# #

A caça 2

2962 palavras | 5 |3.67
Por

Uma das minhas caçadas favoritas… o casadinho que se julga hetero… e engana a esposa com jovens universitárias. Foi tão bom esta caçada…

Via-o ao longe a passear com a familia dele, uma mulher linda, bem vestida, e uma menina que parecia um anjo. Ele interessou-me, despertou-me os instintos de caçador… porque? Não sei… sei que mal lhe pus a vista em cima, soube que eu iria foder o cu dele, e fazer dele uma das minhas putas.
Começou, a caçada…
Sigo-os ao longe, entram num belo carro de luxo, e arrancam, passam por mim, e seguem. Apanho um táxi e peço ao condutor que os seguisse. Avançam até á outra margem do rio Tejo, passando pela ponte Vasco da Gama. Depois param num centro comercial enorme, o Forum Montijo.
Visitam várias lojas, jantam por lá, e depois voltam a Lisboa. A acasa deles e nas zona das vivendas e embaixadas em Belém. Pago ao taxista, e dou-lhe uma generosa gorjeta.
Vou andar a pé uns quarteirões, quero conheçer aquela área, para depois não haver erros. Gosto da caçada perfeita.
Estudo ele durante 2 ou 3 meses, e descubro coisas muitíssimo interessantes. Quanto mais ricos são mais podres são.
Descubro que aquele pai de família, anda a trair a mulher com jovens universitárias, organiza orgias com elas em moteis e apartamentos. Parece o retrato de uma familia feliz quando está com a esposa e a filha, e depois anda a foder outras a torto e a direito.
Pago a uma delas, para ela me contar o que se passava nessas orgias. Digo-vos que mente perversa ele tem… BDSM mas daquela hardcore. Ele paga bem ás jovens, mas elas depois devem precisar de ir ao psicólogo.
Scat…piss… chibatadas… fisting… etc etc
Uma dificuldade, era que ele não era muito de hábitos, pois levava caminhos diferentes quando ia para casa, fazia exercicio físico a horas diferentes, saia com a familia a horas diferentes… quanto mais complicado parece mais me estimula.
Precisava de uma ajuda de alguem próximo dele, e quem mais não senão a sua esposa?? Tinha de fazer com que ela ficasse com sede de vingança dele. Descubro uma coisa muito interessante, que a fortuna deles afinal e mais da esposa que dele… Ela é que é rica e ele casou com ela. Uma excelente informação.
Um dia ligo para o telemovel dela, em modo anónimo. Ela memso assim atende.

– Boa tarde, Luísa.
– Boa tarde…com quem estou falando?
– O meu nome não lhe interessa, acredite. Mas tenho que falar consigo, tenho assuntos do seu interesse.
– Ah mas se não se identificar, vou desligar.
– Faça como entender. Apenas lhe pergunto. Acha que sabe tudo sobre o seu marido?
E desligo.

Continuo a seguir ele, e vejo-o com uma jovem mulher no carro, e vão para um motel. Sigo-os, passam 3 horas no motel, e ele sai sozinho, depois passados uns 20min sai a jovem, a andar coxeando, o cabelo longo a tapar-lhe a cara, e noto que tem a camisa rasgada. Vou no meu carro até a porta do motel, e paro perto dela. Abro a porta do carro, e vou ter com ela. Porra é bem bonita, porem tem a cara arranhada, lábios rebentados…

– Boa tarde… precisa de ajuda?
– Não, obrigado.
– Mas vejo que está magoada…
– Ah não… estou bem.
– Senhorita… eu não sou parvo. Sei muito bem o que se vem fazer aqui neste motel. E a senhora foi maltratada. Quer a minha ajuda ou não?
– Não… é melhor não.
– Insisto… deixe-me ajudar. Sei como a ajudar. Não lhe farei o mesmo que o Martins lhe fez.
– Como… como sabe que…
– Sei e pronto. Agora venha comigo, vamos tratar dessas feridas, e depois se quiser vamos jantar a um restaurante, para falarmos. Sei que isto parece estranho, sou um desconhecido, mas se não me der a chance de eu me dar a conhecer a si…
– Não sei…
– Vá entre no carro.

Ela entrou, muito desconfiada, mas entrou. Chama-se Carla. Mal me falou durante o caminho até Lisboa, e eu respeitei o silencio dela. Levei ela a uma clinica privada, de uma amiga minha. Lá trataram dela com o melhor carinho. Inclusive, ficou lá a dormir nessa noite, para observação, pois aquele gajo fez-lhe um pequeno traumatismo cranial.
Na manhã seguinte fui visita-la com a minha esposa, e ganhei assim a confiança dela. ela ficou bastante surpreendida quando me viu com a minha esposa. Ela no fundo pensava que eu queria o mesmo que aquele porco. A presença da minha esposa tranquilizou-a. A frente da minha esposa convidei ela para jantar mas na nossa casa. Nessa noite jantamos juntos. com a confiança dela ganha, ela contou tudo o que se passou naquelas três horas. Ele bateu-lhe, fodeu ela a força, fistou tanto a cona como o cu dela, cagou para dentro da boca dela e obrigou ela a comer… e depois pagou-lhe. Ela estuda enfermagem, a familia é pobre, o pai desempregado. As propinas são elevadas… daí ela ter aceitado ir com ele para o motel… mas nunca para aquilo que aconteceu…isso foi uma pessima surpresa. Ela chorava tanto quanto contou. A minha esposa percebeu logo qual será o meu próximo alvo.
Resolvi, com a ajuda da minha esposa ajudar aquela jovem. Arranjei trabalho ao pai dela numa das minhas fábricas, e a minha esposa arranjou um part time para ela, e assim ela continua os estudos.
Passaram dois anos desde que isto aconteceu, ela acaba o curso este ano, e convidou a minha esposa para madrinha de curso dela. Adoro ajudar pessoas trabalhadoras e agradecidas. Não precisam de me agradecer com palavras: Basta eu ever o empenho delas em lutar pela vida que eu já fico satisfeito. Dou-lhe os meios, cabe-lhe a elas aproveitarem ou não.
Mas voltando a minha caçada.
Telefonei novamente a esposa dele.

– Boa noite, Luísa.
– Ah e você novamente.
– Sim sou. Quer ou não encontrar-se comigo?
– Só se for num local público á minha escolha.
– Nem eu pretenderia que fosse de outra maneira. Diga.
– Amanha as 14h30 no Colombo, perto da loja da Fnac. Levarei…
– Não precisa de falara mais nada. Eu conheço-a.

No dia seguinte, lá estava ela. Linda, ansiosa, olhava nervosamente para todos os lados, eu aproximo-me, como disse no conto anterior sou enorme, negro.

– Boa tarde, Luísa. Pode dizer aos seguranças, aquele que está ali…. e aquele ali… que nada de mal lhe acontecerá.

Ela sorriu, e disse:

– Estou a ver que é um homem observador…e atento.
– Nada disso… apenas sei que é uma mulher prevenida. Mas vamos sentar ali naquela esplanada?
Sentamo-nos, eu pedi uma garrafa de agua, e ela um sumo de laranja.
– Então… que quer de mim?
– A sua ajuda. Preciso da sua ajuda. Mas já agora Luisa sou o X. ( disse-lhe o meu nome, que não vou revelar aqui).
– A minha ajuda??? Para que???
– Para ajudar-me a por um canalha, na ordem.
– Uma canalha??? Quem, eu conheço ele?
– Sim, dorme com ele todos os dias. O seu marido.
– O meu marido??? Deve estar a gozar comigo… vou-me embora.
– Sabe que o seu marido, anda a foder jovens atras de jovens e que as sodomiza? Maltrata??
– O meu marido jamais faria essas coisas.
– Tem a certeza?
– Tem provas?
– Tenho. Mas aqui não as mostro. São pura pornografia. Se quiser, chame os seus seguranças e acompanhe-me. Se não, adeus; Luísa e abra os olhos.

Levanto-me e afasto-me devagar. Ela passados uns segundos acompanha-me, e só diz:

– Espero que não me esteja a mentir…

Vamos até a garagem do Colombo, entro no meu carro e digo a ela para me seguir no dela. Vamos até a uma das minhas empresas, ao meu escritório. Ligo o meu pc, e mostro-lhe o vídeo que aquela rapariga, a quem eu paguei, que ela gravou ao telemóvel.
A Luísa vê tudo, mesmo quando eu ia desligar ela impediu-me. Lágrimas escorriam pelo seu rosto. Tive pena dela. Deve ser extremamente doloroso, ver que estamos numa ilusão… e quando a realidade aparece, e é memso muito má…bem nem quero imaginar.

– Como pode ver Luísa…
– Faça o que tiver de fazer, eu ajudo-o… não o mate, só lhe peço isso.
– Matar….não…
– Não lhe contarei o que quero do seu marido, isso é assunto meu… de si só preciso que lhe diga para estar nesta morada amanhã a esta hora. Depois deixe estar tudo comigo. E a Luísa, que vai fazer?
– Divorciar-me desse porco. Posso pedir esse…essse… video?
– Se a ajudar eu entrego-lho. Mas se poder resolver o seu problema sem ele, não seria preferível?
– Tem razão… bem vou-me embora. Depois dará noticias?
– Não, o assunto entre mim e ele, será tratado só por nós. Prometo que não o mato, mas ele vai…
– Então não me diga mais nada. Adeus.

Liguei aos meus homens para prepararem tudo. Para deixarem tudo o que pedi naquela casa.
O dia chegou, fui para a casa, verifiquei que tudo estava em ordem, as cordas… as algemas… as velas… as camaras… o colchão… ouço um carro a chegar, vejo que é ele. Vem sorridente, a pensar que iria caçar… pobre homem…a caça era ele… e o caçador eu.
Ele entra, na casa. A mulher dele tinha dado o endereço. Dissera-lhe que uma tal de dona Linda lhe tinha telefonado para ele ir ter aquele endereço. Linda era uma jovem que ele maltratava regularmente a única que ele fodia regularmente. Talvez a amasse, não sei nem quero saber. Sei que eles combinavam encontros assim, e claro que um caçador tem que aproveitar as fraquezas da presa.
Ele entra na casa a chamar pelo nome dela, e vê a luz que tenho acesa ao fundo do corredor. Ele avança, passa a menos de 1 metro de mim e nem me vê. Eu escondo-me mesmo bem nas sombras. Avança para aquele quarto, e sentada numa cadeira está a Linda…bem não propiamente…está uma boneca que por ser tão realista custou-me imensso dinheiro…mas ficou uma obra de arte. A boneca está de costas para a porta. ele avança para ela, eu vou atrás dele, e quando ele está memso junto a boneca eu fecho-me dentro do quarto com ele, fazendo um enorme estrondo com o fechar da porta. Ele olha admirado, quando vê um enorme negro bem vestido, a sorrir para ele.

– Que…que se passa aqui??? Linda????
– A Linda não está cá…porco.
– Como não está… toca na boneca e ela cai no chão.
– Como disse…ela não está.
– O que quer???
– Foder-te como fodes as miúdas.
– Desculpa????
– Ouviste bem… ir-te ao cu, foder-te como fodes as miúdas. Mas de borla, sem te explorar. Apenas para tre o prazer de te ver sofrer, e fazer de ti minha puta.
– O senhor deve estar é maluco… e avança para a porta, tentando abrir ela.

Aproveito, seguro-o pelo pescoço e dou-lhe uma injeção, e ele adormece.
Acorda passadas umas horas, está atado, com uma ball atada na boca, está com meias de ligas, cueca fio dental, os cabelos do peito todos aparados, os do penis também, e os do cu também…odeio fêmeas peludas, especialmente ele.
Está dentro de uma mini jaula. Eu estou de pé, se ele me quiser ver tem que olhar para cima, ensinando-o desde logo que ali a quem mande e a quem obedeça. Olha-me com olhos de medo, o que é otimo, pois é isso que eu pretendo mesmo.

– Cadela… bem vinda, puta. Bem vinda ao teu inferno. Sou o teu carrasco.
– Hummmmm—hhhummmppttt
– Queres falar??? Quem falam são a spessoas…. tu és uma cadela, logo ladra…isso permite que ladres a vontade.
– Aahhnn ….sswhsjwhwk…
– Não ladras??? Adeus.
– Aoooo…aaaooo…
– Repete, cadela… não te ouvi…
– aoooo…aaaoooo
– Hummm…queres sair é isso?
– aooo…
– Muito bem…coloca esta coleira. depois quando saíres se não andares de 4 , estas fodida comigo, cadela.

Ele com um olhar de raiva colocou a coleira, eu abri o cadeado, e quando ele sai, levanta-se rapidamente empurra-me e tenta sair novamente pela porta. Eu avanço para ele calmamente, ele tenta dar-me um murro, e depois dá-me outro, e eu nem me mexo. Trabalho bem para aguentar murros e pontapés, sou mais sólido que aço. Ele admira-se, tenta dar outro murro, mas eu rapido agarro-lhe na mão, torço-lhe o braço, e faço-o ajoelhar-se e digo-lhe:

– De 4 já te avisei cadela. E por favor…não voltes a fazer-me cócegas.
– Está bem…. larga o meu braço…
– Larga o meu braço…SENHOR.
– Larga o meu braço…senhor.
– E cada vez que disseres uma frase…acabas com a palavra senhor…
– Sim…senhor. disse ele com raiva na voz.
– Muito bem… agora chupa-me o caralho, cadela. E se tentares alguma coisa com os dentes eu arranco-os um a um.
– Sim… senhor.

Ele abre o fecho das minhas calças, tira o meu caralhão para fora, e quando vê fica parado a olhar.

– Que foi cadela? Mama.

Ele estende a língua e lambe a cabeça enorme dele… e depois beija-a… bem até eu fiquei confuso… querem lá ver que a puta já está a gostar???
Mas ele dá um murro nos meus colhões, e claro sou de ferro mas sou de carne, e aquilo aleijou-me.
Ele tenta fugir outra vez, dá murros e pontapés na porta. Eu ergo-me, e agora aquela puta vai levar um belo castigo.
Agarro-o pelos cabelos, arrasto-o até a jaula, deito-o de barriga para baixo em cima dela, agarro-lhe as mãos e algemo-as atrás das costas dele. Abro-lhe as pernas, rasgo-lhe o fio dental, e apesar dos gritos dele, meto-lhe o caralhão a seco pelo cu dele dentro. Ele deu um berro tão alto, que até a mim me assustou, LOL.
Se lhe dar descansso, desato a foder o cu dele… ainda era virgem, sinto as pregas a cederem uma a uma, ele tenta escapar mas não tem hipóteses nenhumas. Sinto o cu dele a apertar o meu caralho, enquanto o fodo. Ele grita, chama até pela mãezinha dele… grita puta, grita…mais me estimulas.
Depois deito-o de costas na jaula, e enrrabo-o de frango assado, vejo o desespero nos olhos dele, ele a gritara para eu parar… paravas quando fazias o que fazias as jovens seu cabrão???
Fodo-o durante horas… confesso que aguento muito tempo a foder…e tomei um Viagra para aguentar muito mais. Fodi aquele cu durante horas de todas as maneiras que conseguirem imaginar. Quando acabei, tinha o caralho cheio de sangue e de merda e esporra, Ele teve de engulir e limpar tudo. Depois coloquei ele de novo na jaula.
Voltei no dia seguinte, com um vestido branco, lingerie branca, peruca loira. Sabem sou doido pela Marilyn Monroe, e aquela puta ia vestir-se como ela, maquiada e tudo. Tiro-o da jaula, meto uma papa para ele comer numa tijela, e um pouco de água noutra, aos meus pés. Ah e deixei de propósito a porta aberta. Ele sai, e começa a comer a papa e a beber a agua aos meus pés. Vê a porta aberta, corre para ela… mas outra porta está encerrada… acho que destrui qualquer esperança que ele tivesse de escapar. Ele volta, e veste-se com as roupas que eu trouxe. Depois fodi ele com tanta ou mais força que no dia anterior. Ele gritava, gemia, chorava… mas sabia que não lhe restava outra coisa senão aguentar-se. E ele nem sabia que eu estava a gravar tudo, e depois enviava a esposa dele. Só o fiz, porque ela jurou manter segredo absoluto sobre mim, e sobre o que eu lhe enviei para ver. Ela via e tinha que depois destruir tudo, sem fazer cópias. Confio nela, e ela sabe que pode confiar em mim. Somos hoje em dia sócios, temos alguns negócios juntos. Ah ela voltou a amar, casou com o irmão da minha esposa. Está de esperanças hoje em dia.
Mantive ele ali, até ele vir beijar a minha mão quando eu chegava, até ele se deixar foder de todas as maneiras, até ele ficar viciado no meu caralho. Ás vezes ia lá e não lhe tocava, e eu via que ele queria o meu toque, queria o meu caralho. Estava domado. como sabem, ai eu perco o interesse.
Levei a esposa dele á casa, ele assina os papeis do divórcio.
Ela deu-lhe uma boa importância em dinheiro, para ele nunca mais lhe aparecer a frente nem tentar contactar a filha. Sou prevenido, ainda o mandei seguir uns meses. Ele agora trabalha numa empresa de lacticínios. Que viva muitos anos, e pense no que tinha, no que fez, e no que perdeu por causa disso. Ah e já agora que pense no meu caralho também, ahahahaah.

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,67 de 9 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

5 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder AdriSLZ ID:6suh53h6ik

    Okkk

  • Responder Jailson ID:g62lwuoik

    Ótimo conto, caçador.

  • Responder Escritor mistério ID:5vaq00tfi9

    Obrigado Como mesmo. Realmente não entendo as pessoas. O tema do conto está lá, lêem a mesma, e depois de lerem não sei porquê, depois dizem que não gostam. Aceito qualquer tipo de críticas, boas ou más,e a opinião de cada qual, mas realmente as vezes e preciso paciência de Santo.

  • Responder luiz ID:dlns5khrd

    nao curto sexo forçado para mim tudo pode acontecer desde que seja com o consentimento dos dois

    • Comomesmo ID:gnsaxtfv1

      Em cima está escrito: ESTUPRO, GAY. Por que você leu? Isto é Hipocrisia.