# # #

Descobrindo o Interesse por Incesto

2509 palavras | 23 |4.50
Por

Uma mãe passa a olhar para sua filha com outros olhos, sentindo amor maternal além do normal.

Prefácio: Esta história foi redigida por mim, com base em relatos feitos por uma de minhas confidentes.

Antes de ser mãe eu nunca pensei que fosse me interessar por incesto. Sempre frequentei a igreja junto com minha família e lá aprendi o certo e o errado. A sociedade como um todo condena o incesto, especialmente quando envolve filhos menores, mas por que para mim isso é tão excitante? Eu não sei dizer, só sei que desde que amamentava minha Luana, eu ficava muito excitada. Minha boceta ficava molhada a cada amamentação e eu não entendia o motivo. Quando estávamos sozinhas em casa, eu me masturbava com uma mão, enquanto segurava minha filha com a outra. Minha mente viajava, eu pensava coisas indizíveis acontecendo entre nós duas. Não tinha coragem de contar a ninguém, sei lá se me denunciavam e eu perdia a guarda da minha filha? Então sempre guardei esses desejos só para mim. Ensinei minha filha a me beijar de língua, mas só fazíamos isso dentro de casa e ela entendeu que era uma coisa só nossa. Meu ex-marido nunca demonstrou qualquer desconfiança com relação a mim e também não vi nele interesse de tocar em nossa filha. Eu tinha sonhos eróticos em que nós 3 fazíamos sexo juntos e era maravilhoso.

Fiquei casada durante 5 anos, mas brigas constantes por causa de ciúmes nos levaram ao divórcio. Depois disso, passei a sentir muita falta de sexo e procurei no notebook por sites de vídeos pornô para me estimular. Um dia eu estava vendo duas mulheres se chupando e senti muito tesão. Baixei meu short e calcinha e comecei a me masturbar furiosamente. Luana estava dormindo, mas acordou e veio até a mim querendo bolachas. Eu nem me importei com a presença dela, continuei me masturbando até o gozo chegar. Luana ficou ali, prestando atenção sem falar nada durante algum tempo. Curiosa, me perguntou o que eu estava fazendo, mas não respondi pois estava focada em gozar. Ela se aproximou e olhou de perto para minha boceta encharcada. Meu gozo foi mais intenso por causa da presença dela. Depois do orgasmo, minha respiração foi se normalizando e eu disse para irmos à cozinha pegar as bolachas dela. Fui do jeito que estava, com bunda e vagina à mostra. Ela me perguntou por que eu estava sem calcinha e na hora só me ocorreu responder que era gostoso ficar pelada. Dei bolachas e leite achocolatado a Luana e voltei para a frente do computador.

Nele estava sendo exibido outro vídeo de 2 mulheres se chupando, algo que me excita demais. Voltei a me tocar devagar, pois meu grelo estava sensível. Luana veio com uma bolacha na mão e continuou me olhando, intrigada. Me perguntou se era gostoso ficar pelada e eu respondi que sim, a mamãe gostava muito. Então ela me perguntou se podia ficar pelada também. Cheia de tesão como eu estava, respondi que sim, claro que podia. Estávamos só nós duas em casa, não tinha nada de mais. Ela então baixou o shortinho e calcinha, sentou no chão e começou a me imitar, esfregando a pepequinha. Que cena linda, mãe e filha se masturbando juntas, fiquei orgulhosa da minha princesa. Eu olhava para a tela do notebook e o que vinha à minha mente era eu fazendo oral na minha filha, depois ela em mim. Luana rapidamente pegou o jeito de se tocar, a safadinha puxou a mim. Nos dias que se seguiram, quando ela escutava gemidos vindo do meu quarto, vinha conferir se eu estava assistindo vídeos de sexo e me tocando. Ela gostava de se tocar na minha presença e eu amava vê-la fazendo isso perto de mim. Dentro de mim algo me dizia que aquilo era errado, mas a sensação de prazer pelo proibido era mais forte.

Numa das vezes em que eu estava prestes a ter um orgasmo, Luana tocou na minha boceta enquanto eu massageava meu grelo. Com o tesão nas altura, eu pedi a ela que continuasse tocando na pepeca da mamãe e ela me obedeceu. Aquele foi o gatilho para um orgasmo incrível, o mais forte que eu já tinha sentido. Ela se assustou um pouco, mas quando me recuperei, eu a abracei, beijei e fiz muitos carinhos na minha filhota, dizendo que a amava muito. Eu disse “Obrigada, meu amor” muitas vezes pelo que ela tinha feito. Luana aprendeu que a mamãe gostava de ter a pepeca tocada por ela e passou a fazer isso regularmente. Uma vez perguntei se ela queria ajudar a mamãe e ter prazer, ao que ela, inocentemente, respondeu que sim. Pedi que enfiasse a mãozinha dentro da minha vagina e ela foi fazendo devagar. Primeiro fez carinha de nojo, mas eu disse a ela que tudo bem, a mamãe é limpinha. Então ela continuou e enfiou a mão inteira lá dentro. Que loucura deliciosa! Pedi para ela empurrar mais um pouco a mão e o bracinho foi entrando até não conseguir mais. Arfando, falei para ela deixar o bracinho parado, que a mamãe estava adorando o carinho dela. Minha filha abriu um sorriso tão lindo e isso me fez explodir num orgasmo que me causou espasmos. Desta vez ela não se assustou, já estava acostumada aos meus pequenos escândalos.

Quando me recompus, peguei minha linda no colo e pedi para ver sua mãozinha lambuzada. Eu a cheirei e disse que era muito bom. Comecei a lamber meu suco da mãozinha da minha filha linda e ela achou graça, sentiu cócegas. Perguntei se ela não queria provar, parecia incerta. Fez carinha de nojo, mas deu uma lambidinha porque eu insisti. Eu disse “Viu só como é gostoso?” e Luana acenou com a cabecinha que sim. Então ficamos nós duas a lamber a mão e braço dela. Meu tesão era enorme e pedi a Luana que tirasse short a calcinha e se deitasse na cama, de pernas abertas. Ela ficou como eu pedi e fiz o primeiro oral na minha princesa. Ela fechava os olhinhos e viajava nas sensações. Tão pequena e tão entregue à língua experiente de sua mamãe safada. Eu acho que toda mãe que sente desejo por sua filha ou filho deveria começar assim, provando seus genitais com carinho, para proporcionar prazer a eles. Luana pôs as duas mãos na minha cabeça e empurrou para baixo, enquanto remexia o quadril. Nem sei por quanto tempo eu chupei minha pequena, apertando seu bumbum fofinho. Depois virei Luana de bruços e dei atenção ao cuzinho dela, massageando com um dedo e língua. Eu sempre perguntava se ela estava gostando, se queria que eu parasse, mas ela só queria que eu continuasse. Ah se toda mãe fosse carinhosa como eu. Admiro os cães e gatos, pois em seus instintos sabem que lamber os genitais dos filhos é o certo a se fazer. É carinho, é amor.

Depois sentei na cama, fiquei bem arreganhada e perguntei se Luana queria fazer esse mesmo carinho na mamãe. Ela ficou pensativa, então eu disse que eu a amaria muito mais se ela me fizesse aquele carinho tão gostoso. Minha filha adora me agradar, então concordou. Baixou a cabecinha entre minhas pernas e lambeu meu grelo levemente. Puta que o pariu, que sensação indescritível! Ter sua filha pequena te lambendo é o máximo do tesão. Eu pedi a ela que provasse o caldinho da mamãe e ela lambeu as beiradas da minha xereca melada. Conforme sentia a linguinha dela me tocando, meu orgasmo foi se aproximando e quando estava quase lá, segurei a cabecinha dela no lugar, esfregando seu rostinho lindo na minha boceta. Quando a soltei ela me olhou confusa, com o rosto todo lambuzado. Tive uma sensação de alívio por ter finalmente conseguido gozar na língua da minha lindinha. Eu a chamei para perto de mim, pedi desculpas por ter empurrado a cabecinha dela e ela me disse que tudo bem. Então eu lambi o rostinho dela para deixá-lo bem limpo, o que ela adorou. A gente brincava que era o “banho de gato”. Depois nos beijamos apaixonadamente por vários minutos.

Uns dias depois descobri este site de contos eróticos. Fiquei muito instigada pelas histórias, algumas me deixavam em dúvida se eram mesmo realidade ou ficção. Entrei em contato com alguns dos escritores, eu queria contar meu caso de amor de mãe com filha para alguém que me entendesse, não me julgasse. A maioria dos caras eram babacas que não tinham o menor interesse em manter uma conversa respeitosa, só queriam fotos e vídeos meus e da Luana. Não era isso o que eu queria, minha vontade não era expor a mim e minha filha para que nossas fotos acabassem circulando em grupos de putaria. Eu só queria desabafar, ser ouvida e como isso não acontecia, eu desanimei. Um tempo depois recebi contato de um homem que foi muito educado, não me pediu foto nenhuma, só queria saber mais sobre nossa dinâmica familiar. Rafael tinha particular interesse em saber como eu deixei aflorar meu desejo por Luana, se isso não me causava nenhum tipo de remorso etc. Falei sobre meus sonhos de sexo com minha filha e o pai na época em que era casada. Nosso papo evoluiu muito, a gente tinha vários gostos em comum. Pegamos confiança mútua e chegamos a fazer chamada de vídeo, onde mostrei Luana a ele. Aquele homem tinha jeito para falar com crianças, minha filha gostou dele logo de cara. Isso me animou muito, pois ele sabia ser gentil com ela. Depois de alguns dias conversando, ele me perguntou se eu não estaria interessada em conhecê-lo pessoalmente. Pensei muito na proposta e decidi aceitar.

Deixei Luana com minha mãe e marcamos encontro num shopping, só eu ele. Fiquei impressionada com o quanto pensamos igual. A gente observava crianças passeando pela praça de alimentação de mãos dadas com o papai e comentávamos se aquela menina teria a sorte de seu papai brincar com ela. Quando era uma mulher com menino no colo, a gente se perguntava se aquela mãe não chupava secretamente o pintinho de seu filho. Aqui nos enchia de tesão, o prazer de poder murmurar aquelas putarias entre nós era sensacional. Eu jamais poderia falar aquelas coisas com meu ex-marido ou com qualquer outro homem que não pensasse como eu. Depois de 3 horas conversando sobre as coisas que gostamos, o tesão estava alto demais e fomos para um motel. Lá ele me comeu do jeito que quis, me entreguei toda àquele homem safado, fui completamente submissa a ele. Chupei muito aquele tarado, dei cu e boceta várias vezes, perdi a conta de quantas vezes gozei. Rafael falava as coisas mais deliciosas enquanto me comia. Eu estava de quatro, ele socando aquele pauzão na minha xana e dizendo para chupar minha filha, como se ela estivesse conosco. Eu gritava “Isso, continua falando, seu safado” e Rafael me dando ordens para lamber a xotinha da Luana, que ele queria me encher de porra enquanto eu a chupava. Na posição papai e mamãe ele me deu muitos beijos e me fodeu enquanto me chamava pelo nome da minha filha, dizendo que me amava. Cada novo orgasmo que tive foi melhor do que o anterior, eu nunca imaginei que trepar com alguém que pensasse igual a mim fosse tão prazeroso. Escutar e falar aquelas coisas durante o sexo foi incrível, libertador.

Tivemos mais dois encontros assim até que no encontro seguinte, levei Luana ao shopping comigo. Eu estava louca para ver a interação entre os dois, por isso deixei-os bem à vontade. Luana estava animada por conhecer pessoalmente aquele moço bonito que só tinha visto pelo celular. Rafael perguntou se ela queria sentar em seu colo e ela foi sem pensar duas vezes. Eu sabia muito bem que ele estava de pau duro e aquilo me excitou demais. Imaginei a sensação da minha lindinha com seu bumbum tão pequeno, sentada sobre aquela piroca enorme e dura. Rafael me lançava um olhar de cumplicidade e sorria. Perguntou a Luana se gostava de brincar de cavalinho e ela acenou que sim com a cabeça. Ele então começou a jogar o quadril para cima, de maneira ritmada mas discretamente. Eu estava hipnotizada, aquilo era surreal. Eu estava com a boceta melada de ver como Rafael tirava proveito da bundinha da minha filha a seu favor, se excitando com o corpinho dela e eu adorando assistir. Eu sabia que Rafael estava explorando a inocência da minha menina para se excitar e não movi um dedo para impedir aquele abuso sutil.

Eu queria que ele continuasse, estava maravilhoso de ver. Rafael segurou na cintura da Luana e começou a movimentá-la suavemente para os lados, para a frente e para trás enquanto puxava assunto sobre personagens infantis. Luana adorava conversar com ele, pois conhecia Moana, Elsa e Anna, os heróis Marvel, tudo o que ela gostava de assistir. Rafael aproveitou muito o bumbum fofinho da Luana e eu amei cada minuto. Depois nos despedimos e nós duas voltamos para casa. Chegando, tirei minhas roupas e mandei Luana tirar as dela. Chupei muito minha filha, pedi a ela que fizesse o mesmo em mim. Minha mente revisitava o que eu tinha presenciado no shopping e gozei intensamente várias vezes. Eu realmente queria ver aquele homem tarado brincando com minha filha do jeito que eu fazia. Ainda não marcamos novo encontro, pois ele viaja muito. Não vejo a hora de ver minha Luana mamando naquele cacete gostoso e fazendo Rafael gozar. Vou à loucura só de pensar nele gozando na boquinha dela, dando leitinho para minha filha. Eu sou uma mãe muito doida mesmo.

Nota do autor: este texto é uma ficção baseado em acontecimentos reais. Se não é o tipo de literatura que te agrada, procure outra coisa para ler. Especificamente para MULHERES: se você gostou do meu estilo e simpatiza com minhas histórias e ideias, entre em contato. Adoro conversar com mulheres de mente aberta. Pode ser que a gente acabe se conhecendo e descobrindo que temos muito mais em comum. Sou solteiro entre 40 e 50 anos morador no Sudeste e adoraria me relacionar com uma mulher tão safada quanto eu. Me escreva no [email protected] e Telegram @papaisafado

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,50 de 14 votos)

Por # # #

23 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Beru

    Que blz faz eles fazerem scat

  • Responder Wilian

    Já tive experiência assim com uma garotinha de 8 foi maravilhoso.

    • jorge ferreira da ssilva

      Wilian é muito prazeroso e gostoso pegar uma garotinha com essa idade e até com menos sete anos, peguei uma garotinha que gostava muito de ficar comigo, dizia pra mão dela que ia na minha casa para aprender matemática que não estava entendendo as explicações do professor, mais era só chegar que já dizia tio cheguei, eu fechaava todas as portar puchava as cortinas e começavamos brincar, ela já estava tão viciada em deixar eu brincar com sua bocetinha, chupar sua bocetinha linda seu grelinho e esfregar minha pica na bocetinha dela que ela delirava, um dia eu disse seria tão bom se voce deichasse meter dentro da bocetinha ia ser muito bom ela disse deixo pode meter acho que eu aguento eu disse vou por bem devagar se doer muito voce fala que eu paro ela disse tá, encachei minha pica na entradinha de sua bocetinha e fui empurando de vagar ate sentir ela se encolher quando a pica alcansou seu cabacinho, parei e fiquei brincando de meter e tirar nisso dei uma cravada e senti que pica tinha entrado ela deu um gemido bem alto e disse para um pouco depois voce continua eu disse ta bom ai fui fazendo bem devagar e metia e tirava e a bocetinha dela engolindo minha pica continuação

    • jorge ferreira da silva

      continua e a bocetinha engulindo minha rola e eu fui metedo e ela disse tio da muito gostoso amanha quero mais, eu disse tá bom mais não fala pra ninguem é um segredo nosso, passou uns dois dia que ela não aparecia e eu fiquei preocupado sera que aconteceu alguma coisa e fiquei preparado pro pior, pensei deu merda, no outro dia ela chegou e eu perguntei o que foi que voce não me procurou mais ela disse tava deixando minha bocetinha aliviar pois tava ardendo muito mais agora já esta boa não doe mais quando faço chichi, agora quero brincar mais de meter dentro da minha bocetinha, eu disse vamos ficamos pelados e peguei ela nos meus braços e já fui beijando e deitei ela na cama e fiquei fazendo carinhos e chupando sua bocetinha e seu grelinho ela tambem chupou minha pica e ela já estava com a bocetinha toda melada encachei a pica com cuidado e perguntei ta doendo ela disse não pode meter que esta gostoso, e foi assim que descabacei a menininha e depois fodemos por muito tempo uns tres ou quatro anos depois eles se mudaram pro outra cidade e só ficou a saudade e as lembranças de minha garotinha que fiz ela virar mulher na minha pica com muito amor e carinho,

  • Responder emi

    um dos melhores contos que eu já li, sério.

    • Papai Safado

      Agradeço pela honestidade! Já foi publicada a segunda parte e estou preparando a terceira e última parte.

  • Responder Mãe vadia

    Fiquei com a bucetinha pegando fogo, um dos melhores contos que já li.

    • Papai Safado

      Obrigado! Não sentiu vontade de vir conversar comigo? Deixei contatos ao final do conto.

  • Responder Heitor26

    Muito bom conto!

  • Responder Fraca

    Pra quando na primeira mensagem ficar enchenco o saco da gente pedindo foto nua ou com a filha

    • Papai Safado

      Lamento que tenha tido esse tipo de experiência com outros homens. Só mesmo conversando comigo para saber que sou um homem diferenciado.

  • Responder Fraca

    mais um punheteiro querendo contato de mulher

    • Papai Safado

      Isso não te incomoda, ou incomoda?

  • Responder Anônima pedo

    Perfeito, me senti no conto

    • Papai Safado

      Venha conversar comigo, meu bem. A gente pode acabar descobrindo tanto em comum… Adoraria conhecer uma mulher pedo safada como eu.

    • Papai Safado

      Venha conversar comigo, a gente deve ter muito em comum.

  • Responder Papai Safado

    Aqui é o autor deste conto.

    É muito triste gostar de incesto e pedo e não ter com quem conversar sobre isso. Mulheres que concordam comigo, vamos bater papo. Ao final de cada conto eu sempre deixo formas de contato. Quem sabe a gente acaba se entendendo? Imagine você, que adora incesto e pedo, transando com um cara como você? Pense só nas loucuras que poderiam dizer um ao outro na hora do sexo? Coisas que não poderiam jamais ser ditas a outras pessoas. Quer experimentar?

    • Coelhinha

      Oi, gostaria de conversar contigo rsrs

    • Papai Safado

      Coelhinha, é só chamar.

    • Coelhinha

      Mandei um “olá” no email

    • olharfaminto

      eu quero!

    • Carol

      Sempre bem acompanhado, pelo visto.

    • Mineiro

      Falou tudo, só vídeos não satisfaz mais, tenho q conversar com outros pesos mais queria mesmo uma mulher pedi mais é bem difícil tudo fake