chupar ela toda meter meu pau na boca dela adorei seu conto

  • Responder TioTarado ID:1cpgld78mgj2

    muito bom

  • Responder Luiza ID:1dka6zjz5ktb

    Telegram: Luiza646

  • Responder Vovô p3d9 ID:g3iue02mq

    Quê história deliciosa gozei me imaginando na sena e já ansioso pela a continuação e não demore vem nos vô tarde como o sru tio comeu sua bucetinha

  • Responder Negroeamor ID:1edt7pmgdhpj

    Goza dentro dela e engravida essa putinha pra depois comer a filha dela e ela