# # #

Em 15 minutos, comi uma safada que nunca esqueci

874 palavras | 0 |4.75

História verídica. Era a festa de aniversário de 18 anos da minha cunhada, num sítio, naquela época (anos 80) balões não eram proibidos e tinham, pelo menos, 05 balões para subir a noitinha, sendo o último o maior e com uma homenagem pra ela, Lúcia. Eu, casado com a irmã dela, Rosa, no auge dos meus 30 anos lá estava desde as 11h da manhã ajudando nos preparativos para o almoço churrasco, som, e outros eventos. No meio da tarde, toda a família já estava reunida, bebendo e uma mesa de jogos de cartas,o famoso buraco.
Eis que chega um casal, contratados para fazer a filmagem. Ela, uma nortista arretada de gostosa, loira, peituda, boca carnuda e cara de puta. Ele, um mulato de bigode e muito gente boa (depois que pegamos intimidade). Prepararam o equipamento e iniciaram o trabalho. Andavam por todo o sítio. Ele com a filmadora e ela com o pau de luz (isso mesmo, era do mais moderno…rsss).
Chegaram em nossa de mesa de baralho e começaram a filmar o jogadores e os curiosos palpiteiros do jogo. Eu, moreno, corpo atlético (jogava no time da cidade), pernas grossas e musculosas, estava ali, sentando de bermuda e camisa gola pólo. Ela segurando o pau de luz não tirava o olho das minhas pernas. Passaram vários minutos e estavam de volta para filmar. Eu, nessa ocasião estava de fora do jogo e ali em pé assistindo em meio aos outros palpiteiros (agora eu era um deles..rss) Desta vez ela é quem vinha segurando a filmadora e ele o pau de luz. Notei que ela me filmava com certa freqüência. Comecei a me insinuar.
Horas depois, eles pararam para um lanche e numa conversa amistosa à mesa, trocávamos olhares. Eu já tinha bebido umas e já começava a ficar alegre. Ela, percebendo isso, ficava cada vez mais insinuante.
Bem, chegou a noite 20h, e fomos até o campo do sítio iniciar a soltura dos balões e dos fogos.
Subiu o primeiro…o segundo…já estava perto das 22h…nessa hora eu já estava louco…ela também parecia já ter tomado uns goles e a gente se olhava mais ainda…agora com vontade de ficar perto. Aquela turma em volta do campo, assistindo os preparativos, eu me aproximei e fiquei no meio da galera, me posicionando atrás dela. Claro, começou o famoso “sarrinho”, hoje conhecido com “encoxada”. Meu pau duro encostava na bunda dela e ela mantinha uma postura empinada e rígida para sentir bem. Não deu jeito. Comentei com um amigo em voz alta, para ela ouvir, segura meu copo aqui que vou ao banheiro – a casa ficava bem acima do campo, e tinha que caminhar por uns 200m de jardins com pedras decorativas e degraus. Subi lentamente olhando pra ela e fiz um gesto de que a esperaria lá em cima. Fui, apenas algumas senhoras, minha mãe, algumas vizinhas conhecidas e a avó da minha esposa e sua irmã. Vi que estava tranqüilo, e dei a volta e entrei pel a área de serviço e fui ao banheiro de empregada. Ela, vinha subindo passou pela varanda, cumprimentou as senhoras e entrou pela porta principal da casa. Perfeito. Como eu queria, para que não houvesse suspeitas.
Rapidamente peguei o acesso ao interior da casa e a encontrei na cozinha, meio perdida e me procurando. Arrastei-a até o banheiro da empregada e rapidamente, pois não tínhamos muito tempo, começamos a nos agarrar e beijar com toda volúpia. Ela rapidamente ajoelhou, abriu o zíper da minha bermuda e começou a chupar de forma faminta e suculenta meu pau.
Levantei-a e a coloquei sentada em cima do mármore da pia…subi sua blusa e comecei a chupar seus peitões. Ela tirou a bermuda, eu empurrei a calcinha pro lado e comecei a foder aquela boceta com muita força e rapidez. Precisava gozar logo. Ela sentiu a pica socando dentro dela e as bolas batendo em sua vulva e suspirou forte, dizendo “aiii que delícia, vou gozar…tava doida pra dar pra vc”….e logo gozou me apertando com as pernas…já tinha se passado uns 10 min…e eu falei chupa meu pau, quero gozar na sua boca….ela ajoelhou e abriu a boca, arregalando os olhos pra mim….eu não me segurei…inundei sua garganta…ela foi até a pia e cuspiu e saiu rapidamente ao encontro do seu marido na festa, para filmar.
Eu dei a minha mijada. E desci. Cheguei lá embaixo ela estava filmando o 4º balão e minha esposa e minha sogra vieram ao meu encontro me oferecendo alguns salgadinhos…e a festa continuou…e o marido ela se mostrou um cara muito legal…no final eu disse que tinha gostado do serviço deles e pedi o cartão. Pronto arrumei o telefone e o nome dela. (eu nem sabia). Claro que liguei e fodi aquela paraíba puta com mais calma. Saímos umas 10 vezes. Depois ela pediu para parar com isso. E nunca mais a comi, mas nunca a esqueci.

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,75 de 4 votos)

# # #
Comente e avalie para incentivar o autor

Nenhum comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos