Na casinha de boneca

16-06-17 0 ★ 5.00

Quando eu tinha 12 anos, meus amiguinhos passavam a mão na minha bunda, depois de várias discussões, fui me acostumando. Depois passaram a me dar cochadinhas rápidas. Eu já estava gostando de ser o centro das atenções deles, eles se acotovelavam pra encostar na minha bundinha. A noite era que as coisas esquentavam, tentavam tirar meu calção, eu relutava mas gostava. Quando em uma noite de brincadeira na rua, um dos meninos tirou seu pau pra fora e pediu pra encostar na minha bunda, não deixei e saímos para onde estava claro. Tinha uma pequena ordem na fila para ir ficar comigo no escuro, e logo foi a vez daquele que tinha mostrado o pau pra mim. Que já veio de pau duro colar na minha bundinha, passava pelas minhas coxas e tentava entrar dentro da aberturas das pernas. Sai rápido dali para encontrar os outros e ficar a salvo. Em outro dia junto com eles, um deles disse que ficou sabendo que se colocassem uma pomadinha na minha bunda o pau podia entrar sem dor alguma, e nem parecia que tinha entrado. Todos disseram juntos "é" eu nem ia sentir nada. As coisas continuavam como antes, mas eu estava com a pulga da curiosidade me consumindo. Isto passou uns dois meses, até numa tarde eu ir chamar um dos amigos para brincar na rua. Mas ele disse que sua mãe só deixava ele brincar no pátio, então entrei para ficar com ele. Seu brinquedos ficavam espalhados pelo pátio mesmo, bola, bicicleta e alguns carrinhos que já não brincava mais. E uma casa de boneca da sua irmã que a tarde estava na escola. Ele passou a mão na minha bunda e fez sinal pra entrar na casinha da sua irmã, que tinha uma coisa pra me mostrar. Entrei curioso pra dentro e ele entrou junto, pegou um tubinho de uma pomada que não lembro e disse que queria passar na minha bunda. Ele foi logo me posicionando na janelinha da casinha e baixando meu calção. Senti o gelo daquela pomada encostar no meu reguinho e ficar fazendo voltinhas no meu cuzinho. Ele pedia meu silencio e continuar vigiando sua mãe. O dedinho dele entrou sem muito esforço, o medo e o desejo estavam me deixando louco. Ele tira a mão da minha bunda, isto me causa estranheza, me viro para olhar o que estava acontecendo e vejo ele lambuzando a cabecinha do pau. Ele pede para eu não desgrudar da janela, o pau dele escorrega ora pra cima ora pra baixo. Segurando seu pau e encostando na entradinha do meu cu, ele vai forçando e sinto que vai entrando, centímetro por centímetro ele entra todinho. Peço para ele tirar e colocar mais pomada, agora esta mais confortável. Estamos adorando, eu sentindo uma coceirinha incontrolável e ele elogiando minha bundinha. Depois que ele disse que tinha gozado e mesmo assim não tinha parado de meter, foi que ficou mais gostoso sentir o pau dele deslizando em meio a pomada e o leite dele. Eu estava gostando tanto quando fomos interrompidos pelos chamados de sua mãe para ele ir na escola buscar a irmã. Ele escondeu a pomada dentro da casinha e saímos para a escola sem dizer nada. As tardes ele me fazia de mulher dele dentro da casinha de boneca da irmã, eu estava dependente da comidinha dele. Aquela coceirinha não passava mais, quando os outros me cochavam no escuro, ele me comia de verdade. Até os outros dois amiguinhos nos pegarem no flagra e me comerem também. Aquela noite fui abusado por todos, enquanto meu primeiro machinho morria de ciúmes, mas tinha que aceitar porque os dois eram maiores que ele. Eu estava me sentindo a rainha da cocada na rola deles. Consegui acalmar ele dizendo que ia continuar indo na casinha de boneca com ele. Enquanto ninguém desconfiava de nós dentro da casinha, eu deixava ele exausto de tanto meter e gozar em mim. A noite tinha mais, aqueles dois me davam muito leitinho. Ficou meio que combinado sem estar combinado, as tardes eram na casinha e as noites eu era dos dois. Em breve vou contar o desenrolar desta história.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 2 votos)

Nenhum comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos