# # #

Rapitada, Abuzada… Sedutora e Incontrolável (6)

3274 palavras | 2 |5.00
Por

Essa é a História da minha mãe, lembrando que me passo po ela.

Rapitada, Abuzada… Sedutora e Incontrolável (6)

Por Simone Safada

Primeiramente me perdoem pela demora em postar, tive que fazer uma pequena viajem, lá não tive tempo de escrever, fui ver meu negão Thiago, por isso não tive tempo, nem de escrever, nem de fazer nada, só matar a saudade do meu pirocudo lindo…

João meu lindo, o que vc me pediu, já está escrito, pf procure por “criei um monstro insaciável”, vc irá encontrar o que deseja. Angello, sim eu tento não ser repetitiva e procuro no google o modo correto de escrever as palavras que tenho dúvidas, as vezes leio algum conto com “eu, eu,… aí, aí… então, então…” as vezes cansa, outra coisa são os contos que demoram a chegar ao que realmente interessa, que é gozar gostoso, também me afastam, tento não repetir isso, que para mim, são defeitos, ADOREI, vc ter percebido isso, sinal que estou agradando, Bjs Si.

Essa é a História da minha mãe, lembrando que me passo po ela.

“Gente as vezes vou ter que dar um salto no tempo para que não fique repetitivo, contarei só as partes diferentes da mesmice …”

Terminei o último assim: “no dia seguinte o professor, não vi ele mais, acho que sumiram com ele, tive que voltar a brincar com os meus colegas de pique esconde dentro da minha bucetinha.”

Bem a Rosa veio conversar comigo sobre o professor, o Coronel foi chamado à direção, só que foi a Rosa que compareceu, o diretor pediu para que ela tente me explicar que isso não é correto, me falou que o diretor foi muito educado e não queria ir contra as vontades do Coronel, pois além de terem medo, ele trazia muitos benefícios para a cidade, todos eram agradecidos pelas coisas que fazia pela cidade e pelo povo, então faziam vista grossa para seus caprichos, acho que ele nunca ficou sabendo sobre o professor, a Rosa com os seguranças cuidava de tudo, fiquei sabendo depois que eles mandavam as pessoas sumirem, dando um bom dinheiro para eles se mudarem, acho que só o segurança que realmente morreu, pois traiu a confiança do Coronel, só pude entender isso bem mais tarde.

Eu ainda continuava tarada, com o passar do tempo isso só aumentava, sempre fui pequena, mas devido a minha reposição hormonal e os anticoncepcionais, meus seios desenvolveram bem cedo, eu com 10 anos já tinha seios iguais aos de uma garota de 15 anos, eu amava meus seios, mas o que mais gostava neles eram os bicos, os chamados “puffy nipples”, pareciam grandes bicos de mamadeiras, só usava blusas sem sutiãs, mesmo meus seios sendo grandes, eram bem firmes e muito sedutores, ao ponto do médico, que nunca tranzou comigo, mas chupava muito meus seios e ficava dedando até eu gozar e ele gozar neles, ele tinha verdadeira tara por peitos.

O Coronel também adorava, isso fazia com que ele sempre retornasse mais rápido do que o normal, seus colegas políticos reclamavam de sua ausência nas “festinhas” que eles promoviam com putas, pois ele tinha duas putinhas só para ele.

Certo dia veio conversar comigo dizendo que tinha um pedido muito especial, que mesmo não gostando de dividir sua esposa, eu, mas não podia dizer não para ele.

– Coronel – Kat, vc sabe que eu te amo, vai vir aqui em casa uma pessoa muito importante, ele vem aqui só para te conhecer, eu não gosto de fazer isso com vc, mas não posso dizer não para ele.

– Eu – Tá bom, mas o que vou ter que fazer?

– Coronel – Nada, só que ele vai querer tranzar com vc, mesmo eu morrendo de ciúmes, vou deixar, vc faz esse favor para mim?

– Eu – Mas ele vai querer tranzar comigo? tá bom, ele é bonito? vou gozar gostoso? quem é ele?

– Coronel – Ele é o Presidente, quer te conhecer pq nunca mais fui com ele para as festas, sempre volto correndo para comer sua bucetinha e da Rosa. Falou que vc deveria ser muito especial, falei que é, que à amo demais.

Rosa me falou que com as outras “filhas”, ele fazia festas aqui na fazenda e que as outras meninas tinham que divertir os convidados especiais, só que choravam, não queriam, mas eu era diferente, por isso nunca quis fazer essas festas, ele realmente gostava muito de mim, fiquei muito feliz em ouvir isso, eu também gostava muito dele, mas não conseguia segurar minha bucetinha faminta, kkkk.

Chegou de helicóptero com uns seguranças também, só que junto com os outros logo sumiram, ficando só o Coronel e o Presidente.

– Coronel – Kat…, vem conhecer aquela pessoa que eu te falei.

Apareci de biquine, um biquine de quando eu era bem menor, bem apertadinho, nem o Coronel esperava por isso, vi seu pau crescer, o Presidente tava sentado na cadeira, não tinha noção de como me comportar, então…, fui eu mesma…, pulei no seu colo e dei um beijo na boca, eu fiquei surpresa, ele era lindo, parecia um príncipe, achei engraçado seu nariz, um pouco grande, mas não atrapalhava, fiquei sabendo que depois o povo tirou ele da presidencia, mas isso não vem ao caso, ele retribuiu o meu beijo, o Coronel se levantou, ficou morrendo de ciúmes, a Rosa também estava com ciúmes, mas tinha que ficar ali para qualquer coisa.

– Presidente – Qual é o seu nome? [Katherine, Kat…], quantos anos vc tem? [o suficiente…], nooosssaaa, vc é muito linda mesmo, vc gosta de ser filha do Coronel? [não sou filha, sou esposa…], mas ele te trata bem?

– Eu – Ahãm, trata sim, ele me ama, me faz gozar gostoso, falou que vc ia me fazer gozar gostoso também.

Sentia seu pau duro na minha bunda, me colocou em pé na sua frente, tirou o meu biquine, olhou meus peitinhos, tocou na minha bucetinha que já estava molhada de tesão, caiu de boca nos meus puffy nipples, era muito sensível, só de chuparem eles eu já gozava, aháaaa…., gozei nos seus dedos com ele me chupando, tirou seu pauzão da calça, não precisou nem pedir, já caí matando, era grande, bem grosso, lembrava o pauzão do papai, tava muito duro, parecia um míssel, adorei.

– Presidente – Kat, vc é sensacional, mas quero te comer, tudo bem?

Pulei logo em cima dele, sem ele tirar a calça ainda, já fui colocando seu pauzão na minha bucetinha já gozada, foi entrando gostoso, foi me alargando, ele tremia igual vara verde, suava frio, mas foi entrando muito, senti quase ele todo dentro, era muito grande, fez aquele calombo perto da minha barriguinha, coloquei a mão dele para sentir.

– Eu – Aqui ó… fez até calombo…

Quando colocou a mão, no calombo senti inchar dentro e gozou muito, sem se mexer, saia pórra pelos lados, na minha bucetinha, foi muito gostoso senti ele esporrar dentro de mim, Rosa chamou ele para ir pro quarto, só que eu não quis sair de cima dele, fui com ele espetado em mim, parecia o Rocky de tão grudado, kkkk, não teve dificuldades em subir comigo no colo, ele também não queria tirar de dentro, cada balançada entrava mais um pouco, estava muito bom, parava na escada só para ficar me beijando e fudia um pouco, seu pauzão não amolecia de jeito nenhum, que delícia, perguntava se estava doendo.

– Eu – Só um pouquinho, vc é grandão, mas depois sara, tá gostoso, pode me fuder que eu gosto.

Ele então não aguentou, ali mesmo na escada me fudia encostada na parede, fudia com muita força, estava gostoso demais, me levantava fácil, eu escorregava de volta entrando todo de novo, me prensou contra a parade com muita força, enfiou mais ainda, aaaaiiiii….. aháaaa….. doeu eu gozei, ele também gozou muito, agora em pé, ainda tinha forças para chegar até a cama, olha que faltava muito ainda, assim que chegamos, desabou, só aí que saiu de dentro de mim, toda aquela pórra escorrendo gostoso, fui fazer a limpeza enquanto a Rosa tirava sua roupa para lavar. Já pelado, olhou para mim, entre um beijo e outro.

– Presidente – Kat, incrível, agora entendi pq o Coronel não vai mais nas minhas festinhas, eu também não iria, vc é demais, é apaixonante, muito gostosa.

– Eu – Vc é muito lindo, seu pauzão é muito gostoso, é muito grosso, gozei gostoso, depois vc come meu cuzinho?

Ele não acreditou, pra variar né?, kkkk, claro que depois dele gozar duas vezes, não ia ter forças para me fuder de novo, mas minha fome, não cessava, fiquei namorando com ele, pediu para que a Rosa chamasse o Coronel para participar, pq a minha fome era muita, claro que o Coronel, veio e trouxe a Rosa a tira colo, a neguinha ficou com medo do tamanho da rola do presidente, mas também ficou encantada, o Coronel me pegou e caiu de boca na minha bucetinha alargada pelo pauzão do Presidente, foi muito gostoso sentir sua boca na minha xerequinha, bebendo toda aquela pórra, Rosa então chupava o caralhão do Presidente, que começava a endurecer de novo, era impressionante mesmo para uma pessoa adulta como a Rosa, assim que ficou duro, trocamos de parceiro, fiquei de quatro.

– Eu – Vem presidente, goza dentro do meu cuzinho…

– Presidente – Vai te machucar, é muito grande…

Eu e a Rosa falamos ao mesmo tempo, depois sara, kkkk ele riu também, achou engraçado, parecia um coro, pegou uma pomadinha e untou meu cusinho, deu sua piroca para Rosa chupar e foi enfiando, realmente doeu bastante, era muito grosso, mas estava bom, assim que colocou tudo, eu estava de quatro, comecei a rebolar, dessa vez não foi carinhoso.

– Eu – AAAAIII…., como é grosso, mas pode enfiar, enfia tudo, depois sara, aaaaiiiii…., ta todo dentro? pode me comer, eu gosto…, isso…, mais…, que pauzão… nooossaa, é muito gostoso, aaaaiii…, aháaaa….., continua, para não, isso, mais…. [aháaaaa….]

Presidente gozou e apagou, o Coronel deixou agente ali, eu também estava cansada, eles foram para a piscina e tranzaram lá, eu dormi nos braços do presidente.

Quando ele acordou, me viu do seu lado, com a cabeça no seu peito brincando com seu pirocão, mole, enorme, imponente, maravilhoso, eu beijava, chupava seu cabeção, assim que ficou duro, subi nele, deslizou bem gostoso, fiquei com ele dentro beijando meu presidente, ele fazia juras de amor pra mim, mas sabia que era só o momento.

– Presidente – Kat, como pode, vc tão pequena, mas com essa fome de leoa, que delícia, dá vontade de te levar pra casa da Dinda…

– Eu – Casa da Dinda?

– Presidente – É o nome da casa onde eu moro…

– Eu – Mas eu sou casada com o Coronel, não posso ir, mas vou querer que vc venha mais vezes me comer, gozei tão gostoso.

A noite chegou, Rosa nos trouxe um jantar, onde comi no seu colo, pelados, Rosa estava também quase nua.

– Presidente – Rosa…? né…? Vc também é muito gostosa, depois deixa eu te comer?

– Rosa – Claro, eu também quero esse pauzão, mas confesso que estou com medo…

– Eu – Mas…

– Presidente – Depois sara…kkkkkk

– Eu – Presidente…, vou deixar vc comer a Rosa e vou dar gostoso pro meu marido, Rosa…, deixa um pouquinho pra mim, tá? vou querer ele depois de novo, kkkkk.

Caímos todos na gargalhada, fui ver meu macho, meu dono, meu amor, que estava sozinho, na varanda, tomando seu wiscky, de sunga, cheguei dei um beijão e ouvimos um pouco longe, AAAAAAIIIIIII……., olhamos um pro outro e caímos na gargalhada, derramei wiscky nos meus peitos.

– Eu – Amor, mama nos meu peitos, vai sair wiscky deles, adoro sua boca no meu peito.

Assim ele fez, chupou com força, meus peitos ficaram mais inchados, delícia sentir uma boca neles, estava muito gostoso, subia naquela pica gostosa, entrou facinho, deixei dentro, aháaaa…. gozei com sua chupada nos meus peitos, que delícia, pulei de cima, me ajoelhei, pedi leitinho na boquinha, chupava gostoso, logo [aháaaa…..] gozou, bebi tudo, não tinha muito, despejou tudo na Rosa, kkkk.

O Presidente desceu com a Rosa, fomos para piscina, mesmo de noite, fudemos muito, Rosa sentiu pela primeira vez uma rola grossa de verdade, adorou, o Presidente era um touro, não parava de nos comer, mesmo com o tanque vazio.

Quando fomos dormir, Coronel pediu para eu e a Rosa dormir com o Presidente, ele foi pro quarto de hóspedes, dormi abraçadinha com ele, era muito gostoso e lindo.

Acordei ele com um beijo gostoso, ele gostou…, descemos para piscina, o café foi lá, não desgrudava daquele pirocão, ouvimos ele conversar sobre várias coisas.

– Presidente – Não sei como faria se ela viesse comigo, mas diga quanto? diga o preço, quero ela comigo, te juro que será muito bem tratada, deixo um cheque em branco, coloque o valor que quiser…

– Coronel – Desculpa, não quero lhe ofender, mas não há preço que pague, como ela mesmo disse, é minha esposa, sei que aqui no Brasil não posso, mas se pudesse casava.

Fiquei toda boba com essa conversa, percebendo que não ia conseguir ter o que queria, pedi para eu andar de helicóptero, me levou para me comer uma última vez, foi muito bom, pena que não consegui olhar a paisagem, só sentia seu pirocão dentro, enquanto voávamos, foi uma delícia, o problema foi o piloto que não tirava os olhos da gente, levava toda hora esporro, “olha pra frente caralho, quer matar a gente…”, sentada no colo dele eu pulava, ele então me apertou para baixo com muita força.

– Eu – Presidente, sei que vc queria me levar, mas vc não me perguntou se eu ia querer ir, eu não ia, eu amo o Coronel, é meu marido, meu macho, mas gostei muito do seu pauzão, pode me comer com vontade, sempre vou lembrar de vc e do seu pirocão.

Assim ele fez, meteu com muita força, chegou a doer um pouquinho, ele quiz me marcar, para que eu nunca esquecesse dele, o que aconteceu…, senti seu pirocão entrar todo, chegou a me machucar, dessa vez não gozei, fiquei alguns dias sem fuder, só recebendo carinho da Rosa e do Coronel, depois que ele gozou pousamos, ele foi embora muito contrariado, não se despediu de mim, o que tinha sido bom até ali, ficou ruim, minha recordação ficou dolorida, o médico veio me ver, disse que tinha machucado meu útero, que precisava de um bom descanso, passou medicamentos, por sorte, não danificou meu sistema reprodutor, mas o Coronel falou que chegou a brigar com ele pelo que fez comigo.

Já com doze anos, eu era incansável, mesmo com o Coronel me comendo sempre e a Rosa sendo minha quando quisesse, não esquecendo o Rocky e os garotos da escola, ainda queria cada vez mais, numas das viagens do Coronel, consegui tranzar com todos os seguranças, assim eles não poderiam matar uns aos outros.

Eu tava com um fogo danado, eu sabia onde o primeiro ficava, fui peladinha atras dele. Era um negão forte, feio, mau encarado.

Ainda tentou argumentar comigo, mas as putas da cidade não eram iguais a mim.

– Eu – Olha eu sei que se vc me comer, podem te matar, mas se eu der para todos, ninguém vai matar ninguém, então podem vir, que eu quero tranzar com todos, quero dois ao mesmo tempo.

Puxei seu pauzão de dentro da calça, deve que tirar a pistola do cinto, para não acabar disparando, chamou o outro pelo rádio, esse era ruivo, também bem forte, perguntou se ele estava maluco, disse que não queria morrer, mas também o tezão falou mais alto, quando sentei no caralhão do negão, abri meu cuzinho.

– Eu – Vem, pf… mete aqui, eu quero dois dentro ao mesmo tempo.

Assim eles fizeram, esses dois eu me lembro, eles meteram, fuderam, eu comecei a tremer, gozei várias vezes, me debatia, fiquei toda dura, me mijei também, caguei no pau do ruivo, meu corpo não me respondia mais, meu corpo tinha vontade própria, depois que eles gozaram, um saiu, entrou outro, mas os outros eu não lembro, eram tantos, eles metiam com vontade, mas não podiam danificar o material, kkkk, pela primeira vez eu chupei ao mesmo tempo que fazia Dp, entrava um, saia outro, gozava, entrava outro gozava, eu já não sentia mais de tanta pórra dentro de mim, tive orgasmos múltiplos, acho que foram uns dez que me comeram, só não foi estupro coletivo, não por parte deles, talvez de minha parte sim, eu é que estuprei os dez, kkkk, quando todos já tinham gozado, me colocaram na espreguiçadeira da piscina, Rosa veio ao meu socorro.

– Rosa – Kat, o que fizeram com vc?

Olhei para ela puxei e dei um beijão de lingua muito gostoso de pórra de alguém.

– Eu – Rosa, só falta vc e o Rocky, chama o Rocky pra mim…

– Rosa – Vc está maluca?

– Eu – Rocky…. Rocky…

Ele veio já me lambendo com aquele linguão, eu estava muito sensível, aháaaaaa….. gozei mais uma vez, puxei a neguinha para os meus peitos doloridos, ela chupou, eu não parava de gozar, puxei o Rocky para cima de mim, fiz ele enfiar na minha buceta, estava sem meias nas patas, me arranhou toda, mas eu gostei de sentir aquela dor dos arranhões, enfiou tudo, senti a bola inchar, era uma foda muito gostosa sentia o seu carralhão todo dentro de mim, era muito bom, mas rápido demais, assim que gozou, senti a bola escorregar fácil para fora de mim, ele começou a fazer a limpeza, fui para o chão fiquei de quatro, ele lambia meu cuzinho cagado, minha bucetinha toda melecada, aháaaaa….., gozei mais uma vez e desmaiei.

Quando acordei no quarto, eu já estava toda limpinha, cheirosinha, com uma camisolinha fininha, sem calcinha, com a Rosa colocando gelo, fui pra cima dela, querendo mais, me fez beber um chá, apaguei de novo, descansei por uns dois dias seguidos.

Rosa me falou que me deu calmantes moderados para eu sossegar e baixar meu fogo, essa foi a primeira vez que surtei, foi nesse momento que começou a minha compulsão sexual, que foi curada muitos anos depois com meus filhos e a Lê minha neguinha que amo, vejam ” Criei um monstro insaciável…” .

O que era muito bom, virou um tormento para mim, mas também para os outros…, que outros? qualquer outro que eu quizesse.

Continua…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 1 votos)

Por # # #

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Estuprarnenem

    Gruupo de abuso de nenenzinhos quem quiser entra me chama no telegram e escreva “eu quero entrar no grupo” aqui esta o contato: @Estuprarnenem

  • Responder Angello

    Todos os dias venho Aki pra ver si tem novidades . E olha cheguei com 4 minutos do poste nossa tô adorando isso me faz tão bem após um longo dia de trabalho vários estreses do dia a dia nada melhor que uma excitação lendo suas histórias como e bom isso ajuda bastante adoro você acho que já estou apaixonado ou viciado não sei a forma correta de dizer o que estou sentindo mas sei que estou amando cada dia mais isso e uma aventura todas as vezes que eu leio me surpreendo mais abraço e um beijo na xota bem gostoso