# # #

Juliana, a magrela rabuda – convite ao estupro!

2583 palavras | 1 |3.14
Por

Na casa morava Juliana e sua filha… Juliana já era observada por muitos tarados…

Juliana, uma mulher respeitada, magra, branca, 32 anos, cabelos lisos claros, óculos, peitos pequenos, mas com uma bunda empinada e cu virgem… com uma bunda que deixava os homens loucos de tesão para enraba-la.
Seu marido era daqueles que não parava muito em casa, discutiam bastante, nem comia mais ela, pois alegava que ela nunca liberou o cu e isso o fazia nas suas viagens, ficar biscateando, deixando ela sempre sozinha em casa, mas um dia tudo mudou.
Nesse dia, ela acordou cedo, tomou um banho quente como de costume, colocou uma calcinha asa delta, que ela gostava pois sua bunda era avantajada naquele corpo magro e deixava mais à vontade, vestiu por cima uma calça de malha branca, bem fina que colava e marcava seus pequenos lábios vaginais, deixando um pacotinho delicioso e a bunda engolia tanto a calcinha quanto a calça que atolava no rabo da falsa magra …concluiu com uma camiseta justinha, tênis e saiu para uma caminhada e na volta passar na padaria.
Não tinha quem deixasse de fitar aquela mulher deliciosa, fossem estranhos que assoviavam e mexiam com frases tipo: …oh gostosa quer uma caroninha …que delicia de rabo …vamos lá pra casa magrela delicia… como tinham também os conhecidos que sabiam que ela era casada, mas também eram loucos para come-la, que à fitavam e diziam: …bom dia jú, tá animada hem …assim você deixa os homens sem jeito hem gata… e assim todos babavam pela Juliana.
E assim eram suas caminhadas matinais e ela adorava ser desejada pelos homens, mas nesse dia ela já se aproximava da padaria, um carro preto com vidros fumês, que a rodeava à alguns dias em suas caminhadas, encostou primeiro na porta da padaria, onde desceram 3 homens, um mais velho em torno de uns 50 anos, careça e tatuado e outros 2 negros duns 40 e poucos anos, fortes também e ao descerem do carro ficaram aguardando ela chegar, fitando-a de cima à baixo e ela passando por eles, o careca lambeu os beiço e disse: Olha a gostosa aí pessoal, que rabo gostoso que deve ser não? Um dos negões respondeu: se for comprar pão, pode economizar porque tem 3 bengalonas aqui pra você deliciosa.
Ao ouvir esses comentários bem fortes, ela se sentiu amedrontada, tentou abaixar sua camiseta com propósito de esconder sua bunda, mas era impossível, pois sua camiseta era curta e assim ela entrou na padaria.
Como de sempre naquele horário a padaria era bem movimentada, ela pegou pão e outras coisas e se dirigiu para a fila do caixa que ficava separado aos fundos junto à saída e ela não percebeu q o careca já se encontrava em sua frente na fila que estava grande, com algumas latinhas de cerveja e os dois negões também com cervejas foram atrás dela. Quando ela percebeu que os dois estavam atrás, ficou impaciente em sair logo dali, mas um dos negões discretamente foi checando mais próximo dela ao ponto de encostar seu pau que estava totalmente duro de tesão e ela já bastante nervosa tentava ir pra frente, mas notou que o careca estava em sua frente, olhou pra ela e deu uma risadinha sínica; nisso o negão se aproveitou vendo ela com as duas mão ocupadas com sacolas, segurou ela pela cintura e puxou sua bundona de encontro ao seu pau e rapidamente cochichou em seu ouvido: quietinha madame, só quero sentir um pouco desse rabo gostoso no meu cacete, não faça nenhuma gracinha que será pior e vai passar vergonha aqui, entendeu? Ela aflita com a situação que se encontrava, não respondeu nadinha, começou a tremer e o negão vendo ela aflita, ficou ainda com mais tesão e corajosamente e discretamente tirou aquele enorme pau pra fora e alojou ele no meio da bunda dela pressionando o cuzinho, dizendo baixinho em seu ouvido: Tu é muito gostosa gata, já estamos de olho em você à dias e vimos que provoca os homens com essas suas calças coladinhas …vamos dar uma voltinha de carro com agente, deixa nós te foder gostoso, deixa? Ela apavorada respondeu que nunca iria com eles e que jamais estaria provocando ninguém e ao olhar pra traz viu o enorme cacetão do negão alojando-se no seu rabo e na pura aflição, não podendo ir para frente disse: Você tá louco, tira isso da minha bunda ou vou gritar agora, vou chamar a polícia pra vocês três, seus tarados. O negão ficou apreensivo e antes de guardar o cacete dentro da calça, deu uma estocadinha no cu dela e passou a mão na bucetinha, dizendo: Tá bom, não precisa fazer cagada, mas um dia isso tudo vai ser nosso gostosa … você provoca sim madame e logo vai achar oque merece.
Depois disso o careca pagou suas cervejas e ao sair deu uma piscadinha discreta para os dois negões e saiu com o carro, enquanto a Juliana após sair da padaria foi aos passos largos para sua casa.
Passaram-se uns 5 minutos e o careca voltou com o carro e disse para os comparsas: Confirmei, ela mora lá naquela casa que imaginávamos mesmo e deve estar sozinha lá.
O negão chamado Chicão, que havia encochado ela na padaria respondeu: Vamos ter que dar uma jeito de entrar lá e foder a magrela, mas saibam que ela não é fácil como pensávamos, ela vai dar trabalho pra nós, não é safada não, pelo contrário me deu mais tesão em ver q a potranca provoca, mais tem medo.
Eles entraram no carro e passaram na frente da casa dela e por ser bem cedo, as casas ao lado não apresentavam movimentos de ninguém e Chicão disse: Vou descer e pular o muro dela e tentar rende-la e abro o portão para vocês, fiquem com o carro desligado mais ali na frente.
Ele viu pelo portão gradeado que não havia cães e pulou o muro, indo por um corredor aos fundos da casa, notou pela janelinha do banheiro que tinha gente tomando banho e assim continuou andando para ver se tinha mais barulho de outras pessoas dentro da casa e intuiu certamente que era a Juliana que estava no banho, sozinha na casa. Com isso ele foi as portas do fundo e para sua sorte a porta estava aberta e ele entrou em silêncio total, observou quartos vazios e num deles a calça e calcinha de Juliana jogada na cama, ele se aproximou, pegou a calcinha e começou a cheirar, lamber e tirou o pau pra fora se masturbando. Ele ouviu o chuveiro desligar e ficou escondido lá mesmo no quarto, atrás das cortinas longas e passando uns minutos, ouve a porta do banheiro se abrir e nota que ela já estava dentro do quarto, peladinha.
Ele, já com o cacete pra fora, não se aguentando de tanto tesão, deu uma espiadinha pelo vão da cortina e viu ela toda branquinha já se vestindo ao som de uma música, colocando uma tanga atolada no rabo, peitos pequenos empinados com os bicos rosados, passando creme pelo corpo todo.
Ele esperto fez um movimento com a cortina de propósito e ao ver a sombra dela próxima, fez movimento brusco agarrando-a com a cortina que se soltou do trilho e derrubou a Juliana no chão, e quando ela o viu, antes que ela gritasse ele pois uma mão em sua boca e a encochou dizendo em alto tom: Cala sua boca e colabora delicia, estamos de olho em você à dias e queremos apenas te foder gostoso …colabora que não vamos te machucar, vamos fazer oque muitos tarados estão loucos pra fazer …aquele corno do seu namorado ou marido que vimos saindo um dia daqui, não dá conta de você …com essa sua cara de santinha, mas com um rabo provocante desse, merece ser comida por vários machos, não é justo só aquele cara de panaca te foder.
Ele abraçado e apertando ela, que estava com um dos braços imóveis pela posição, à beijava, lambia, mordiscava seu pescoço, orelha, desceu uma das mãos por dentro da calcinha, apertou e começou a movimentar sua rachinha e ela se mexia como podia, tentando se livrar daquele monstro e já com lágrimas nos olhos, aflita, notando que ele estava tentando posicionar seu cacetão na porta da sua buceta e vendo que aquele pau era descomunal e iria arromba-la, disse: Por favor não, me solte, faço qualquer outra coisa, mas não coloque isso em mim …eu nunca trai meu marido …eu arrumo dinheiro pra te dar … para para, me solta.
Ele diz: Minha delícia, como é seu nome? Tô sentindo que sua bucetinha tá ficando molhadinha, ela tá querendo meu cacetão dentro dela …deixa eu por pra dentro e logo já vou me embora.
Ela afoita e resistindo com uma das mãos à penetração dele em sua buceta, murmura: é Juliana meu nome, por favor não, não e não, me solte e vá embora, está me machucando nessa posição, para, para.
Nisso, ela deu uma vacilada e o negão conseguiu alojar a cabeça do seu cacetão na xota dela e iniciou a penetração dizendo: Nossa Juliana, que buceta apertada, que tesão hem …agora essa buceta tem dono de verdade …o corno do seu marido tem pau pequeno mesmo hem …sua bucetinha vai ter um pauzão que merece …fica quietinha, relaxa e senti o prazer da minha tora negra, magrela deliciosa.
Ele à apertava e sem dó penetrava a buceta, que aos gemidos e com os olhos lacrimejando, tentava sair, mas era impossível, ele já estava se alojando na xana dela e com estocadas violentas ia abrindo caminho, restando a ela apenas resmungar e xingar: Seu monstro, olha oque você está fazendo comigo, me solta animal …negro sujo e fedido …ta doendo, tira essa coisa de mim, tire seu negro imundo.
Com esses xingamentos, o negro se enfureceu, estacou seu enorme cacete com força e alojou por inteiro dentro da buceta dela, dizendo: aguenta branquela que é só o começo viu, hoje os negão fedidos e o careça vão te fuder geral …vai virar uma putinha arrombada.
Ela tentava gritar, mas era abafada pela mão dele, que com movimentos fortes, estocava até o fundo da buceta dela e saia, durante uns 10 minutos e gozou dentro, dizendo: Ai que tesão, gozei litros de porra bem lá no fundinho dela, minha magrela gostosa …sentiu o leitinho quente lá dentro? … eu notei que você fechou os olhos, gozou também com o negão?
Ela com uma cara de furiosa, diz: Seu negro filha da puta, olha oque você fez comigo …tira esse troço de mim e some daqui agora, ainda tá me machucando, tira e suma daqui negro sujo …vai vim gente aqui em casa, suma seu fedido.
Ele beijou a boca dela à força novamente e disse: Pare de me ofender magrelinha rabuda … dependendo se vir mais algumas delicias igual você, eu e meus parças que tão lá fora, esperamos até de noite… eles tão seco pra foder você, mas se tiver mais algumas, é melhor pra nós …tá vendo, meu cacetão tá duro e nem quer sair mais da sua buceta, só se for pra entrar no seu cuzinho, magrela!
Nisso, ele tentou enfiar o dedo no cú dela e ela gritou alto, mas logo ele tapou sua boca e disse: nossa, que isso magrela …seu cuzinho é lacrado …que tesão, o corno nunca fodeu seu cú …deixou pra mim atolar tudo e estourar as pregas …será um grande prazer estocar tudo no seu cu …faz anos que não fodo um cuzinho virgem!
Ela se apavorou novamente e retrucou: isso jamais …na minha bunda nunca vão colocar …nem pense nisso seu negro fedorento.
Ele puxou suas duas mãos para traz e as amarrou com a fita da cortina e disse: Você tá muito raivosa magrela, só te amarrando mesmo pra mim te enrabar gostoso … fica quietinha aí que eu vou procurar algum creme ou óleo pra ficar mais fácil comer teu cuzinho apertado.
Ela ficou deitada de bruços com as mãos e braços amarrados e ele se levantou indo procurar o banheiro e chegando em uma porta no corredor, perguntou pra ela se ali era o banheiro e ela bravejou: não entre aí, o banheiro é no final do corredor e não tenho creme nenhum lá, vá embora seu fedido!
Ele entrou no quarto e de lá disse: Hum, esse quarto é de uma princesa bagunceira pelo jeito, camisolinha, pijama jogados.
Juliana furiosa respondeu: Saia daí, são minhas roupas e as vezes minhas sobrinhas dormem aqui.
Nisso ele sai do quarto com seu cacetão pulsando, cheirando uma calcinha e dizendo: Essa aqui num é sua não, magrela rabuda… é uma tanga pequena com cheiro de bucetinha virgem …nossa, eu nunca fui muito fã de novinhas, mas essa babinha amarela seca nessa tanguinha tem um gosto único de virgindade e me deu um tesão danado … pelo jeito ela é ancudinha igual você …e os meus dois parceiros lá fora, se verem isso, vão querer esperar pra foder essas gatinhas.
A Juliana aflita, disse: Largue essa calcinha e sumam daqui, elas não moram aqui e nunca vocês vão nem encostar nelas, seu fedidos.
O negão viu o celular da juliana e pegou, dizendo: Hum, acho q aqui encontro mais da franguinha dona dessa calcinha, né magrela rabuda? Ele lambendo a calcinha e complementou: Tem umas calcinhas maiores lá, mas estão freadas de merda e dona delas, já deve estar liberando o rabo hahahaha … mas pelo jeito a dona dessa calcinha aqui é lacradinha de tudo e eu tô quase gozando de vontade foder ela.
O celular dela estava desbloqueado e o Chicão começou a fuçar nele, voltou a deitar atras da juliana e disse: Hum, enquanto procuro aqui vou foder um pouco mais dessa sua buceta gostosa, tá? …agora que ela já está se acostumando com meu pauzão, vai ser fácil e mais gostoso pra você.
Ela sempre aflita, respondeu: Chega disso, solta meu celular por favor não, está doendo ainda.
Mas ele nem aí, já foi enfiando e estocando, dizendo: Você é muito gostosa Juliana.
Ele metendo e fuçando no celular, achou oque queria e com uma felicidade no rosto disse: Nossa, a dona dessa calcinha é sua filha né? …Olha q gatinha magrinha igual a mamãe, também usa óculos … to vendo aqui que ela te enviou mensagem q logo vai chegar da excursão do colégio … e você vai deixar eu sugar e arrombar a pepeka dela? … já tô me imaginando estocando o cu dela também …que delícia, mãe e filha no mesmo dia em sogrinha hahaha!!!

Vejam esse conto com imagens e vídeos da juliana e muito mais no nosso Blog
https://katy18friends.blogspot.com/2020/04/contos-o-estupro-da-juliana-parte-1.html

Tem continuação em breve…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,14 de 22 votos)

Por # # #

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Tonyalves100

    Meu telegram tonyalves100