Marido Dona de Casa 2

Autor

As seis da manhã liguei várias vezes para o celular dela, deixei mensagem no zap e nada. Como era sábado e ela não trabalha nesse dia fiquei com medo do seu Pedro sozinho com a minha Fernanda. Uma vez eu aguento, fui eu quem pedi isso, mas deixar o seu Pedro comer minha esposa duas vezes, não isso não. As sete e meia fui à casa dele, eu já sabia o macete para abrir o portão. Olhei pela janela do quarto, eles não estavam lá, seu Pedro saiu em direção a garagem, fui até ele.
-Jonas meu amigo, fiz tudo que você pediu… O celular dela tocou logo sedo e acordou a gente…
-Fui eu que liguei, mas…
Seu Pedro estava animado como eu nunca vi, falando sem parar e eu cheio de vergonha aceitando, não consegui dizer nada com nada.
-Ótima ideia sua, acordar a gente sedo, mas acho que ela acordou arrependida foi para o banheiro tomou banho e saiu de lá vestida, eu estava na cozinha, tentou abrir a porta, mas estava trancada. Passei a mão na bunda dela ela não gostou, me deu um tapa, segurei seus braços e beijei aquela boca maravilhosa, joguei-a debruçada na mesa com o bundão todo pra mim e ai desisti ela lutava muito e dizia não, sem para, foi quando você ligou de novo, deixei ela atender e destranquei a porta, você desligou sem responder, ela debruçou na mesa arriou a calça e a calcinha e me chamou, vem negão caralhudo come minha buceta, de novo, vem logo que o meu corninho está me esperando em casa, passei azeite na pica e fodi com vontade dei dois tapas no bundão branco que ficou a marca da minha mão, enfiei o polegar no cu preparando para próxima.
-Onde está ela?
-Na cozinha limpando a buceta com papel toalha… Enchi ela de porra mais uma vez.
Entrei e Fernanda estava acabando de abotoar a calça, para minha surpresa ela me abraçou, beijou minha boca, enquanto nos beijávamos seu Pedro fez um sinal para mim dizendo que ela havia chupado o pau dele, eu já tinha percebido pelo sabor diferente em sua saliva
Depois desta primeira transa com seu Pedro, nosso vizinho negão eu descobri que ele se apaixonou por minha esposa e ela fugindo dele, mas ficava a cada dia mais atraída por ele mesmo fazendo força para disfarçar seu encantamento. Como um protetor o seu Pedro esteve próximo dela o tempo todo, chegavam juntos ou ele a esperava no portão de sua casa, mas segundo ele, ela não queria mais, por mais que ele tenha tentado.
Para mim tudo estava maravilhoso Fernanda chega sempre excitada quando vê o seu Pedro mesmo que de longe. O nome do seu Pedro sempre aparecia nas nossas transas com muitos palavrões excitantes. Em um destes dias Fernanda deitou-se de bruços e falou.
– Come meu cu corninho!
Deitei em cima dela e tentei três vezes, sempre escapava, o cuzinho da minha esposa é muito fechadinho. Na última tentativa entrou na buceta e em cinco minutos meti o mais fundo que pude e esporrei no fundo, beijei seu rosto e agradeci.
– Eu também te amo corninho, mas eu ainda não gozei, lambe minha buceta, agora!
Chupei a buceta deliciosa da minha esposa com porra e tudo e Fernanda gozou em minha boca. Essa foi a última vez que me ofereceu o cuzinho.
Minha ficha caiu que eu estava sendo enganado quando Fernanda descobriu toda a minha armação com seu Pedro e furiosa teve uma briga feia comigo e o seu Pedro na nossa casa. Seu Pedro revelou a sua paixão por ela, acho que ela não esperava por isso e saíram juntos para conversar, a sois sem mim. Sem saber o que fazer liguei quatro vezes para ela atender.
-O que foi corno?
Sem saber o que dizes gaguejei…
-O que você está fazendo?
-Acabei de levar uma esporrada dentro da buceta, corno, veado, filha da puta.
Liguei novamente e ela me respondeu, me espera acordado, e desligou.
Fui correndo para janela do quarto do seu Pedro e lá estavam eles. Seu Pedro por cima dela, eles conversavam e se beijavam na boca enquanto o seu Pedro tirava resto de roupa dela.
-Vai de vagar Pedro… Minha xana inda está inchada de ontem.
-Fica tranquila eu comi essa buceta quatro vezes essa semana, hoje eu quero cu.
-Não, não dá meu cuzinho é muito pequeno o Jonas tentou…
-Cala a boca e me chupa piranha!
Ele ficou de pé na cama e segurando a cabeça da minha esposa enfiou o pau em sua garganta e retirou rapidamente, Fernanda engasgou e levou um tapa na cara. Seu Pedro esperou um pouco e tornou a repetir a dose fodendo a garganta da minha esposa.
Do lado de fora com a intenção de participar ou tira-la das mãos do negão porque os tapas me pareceram muito violentos, mas as portas estavam trancadas, voltei para janela e
Fernanda de bruços foi puxada pelas pernas ficando com as pernas para baixo, seu Pedro colocou uma camisinha e despejou óleo no rego dela deixando sua bunda branca brilhando, posicionou o piru no cuzinho rosa e afundou a cabeça do pau. Fernanda Deu um grito e tentou escapar, mas foi puxada pelos pés de volta para posição e segura pelo cabelo levou vários tapas na bunda antes do negão deitar sobre ela e arrombar o cuzinho da minha esposa que era para eu comer e não ele, pensei. Do lado de fora gozei duas vezes. La dentro Fernanda rebolava e gozou tomando no cu e masturbando-se.
-Negão, fica aí, para um pouco, mas não tira…
-Eu não vou em lugar nenhum, minha puta.
Eu estava sobrando. Já fui casado outra vez que perdi pelo ciúme e tenho uma filha pequena que passa os fins de semanas com a gente, Fernanda a chama de minha bebê, desta vez fui liberam, mas mesmo assim fui traído. De casa liguei para minha esposa algumas vezes, desliguei o celular. Com certeza o meu casamento já era, arrumei duas malas coloquei minha filha no caro e liguei novamente para ela, o dia estava clareando tentei duas vezes, ela atendeu, mas não disse nada eu ouvi o som de gemidos dela combinado com metidas então eu falei.
-Não quero te atrapalhar mais sei que o nosso casamento já era e por culpa minha vou deixar a nossa bebê com a mãe e vou para o Rio, te amo muito a Deus.
Vi que a luz da cobertura da casa do seu Pedro estava acesa como é uma cobertura fechada com privacidade ele consegui ver dentro do meu quintal sem que eu o veja. Abri o portão quando liguei o carro a Fernanda apareceu cansada vestida com uma camisa do seu amante com apenas um botão abotoado e sem nada por baixo. Nela a camisa mais parecia um vestido aberto na frente. Sai do carro e enquanto ela falava o meu interesse era ver as marcas deixada pelo seu amante em seu corpo. Com os seios vermelhos e escondendo a sua nudez disse:
-Você teve o meu corpo só para você esses anos que estamos juntos, o que você quis fazer eu aceitei como uma esposa submissa que fui, principalmente minha bunda que você nunca comeu….
Levantou a camisa mostrando boa parte da bunda branca redonda empinada deliciosa, mas que estava vermelha cheia de marcas de tapas. No mesmo instante cai de joelhos e tentei beijar sua bunda, me empurrando disse para não tocar nela sem que ela permita e é para eu vestir um avental e arruma casa toda como uma boa dana de casa. Pegou nossa bebê que já está crescidinha em seu colo seus pés quase tocam o chão e falou olhando para ela que dormia.
– A mamãe não pode te beijar…. A mamãe chupou o piru do negão, do amante da mamãe, depois que o papai der um banho na mamãe a mamãe te beija está bem?
Colocou a nossa bebê para dormir e me deu um tapa forte no rosto.
– Que história essa de ir em bora, você é meu marido e será para sempre, te amo com todas as forças do meu peito….
Falando isso me abraçou e com um beijo de língua deixando muita saliva vir para minha boca completou.
-O seu Pedro me explicou, agora eu sei, desde que nos casamos você queria me ver feliz, realizada sexualmente. Quero que você intenda que não preciso ser uma piranha para um monte de homens para ser feliz….
Eu pensei que a minha doce esposa branquinha ia ser só minha de novo, mas ela completou.
– Eu sou puta, puta de um macho só, estou apaixonada pela pica preta dele foi ele quem tirou a virgindade da minha bunda. Quando você ligou eu estava de quatro com o caralho preto grosso do homem que você escolheu para mim, em minha boca….
Segurou meu queixo abrindo minha boca e cuspindo dentro dela.
-Esse gosto é esperma, porra do meu amante negão, engole! Vou voltar para cama do meu dono, quero dormir com um piru preto dentro da minha buceta. Estou muito cansada, desde ontem que não para de foder…. Quando o almoço estive pronto vai lá me chamar, nós três vamos almoçar juntos, quero apresentar o meu amante para a meu corninho, minha dona de casa. Não precisa ligar, vou pedir para o salvador (Fernanda o chama assim por ele ter ido resgata-la com um problema no carro como contei no outro conto) deixar o portão daquele jeito que você está acostumado a ir lá me ver levar pica preta na buceta, só que agora as coisas vão ser diferentes tá.
Minha esposa voltou para a cama do seu amante e para esfria a cabeça me masturbei antes de começar a caprichar no almoço.
Terminei o almoço as duas e meia da tarde entreguei minha bebê para mãe e fui rapidinho chamá-los para almoçar, os muros da casa do seu Pedro são altos assim ninguém consegui me ver espiando pela janela. Nas outra veze que o seu Pedro comeu a Fernanda em sua cama ele deixou a cortina aberta, mas desta vez estava fechada, mesmo assim ficou uma fresta por onde eu pude ver minha esposa deitada de bruços com o negão ao seu lado abraçado nela. Não resisti tirei meu pau para fora da bermuda e me masturbei, gozei olhando cada detalhe, a mão negra dele nas costas rosadas de minha esposa a sua perna direita em cima da bundinha dela reparei que da sua bucetinha vazava um filete de porra. Guardei meu pau e chamei eles, Fernanda apareceu enrolada em um lençol.
– Enquanto eu tomo banho com meu amante e dou a primeira mamada do dia toma leva essas roupas para lavar e me traz uma saia jeans e uma blusinha de puta e a calcinha a menor que você encontra! Vai, corno!
Me entregou as suas roupas e quando eu retornei com as roupas a porta da sala estava aberta e ela nua sentada no colo do seu Pedro quando eles me viram se abraçaram mais juntinho e o seu Pedro cobriu o corpo de minha esposa com as mãos. Entreguei as roupas para ela e o seu amante falou.
-Vira de costa corno! Minha mulher vai se vestir aqui mesmo.
Fiquei sem graça baixei minha cabeça e atravessei a rua, eles vieram logo a traz abraçados.
Almoçamos os três juntos os dois como um casal de namorados beijinhos comida na boquinha um do outro e eu ali segurando vela aí ela falou.
– Eu disse para você que teríamos uma conversa séria, nós três, mas vejo que você aceitou bem a sua condição de corno manso, você não precisa mais ficar me espiando escondido, nós gravamos um vídeo pequeno que mostra exatamente o que você quer ver “eu gozando na pica preta do Pedro”.
Pegou o notebook e descarregou o vídeo. A imagem da minha esposa fodendo bem ali na TV da sala me deixou de pau duro.
-Vai meu gatinho se masturba! Nós já gozamos falta você. Vou dá uma ajudinha para meu corninho….
Comigo sentado no sofá da sala Fernanda arriou minha calça, despejou hidratante no meu pau e segurando por cima da minha mão me masturbou enquanto seu Pedro narrava a sena dele metendo o seu piru preto grosso na buceta de minha esposa branca, que contraste!
Na TV ele metia sem para com minha esposa de quatro levando pica na buceta, a cena foi gravada por ele por traz bem de perto, seu amante parou de meter e ela continuou jogando a bunda para traz gemendo e gritando muito ele retirou o piru rápido e ela jorrou na cama, narrando a cena ele comentou.
– Olha o tamanho do bucetão! Está inchado!
Sentando no colo dele com os pés no meu pau respondeu.
-Também amor, isso foi agora de manhã eu levei sua pica preta nela a noite toda.
Minha esposa beijava a boca do negão bem na minha frente a cena dela fodendo loucamente na TV e os seus pés brincando com meu pau foi de mais, parei de me masturbar eu não queria gozar na frente do amante de minha esposa isso é humilhante de mais para um marido, mas não consegui segurar, esporrei em seus pés. Levei um tapa na cara e brava levantou dizendo:
– Que nojo esperma de um pintinho branco azedo e corno ainda por cima.
Torcendo a minha orelha me obrigou a ajoelhar e pedir desculpas para o seu amante, ela falava e eu repetia.
– Desculpas, não sei fazer nada direito, por favor, me desculpe.
Fernanda me deu uma ordem, com ela de pé em minha frente falou:
– Beija meus pés!
Ajoelhei no chão e beijei os dois pés um beijo em cada um. Estavam melados com a minha porra tive nojo. Empurrando com o pé ordenou que eu fosse lavar a louça do almoço, fui.
Quando terminei de arrumar a cozinha Fernanda dormia na sala mesmo, e o seu amante avia saído. Levei ela para cama, deite-a de bruços e com beijinhos tirei suas roupas, massageie seu corpo marcado pela intensa noite de sexo, demorei mais tempo em sua bunda vermelha, não resisti e dei um tapa de leve.
– Um… que gostosinho, come meu cu pode come usa comezinha amor, mas antes de você gozar pega o meu celular e tira uma foto eu quero ver como o seu pintinho fica dentro do meu cuzão arrombado.
Assim eu fiz, abri com a mão esquerda e tirei a foto, ficou de quatro e eu fiz o mesmo com a buceta. Realmente um bucetão aberto e arrombado, seguindo as suas ordens conectei o note na TV do quarto e colocou em tela cheia.
-Estou do jeito que você gosta de ver nos filmes de esposas brancas putas de homens negros.
Colocou na tela também a foto do piru preto do seu amante dentro da buceta e do piru dele dentro do cu dela, comparou as fotos.
Deitando com os seios bicudos apontados para cima fechou os olhos e falou:
-Continua massageando meu corpo e pode se masturbar, mas não deixa essa porra encosta em mim. Me dá nojo ficar suja com porra de corno branco azedo.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,94 de 18 votos)
Loading...