Na casa de Jussara (1ª parte)

Autor

Olá amigos! Já tem um tempo que isso aconteceu, mas vale a pena contar. Em certa oportunidade, recebi um convite para participar de um mutirão para dar uma ajeitada na casa de uma pessoa que estava com problemas e não tinha recursos. Apesar de ser em uma cidadezinha a uns 70 km de onde moro resolvi ajudar e não neguei minha presença. Iríamos ficar por lá por três dias. Era feriado prolongado e dormiríamos por lá. Como sempre nessas ocasiões, nem todos que prometem ajudar aparecem. Das 10 pessoas que tinham confirmado presença só fomos em quatro. Só conheci Jussara, a dona da casa, quando chegamos lá. Jussara devia ter uns trinta anos, morena clara, 1,65, cabelos crespos e curtos, olhos grandes, sorriso muito bonito. Apesar de um aspecto sofrido Jussara era uma mulher muito bonita. Corpo bem feito, seios grandes e o bumbum era avantajado. Ela tinha duas filhas. Jaqueline de oito anos e Jocelma que tinha quinze anos. As duas meninas muito parecidas com a mãe. Jocelma já com o copinho formado tinha peitinhos salientes e pernas grossas, além de um bumbum quase do tamanho do da mãe apesar de ser mais magrinha. Jaqueline uma moreninha serelepe com seu corpinho magrinho e retinho. Sem peitinhos e uma bundinha pequena e saliente. Bom, o trabalho que tínhamos a fazer era o telhado da casa o piso interno. E não demoramos a começar. Por conta da mão de obra reduzida só conseguimos fazer o telhado nos dias que ficamos ali. Foi então que me ofereci para voltar durante a semana e terminar o trabalho apesar de ter que ir sozinho. Como sou autônomo não teria problemas em ficar ali a semana toda. E assim foi. A casa era muito humilde, sem reboque, sem portas por dentro e sem piso. E era o que eu faria. Um cimentado na casa toda que tinha apenas um contra piso grosso. Jussara estava desempregada e ficava o dia todo em casa. As meninas, de férias da escola também estavam sempre ali quando não iam até a casa dos avós em uma chácara próxima. Eu não sei se pela condição ou inocência as meninas estavam sempre descalças e com roupinhas surradas e geralmente bem menores que seus números. E isso acontecia com Jussara também. Fato que me deixava muitas vezes excitado, pois não era difícil flagrar as meninas e a mãe bem à vontade deixando a calcinha e os peitinhos a mostra. Eu tentava disfarçar, mas acho que elas perceberam, pois não saiam de onde eu estava. Sempre estavam em volta falando, correndo, brincando e as vezes só olhando eu trabalhar. Mas em uma dessas oportunidades, Jocelma brincava com a irmã mais nova no sofá, bem a minha frente. Ela vestia uma blusinha de malha e uma saia na altura dos joelhos. Sua irmã também estava de saia só que um pouco mais curta e uma blusa de alcinha larga que praticamente não cobria nada. Vez ou outra eu parava oque estava fazendo e ficava olhando as duas pulando, rindo e se enrolando no sofá velho e surrado. Vez ou outra Jaqueline, a mais nova erguia as pernas e deixava a calcinha toda a mostra. Tão apertadinha que era, podia ver a rachinha por baixo do tecido meio transparente. Mas minha surpresa foi quando em um relance, Jocelma a mais velha, se empolgou com a brincadeira e abrindo as pernas e deixou tudo a mostra. A danadinha estava com uma calcinha minúscula e clarinha enterrada na xaninha. Foi possível ver lábios divididos pela calcinha. Ela tinha uma xaninha bem estufadinha e fiquei paralisado olhando. Meu pau ficou duro na hora e nem percebi que a mãe tinha entrado. Quando a vi tentei disfarçar, acho que ela percebeu, pois deu uma bronca nas meninas e mandou que fossem brincar fora da casa. Após as meninas saírem Jussara me olhou deu um sorriso e também saiu. “Fiz merda!”. Pensei comigo. Mas aparentemente ficou tudo bem. Ao final do dia Jussara preparou ao janta, bem simples mas muito saborosa, e comemos todos à mesa. Falávamos pouco e assuntos sem importância enquanto as meninas comiam em meio a risos e brincadeiras exigindo uma bronca da mãe de vez em quando. Após a janta já nos preparamos para dormir. A casa era pequena. Uma cozinha espaçosa e indo pelo corredor um quarto maior a direita e outro menor a esquerda e no fundo o banheiro. Como já disse nenhum dos cômodos tinha porta e havia apenas uma cortina na porta do banheiro. A mãe e as meninas dormiam no quarto maior enquanto eu ficava no menor em um colchão que eu mesmo trouxe na bagagem. A primeira noite foi tranquila. Só fui acordado durante a noite com a claridade vinda do banheiro. Alguém estava usando. Continuei deitado e olhando para a porta do quarto que era praticamente de frente ao quarto onde a meninas estavam. A luz se apagou e a casa ficou iluminada apenas pela luz de uma noite bem clara. Vi quando uma silhueta passou pela porta e parou por um instante olhando para dentro do quarto onde eu estava. Era Jussara. Parecia estar de camisola, mas não dava pra ver direito. Então ela entrou no seu quarto e tudo ficou em silêncio. Fiquei imaginando um monte de besteira e, de pau duro, não consegui dormir de novo. Até que depois de um tempo, achando que ela já estava dormindo, levantei e fui ao banheiro urinar. Nem acendi a luz. Como disse a noite era clara e eu não queria acordar ninguém. Terminei, lavei minhas mãos e me dirigi ao meu quarto. Quando entrei no quarto levei um susto. Jussara estava de pé ao lado do meu colchão. Perguntei se estava tudo bem e se ela estava precisando de algo, ao que ela respondeu que tudo estava bem e que eu podia ajuda-la sim… Sem cerimônia tirou a camisola que ela usava e ficou apenas de calcinha na minha frente. Apesar da penumbra pude ver os seus belos seios, grandes e ainda firmes. Meu cacete reagiu quase que instantaneamente, mas fiquei sem saber o que fazer. Eu estava apenas de shorts e rapidamente o volume ficou aparente. Jussara continuava parada e sem dizer nada. O que eu podia fazer, senão aproveitar o momento? Aproximei-me dela passei a mão pela sua cintura e puxei seu corpo de encontro ao meu. Jussara estremeceu e entrelaçou seus braços ao meu pescoço e ofereceu, de olhos fechados, sua boca para que eu beijasse. Beijei aquela boca pequena de lábios grossos… Um beijo longo e molhado… Nossas línguas disputavam espaço em um embate caloroso. Jussara soltava gemidos baixinhos como se nunca tivesse sido beijada… Eu a apertava contra meu corpo e sentia os bicos dos seus seios quase furando meu peito… Com uma das mãos eu a segurava pela cintura e com a outra passeava por aquele bumbum maravilhoso que ela tinha… Ela tirou as mãos do meu pescoço e deslizou até entrar por dentro do calção e agarrar meu cacete que já estava duro e latejando de tesão por aquela morena deliciosa. Ela punhetou um pouco sem afastar sua boca da minha e em seguida afastou seus lábios e beijou meu pescoço e foi descendo pelo meu peito lambendo tudo que podia, meus mamilos minha barriga meu umbigo até ficar de joelhos na minha frente… Com as duas mãos puxou meu calção para baixo fazendo meu pau saltar para fora e quase bater no seu rosto. Sem demora segurou firme com uma das mãos e abocanhou minha rola a fazendo sumir na sua boca. Jussara chupava muito… Engolia ele todo depois passava a lamber a cabeça… Deixava meu pau todo melado de saliva e punhetava por um pouco olhando pra mim e sorrindo… Mas sem demora voltava a enfiá-lo todinho na boca… Não demorou muito pra que eu anunciasse que ia gozar… Diferente do que pensei, ela não se afastou… Travou a boca na cabeça e esperou pelo leitinho que não demorou… O primeiro jato atingiu sua garganta, depois outro e outro… Jussara engoliu tudo e ainda apertava minha rola com as mãos e sugava a cabeça pra não perder nenhuma gota… Fez isso até sentir meu pau amolecendo na sua boca… Então ela se deitou no colchão e me olhou com um sorriso no rosto… Curvei-me sobre ela, dei um selinho e fui descendo ate chegar a seu peitos deliciosos… Chupei cada um deles por algum tempo saboreando os mamilos duros e grandes… Hora só lambendo hora mordiscando arrancando gemidos baixos e contidos da minha anfitriã… Abandonei aqueles seios saborosos e puxei sua calcinha pra baixo… Sua xana apareceu linda e estufada… Com pelinhos bem ralinhos, os grandes lábios salientes e o clitóris grande e em riste… A boceta de Jussara era linda e estava ensopada de tesão… Foi como um imã que atraiu minha boca pra ela rapidamente… Saboreei cada gotinha do melzinho que escoria pela sua boceta… Metia a língua dentro dela, lambia todinha por fora e lambiscava o grelo arrancando gemidos abafados de Jussara… Ela por sua vez se contorcia no colchão segurando minha cabeça com as duas mãos e me puxava de encontro a sua xana quase que me fazendo entrar dentro dela… Até que travou minha cabeça com as pernas, mordeu o travesseiro sufocando o gozo que tomava conta de seu corpo… Senti as contrações de sua xana com minha língua e seu gozo escorrendo por ela… Jussara soltou minha cabeça e relaxou sobre o colchão… Eu estava de joelhos entre as suas pernas olhando pra ela quando ela abriu os olhos e novamente sorriu percebendo que eu já estava de pau duro novamente… Agilmente virou-se de bruços, apoiou a cabeça no travesseiro e ergueu a bunda… Que delicia… A xana ainda melada estava pronta pra ser penetrada… Jussara tinha um cuzinho lindo. Marronzinho e todo pregueado. Parecia que a muito não via rola… Encostei a cabeça do pau na entradinha daquela boceta gostosa… Jussara arrepiou-se toda… Forcei devagar, apesar de molhadinha estava apertadinha… Meu cacete foi abrindo espaço e desaparecendo dentro dela… Aquela xana quente e lubrificada acolheu toda a minha rola em pouco tempo… Jussara sufocava seus gemidos no travesseiro e rebolava querendo sentir todo meu cacete dentro dela… Movimentei-me tirando e empurrando tudo pra dentro devagar… Fui aumentando o ritmo e socando cada vez mais forte… Segurei Jussara pela cintura e soquei meu cacete na sua boceta em um vai e vem delicioso, arrancando gemidos e estalando ao bater meu corpo na sua bunda… Então em uma ultima estocada enterrei todo cacete naquela xaninha e gozei feito um cavalo ao mesmo tempo em que Jussara soltava um urro de prazer ao gozar junto comigo… Ela caiu de bruços e eu me deitei ao lado dela… Estávamos suados e saciados… Passei a mão pelas suas costas e sua bunda… Ela virou o rosto pra mim de nos beijamos demoradamente… Jussara levantou-se e foi ao banheiro… Ouvi quando ela ligou o chuveiro… Fiquei deitado ainda nu, satisfeito pela bela foda com aquela morena… Foi então que me lembrei das meninas, Jaqueline e Jocelma… Nossa será que elas não acordaram com todo o movimento e barulho que fizemos?? Mas isso é assunto para outro conto…
Contato: paulo_hz@yahoo.com.br