# # #

Eu, a mãe e o filho gay

1161 palavras | 9 |4.52
Por

Há dois anos atrás conheci Camila num app de encontros, uma bela mulher de 30 anos, bunda gostosa, peitos deliciosos, tinha umas estrias, mas nem ligo pra isso. Separada e com um filho que, na época tinha 13 anos, chamado Cristiano. Eu achava que seria só mais uma foda e tchau. Mas curtimos o momento e partimos pra uma segunda, terceira e acabamos saindo várias vezes.
Ela era muito boa de cama e sem tabus. Chupava bem demais, dava o cu gostoso e dizia que meu pau era ideal pra sexo anal, não muito exagerado. Realmente meu pau não é grande, mas nunca deixei mulher nenhuma na mão. Ela era muito tarada e eu também, talvez por isso tenha dado certo, tanto que já estávamos saindo há três meses e ela resolveu me apresentar para o filho, que ela o chamava de Cris.

Marcamos uma pizza num sábado à noite. Cheguei no apê dela e me apresentou o filho. Um menino bonito, loirinho, tamanho normal pra idade e logo de cara saquei que o menino era delicado. Pedimos a pizza e fomos papeando. Camila abriu um vinho, chegou a pizza e comemos, conversamos muito, eu só vendo os trejeitos do menino. Percebi que eles eram muito ligados, ela dava bastante atenção à ele e nas conversas ele participava, dava opiniões, achei bem esperto pra idade dele, apesar de eu não ter muito contato com adolescentes.

Era tarde e disse que ia embora, mas os dois insistiram pra eu dormir lá e, como tava louco pra meter na Camila, fiquei. Demos uns amassos na sala, o Cris assistindo TV e olhava de canto de olho. Cris diz que vai dormir e ficamos lá nos amassos. Eu a chupei, ela me chupou e metemos. Coloquei ela de 4 apoiada no sofá e sentei o aço nela, que gozou. Tirei da buceta e soquei no cu dizendo que ia gozar. Metia sem dó alucinadamente e gozei, quando olho pro lado e vejo o menino no corredor, parado, com a mão no pau. Saí de cima, tentei me cobrir com uma almofada e a Camila, já largada no sofá, mas ainda de costas, olha pro menino e diz:

_Vem dar beijo de boa noite na mamãe, filhinho.

O moleque veio, deu um beijo de selinho na mãe, olhou com cara de safado pra mim e voltou pro quarto dele. Caralho! Que porra foi aquela? Olhei pra Camila e disse:

_Que porra foi essa? Ele viu a gente trepando e você deu beijinho de boa noite?
_Acha que ele não sabe essas coisa? Hoje em dia vê tudo na internet e eu já falo sobre sexo com ele há muito tempo.
_Tudo bem, mas ele ver a gente trepando é estranho, não acha?
_Ele já viu inúmeras vezes eu e o pai dele. Mas você é o segundo que trago em casa.
_O que aconteceu com o primeiro?
_Tivemos a mesma situação e ele achou estranho e nunca mais voltou, que é exatamente o que você vai fazer, né?

Nem sabia o que responder, mas confesso que fiquei excitado com aquilo. Estranho, mas muito excitante. Resolvi dormir lá e pensar nisso depois. Acordamos e demos uma trepada matinal, só que o Cris não assistiu, mas Camila gemeu alto, sem nenhum pudor. Parecia gostar de fazer isso.
Tomei café e vazei, porque tinha que pensar.

Eu tava gostando daquela vagabunda e não queria ter que procurar outra puta no app. Liguei o foda-se e resolvi curtir a fantasia da mina.
A coisa foi evoluindo e chegou no ponto de meter na Camila com o moleque batendo punheta na poltrona. Sinceramente, aquele fetiche bizarro me deixava louco de tesão. Já estávamos juntos seis meses e Camila veio me dizer que o filhinho dela é gay (puta novidade kkkkkk) e queria que eu o descabaçasse. Na hora eu disse que nunca faria isso. Confesso que já tinha comido um gay, mas foi muito tempo atrás.
Mas aquela vagabunda sabia como me convencer e acabei concordando. Sei lá o que me deu, acho que estava apaixonado por ela e fazia tudo que aquela puta pedia.

Marcamos o dia, era sábado, e fui pra lá. Começamos nos amassos e o menino ali no sofá. Eu maderando a mãe e ele já com o pau de fora, duro. Ela gozou em cima de mim e desceu pra me chupar.

_Vem filho. Vem com a mamãe.

Nessa hora não queria saber de mais nada. Cris veio e senti a boca dele devorar meu cacete. Camila veio me beijar e perguntou se estava bom, só balancei a cabeça dizendo que sim. Realmente estava muito bom e não era possível que ele fosse virgem. Camila diz pro filho ficar de 4 e me puxa pra lamber o cuzinho dele. A princípio não estava afim, mas quando olhei aquele cuzinho rosado e cheguei perto, todo cheiroso, como o da mãe, não resisti e lambi, chupei, linguei e devorei. Cris gemia e Camila sorria pra mim. Ela afasta minha boca, me beija e pega o lubrificante e passa no cu do filho e no meu pau.

_Vai com carinho que ele é virgem. – disse Camila.

Coloquei na portinha e brinquei um pouco e enfiei a cabeça, Cris soltou um gritinho e Camila disse pra ele relaxar. Enfiei mais um pouco e ele gemeu.

_Aguenta filhinho que já foi metade.

Esperei o menino relaxar e vi Camila acenar com a cabeça. Fui socando e Camila segurando Cris enquanto ele gemia. Chegou no fundo, Cris respirou fundo e comecei a meter nele. Confesso que tava muito gostoso. Camila pegou minha mão e me fez punhetar o garoto que não demorou e gozou. Continuava bombando o rabinho dele e Camila pediu pra gozar dentro dele. Gozei gostoso naquele cuzinho virgem. Caí sobre ele todo suado e troquei beijos com a mãe dele. Que loucura foi aquilo, me deu muito tesão.

Por mais estranho que eu achei, sei lá, me deu muito tesão. Eu e Camila conversamos muito depois daquele dia e decidi não me afastar e continuar fudendo os dois. Descobri que ela tinha ensinado o filho a fazer boquete com um consolo dela e que ele tinha que perder a virgindade com um homem.

Nossas fodas melhoraram muito, hoje beijo na boca dele e até chupo o pau dele, mas ele e a mãe só trocam beijos e carícias.

Às vezes penso que somos doentes e foi errado fazer isso, mas depois fico de boa pensando que poderia ser algum fdp aí fora e traumatizar o menino. Hoje moramos juntos e quero que o Cris arrume um macho mas continue dando pra mim. Não sinto atração por homens, só penso em fazer com ele, sei lá, eu gosto do menino.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,52 de 52 votos)

Por # # #

9 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Crentelho Hipócrita

    Meu sonho encontrar uma namorada assim.

  • Responder Fabinho

    Putz que conto massa. Ahhh mas vc gosta de homem chegou até a chupar o moleque. Muito bom e vc sou usar palavras excitantes. Parabéns. Poderia continuar, Inclua o PAI dele na estória.

    • Paizão

      No final faltou dizer que acordou do sonho. Isso não existe de mãe arrumar macho pro filho. Comer enteado tem demais, mas sempre escondido.

  • Responder Daniel Coimbra

    Tesão demais. Todo macho merece um dia passar por uma experiência dessa.

  • Responder Casadobi

    Muito bom, conta mais dessa relação

  • Responder Boomer

    Caralho que delícia conta mais sobre essa transa

  • Responder O eclético

    Esse é o meu sonho. Comer a mãe e o filho novinho. Se tiver de 8 a 10 anos, melhor ainda.

    • Boomer

      Tbm tenho essa vontade. Já namorei uma mãe solteira com dois meninos um de cada pai mas nunca rolou nada com eles
      E essa história não é inédita, trabalhei com um cara que comia o enteado mas a mãe não sabia. Eu ficava louco de ouvir ele contar

    • Nathan17

      Boomer, faz um conto e escreve sobre esse amigo