# # #

Primos e Irmãs apaixonados PT 8

1029 palavras | 5 |4.67
Por

Eu deixei no final deste conto, uma surpresinha para aqueles que pretendem conversar comigo.

Bom, depois que eu pressionei a Manu pra ela contar sobre alguma história dela, eu não fazia ideia que ela tinha iniciado a Eduarda no sexo, enfim, mas não é sobre isso que eu vim falar hoje, vou continuar falando sobre nossas aventuras de juventude.
Depois que a Manu foi penetrada daquela vez, ela ficou bem mais putinha, ela parecia sempre querendo explorar seu corpo, ela aprendeu a sozinha a se masturbar, e teve um dia que eu estava no sofá só com ela assistindo um filme, e ouvi ela dando uns gemidos baixos, eu olho pra guria, e vejo ela com os olhos fechados, com a mão dentro da saia e encolhendo as pernas.
Eu olho ela com os olhos arregalados, e ela não estava nem aí pra mim, dava até pra ouvir os dedinhos dela deslizando por dentro dela, até que eu paro e falo:

Eu: Manu?
Manu: AHHH, O-oi?
Eu: Você está se… masturbando?
Manu: A-Acho que sim…

Eu dou um sorriso maldoso pra ela e digo:

Eu: Precisa de ajuda com isso?
Manu: P-pode ser…
Eu: Não precisa ficar envergonhada, é super natural uma garota querer se divertir.

Eu tiro a saia da Manu, e a calcinha dela estava ensopada, a menina estava parecendo um chafariz, eu sorrio pra ela e ela me olha um pouco tímida e diz:

Manu: Não conta pra mamãe…
Eu: E qual seria a graça? É melhor isso ficar só entre nós duas, não acha?

Eu subo em cima dela e começo a beijar ela, Manu me abraça com força, e deitamos no sofá. Enquanto eu ia beijando-a, eu ia enfiando meus dedos dentro dela, bem fundo, agora que ela não era mais virgem, e não sentia mais dor, ela dava uns gemidos infantis tão deliciosos que aumentava ainda mais o prazer.
Dou um lambidão no pescoço dela e ela me olha em êxtase, eu falei que eu queria me divertir também, e eu tiro minha roupa ficando completamente nua, e a Manu fica me olhando com aquele sorriso fofo e inocente dela. Eu falo pra ela assim:

Eu: Manu, abre as pernas.
Manu: Por que?
Eu: Vou te ensinar algo que a Leticia me ensinou, você vai gostar.

Manu me olha um pouco assustada e abre as pernas dela, e eu me sento bem perto dela, e a pego no colo e entrelaço as pernas dela nas minhas, encostando assim nossas xanas, Manu arregala os olhos e fica me olhando assustada e eu falo:

Eu: Isso aqui, você vai gostar, os homens costumam enfiar o pau deles na gente, mas nós não temos paus, então o máximo que podemos fazer é isso.

Eu começo a movimentar minhas pernas nas dela, e nossas xanas começam a raspar, e Manu dá um gemido, eu dou risada e abraço ela forte e começo a esfregar nossas xanas com força e Manu diz:

Manu: Sua piriquita é áspera.
Eu: A sua é muito macia, mas vai ficar assim um dia.

Continuei esfregando e logo nós duas começamos a ficar ofegantes e nos beijamos enquanto raspávamos, fui acariciando o corpo da Manu com delicadeza, ouvindo aqueles gemidos infantis dela, me sempre me deixam louca.
Pelo corpo dela ser menor, que o meu por ela ter 7 anos naquela época, a cabeça dela estava na altura dos meus seios, então eu falei pra ela os chupar e Manu fez, que bebezinha mais faminta aquela kkkkk.
o sofá estava ficando encharcado, a ponto de começar a escorrer para o chão, mas a gente não estava nem ligando, só estávamos aproveitando aquele momento entre irmãs, logo a Manu gozou, e ela caiu deitada no sofá bem ofegante e eu disse:

Eu: Eai Manu, gostou?
Manu: Ahan… você é a melhor irmãzona do mundo, e a mais gatinha também.
Eu: Kkkkk você é a mais fofa também, deixa eu te limpar.

Vou no meio das pernas dela, e começo a lamber o gozo dela, e Manu dá um sorriso e volta a assistir ao filme que nessa hora, já estava acabando, eu suguei todo o gozo dela, e depois limpei o sofá. Fomos pro banho, demos mais umas pegas quentes lá, e depois eu coloquei a Manu pra dormir, já que ela estava bem cansada.
Voltei pra sala e vi a calcinha da Manu no chão, a calcinha dela tava encharcada, eu peguei a calcinha dela, olhei pros lados, e comecei a lamber kkkkk (NÃO ME JULGUEM).
Quando meus pais chegaram, era umas 23:00, e eu agi como se nada tivesse acontecido, óbvio, imagina a briga que daria se eles soubessem que as 2 filhas deles fazem sexo juntas.
Naquela noite eu decidi deitar na cama da Manu, e comecei a encher ela de beijinhos no rosto, na boca e no corpo, até que ela acordou sonolenta e disse:

Manu: Nessa? O que está fazendo aqui comigo?
Eu: Te dando carinho, não posso?
Manu: Eu to com soninho, pode ser mais tarde?
Eu: Claro, mas me dá um beijinho de boa noite.

Manu me deu um beijo na boca rápido e logo se virou pra dormir, eu a abracei em conchinha e eu ouvi a Manu dando um sorriso, e logo, eu também peguei no sono, e dormimos juntas.
Bom, é isso, esse foi um caso do dia a dia, por isso não foi tão grande, normalmente casos do dia a dia entre mim e a Manu, são rápidos, mas bem gostosos, se quiserem que eu continue escrevendo aqui, só pedir nos comentários, e como eu disse, eu tenho uma surpresinha pra vocês, eu criei uma conta só pra conversar com pessoas daqui, pra ver se tem mais pessoas que já passaram por algo parecido que a gente passou, se você quiser falar comigo, me chama neste e-mail, [email protected], não é meu e-mail oficial, foi criado só pra isso, então é isso, até a próxima queridos, beijo bem molhado para todos.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,67 de 9 votos)

Por # # #

5 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Pedro

    Estas historias estão muito boas!

  • Responder Daniel

    Continua!!!!

  • Responder Felipe

    Continua!!!!!

  • Responder Pikagrossa

    Esse email não existe

  • Responder Rafaella

    Bem contado… Beijos !!