#

Um roludo comendo minha esposa

1388 palavras | 11 |4.46
Por

Me chamo Humberto mas todos me chamam de Beto, tenho 45 anos, sou motorista de Uber, minha esposa Tatiane é mais conhecida como Tati, tem 42, é dona de um salão de beleza na nossa cidade Niterói. Tati é do tipo gordinha deliciosa, sem barriga e cintura torneada, é cheinha nos lugares certos, tem um bundão delicioso e um par de pernas grossas, peitões fartos e bem firmes, chama atenção também pela beleza de seu rosto e cabelo, sempre faz muito sucesso na praia de Itaipu que costumamos frequentar.
Tati sempre foi muito safada na cama, é do tipo de mulher que topa tudo, adora sexo anal e levar gozada na boca, adora uma putaria, sempre gostamos de fantasiar uma terceira pessoa na nossa cama, seja homem ou mulher, o tesão vai a mil e gozamos loucamente.
Confesso que sempre fiquei com muito tesão imaginando minha esposa sendo fodida por outro macho na minha frente, sentando e rebolando aquele bundão numa rola bem grande e gozando feito uma puta louca.
Essa ideia começou fixar na minha mente, e eu contei pra Tati que queria sair da fantasia pra realidade, conversamos abertamente sobre o assunto, disse a ela que a gente era maduro suficiente pra realizar nosso desejo e que nada ia abalar nosso amor, começamos pesquisar sobre o assunto na internet e vimos que muitos casais são adeptos desse tipo de prática, Tati ficou interessada e perguntou se eu tinha certeza que era o que eu queria, respondi que sim, que ia ser bom pra gente sair da rotina e além do mais ia ser um segredo só nosso.
Começamos procurar um candidato que fosse atraente pra minha esposa e principalmente educado e discreto, encontramos o Paulo num site de relacionamentos, moreno, 30 anos, solteiro, bonitão e corpo sarado, estava procurando por sexo sem compromisso, principalmente com casadas, sigilo absoluto, Tati logo se interessou e começou bater papo com ele todas as noites durante duas semanas.
Resolvemos então marcar o encontro, Paulo sugeriu que fossemos ao apartamento dele já que morava sozinho e ninguém nos conhecia por lá, aceitamos, Tati fez cabelo, as unhas dos pés e das mãos, depilou toda bucetinha, ficou maravilhosa e num domingo a tarde fomos até o bairro de Alcântara que fica numa cidade vizinha da nossa, Paulo nos recebeu muito bem, muito educado e comunicativo, logo ficamos a vontade, o apartamento era pequeno mas muito jeitoso e limpo, bebemos umas três cervejas pra relaxar, Tati usava um vestido curto sem nada por baixo, toda safadinha louca pra levar rola daquele estranho que acabara de conhecer pela internet.
O cara não tirava os olhos da minha mulher nem por um segundo, parecia um lobo faminto, já dava pra ver o volume do cacete na bermuda, já estava duro, Tati também reparou e não conseguia nem disfarçar que tava louca pra pegar naquela rola.
Resolvi dar a deixa pro nosso novo amigo agir, pedi pra ir ao banheiro pra deixar os dois a vontade, fiquei lá por uns oito minutos, minha ansiedade estava a mil, eu suava e tremia de nervoso só de imaginar a cena que eu ia ver em instantes quando saísse daquele banheiro, uma mistura de ciúmes e tesão tomava conta de mim, tomei coragem e abri a porta, cheguei na sala e eles não estavam mais lá, me dirigi até o quarto sem fazer barulho, a porta estava entre aberta, fiquei ali paralisado vendo minha mulher beijando o Paulo na boca e punhetando o cacetão com uma das mãos, devia ter uns 20cm pelo menos, bem grosso e com um cabeção rosado, o safado já estava pegando na bunda dela por baixo do vestido, ela deixou as alças caírem e ficou nuazinha, Paulo já foi caindo de boca nos peitões da minha mulher e tocando a buceta com os dedos fazendo ela gemer de prazer.
Depois ele deitou na cama e ela já foi por cima mamando o pirocão, lambia, chupava e mordia, esfregava no rosto, se deliciava naquele cacete enorme e duro feito pedra, dava pra ver a cara de felicidade da safada, ela jogou a buceta na cara dele e fizeram um 69 cheios de tesão, ele chupava a buceta dela e tentava enfiar a língua no cuzinho fazendo minha esposa gozar na boca dele feito louca, não me aguentei e cheguei bem perto pra ver melhor, Tati segurou minha mão e pediu pra eu sentar na beira da cama, tá gostando amor ? ela perguntou, não era isso que você queria ? ver sua esposinha com outro macho ? agora aguenta que eu vou me acabar nesse pauzão gostoso.
Tati se posicionou com a buceta em cima da vara de Paulo e me perguntou mais uma vez se eu tinha certeza, só acenei com a cabeça que sim e engoli seco, ela foi sentando e a buceta foi engolindo o cacete inteiro até as bolas, ela começou uma foda intensa, rebolava se esfregava toda, subia e descia na vara com maestria, gemia louca de tesão, me olhava nos olhos e me dizia que tava muito gostoso, que tava bom pra caralho, que aquilo que era um pau de verdade, ai que macho gostoso amor ela gritava, obrigada amor por me deixar trepar com esse macho, ai como é bom, eu vou querer esse pau sempre amor, ai que foda gostosa ela dizia.
Eu já tava quase gozando com meu pau dentro das calças sem tocar, só de ver minha esposa se acabar naquele pau, Tati gozou pela segunda vez e o rapaz fodia sem parar, parecia uma máquina de sexo, deitou minha esposa com as pernas bem abertas e fodeu gostoso a bucetinha da safada num papai mamãe maravilhoso, os dois se beijavam de língua enquanto ele socava tudo na minha mulher, daí ele anunciou que finalmente ia gozar, tirou o caralho de dentro, arrancou a camisinha e deu um banho de porra nos peitões de Tati, os dois foram pro chuveiro e ficaram lá na maior sacanagem, eu assistindo tudo, gozei dentro da cueca e fiquei todo melecado.
Não demorou os dois já estavam na cama novamente, dessa vez ele comeu minha mulher de quatro, segurava ela pela cintura e socava sem dó, dava pra ouvir o barulho do saco batendo na buceta, Tati gozou feito puta levando vara naquela posição.
Ele ainda fodeu ela de ladinho e meteu também tipo frango assado com as pernas da minha mulher por cima dos seus ombros. O safado me perguntou se eu deixava ele comer o cú da minha mulher, perguntei a Tati se ela queria e ela falou pro macho com maior cara de puta, come logo meu cú seu puto, mete essa rola no meu rabo que eu quero gozar com a pica atolada lá dentro, Paulo meteu de uma vez sem cerimônia, Tati urrava de prazer, dizia mete, mete, soca no meu rabo, come meu cú seu safado, come seu puto, come meu rabo pro meu marido ver, mostra pra ele como um macho fode um cú de vagabunda, olha meu maridinho, olha como ele me come gostoso, aiiii, caralhoooo, tô gozando porraaaaa.
A vadia da minha esposa gozou tanto dando o cú que caiu quase desfalecida na cama com a respiração ofegante, disse que tava toda ardida e não aguentava mais, mas o Paulo queria mais, queria gozar também, então ela começou chupar e punhetar o caralho até que ele gozou quase um litro de porra lambuzando o rosto inteiro da minha esposinha safada.
Nessa altura eu também já tinha gozado também na punheta, foi uma tarde maravilhosa e inesquecível. Minha mulher e eu gostamos tanto que até hoje frequentamos o apartamento do Paulo, ele virou amante fixo da Tati, eu dou autorização até para os dois se encontrarem em motéis a sós e peço pra ela me contar tudo depois, virei um corno feliz e realizado, nosso casamento só fortaleceu depois disso tudo, recomendo a todos que deixem o preconceito de lado e façam suas esposas felizes.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,46 de 26 votos)

Por #

11 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Marcele Milf

    Muito bom , adorei, queria ter um amante assim também que me fizesse gozar feito louca, amo meu marido, mas ele é ruim de pica.

  • Responder Patrão Safado

    Otimo conto. Não tem coisa mais gostosa que comer uma Casada na frente do Corno. Você que deseja Ver sua Esposa , Namorada , Noiva sendo Fodida com força e vontade, em um sexo sem compromisso, entra em contato. Vou adorar te fazer de Corno . l.lui [email protected] Sou do interior de SP e estou proximo a Sorocaba.

  • Responder Gaúcho

    Acho legal um casal liberal. Só não entendo porque o marido não participa? Fazendo uma DP. Beijando e chupando os seios dela enquanto o outro cara mete. Só olhar satisfaz o corno? Mas o conto é muito bom. Parabéns.

  • Responder Sabrina

    Acho uma merda esse termo amante fixo, porra a mulher ja trai pq não quer ter um macho fixo ai fica con dois fixos, tem nem lógica.

    • CLEITON

      Vdd Sabrina Bom dia … adoro esse tipo de relacao ..meu skype [email protected] ..sou casado

    • Patrão Safado

      Realmente Faz todo sentido seu comentário.

    • Ana Moreira

      Acho que é mais um expressão! No fundo é um amigo colorido…

    • Beto liberal

      Eu discordo.
      Na história em questão tudo foi feito com conhecimento e participação do marido, isso se chama CUMPLICIDADE, e não traição.
      E nesse caso o fato de ela transar com outro não quer dizer que ela não quer um “macho fixo”, apenas que o casal deseja novas aventuras e sensações, e pode surgir uma afetividade, ou apenas satisfação com o novo parceiro TAMBÉM.
      Minha esposa teve um amante por mais de dez anos, e outro, no mesmo período, por cerca de cinco anos… Ou seja, em determinado período teve três amantes fixos, eu de Niterói que sou o marido e sempre fui seu amante, um de SC e outro de SP

  • Responder Tropy

    Delícia de conto, excitante

  • Responder Karl

    Muito bem escrito.