#

Subindo a serra de vela pra o casal

1150 palavras | 2 |4.48
Por

Combinei com alguns colegas do curso de educação física pra fazermos uma trilha na serra que tinha na minha cidade natal. Era um interior pequeno, mas essa serra era realmente bonita, um local que muitos iam pra acampar, por isso propus de subirmos na intenção de ficarmos acampados pelo menos por duas noites. Em meio aos preparativos surgiu um problema, a disponibilidade de todos para o final de semana determinado. Tínhamos em mente ir numa sexta bem cedo, mas meu namorado mesmo só teria folga no sábado e o outro casal de amigos também, então decidimos ir eu, minha colega de turma e o namorado dela primeiro, assim deixaríamos o acampamento pronto pra quando os demais chegassem. Na sexta pela manhã partimos de carro, duas horas de viagem, até que foi confortável e bem divertido conhecer mais sobre minhas companhias, mas ficar no banco de trás sozinha é sempre chato, me senti uma criança. Quando chegamos a cidade, minha colega foi deixar o carro em estacionamento privado pra não ter risco de ser roubado, enquanto isso eu e o namorado dela já partimos em direção a trilha. Durante uma conversa conversa ele mencionou sobre eu não precisar segurar vela e saber que era desconfortável ficar sozinha com outro casal, contando que a namorada dele era bem tranquila quanto a isso. Devia ter percebido alí que o safado já tinha intenção de querer ficar comigo e a namorado enquanto estivéssemos só nós três no lugar, mas na hora nem pensei nisso de tão animada que estava pra seguir. Assim que ela voltou, nós começamos a subida que era complicada, mas bem fácil de se chegar no ponto onde queríamos. Montamos acampamento por volta do meio dia e começamos a preparar tudo pra passar a noite, como só tinha uma barraca por enquanto, dormiria todos juntos. Já no final da tarde a temperatura começou a cair rápido, normal nesse tipo de serra, então decidimos nos banhar no riacho pra pelo menos tirar o suor depois de trabalharmos no acampamento. Minha colega disse que iria por o biquíni e eu sinceramente não dou importância pra ser vista nua pelos outros, ainda mais em um local daqueles. Apenas tirei as roupas que estava usando na hora da trilha e mergulhei no riacho. Quando ela viu, se sentiu confiante pra fazer também e entrou pelada na água comigo, onde nadamos até uma parte mais rasa com a água na altura das coxas. Não é por nada, mas naquele dia eu realmente estava um nojo, de marquinha de bronzeado e bucetinha raspada o namorado dela não tirou os olhos de mim. Provoquei mesmo e aposto que ele só não avançou em mim naquela hora por causa dela. Depois que aproveitamos o banho, vesti uma roupa mais grossa pra aguentar o frio e ficamos bebendo, conversando e brincando perto da fogueira. Acabamos com uma caixa inteira de cerveja, então ficou todo mundo bêbado. Notei o clima entre eles esquentando e não demorou muito pra os dois entrarem na barraca, claro que não fui junto, mas fiquei sentada perto pra ouvir. Primeiro ficou meio silêncio, acho que ele tinha posto ela pra mamar, mas não levou muito tempo pra ouvir os gemidos dela e o famoso bater virilha. Pelo intensidade da colisão dos corpos ou ela tava quicando ou ele tava metendo de quatro, mas isso me deixou com um tesão danado. Mesmo assim só pude me aliviar com minha siririca, mas quando é de vela ainda dá pra aceitar, só que a foda foi interrompida quando a namorada dele repetiu duas vezes que no cu não. Na terceira só foi uma rejeição mais ríspida, acho que isso quebrou o clima entre os dois, por isso vi ele saindo da barraca puto só de cueca, nem me viu alí do lado. Esperei um momento e entrei pra ver como minha colega estava, mas já tinha apagado de bêbada coberta no edredom. Isso me deu uma ideia que só foi alimentada pelo tesão, então tirei minha calça e fiquei só com o agasalho cobrindo o corpo, sem calcinha por baixo e deixando parte da minha bundinha de fora quando deitada. Fiquei assim e esperei, esperei e esperei até que apaguei. Só acordei no meio da noite sentindo movimentos bruscos atrás de mim, o rato mordeu a isca que lancei. Notei que ainda estava deitada de lado e ele tinha se deitado atrás de mim, segurando uma perna minha no ar pra ter mais espaço e poder meter mais o pau no meu cuzinho que ainda guardava marcas da experiência mais dolorosa que tive com meu instrutor da academia. Acho que o safado entrou e viu que meu cu não tinha uma ponta bem trancada, se não nem se arriscaria tanto pra socar com a força que metia. Tive que morder firme os lábios pra não gemer já que a outra mão dele tava apertando forte meu peito por baixo da roupa. Comecei a supor que ele devia estar tão bêbado que nem se importava se eu acordaria, ou a namorada dele, tudo que queria era um cu pra comer. Comecei a piscar meu cuzinho no pau dele e consegui arrancar um suspiro de prazer do safado, ou melhor, “que cu gostoso da porra”. Imagino o quão bom pra ele estava sendo agasalhar o pau no interior quentinho da minha bunda. Quando ele foi gozar, tirou o pau de dentro e soltou em outro canto, não pude ver onde, mas não foi em mim… Talvez não quisesse deixar marcas do crime. Só escutava a respiração ofegante dele por uns longos minutos até se tornarem roncos, então me virei pra ver ele dormindo e a namorada também. Sai da barraca pra ir fazer xixi e aproveitei pra tocar uma até gozar, sentindo meu cuzinho molhadinho e bem comido. Quando voltei, vesti minha calça pra não virem nada quando acordassem, então dormi também. De dia tava todo mundo de ressaca, minha amiga não se lembrava de nada e ele aparentemente iria guardar segredo do que fez. Quando meu namorado chegou, tive de ficar mais comportada, então as coisas não se desenrolaram mais, só que depois o safado me procurou na faculdade pra falar que aquela noite tinha sidi divertida, mas se eu lembrava de alguma coisa depois que bebemos. Simplesmente respondi que não e que seria bom repetir pra não passar batido, me referindo ao acampamento, mas aposto que ele pensou em me foder de novo.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,48 de 21 votos)

Por #

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Guilherme S.

    Hmm, vc usou a mesma técnica pra seduzir o namorado da sua amiga q queria te engravidar, esperta vc. Eu cairia fácil nesse tipo de armadilha, só q eu gozaria bem no seu fundinho, pra deixar sua bunda gostosa bem quentinha pra suportar o frio da noite.

  • Responder Flávio

    Safadinha !!! Deixa eu te comer também ?