Fazendo uma Boa Ação e iniciando uma relação

Autor

Minhas lembranças (XXI), (vou me alongar um pouco no inicio para que vocês entendam melhor esse meu relato) Eu estudo de manha, e as vezes faço algum serviços no escritório do meu pai no período da tarde, e quando faço esses trabalhos volto pra casa de carona com minha mãe, sempre fazemos o mesmo itinerário, no inicio de março de 2017 estávamos voltando pra casa quando num semáforo, tinha duas crianças de 8 a 10 anos vendendo balas, a garotinha mais nova e o garotinho mais velho, eram R$ 5,00 por um pacotinho de balas, dei os R$ 5,00 e não quis as balas, eles agradeceram e continuamos nosso trajeto, fazíamos esse caminho todos os dias da semana e era a primeira vez que eles estavam aí vendendo balas, no dia seguinte a mesma coisa, no mesmo horário passamos por aí e os garotinhos estavam vendendo balas, eles estavam meio sujinhos, parecia que nem banho direito estavam tomando, fiz a mesma coisa dei os R$5,00 e fomos embora, mais minha mãe parou o carro mais a frente um pouco, onde deu pra ela estacionar e fomos falar com os garotinhos pra saber o que estava acontecendo com eles, o porque que estavam num semáforo vendendo balas.
Quando fomos falar com eles, senti que eles estavam um pouco arredios, com medo talvez de conversar com pessoas estranhas, mais fui com jeitinho perguntando se eles estavam frequentando escola, e onde estavam seus pais, com jeitinho eles foram falando que seu pai havia falecido num acidente de caminhão, (ele era motorista de caminhão) e que sua mãe tinha perdido o emprego e que estava um pouco doente, muito desanimada, e que eles não estavam frequentado o colégio porque precisavam ganhar um dinheirinho pois só o dinheiro que recebiam da pensão do pai não dava pra pagar aluguel e comer e com esse dinheiro que ganhavam no semáforo eles compravam alimentos, o garotinho se chama Fábio e a garotinha Mariana e sua Mãe Fernanda.
Minha mãe pediu pra eles nos levar até sua casa, que minha mãe queria falar com a mãe deles para tentar ajudar nesse momento difícil, que poderiam confiar na gente, perguntamos se eles moravam em um bairro distante ou se era perto; ele respondeu que era perto, uns 6 quarteirões de distancia, que dava pra ir a pé, aí combinamos que eu ia a pé com eles e que minha mãe ia de carro, fui andando com eles e conversando, eles me disseram que já haviam perdido uma semana de aula, eu disse que daríamos um jeito deles voltarem as aulas para não perderem o ano.
Chegamos à frente onde eles moravam, na casa da frente moravam um casal de idosos, era uma casa simples mais bem conservada, e eles moravam numa edícula nos fundos; de quarto, sala, cozinha, banheiro e uma área de serviço, os velhinhos tinham alugado a edícula para complementar suas aposentadorias.
Pedi pra eles chamarem sua mãe, que não queríamos assusta-la, eles a chamaram e a Fernanda saiu meio sem saber o porque da nossa visita, estava com medo que fosse da assistência social que estivesse aí porque seus filhos não estava frequentado a escola, e com medo de perder a guarda das crianças, aí explicamos que não era nada disso, que estávamos aí pra ajudá-la a passar essa crise que ela estava passando, ela nos convidou para entrar e ver a sua casa; entramos até que era um lugar bom, mais estava sujo, roupas sujas pra todo lado, pia suja, quase nada pra comer na geladeira, estavam passando por uma situação difícil, e ela aparentemente estava com uma depressão, pois tinha perdido a vontade de resolver os problemas, conversamos com ela que ela não estaria mais sozinha e que com a ajuda dela também iríamos ajuda-la a reorganizar a sua vida, a primeira coisa que fizemos foi irmos ao supermercado e fazer uma compra com o básico, uma cesta básica reforçada, e pedimos para as crianças voltarem para escola, eles estudam de manhã num colégio próximo, que se eles estivessem atrasados nas matérias escolares, que pedissem o que tinham perdido que eu ajudaria com aulas de reforço para que acompanhassem seus colegas de classe, e combinamos que quando eu saísse do meu colégio eu passaria no colégio deles e iríamos pra minha casa para almoçarmos e também pra eu dar as aulas de reforço, e com a Fernanda minha mãe ia marcar uma consulta com médico do convenio dos funcionários da empresa, pra ele dar uma olhada nela, e ver o que estava acontecendo com ela de estar tão desanimada , nem cuidando da casa e das crianças ela estava.
No dia seguinte sai do colégio e passei no colégio dos meninos, eles estavam me esperando, dava dó, estavam sujinhos, encardidos mesmo, levei-os pra casa, almoçamos e depois fomos estudar, minha mãe me ligou e perguntou se estava tudo bem, eu disse a situação, as crianças estavam encardidas, e com a roupa suja também, que com eles era fácil, eu ia dar um bom banho neles, mais as roupas eu não tinha como resolver, ela me disse que ia passar na casa deles pegar toda a roupa suja que tinha lá e ia passar na lavanderia que lava os uniformes dos funcionários, ia lavar e secar e que no fim da tarde ela trazia roupas limpas pras crianças vestirem depois do banho e irem para a escola, e que já tinha marcado consulta para o dia seguinte para a Fernanda.
Terminei de dar uma aula de reforço, e com jeitinho falei que eu ia dar um bom banho neles, no inicio ficaram com vergonha, mais eu disse que se eles quisessem eu também ficaria nua, assim não precisariam ter vergonha de mim, pois estaríamos todos pelados, aí eles toparam, ficamos nus; vocês não imaginam como eles estavam encardidos, dava dó, tanto a garotinha como o garotinho, era uma sujeira só, entramos em baixo do chuveiro pra molhar e amolecer toda aquela sujeira, pequei um sabonete liquido e comecei primeiro com a garotinha, ensaboei ela todinha e deixei ela de molho um pouco, aí ensaboei o garotinho todinho também e deixei ele de molho também. Aí peguei uma bucha orgânica e comecei pela Mariana, agachei e comecei tirando o encardido dos pés, e fui subindo lavando suas pernas, suas cochas, e para não assusta-la fui esfregar suas costas, seu pescoço que também estava muito encardido, suas orelhas, aí com as mãos fui lavar sua bundinha, pedi licença pra ela mais que eu precisava lavar ela bem, passei minha mão no reguinho, caprichei bem em volta do seu cuzinho, depois lavei sua ppk bem lavadinha, passei os dedos por dentro dos lábios da ppk, senti na ponta dos meus dedos seu grelinho duro, fui passando meus dedos de leve para não machuca-la, coloquei meu dedo na entradinha forcei um pouco na entrada e cheguei com meu dedo no seu cabaçinho, lavei bem sua ppk, perguntei se ela estava gostando do banho ela me respondeu que sim, aí eu já tinha colocado shampoo nos seus cabelos, esfreguei bem os seu cabelos, coloquei ela em baixo do chuveiro, saiu uma agua de cor marrom, depois coloquei um creme amaciante na sua cabeça e enxaguei-a, ficou parecendo outra criança, ficou limpinha, aí comecei o banho no Fábio, fiz como fiz na Mariana, comecei pelos pés, e fui até sua cabeça, depois comecei a lavar sua bundinha, aí depois fui lavar seu pintinho que estava durinho, o danadinho estava gostando do banho, pedi licença pra ele, peguei no seu pintinho, arregacei a pele do prepúcio para lavar bem a cabecinha, lavar aquele cebinho (esmegma) que fica sob a pele do pinto, arregacei bem passei sabonete e fiquei lavando o pintinho duro, olhei pra ele estava até com os olhinhos fechado só curtinho eu pegar no seu pintinho, depois que estava limpinho, eu fiz uns movimentos pra frente e pra traz no seu pintinho, uma punhetinha de leve, e olhem que pra um garoto de 10 anos era bem grande e muito duro, parecia que era de ferro, perguntei se ele estava gostando do banho ele acenou com a cabeça afirmativo, nem preciso dizer que fiquei com agua na boca de vontade de chupar aquele pintinho virgem, mais não quis avançar o sinal, consegui me controlar, terminei o banho deles comecei o meu um banho rápido pois eu estava toda molhada do banho que eu tinha dado neles, perguntei se eles queria dar banho em mim, disseram que sim, mais foram passar suas mãozinhas na minha xana e no meu bumbum, saímos do banheiro nos enxugamos e fomos pro meu quarto, lá eu os enxuguei melhor, olhei que apesar de toda a sujeira que eles estavam, eles não estavam assados, estava tudo normal e agora estavam limpinhos, nisso minha mãe chegou com as roupas, coloquei roupas limpas neles, me vesti também, jantamos e depois fomos leva-los pra casa deles, chegamos e a Fernanda estava nos esperando, ela já tinha feito uma boa limpeza na casa, agora eles tinha o que comer, e as roupas também estavam todas limpas, e no dia seguinte ficou certo que as crianças iriam para a escola, depois pra minha casa, e ela iria ao médico com minha mãe.
Mais isso eu conto depois, está ficando muito longo.
e a vida continua………
Beijos queridos comentem que eu respondo a todos na medida do possível.
Flávia.
E-mail: flaviacmantovanni@gmail.com